16 de outubro de 2014

Invisível - David Levithan e Andrea Cremer

Lido em: Outubro de 2014
Título: Invisível
Autores: David Levithan e Andrea Cremer
Editora: Galera Record
Gênero: YA/Sobrenatural/Fantasia
Ano: 2014
Páginas: 322
Nota
Sinopse: Uma soma de imagens. Um mosaico de reflexos. É na percepção do outro que se borda a própria individualidade. Mas e quando se é uma folha em branco?
Quando não há nada? Nenhuma representação?
Stephen passou a vida do lado de fora, olhando para dentro. Sempre um forasteiro. Amaldiçoado desde o nascimento, ele é invisível. Não apenas para si mesmo, mas para todos. Não sabe como é seu próprio rosto. Sem o olhar do outro, é incapaz de desenvolver o seu.
Ele vaga por Nova York, à deriva, em um esforço contínuo para não desaparecer completamente. Sua mãe morreu e o pai é apenas um cartão de crédito. Sua essência está cada vez mais fraca, quando um milagre acontece. Um milagre chamado Elizabeth.
Recém-chegada à cidade, a garota procura exatamente o que Stephen mais odeia. Uma certa invisibilidade. A possibilidade de passar despercebida, depois de sofrer com a rejeição dos amigos à orientação sexual do irmão.
Perdida em pensamentos, Elizabeth não entende por que seu vizinho de apartamento não mexe um dedo quando ela derruba uma sacola de compras no chão. E Stephen não acredita no que está acontecendo... Ela o vê! Alguém finalmente consegue enxergá-lo.
Logo, ambos se tornam mais que amigos. E são jogados em um mundo fantástico de feitiços e sortilégios. E tanto Elizabeth como Stephen precisam decidir o quão longe irão para quebrar a maldição. Estariam dispostos a enfrentar a maior de todas, a morte?

Resenha: Invisível é um livro de David Levithan (Todo Dia, Will e Will, Nick e Nora, Garoto encontra Garoto...) em parceria com Andrea Cremer (Nightshade), e lançado no Brasil pela Galera Record.

Stephen é um garoto invisível. Uma maldição fez com que ele nascesse e permanecesse dessa forma e mais forever alone não há. Ele nunca se viu no espelho, não sabe suas características físicas e tenta levar a vida como pode, sem incomodar nem assustar os outros pra pensarem que ele é alguma assombração, nada disso... Ninguém pode vê-lo e ninguém sabe que Stephen existe, exceto sua mãe e seu pai. Ele perde a mãe e não pode contar com o pai pois ele nunca quis saber do filho amaldiçoado e acha que sustentá-lo financeiramente, e de longe, é sua única obrigação.
Um belo dia, ao voltar pra casa, Stephen se encontra numa situação desconfortável, pois viu a nova vizinha precisando de ajuda mas a única coisa que poderia fazer seria ignorar e esperar que ela entrasse em casa pra que ele pudesse entrar na sua sem ninguém morrer do coração ao ver a porta se abrindo sozinha.
Porém, enquanto ele estava parado esperando, Elizabeth lhe pergunta por que diabos ele não estava ajudando com sua sacola caída. Stephen surta! Agora ele pode ser visto? Estaria curado? Oh, meu Deus, seria um milagre?! Mas não... Elizabeth é a única que pode vê-lo. Ainda assim Stephen sente que já não está tão sozinho nesse mundo e acaba encontrando em Elizabeth o que mais queria, mesmo que ela estivesse procurando exatamente o que ele tem. Dizem que polos opostos se atraem, e em Invisível, isso acontece, até certo ponto...

