29 de novembro de 2015

Perdidos por aí - Adi Alsaid

Título: Perdidos por aí
Autor: Adi Alsaid
Editora: Verus
Gênero: YA
Ano: 2015
Páginas: 294
Nota
Onde comprar: Saraiva | Submarino | Americanas
Sinopse: Quatro jovens ao redor do país têm apenas uma coisa em comum: uma garota chamada Leila. Ela entra na vida de cada um com seu carro absurdamente vermelho no momento em que eles mais precisam de alguém.
Entre eles está Hudson, mecânico em uma cidadezinha, que está disposto a jogar fora seus sonhos de amor verdadeiro. E Bree, uma garota que fugiu de casa e curte todas as terças-feiras — além de algumas transgressões ao longo do caminho. Elliot acredita em finais felizes... até sua vida sair totalmente do script. Enquanto isso, Sonia pensa que, quando perdeu o namorado, também perdeu a capacidade de amar.
Hudson, Bree, Elliot e Sonia encontram uma amiga em Leila. E, quando ela vai embora, a vida de cada um deles está transformada para sempre. Mas é durante sua própria jornada de quase sete mil quilômetros através do país que Leila descobre a verdade mais importante: às vezes, aquilo de que você mais precisa está exatamente no ponto onde começou. E talvez a única maneira de encontrar o que você está procurando seja se perder ao longo do caminho.

Resenha: Perdidos por aí, escrito pelo autor Adi Alsaid é um livro composto por um conjunto de cinco histórias curtas sobre quatro jovens ao redor do país, Hudson, Bree, Elliot e Sonia. A única coisa que eles têm em comum é Leila, uma adolescente texana que resolveu viajar em seu velho Plymouth Acclaim e acaba se esbarrando com cada um deles em sua longa viagem rumo ao Alasca a fim de fotografar a aurora boreal para, segundo ela, um projeto do colégio.

Observação: Como vocês verão a seguir, optei por separar a resenha em partes, destinando um pequeno resumo seguido da minha impressão das histórias individuais dos personagens, mostrando o que pude absorver de cada uma delas. A resenha ficou imensa (acho que a maior que já escrevi na vida), mas vale a pena ser lida, confiram:

Hudson
A primeira história é a de Hudson, um jovem mecânico que mora em Vicksburg, Mississipi e que trabalha na oficina do pai reparando carros. Ele sonha com uma bolsa de estudos para que possa fazer faculdade de medicina e ter um futuro. Na manhã do dia seguinte ele teria uma entrevista com o reitor da faculdade. Até que Leila vai até a oficina pois seu carro andava fazendo muito barulho, saindo de seu trajeto com a desculpa de que Hudson seria o melhor mecânico da região.
Obviamente o garoto não deixa de reparar em como Leila é bonita e chama atenção, e conversa vai, conversa vem, eles resolvem dar um passeio pela cidade para que ela pudesse conhecer os pontos turísticos e acabam tendo um breve envolvimento romântico que marcaria a vida dele pra sempre.

Esta primeira história, na minha opinião, faz com que o leitor reflita sobre oportunidades e acasos, pois nem sempre perder o que desejamos significa o fracasso. Às vezes, acreditamos que algo é o melhor, mas no fundo aquilo pode ser uma coisa que não queremos de verdade, só não nos damos conta até que algo aconteça para nos fazer enxergar, mesmo que de forma tardia. Temos que investir no que gostamos para vivermos os nossos próprios sonhos em vez dos sonhos dos outros...

Bree
A segunda história é a de Bree, uma jovem aventureira que caminhava pelo acostamento de uma estrada no Kansas. Eis que Leila surge com seu carro velho e vermelho na estrada e oferece a carona que Bree precisava. Ao questionar sobre sua história, Leila descobre que Bree é o tipo de garota que vive cada dia como se fosse o último, gosta da adrenalina e gosta de se sentir viva, nem que pra isso tenha que transgredir algumas leis de vez em quando.
Depois de ter fugido de casa há alguns meses por ter se desentendido com sua irmã mais velha, Alexis, Bree não pensa em mais nada a não ser se jogar no mundo e fazer o que tem vontade quando e como quer.
Quando as duas se metem em encrenca, só uma pessoa poderia ajudá-las, e, a partir daí, revelações e sentimentos enterrados há muito tempo acabam vindo à tona.

A história de Bree é triste e confesso ter ficado com os olhos cheio de lágrimas. Bree é uma adolescente imprudente que só pensa em si mesma. Ela nunca considera que suas atitudes podem magoar alguém e acredito que muitas vezes isso acontece na vida real, com pessoas próximas ou com quem nos importamos muito. Mas também acredito que, às vezes, certos tipos de comportamentos não passam de mera fachada. Há pessoas que se apegam à coisas que elas pensam que precisam ou gostam, quando na verdade estão mascarando seus sentimentos para não assumirem que são humanas e passíveis de erros, fingindo serem quem não são, e a história de Bree reflete exatamente esse tipo de situação.
Existem problemas que são reversíveis, magoar aqueles que queremos bem não é a solução pra nada, e quando há oportunidade para voltar atrás, nem que pra isso seja necessário engolir o orgulho, ser humilde e fazer um pedido sincero de desculpas, não se deve pensar duas vezes. As coisas se ajeitam, basta que os erros sejam reconhecidos...

