15 de janeiro de 2017

Cicatrizes - K.A. Robinson

Título: Cicatrizes - Torn #1
Autora: K.A. Robinson
Editora: Fábrica 231/Rocco
Gênero: Romance/New Adult
Ano: 2016
Páginas: 288
Nota:
Onde Comprar: Saraiva | Submarino | Americanas
Sinopse: Foram poucos os relacionamentos de Chloe até a chegada à universidade. Ela escolheu ingressar na West Virginia e cursar Psicologia pela oportunidade de permanecer perto de Amber, a melhor amiga, e Logan, o fiel escudeiro e amigo desde os tempos de ensino médio. Chloe nunca teve uma boa convivência com a mãe, drogada e desequilibrada.
Mas justamente no primeiro dia de aula, o destino de Chloe começa a ser traçado em outra direção. É quando ela senta ao lado de um típico bad boy tatuado, piercings nos lábios e nas sobrancelhas. O coração bate mais forte, a respiração fica alterada, e a boca seca. Drake Allen é o motivo. Dono de um mustang e vocalista da banda Breaking the Hunger, o rapaz é bastante assediado pelas fãs e não se prende a ninguém.
Drake não resiste à troca de olhares com Chloe, quando se esbarram pela primeira vez na sala de aula. É o início de uma relação com muitos obstáculos, movida por desejo e paixão intensos. Mas Drake se declara num momento em que Chloe, desiludida, resolve ceder aos encantos de Logan, o melhor amigo, que há anos nutre um amor platônico, e que finalmente tem coragem de se declarar.
Seria válido trocar um amor seguro por um músico bad boy, ou mais cômodo manter a amizade disfarçada de namoro? De um lado, Logan, lindo, gentil e carinhoso. De outro, Drake, uma paixão rude e avassaladora. Mas por que será que os caminhos do coração indicam sempre as curvas mais tortuosas? Chloe decide então seguir em frente na busca pela felicidade, mas não contava que o passado voltaria a bater em sua porta. 

Resenha: Cicatrizes é o primeiro volume da trilogia Torn escrito pela autora K.A. Robinson e publicado no Brasil pelo selo Fábrica 231 da Editora Rocco.

Chloe é uma jovem que sempre teve problemas em casa com a mãe viciada em drogas e totalmente desequilibrada. Ingressar na faculdade seria uma forma de deixar esses problemas pra trás e ficar livre, ou pelo menos ela pensou que sim, e ela está bem satisfeita por ficar mais próxima da amiga, Amber, e de seu antigo e "fiel escudeiro", Logan que também estão na faculdade junto com ela.
Mas logo no primeiro dia de aula, Chloe se senta ao lado de Drake, o clássico bad boy cheio de piercings e tatuagens, vocalista de uma banda e super cobiçado pela mulherada. A atração é instantânea mas, segundo Chloe, seria impossível que Drake a notasse.
Desiludida, Chloe resolve dar uma chance a Logan, que sempre fora apaixonado por ela, mas com a aproximação, Drake, enfim resolve se declarar...
O que fazer diante dessa situação? Dar uma chance a Logan, tão amável e gentil, ou investir numa paixão avassaladora com o misterioso Drake? A ideia de Chloe é ser feliz, mas isso será um pouco complicado quando ela tiver que confrontar o passado outra vez...

A escrita da autora é bastante leve e envolvente, mas isso não significa que a história tenha me surpreendido de forma muito positiva... O livro é narrado em primeira pessoa pelo ponto de vista de Chloe, e entendo em partes que isso seja um fator que não proporcione ao leitor tantas informações sobre os demais personagens quanto eu gostaria, afinal, é a protagonista descrevendo as coisas a partir do que vê e do que sente. Mas, a partir do que Chloe descreve, os personagens aparentemente são adoráveis, mas foram explorados com tanta superficialidade que se tornaram vazios, comose estivessem alí pra enfeitar.
Geralmente livros New Adult são clichês e apresentam personagens com algum trauma vivenciado no passado para que a história tenha a devida carga dramática, mas em Cicatrizes, esse fator não é aprofundado e acaba não ganhando a importância que deveria para fazer jus ao gênero. Não importa que o livro seja recheado de clichês, desde que eles sejam inseridos de uma forma convincente, que cative e que envolva, e isso não acontece aqui...
E como se isso já não fosse um problema considerável o suficiente, ainda temos o famoso - e terrível - triângulo amoroso. Confesso que já me deparei com alguns poucos livros abordando triângulos que, pela situação em si, convenceram e até me arrancaram lágrimas ou suspiros, mas o que dizer quando uma protagonista intragável e sem personalidade resolve se aventurar com dois caras sem saber o que quer? E não, se envolver com dois garotos não vai curar as cicatrizes de ninguém, muito pelo contrário, só vai causar mais dor de cabeça e trazer mais confusão pra vida dos envolvidos. O que parece é que o drama está alí por acaso e o foco da história fica sobre o triângulo e as experiências mais quentes vivenciadas pelos personagens, como se tudo se resumisse a isso.

O que posso, de fato, elogiar nessa obra é o trabalho gráfico. A capa é muito bonita, a fonte utilizada é bastante adequada e os detalhes em alto relevo dão um charme a mais ao livro, mas não se deixe enganar por ela, por favor... A escrita da autora é boa, e esse foi o único fator que me manteve lendo até o fim, mas ao fechar o livro, minha única reação foi revirar os olhos e pensar no tempo que perdi.

De forma geral, posso dizer que não faz mal uma autora utilizar de fórmulas tão batidas quanto essa para criar a própria história: garota linda que não enxerga atrativos em si mesma, melhor amigo apaixonado por ela, jovens quebrados que precisam recomeçar de alguma forma e encontram o que procuravam um no outro, até surgir mais alguém... Mas, a forma como a história foi desenvolvida, a falta de profundidade nos personagens, a total previsibilidade da trama e os incontáveis clichês fizeram de Cicatrizes uma grande decepção pra mim, infelizmente.

Nenhum comentário

Postar um comentário