13 de fevereiro de 2015

Luva Vermelha - Holly Black

Lido em: Fevereiro de 2015
Título: Luva Vermelha - Mestres da Maldição #2
Autora: Holly Black
Editora: Rocco  
Tradutora: Regiane Winarski
Gênero: Juvenil/Fantasia/Sobrenatural
Ano: 2014
Páginas: 368
Nota
Sinopse: Após resgatar os irmãos das garras de Zacharov, Cassel tenta restaurar alguma normalidade em sua vida. É uma tarefa nada fácil para alguém que traz a herança dos mestres da maldição e está vinculado a uma das maiores famílias do crime. Mas Cassel, afinal, começa a descobrir como ser um mestre e mesmo assim ter amigos. Porém, para ele, o que é normal nunca dura. Em pouco tempo, Cassel é requisitado pelos dois lados da lei e se vê forçado a confrontar seu passado - de que recorda apenas fragmentos, um dos quais pode inclusive destruir sua família e seu futuro. Ele terá que decidir de que lado vai ficar, porque a neutralidade não é uma opção. E precisará desferir o maior golpe de sua vida para sobreviver...

Resenha: Luva Vermelha é o segundo volume da trilogia Mestres da Maldição, escrita pela autora Holly Black e publicado pelo selo Jovens Leitores da Editora Rocco.

Recapitulando o primeiro livro, Gata Branca, Cassel Sharpe é um jovem que vem de uma família de Mestres da Maldição, pessoas que possuem o poder de alterar memórias, destinos e emoções alheias apenas com um simples toque. Essa prática é ilegal e todos são considerados criminosos. As pessoas com esse dom devem usar luvas de forma que o toque não cause nenhum efeito que vá amaldiçoar alguém. Mas Cassel não poderia ser considerado um criminoso, mesmo que sua família seja composta de criminosos, pois ele, aparentemente, não tem nenhum dos setes toques mágicos: sorte, sonhos, corpo, emoções, memória, morte e transformação... E com o desenrolar dos acontecimentos, acabamos descobrindo que Cassel tinha segredos escondidos que nem ele próprio sabia...

Por se tratar do segundo volume, aqui vai um alerta de spoiler!! E se ainda não leu o primeiro livro, corra pra ler! Vale super a pena!

Cassel teve a memória alterada para acreditar que não possuía poderes e não lembrar que foi usado e traído pelos irmãos, Barron e Philip, para que eles cometessem crimes e saíssem impunes. Eles usavam o poder do garoto para transformar pessoas em objetos. Sem provas, o crime era perfeito. Mas após os eventos do primeiro livro, Cassel conseguiu descobrir que ele era um Mestre, e não um Mestre qualquer, mas o mais poderoso e raro de todos: um Mestre da Transformação.
Assim, também soube que ele não havia matado Lila como imaginou, e que ela agora já não é mais uma gata branca... E sabendo da verdade, Cassel não tem intenção de deixar que ninguém o use mais

Agora, Cassel está de volta para seu último ano em Wallingford Preparatory depois de ter passado as férias de verão na companhia de sua mãe, que saiu da prisão e parece querer aproveitar todo o tempo perdido aplicando novos golpes. Sua mãe é Mestra das Emoções e usa seu dom para fazer com que homens ricos caiam em sua rede, assim como usou de seu toque para fazer com que Lila se apaixonasse por ele.
Na escola, ele reencontra os amigos, mas o que ele não esperava era que Lila aparecesse pra estudar lá acreditando que ficar perto de Cassel iria ajudar a quebrar a maldição, pois ela pensou que ao ver de perto que o sentimento não é recíproco, ela cairia na real. Ledo engano... E como se isso não bastasse pra complicar a vida do garoto, os federais ainda apareceram pedindo a ajuda dele pois Philip, seu irmão, está morto e querem descobrir o que aconteceu e quem foi o responsável pela morte dele.
Zacharov, o poderoso chefe da máfia local e pai de Lila, é o principal suspeito, mas ainda não se sabe.
O problema é que não será fácil lidar com essa situação pois de um lado estão os federais fazendo pressão, enchendo o garoto de perguntas e ameaçando sua família, enquanto do outro lado está o próprio Zacharov que, agora que sabe dos poderes de Cassel, quer que o garoto trabalhe pra ele. Cassel precisa decidir de que lado vai ficar enquanto tenta descobrir quem matou seu irmão ao mesmo tempo que arma o golpe perfeito.

