18 de novembro de 2015

Neve na Primavera - Sarah Jio

Título: Neve na Primavera
Autora: Sarah Jio
Editora: Novo Conceito
Gênero: Romance/Drama
Ano: 2015
Páginas: 336
Nota
Onde Comprar: Saraiva | Submarino | Americanas
Sinopse: Seattle, 1933. Vera Ray dá um beijo no pequeno Daniel e, mesmo contrariada, sai para trabalhar. Ela odeia o turno da noite, mas o emprego de camareira no hotel garante o sustento de seu filho.
Na manhã seguinte, o dia 2 de maio, uma nevasca desaba sobre a cidade.
Vera se apressa para chegar em casa antes de Daniel acordar, mas encontra vazia a cama do menino. O ursinho de pelúcia está jogado na rua, esquecido sobre a neve.
Na Seattle do nosso tempo, a repórter Claire Aldridge é despertada por uma tempestade de neve fora de época. O dia é 2 de maio. Designada para escrever sobre esse fenômeno, que acontece pela segunda vez em setenta anos,
Claire se interessa pelo caso do desaparecimento de Daniel Ray, que permanece sem solução, e promete a si mesma chegar à verdade. Ela descobrirá, também, que está mais próxima de Vera do que imaginava.

Resenha: Neve na Primavera, da autora Sarah Jio é um drama que entrelaça a história de duas mulheres: O ano é 1933 e conhecemos Vera Ray, uma mulher simples que trabalha como camareira no turno da noite em um hotel em Seattle, EUA. Ela cria seu filho, Daniel, sozinha, pois o pai dele sumiu com o anúncio de sua gravidez. A rotina de Vera é bastante puxada e por mais que ela tenha que sustentar e cuidar de Daniel sozinha, ela faz de bom grado por amor ao filho. Numa noite a previsão do tempo indica que a maior nevasca da história da cidade estaria chegando, mas Vera precisava trabalhar e por mais que seu coração tenha ficado apertado por deixar Daniel em casa, ela vai. No dia 2 de maio a grande nevasca atinge a cidade, ficando conhecida como o Inverno das Amoras-Pretas, e quando Vera retorna para casa percebe que Daniel desapareceu. Ela sai pelas ruas em busca do filho mas só encontra seu ursinho de pelúcia caído na neve. Mas Vera não desiste, pede ajuda a polícia e acredita que seu filho fora sequestrado.
Estamos agora em 2010 e a personagem da vez é Claire Aldridge. Claire é uma jornalista que teve a vida transformada após um acidente. Ela perdeu o filho que estava esperando e luta contra o fracasso de seu casamento. Seu trabalho é a única maneira que ela tem de fugir do que a aflige mas faz tempo que ela não encontra nada realmente intrigante para poder escrever a respeito.
No dia 2 de maio, uma repentina onda de frio atinge a cidade, décadas depois da nevasca anterior, e Claire é incumbida de escrever sobre tal fenômeno. Durante a pesquisa ela descobre um recorte de jornal da década de 30 com a notícia do sumiço do garotinho Daniel que continua sem solução nos dias atuais. Ela parte atrás de pistas sobre o ocorrido e promete a si mesma encontrar respostas para o caso do desaparecimento do menino. O que ela não esperava era estar mais próxima de Vera do que imaginou...

O livro é narrado em primeira pessoa pelos pontos de vista de Vera e Claire e os capítulos são alternados entre elas mostrando passado e presente. Acompanhamos Vera em busca do filho no passado, e no presente acompanhamos a vida de Claire.
A narrativa é bastante descritiva mas muito floreada. Minha impressão é de que a escrita é forçada e feita para parecer bonita. O enredo se remete ao mistério do caso de Daniel, mas tudo começa a vir à tona e é posicionado e imposto de uma forma bastante conveniente para facilitar as buscas, como documentos encontrados ou pessoas aleatórias que surgem mas que, coincidentemente, tem alguma ligação com o passado, além de nos depararmos com outras incontáveis coincidências que as protagonistas vivenciam que parecem ser a chave para a progressão da história.
Não senti que a história flui de forma natural e pra mim foi difícil de acreditar nela, ou pelo menos em grande parte dela. O mistério é escasso já que Claire encontra pistas ao acaso e de acordo com a conveniência do que aparece pra ela. Acredito inclusive que se ela tivesse que se esforçar de verdade ao trabalhar nesse caso, sem a ajuda das pessoas que aparecem ou dos documentos que ela encontra por pura sorte e sem ter esforço algum, ela nunca descobriria nada e ficaria andando em círculos eternamente. Sem contar que devido a todas estas coincidências, a trama acabou se tornando extremamente previsível.

Posso dizer que a situação de Vera mexeu comigo pois o amor incondicional entre mãe e filho é algo inquestionável. É possível ver o quanto ela se importou e se dedicou ao filho, pela forma como o criava e até por tudo o que fez depois de ele ter desaparecido.
Claire tenta salvar o casamento falido com um marido distante e desagradável mas não há explicações o bastante sobre o motivo dele ser assim. E se ele já era assim antes, o que levou Claire a se casar com esse homem amargo já que pouco há sobre o motivo de eles terem se apaixonado?
Ao fim, fiquei com mais perguntas do que respostas e essa falta não permitiu que eu me conectasse tão bem quanto gostaria à história.
O fato é que por acreditar não ter mais um motivo que justifique levar a vida adiante, Claire preferiu se envolver com a história de Vera e Daniel deixando a própria vida em segundo plano.
Pra mim os personagens secundários, por mais que demonstrassem ser solícitos e agradáveis, foram um tanto planos e bastante semelhantes uns aos outros e pra mim deixaram a naturalidade de lado.

O que realmente me fez gostar da história - a ponto de achar que, apesar das falhas, é uma leitura válida - foi o drama de Vera diante da preocupação com seu filho. A autora conseguiu passar o que Vera sentia em meio ao desespero da perda do filho e é possível que o leitor também compartilhe dessa dor terrível. Quando se é mãe, damos tudo e mais um pouco de nós em nome do bem estar e da felicidade dos filhos e não posso imaginar qual seria minha reação ao descobrir que um deles simplesmente sumiu enquanto fico de mãos atadas. E como se não bastasse um evento trágico desse tipo sem ninguém que se dispusesse a ajudá-la, ainda vemos como ela ficava a mercê de homens, se sujeitando a trabalhos miseráveis a troco de moedas para seu sustento na época da Depressão. Posso dizer que o que realmente foi convicente na história foi o que ela passou.

Notei que a autora quis abordar os problemas e os contrastes da pobreza com a riqueza na história através de um romance contemporâneo, mostrando como os pobres passam por dificuldades e são injustiçados, mas ainda conseguem fazer o bem mesmo que tenham pouco a oferecer, e como os ricos são beneficiados por terem dinheiro para comparem o que querem mas ainda assim podem ser capazes de fazerem coisas terríveis sem pensar no próximo. E tal ponto de vista sendo passado através de estereótipos no decorrer das páginas foi um tanto cansativo e clichê. Foi repetitivo, como se a ideia fosse fixar aquilo para os leitores não esquecerem.

A capa é bastante sugestiva, pois ilustra bem a questão do referido fenômeno onde neva na primavera. As páginas são amarelas e os capítulos são divididos com o nome da personagem que faz a narrativa da vez.

Pra quem gosta de dramas familiares que envolvem amor, preconceito, perda e também o perdão, através de ligações que ultrapassam os limites do tempo, recomendo.

Nenhum comentário

Postar um comentário