25 de novembro de 2015

Ovelha - Gustavo Magnani

Título: Ovelha - Memórias de um Pastor Gay
Autor: Gustavo Magnani
Editora: Geração
Gênero: Ficção/Literatura Nacional
Ano: 2015
Páginas: 228
Nota
Onde comprar: Saraiva | Submarino | Americanas
Sinopse: Este livro, estreia impressionante de um jovem e talentoso escritor, é o relato pecaminoso de um decadente. A história de um homem religioso e carismático, temente a Deus, mas amante insaciável de sua própria carne exótica, a carne de outros homens. Um pastor gay, casado com uma ex-prostituta, filho de uma fanática religiosa. Neurótico e depravado. E agora condenado. Internado no hospital, debilitado e com um segredo de uma tonelada nas costas, este personagem atormentado decide libertar-se de seus demônios e relatar seu drama. Num relato cru e sem censura, ele literalmente vomita seus trinta anos de calvário e charlatanice na cara da congregação (e de qualquer um que se interesse por um bom inferno). Sexo, paranoia, corrupção e destruição são os ingredientes tóxicos dessa obra provocante, polêmica e inovadora.

Resenha: Escrito por Gustavo Magnani, Ovelha - Memórias de um pastor gay é um relato fictício de um pastor evangélico em conflito com sua fé e sua sexualidade e que precisa conviver com seu maior segredo de forma tortuosa durante toda a sua vida.
O livro é composto por crônicas em que o protagonista conversa com Deus em um diário autobiográfico buscando pelo perdão por ter escondido sua homossexualidade ao mesmo tempo em que tenta provar que tal condição é uma aberração da qual ele não conseguiu se livrar. A narrativa não segue um padrão ou uma ordem cronológica mas nem por isso os fatos se tornam confusos para quem lê.
Ao decidir fazer esse relato, ele está internado num hospital após ter contraído HIV, e volta ao início da vida, contando como passou a infância numa igreja, ouvindo sobre moralidade, pecados, o que pode e o que não pode, o que é e o que não é de Deus, até a atualidade, em 2014, quando vai contando de forma gradual e desordenada como foi parar lá, mas sempre ressaltando o que, de fato, gosta, o que sente falta, o que o excita e no que vivia pensando de forma crua, direta e sem censuras.
Desde os quinze anos de idade ele tem plena consciência de que é gay e, embora tenha tentado de todas as formas se curar desta "doença", não poderia fazer nada para mudar isso. Ter uma mãe jamais aceitaria um filho gay e que leva a religião com extremo fanatismo após a morte do pai só fez com que as coisas fossem mais difíceis e "sujas", principalmente por ser o filho "destinado" a se tornar um pregador da palavra. E, seguindo as vontades dela, ele abraça a religião evangélica se tornando pastor, mas ainda que pregue a palavra, ele entra em contradição quando condena pecados que ele próprio comete ao levar essa vida dupla.

O livro é uma enorme crítica à hipocrisia. Retrata a verdade sobre as questões que envolvem religião e homossexualidade e como aqueles que não conseguem ou não podem assumir suas condições, seja pelo motivo que for, vivem de mentiras que acabam por consumí-los internamente.

Acho que quando se escolhe um tema para escrever, não é necessário se fazer alarde sobre o que vamos encontrar. Basta deixar a leitura fluir e cada um que tire as próprias conclusões, sem necessidade de ser informado da dita polêmica antes mesmo da leitura ser iniciada.
Ao saber de antemão que o livro seria polêmico por tocar em assuntos delicados e que geram discussões eternas que nunca levam ninguém a lugar nenhum, criei várias expectativas e ao fim minha impressão foi de que a história tendeu por um caminho que fez com que essa polêmica fosse forçada e aumentada, havendo abuso de ironia e sarcasmo, como se o livro tivesse sido escrito inserindo vários pensamentos e situações explícitas, despudoradas e exageradas - mas que nem sempre colaboram para o desenvolvimento da história ou da trajetória do personagem - só para chocar o leitor devido a tamanha "audácia". Nesse contexto da imoralidade e hipocrisia na religião e na orientação sexual que o protagonista está inserido, quando pensei que alguma situação descrita alcançou um nível de depravação que nunca imaginei ler na vida, logo adiante me deparo com outra ainda pior, e fiquei com a ideia de que tudo aquilo foi criado pra ampliar o problema e para causar desconforto e polemizar de forma proposital. Acho inclusive que o personagem não foi tão bem construído e pode ser considerado genérico não sendo tão possível assim que alguém se identifique com ele devido aos exageros, pois além de não sentir que ele possuísse carisma algum para conquistar o leitor, se a intenção era falar sobre os preconceitos da sociedade religiosa contra os homossexuais que não podem se assumir, ele poderia ser um gay em qualquer outra profissão ou em qualquer outra família...
"Sozinho, busquei as mais diferentes soluções dentro das leia divinas, e não a encontrei. Talvez se buscasse ajuda externa... mas com que cara eu admitiria ser uma aberração?
- Pág. 53
Mas confesso que o livro traz, sim, reflexões sobre fatores importantes como as relações familiares e até onde nos deixamos influenciar por nossos pais, o peso e as consequências das mentiras em nossas vidas, sobre a hipocrisia usada para levar a vida sob fachada conforme a conveniência, a forma como encaramos a religião e o ela espera de seus fiéis e seguidores.
A pessoa tem livre arbítrio para ser e fazer o que quiser, mas até onde é possível usar essa liberdade se existe a limitação ao conservadorismo e ao fanatismo de alguém que não tem a mente aberta e cuja visão também é limitada?
Não vou entrar na questao religiosa pois acredito que religião não é algo a ser discutido. É impossível forçar/mudar a opinião alheia quando o assunto é fé e crença, mas posso dizer que seguir uma religião usando somente aquilo o que convém é muito fácil, e ao capitulo final, no sermão que ele nunca teve coragem de dar, isso fica evidente...

Falando sobre parte física e diagramação, os títulos dos capítulos sempre são sugestivos e já dão ideia do que o texto irá tratar. A capa é bonita, lembra uma biblia e acho que a escolha não poderia ser melhor.
Sobre a escrita, só tenho elogios pois o autor escreve muito bem. Em alguns momentos senti que alguns capítulos eram destinados a polêmica pura, usando palavreados e termos chulos, já outros eram mais reflexivos e profundos, alguns inclusive trazem trechos da bíblia.
Eu só não sei ainda qual foi a intenção da utilização de nomes em letras maiúsculas ou minúsculas para nomes. Talvez seja algo ligado ao estado de espírito do protagonista em acreditar que algo ou alguém está num nível elevado e digno de respeito e enaltecimento ou não, como "deus", "bianca" (a esposa), "Ele" (se referindo a Davi, seu amante), "Mamãe", e por aí vai.

Enfim, não acho que seja um livro cuja leitura será facilmente aceita. É necessário ler com a mente aberta e deixar preconceitos de lado para saber um pouco mais desse pecador que, por mais que tenha sofrido na vida, soube o significado do que é viver intensamente.


Nenhum comentário

Postar um comentário