21 de janeiro de 2017

Sete Minutos Depois da Meia-Noite - Patrick Ness

Título: Sete Minutos Depois da Meia-Noite
Autor: Patrick Ness
Editora: Novo Conceito
Gênero: Fantasia/Juvenil/Drama
Ano: 2016
Páginas: 160
Nota:
Onde Comprar: Saraiva | Submarino | Americanas
Sinopse: Conor é um garoto de 13 anos e está com muitos problemas na vida.
A mãe dele está muito doente, passando por tratamentos rigorosos. Os colegas da escola agem como se ele fosse invisível, exceto por Harry e seus amigos que o provocam diariamente. A avó de Conor, que não é como as outras avós, está chegando para uma longa estadia. E, além do pesadelo terrível que o faz acordar em desespero todas as noites, às 00h07 ele recebe a visita de um monstro que conta histórias sem sentido.
O monstro vive na Terra há muito tempo, é grandioso e selvagem, mas Conor não teme a aparência dele. Na verdade, ele teme o que o monstro quer, uma coisa muito frágil e perigosa. O monstro quer a verdade.
Baseado na ideia de Siobhan Dowd, Sete minutos depois da meia-noite é um livro em que fantasia e realidade se misturam. Ele nos fala dos sentimentos de perda, medo e solidão e também da coragem e da compaixão necessárias para ultrapassá-los.

Resenha: Sete Minutos Depois da Meia-Noite é um drama juvenil publicado no Brasil pela Editora Novo Conceito e recentemente teve sua adaptação cinematográfica lançada dos cinemas.

O livro conta a história de Conor O'Maley, um garotinho de treze anos que mora na Inglaterra e está passando por uma fase muito difícil e delicada em sua vida. Sua mãe está com câncer, já num estado bastante avançado, e não anda respondendo muito bem aos tratamentos e por isso a avó de Conor, uma bruaca velha e horrorosa, vai passar uns dias em sua casa, para o desgosto do garoto. Seu pai é ausente, mora nos Estados Unidos e até já tem outra família. Na escola ele nunca foi notado por ninguém, até começar a ser constantemente provocado por um dos alunos "valentões". Como se isso não fosse o bastante, ele ainda anda tendo pesadelos terríveis e começa a receber a visita de um teixo monstruoso e gigantesco que se levanta da terra e vao ai seu encontro exatamente às 00:07hs.
Mas Conor não teve medo do monstro, e inclusive o enfrentava com toda a sua coragem. O que o monstro queria era lhe contar três histórias em troca de Conor lhe contar uma quarta história verdadeira, mas, o garoto não quer aceitar uma verdade que o fará lidar com o pior problema que está enfrentando...

Narrado em terceira pessoa, o leitor acompanha o dia-a-dia de Conor, seja em casa fazendo suas tarefas e cuidando da mãe, seja na escola se metendo em problemas, ou seja no meio da noite quando ele recebe a visita do Teixo. Com o desenrolar dos acontecimentos vamos percebendo o quanto Conor é um garoto inseguro, por mais que ele demonstre ser cheio de coragem, e o quanto ele teme perder a pessoa que ele mais ama nesse mundo a ponto de se negar a encarar os dolorosos fatos.
Embora Conor seja uma criança, ele sabe se virar sozinho já que a mãe constantemente é incapaz de realizar atividades simples por estar tão debilitada, e diante de todos os problemas que o garoto enfrenta, o monstro é a única figura amigável com quem ele pode contar, e não importa que suas histórias sejam trágicas.

As histórias que o monstro conta são metáforas muito sutis e sempre trazem alguma mensagem relacionada à perda da qual ninguém está realmente preparado e que, querendo ou não, é algo que faz parte da vida de todos nós.
A primeira história tem elementos de contos de fadas com um toque de crueldade no que diz respeito à humanidade quando objetivos precisam ser alcançados, não importa que meios sejam utilizados para se chegar ao fim.
A segunda história é um contraste do que significa alguém que se diz firme na fé mas no fundo não acredita realmente no que prega, o que eleva consideravelmente o conceito da hipocrisia e até explica o motivo das coisas nem sempre darem certo pra essas pessoas.
A terceira história já retrata um homem cansado de sua condição de ser "invisível", e está diretamente relacionada com a vida de Conor.

De forma geral, é como se o monstro fosse aquele empurrão que Conor precisava para ter certos tipos de atitude das quais, normalmente, ele não teria. Eu gostei muito da construção dele, pois ele se mostra uma criatura imponente, cheio de poder e que intimida, mas ao mesmo tempo é benevolente e age muito mais com a razão do que com a emoção.
"... Sua mente vai acreditar em mentiras agradáveis e ao mesmo tempo vai reconhecer as verdades dolorosas que tornam essas mentiras necessárias. E sua mente vai puní-lo por acreditar nas duas coisas."

"- Você não escreve sua vida com palavras - explicou o monstro. - Você escreve com ações. O que você pensa não é tão importante. Só é importante o que você faz."
- Pág. 149
A capa do livro é a mesma do filme, a diagramação é simples, os capítulos são curtinhos e possuem títulos que descrevem resumidamente o que vem a seguir. As falas do monstro são apresentadas em italico mas não gostei muito da fonte utilizada alí por considerar que ela é meio floreada com algumas letras pouco legíveis.

A narrativa é muito fluída, direta e embora as poucas páginas foram mais do que suficientes para contar uma história melancólica, delicada e que emociona com uma mensagem de esperança e de amor muito bonita. Amar também significa deixar partir... Às vezes só dizer a verdade não basta, por mais que libertador que isso possa parecer... É necessário aceitá-la, mesmo que essa verdade nos machuque.

Nenhum comentário

Postar um comentário