Elliot
Elliot levou um fora de Maribel durante o baile e ficou arrasado. A velha história do "cara, eu gosto de você... como amigo". Andando pelas ruas de Minneapolis, Minnesota, ele sentia que a cidade inteira ria da sua desgraça, sua única vontade era encher a cara de uísque a fim de tentar esquecer que seu coração fora destruído e voltar para Burnsville o mais rápido possível. Até que ele foi vitima de um quase atropelamento, o desvio é rápido o bastante para não acertá-lo em cheio, mas o retrovisor do carro acaba acertando sua garrafa espalhando cacos pra todo lado e fazendo sua mão sangrar muito. A caminho do hospital ele descobre quem é a motorista que "quase o matou" mas, não deixou de prestar-lhe socorro mesmo contra sua vontade: Leila. Ela então fica curiosa por saber um pouco mais da história de Elliot e o motivo dele ter estado na sarjeta, bêbado e quase fora de si, e quando descobre que o problema era uma triste desilusão amorosa, um caso de amor não correspondido, ela decide ajudá-lo a encontrar Maribel com seus planos mirabolantes para que ele pudesse conquistá-la. E os dois partem a procura dela noite adentro com a ideia de que finais felizes existem, pois Elliot acredita neles.

Elliot representa muito bem aquele momento quando pensamos que tudo está perdido porque a pessoa por quem somos apaixonados há anos e anos não corresponde aos nossos sentimentos... Mas será que está perdido mesmo?
Penso que sofrer uma primeira e única desilusão amorosa não significa que o mundo acabou e iremos morrer encalhados depois de vivermos a vida criando gatos. Quando se é jovem e se tem a vida inteira pela frente, descobrimos que nem sempre o amor é um só, e se ele não puder ser encontrado em uma pessoa específica, não quer dizer que não será encontrado em outra, ou em outra, ou em outra... O que é nosso está guardado e quando vem, desde que seja verdadeiro, é pra ficar...
Talvez um "não" não signifique o fim. Talvez seja exatamente o que precisamos ouvir no momento para descobrimos uma força dentro de nós que é responsável pelo impulso que precisamos para lutar pelo que achamos que vale a pena. Assim podemos nos conhecer melhor, saber do que somos capazes e, quem sabe, surpreender muita gente por aí...

PS.: Nota para o fato de que Elliot é um grande fã de músicas e filmes dos anos 80, logo a história dele me trouxe uma nostalgia bastante doce sobre essa época, principalmente quando ele menciona filmes como "Curtindo a Vida Adoidado" e canta na festa se sentindo o próprio Ferris Bueller! Genial!

Sonia
Sonia não consegue esquecer Sam. Ela namorou com ele durante dois anos, mas o rapaz sofreu um colapso num jogo de basquete e não resistiu. A partir daí Sonia ficou com o coração em pedaços e os laços dela com a família de Sam se estreitaram ainda mais.
Sete meses depois, em Hope, uma cidadezinha de British Columbia no Canadá, Sonia partiu para o casamento de Liz, que era irmã de Sam, e, diante disso, se sente uma completa traidora por ter deixado Jeremiah, o irmão mais novo do noivo de Liz, entrar em sua vida depois de tão pouco tempo.
Embora os momentos que Sonia passe com Jeremiah sejam intensos e os dois se gostem muito, ela se sente culpada pela memória de Sam, incapaz de continuar a seguir com sua vida e assumir que encontrou o amor em outra pessoa por medo de ser rejeitada pela família. Jeremiah não aguenta mais manter esse relacionamento em segredo e caso Sonia não assuma em público que eles estão juntos, ele prefere por um fim nessa história.
Inconsolável e sem saber o que fazer, ela sai praticamente sem rumo e ao chegar numa loja de conveniência, se apoia num carro e começa a chorar. Leila, a dona do carro, pergunta se está tudo bem e lhe oferece ajuda. Sonia só quer ficar longe daquele lugar e Leila lhe dá uma carona, mas depois de atravessarem a fronteira de volta para os EUA, ela enfim atende as insistentes ligações de Jeremiah, que havia ligado pedindo que ela voltasse pois as alianças do casamento estavam no bolso do casaco que ela estava usando. O problema é que, quando o assunto é atravessar a fronteira de um país pra outro, as coisas não são tão simples quanto parecem e as duas acabam embarcando numa grande aventura para tentarem voltar pra Hope.

