16 de dezembro de 2016

Amor em Jogo - Simone Elkeles

Título: Amor em Jogo - Wild Cards #1
Autora: Simone Elkeles
Editora: Globo Livros
Gênero: YA
Ano: 2014
Páginas: 360
Nota:
Onde Comprar: Saraiva | Submarino
Sinopse: Derek acabou de ser expulso do colégio interno em que estuda desde que seu pai foi convocado pela marinha. As coisas vão de mal a pior quando recebe a notícia de que terá que abandonar a sua Califórnia para morar com sua madrasta, na cidadezinha natal dela. A última coisa que ele precisava agora é se envolver em mais um drama familiar.
Já Ashtyn se esconde atrás de uma fantasia de vida perfeita: boa aluna, a única menina - e capitã! - do time de futebol americano da escola e namorada do quarterback promissor. Longe de um conto de fadas, Ashtyn sente-se deslocada. Quer deixar tudo para trás e correr em busca de uma bolsa de estudos em alguma faculdade bem longe de sua vida atual.
O encontro de Derek e Ashtyn revelará seus medos e exigirá deles toda a coragem para assumirem suas verdadeiras personalidades - e seus desejos mais secretos.

Resenha: Derek é um "garoto problema". Tendo fama de bad-boy na escola, sua rebeldia tem como base a ausência do pai, que por ser da marinha passava mais tempo no mar do que em casa com a família, e a morte da mãe, que perdeu uma batalha para o câncer.
Após ter aprontado no colégio interno em que estudava, Derek foi expulso, e foi obrigado a se mudar para Chicago com sua jovem madrastra, Brandi.
Ashtyn mora com o pai e soube há pouco tempo que sua irmã mais velha, Brandi (a própria), iria passar uma temporada por lá. Ashtyn não é nada comum se comparada as outras garotas da idade dela e tem grande resistência em se aproximar da irmã já que ela foi embora alguns anos atrás, abandonando-a.
Como se o encontro com Brandi já não fosse muito complicado para Ashtyn, conhecer Derek irá despertar nessa garota tão durona alguns sentimentos dos quais ela vai fazer de tudo pra evitar.
Eles sentem uma atração recríproca logo de cara, mas também irão lutar contra isso como ninguém, afinal, Ashtyn já está num namoro complicado e ter um garoto revoltado que está alí por obrigação morando debaixo do mesmo teto que ela vai ser mais difícil do que ela imaginou.

A narrativa é feita em primeira pessoa e se alterna entre os pontos de vista de Derek e Ashtyn em capítulos super curtinhos (são mais de cinquenta capítulos divididos em  pouco mais de trezentas páginas). A escrita é bastante envolvente, fluída e gostosa de se ler. Além de ficarmos por dentro dos pensamentos dos personagens de forma mais íntima, um ponto muito legal é que por mais que nós, leitores, saibamos do que se passa com os dois, nem sempre um personagem sabe o que acontece com o outro, e vice versa. Isso deixa a trama bastante dinâmica e até divertida por mostrar protagonistas vivendo encontros e desencontros e se desentendendo feito loucos em meio a nova situação em que se encontram e que eles tentam evitar a todo custo. Os diálogos também são bastante inteligentes e isso colabora para a fluidez da história.

Amor em Jogo é meio complicado de ter o gênero definido pois pelo que pude perceber ele está entre o Young Adult e o New Adult. Podemos encontrar elementos dos dois, mas mesmo que tenha o sexo como um dos temas, o que ganha mais foco são questões adolescentes, e mesmo que os personagens já estejam na faixa dos dezessete, dezoito anos, saindo do ensino médio e indo pra universidade, na teoria, eles são mais maduros e com atitudes menos infantis (se existe algum subgênero para tal, nunca ouvi falar). Mas tendo em vista tais características e apesar de ter considerado a história bem bolada, achei os personagens um pouco superficiais, e por esse motivo não consegui me conectar a eles como gostaria. É como se algumas atitudes não se justificassem, eu tentava me por no lugar deles e não entendia por que diabos fizeram alguma coisa... Já em outras partes fiz o mesmo mas consegui entender e talvez teria a mesma atitude. Confuso, não?

A história, basicamente, gira em torno dos dramas de Derek e Ashtyn, que sofreram perdas no passado e que por isso mudaram suas formas de agir e enxergar o mundo como um tipo de "defesa". Crescer sem a presença de um dos pais e conviver diariamente com aquela sensação de abandono não é fácil e pode ser um fardo doloroso pra se levar. Enquanto Derek perdeu a mãe e não convive com o pai, Ashtyn foi abandonada pela mãe e pela irmã e convive com um pai totalmente relapso (e Brandi voltar não melhora muito as coisas). Ambos estão quebrados de forma bastante similar, e além da rebeldia no comportamento, existe a questão da falta de confiança e até da falta do amor próprio. Talvez pelo livro ser voltado para o público jovem, tais traumas não tiveram um aprofundamento tão grande assim para explicar o motivo dos protagonistas quererem se isolar e impedir que haja qualquer tipo de aproximação mais íntima, e quando começamos a torcer pra que tudo se resolva, fim!

Mas confesso ter gostado do desenvolvimento dos personagens, de como as situações que lhes foram impostas serviram como experiências para que ambos pudessem amadurecer suas ideias e conceitos, enquanto temas do cotidiano adolescente são levantados de forma bastante leve como forma de fazer com que os leitores possam até refletir sobre eles.

A capa é bastante simples e agrada visualmente, mas não capta a essência da história. Não que isso seja um ponto negativo, pra mim só desperta a curiosidade para ler o livro. A diagramação é simples, as páginas amarelas e os capítulos são identificados pelo nome do protagonista da vez.

O livro recheado de clichês, afinal, é mais comum do que parece encontrarmos histórias onde o casal traumatizado com algum fato passado e triste se conhece e logo de cara se odeia e com o passar do tempo aprende a se gostar, mesmo que finjam o contrário. Mas embora seja clichê, isso não quer dizer que o livro seja ruim, não... Quando o desenvolvimento é feito de forma satisfatória e tem um enredo bem construído a ponto do leitor se envolver, gostar, e ainda torcer pelos personagens, é indício de que a autora apostou em elementos comuns mas conseguiu trabalhar com eles da maneira certa.

Enfim, pra quem quer fugir de histórias que abordam conflitos e dramas desinteressantes da garota popular da escola com o novo bofe, mas também está saturado de romances com o bad-boy traumatizado e revoltado com a garota perfeitinha e ingênua, Amor em Jogo traz uma história que pega parte dessas características mas transforma em algo bem diferente.

Nenhum comentário

Postar um comentário