Narrado pelos pontos de vista de Stephen e Elizabeth em capítulos alternados, Invisível mescla ficção com fantasia, sobrenatural e romance. É visível a diferença da narrativa entre os autores e os capítulos destinados a Stephen, escritos por David Levithan, são muito mais agradáveis de serem lidos. A forma como o autor transcreve sentimentos e emoções é incrível e acho que se o livro fosse inteiramente escrito por ele eu teria gostado mais. A narrativa de Andrea não é ruim, mas senti que faltou algo, mais profundidade, mais emoção, mais consistência para fazer com que os temas presentes na história fossem críveis e não dessem a impressão que se perderam adentrando um tema inesperado, e principalmente, senti falta de uma conexão melhor entre a parceria dos dois autores. Acho que quando um livro é escrito em dupla, o ideal seria manter um padrão de narrativa para haver uma ligação como se fosse um autor só em vez de transparecer que cada detalhe e cada personagem foi desenvolvido separadamente por autores diferentes. Senti que lia dois livros ao mesmo tempo e isso eu não curti, pois fiquei com a impressão de que cada autor queria escrever uma coisa diferente e não chegaram num consenso. Ficava ansiosa pra ler Stephen pra ficar suspirando com seus pensamentos impactantes e profundos... Mas ficava com preguiça de ler Elizabeth por ser distante e fria. Entendo que ela estava passando por uma situação nada bacana, seu irmão foi vítima de bullying por ser gay e ela queria sumir da face da Terra. Às vezes também quero sumir, sou antissocial e enxerguei um pouco de mim nessa personagem, mas isso não quer dizer que eu tenha gostado dela.
O livro começou muito bem, mas no decorrer da leitura tudo fica complicado, pois a fantasia imposta para explicar a invisibilidade de Stephen é muito exagerada e repentina, assim como o amor a primeira vista que surge alí.
Os dois rapidamente de tornam muito mais do que simples amigos, como se pudessem enxergar o interior um do outro e quando pensei que o que seria aprofundado seria esse primeiro amor, a descoberta dos sentimentos, o alívio por enfim ser visto e não estar mais sozinho, em que um aprenderia com o outro e etc, tudo se perdeu pra dar lugar a busca louca pela quebra da maldição. Sem contar com o motivo mirabolante e forçado para explicar o motivo de Elizabeth conseguir ver Stephen. A ideia de que "o amor está onde menos se espera depois de tanto esperar" perdeu a vez e a história ficou sem rumo, rasa e acabou que nenhum dos elementos presentes foram bem desenvolvidos para convencer. Ao final senti que li pra não chegar em lugar nenhum.

E claro que devo elogiar a capa, de uma simplicidade única e ilustrando perfeitamente um ponto invisível com aplicação em verniz isolada entre os demais pontos amarelos, enquanto a contracapa é o contrário: vários pontos em verniz com um único amarelo solitário, A cor é chamativa e muito bonita e a falta de ilustrações me agradou demais.
As páginas são amareladas, a fonte tem um tamanho padrão e não encontrei erros na revisão. São caprichos que demonstraram o cuidado e carinho da editora com o livro que tanto prometia e que merece uma estrelinha exclusiva.

Mas enfim... é complicado quando investimos numa leitura esperando uma coisa e nos deparamos com outra. Às vezes somos surpreendidos, mas nem sempre de forma tão positiva assim. Preferia que a história não tivesse mudado o rumo e tivesse sido melhor combinada ao ser escrita, com começo, meio e fim que se encaixassem bem e fizessem sentido como um todo, e assim acredito que teria gostado e aproveitado muito mais.
É um bom livro, cheio de frases de impacto ótimas para se refletir acerca de sentimentos, solidão, amor e afins. Tem bastante ação e aventura, mesmo que comece dramático. Gosto de fantasia, mas não curti muito a mistura feita neste livro em particular e acho que diferente de outras parcerias que o autor fez, essa não funcionou tão bem quanto pensei.


2 comentários

  1. Oi,

    terminei esse livro semana passada e adorei! Também gostei mais do Stephen e da narração do David Levithan, mas não achei a escrita de Andrea ruim ou pior que a do David. E gostei dessa diferença entre as narrativas, para mim deixou o livro mais dinâmico e cada escrita combinou perfeitamente com seu personagem. Diferente de você, achei que a história tomou os caminhos certos e que os autores não se perderam. Mas concordo que o romance entre os protagonista foi repentino demais! Eu gostei da capa, ela é bem poética, mas prefiro a original, que tem mais a ver com os desdobramentos do livro! Ótima resenha!

    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Querendo ler esse livro, tenho ouvido falar coisas muito postivas do livro, obrigada pela resenha que tb me auxulia.

    ResponderExcluir