O que as pessoas vão pensar das nossas escolhas importa até que ponto? Sonia é uma boa pessoa e nunca quis magoar ninguém. Ter se envolvido com Jeremiah poucos meses após a morte de Sam não quer dizer que ela é uma vagabunda insensível. Ela perdeu o namorado mas isso não significa que ela tivesse obrigação de viver infeliz, num luto eterno, em vez de seguir em frente. Não é porque perdemos uma pessoa querida que ela deixará de ter um lugar especial em nossos corações. Dar uma nova chance ao amor quando se decide seguir em frente não fará com que o lugar daquela pessoa seja substituído. Pessoas passam pelas nossas vidas, muitas aparecem pra ficar, outras se vão, mas nenhuma delas é substituível. A vida segue e o que se vive com alguém permanece enquanto a memória permitir.

Leila
Leila é um completo mistério desde o início. Ao acompanhar as histórias de Hudson, Bree, Elliot e Sonia percebemos que a garota tem bastante curiosidade pela vida deles e se desdobra para fazer alguma diferença enquanto também vivencia momentos memoráves, mas não fala nada sobre a sua própria história. E agora os reais motivos que a levaram ao Alasca em busca da aurora boreal vem à tona.
A viagem de Leila dura alguns poucos meses, mas os momentos que ela tem com cada personagem são curtos, geralmente acontecem de um dia pro outro até ela ir embora.

Sem dar spoilers, só posso dizer que me emocionei muito com a história de Leila, por tudo o que ela precisou enfrentar sendo tão jovem. Mas se inteirar da vida de desconhecidos com intuito de preencher buracos, embora isso possa servir de exemplo e experiência, não faz com que tais vivências sejam nossas e, talvez, só nos damos conta de que temos que nos agarrar ao pouco que temos para construir nosso futuro, quando nos perdemos. Só assim podemos nos encontrar... A vida vai nos surpreender, é certeza...

Analisando o livro de forma geral
O livro é narrado em terceira pessoa e a leitura é super leve e gostosa de se acompanhar. As descrições dos cenários também são feitas com perfeição e a sensação é de estar viajando junto com Leila. Ao longo das histórias conhecemos esses adolescentes e como eles tiveram a vida mudada quando ela aparece num determinado momento em que eles realmente precisavam de ajuda para abrirem os olhos para o que estavam passando. Confesso que esse ponto me soou um pouco surreal, pois uma adolescente disposta a qualquer coisa pra ajudar um desconhecido aparecer do nada, ou estar sempre no momento e no local exato em que alguém com problemas precisa, não convenceram tanto assim, mas se analisarmos as histórias de forma individual, percebemos que, às vezes, o que acontece é exatamente isso. Pra mim isso mostrou que por mais breve que alguém passe por nossas vidas, nada acontece por acaso e talvez essa passagem aconteça só pra enxergarmos com clareza o que está diante de nós mas não víamos seja pelo motivo que for.

A capa é uma graça e mostra o carrinho vermelho de Leila percorrendo uma estrada. A diagramação é simples, cada história traz o nome do personagem da vez e pelo fato de os capítulos serem poucos, a leitura é feita em questão de poucas horas. Ao fim de cada história há um "cartão postal" enviado por Leila para alguém.

As histórias não tem tanto aprofundamento assim nos personagens a ponto de conhecermos todos eles tão a fundo, mas o pouco que conta já é o bastante pra servir de exemplo pra que a mensagem seja passada adiante. O final não foi tão previsível quanto imaginei. Ele reserva algumas boas surpresas e emociona. Só fiquei com uma leve impressão de que por mais que as histórias tragam mensagens profundas sobre perda, amor, amizade e esperança, elas têm um toque sutil de autoajuda que são capazes de fazer com que o leitor reflita sobre algumas situações reais que podem acontecer com qualquer um, inclusive com nós mesmos, mas as pessoas nem sempre param pra pensar se as escolhas e atitudes que tomam diante daquilo são as melhores.


2 comentários

  1. Oi Flavinha! Tudo bem?
    Eu adorei a proposta do livro! Totalmente diferente do que vemos por ai... A capa é linda e, pelo que senti na resenha, ela tem tudo a ver com a estória, né?!
    Me identifiquei com o Elliot! Pela sua história... e pelo amor aos anos 80! Rsrsr...
    Sua reflexão sobre o fato e as pessoas não passarem por nossas vidas por acaso é algo que faz parte de mim... algo que repito incessantemente por ai!

    Adorei!

    Beijos!
    Fabi Carvalhais
    http://www.pausaparapitacos.blogspot.com.br - @pausaparapitacos - facebook.com/pausaparapitacos

    ResponderExcluir
  2. Fiquei encantada com a resenha! Que livro! Achei muito legal a história de cada personagem e adorei a forma como você escreveu, Flávia, me deixando muito curiosa para ler Perdidos por Ai, fiquei curiosa para saber mais da Leia, que personagem mais misteriosa, já estou com umas teorias, rs. Gostei também que além de proporcionar uma história envolvente, o livro traz mensagens lindas, que vão fazer o leitor refletir. Com certeza vou ler!

    http://www.daimaginacaoaescrita.com/

    ResponderExcluir