Narrado em primeira pessoa, Luva Vermelha continua sendo viciante. A facilidade e a rapidez com que o livro é lido chega a ser fora do comum pois a leitura é muito fluída e dessa vez sem muitas explicações já que várias delas já foram feitas em gata Branca. A escrita da autora é ótima e ela consegue fazer descrições, construir e manter traços de personalidade com uma honestidade e sinceridade ímpar. Chega até a assustar pois são descrições que geralmente pensamos num impulso e consideramos que outras pessoas não pensem o mesmo. É incrível como ela consegue inserir humor em situações de perigo ou problemas extremos. Dessa forma, o leitor se depara com personagens únicos, pois por mais absurdos, insensatos ou cruéis que sejam, sempre haverá uma tirada ou saída maluca.
"Mais tarde, mamãe aparece no calçadão atrás de mim usando saltos de plataforma. Seu vestido branco esvoaça na brisa do fim do verão. O decote é tão profundo que fico com medo de seus peitos pularem para fora caso ela se mexa rápido demais. Sei que é perturbador eu perceber isso, mas não sou cego."
- Pág. 11
Cassel não é perfeito, e acredito que nem poderia ser já que cresceu numa família de vigaristas imorais e desonestos e ainda tem uma mãe completamente egoísta, egocêntrica e oportunista. Ainda assim, mesmo que nem sempre faça o bem, ele sabe distinguir o certo do errado. O menino é cheio de problemas mas não faz o estilo adolescente revoltado e rebelde sem causa. Mas ele não é santo... o garoto é esperto, engraçado, sarcástico, mas em compensação é arrogante, muitas vezes inseguro e um mentiroso de mão cheia. Ele não hesita em mentir pra Deus e o mundo, enganar os outros, aplicar golpes, esconder provas... É o típico personagem que tem falhas, que tem atitudes erradas cujas consequências só podem dar na maior merda do mundo e ele é o único que parece não enxergar isso. Mas no final é um garoto que só quer ser aceito por quem ele é e que não tem intenção de prejudicar alguém realmente, pelo menos não na seriedade da coisa. Mesmo tendo vivido uma vida fodida, e ainda cercado por idiotas, ele tenta ficar por cima e ainda faria o que pudesse pra ajudá-los. No fundo ele não é uma má pessoa e vai amadurecendo com a experiência de vida que adquire a cada nova situação que precisa enfrentar. Ele ainda não está totalmente livre da maldição da memória que lhe foi lançada, mas aos poucos ele vai descobrindo mais sobre seu passado.
Os relacionamentos de amizade de Cassel que começaram a se formar no primeiro livro, mostrando que pode haver confiança o suficiente para que um ajude o outro foi um dos vários pontos positivos da história. Sam e Daneca, os amigos de Cassel, ganham uma espaço considerável na história e foi super bacana de se acompanhar.

Um ponto bacana, mas terrível, que foi explorado foi sobre o "rebote", ou seja, as consequências que o Mestre sofre com o uso da magia, e podemos ver isso com Vovô, Mestre da Morte e que perdeu partes do corpo com essa brincadeira.
Ainda há o problema com Lila, por por mais que ele goste dela, ele acredita que ela só o ama devido a maldição que sua mãe lançou a ela... Será mesmo? A garota ainda é um mistério pois além desse problema, há a questão dela ser filha de Zacharov que a coloca em um papel complicado, até mesmo porque ela pretende assumir o que vai herdar o pai: o controle da máfia.

Sobre a parte gráfica, a capa segue o mesmo estilo da primeira, a parte interna é preta, o título da obra e do nome da autora são em alto relevo com aplicação em verniz enquanto o fundo é fosco. As páginas são brancas, a diagramação é simples, a fonte é grande com um bom espaçamento entre as linhas.

Geralmente numa trilogia, o primeiro livro é mais introdutório e o segundo funciona como uma "ponte" com informações complementares que conduzem a trama ao terceiro livro, que é onde geralmente acontecem todas as reviravoltas para o grande desfecho, e acho que no caso de Luva Vermelha, essa função de segundo livro ocorre em partes.
A ação não está muito presente no final e talvez tenha sido proposital, evidenciando a inteligência e a esperteza em vez de atitudes drásticas. Se compararmos com o gata Branca, acho que Luva Vermelha não é um livro com acontecimentos bombásticos. Ele segue de forma mais linear, há a inserção de novos pontos a serem trabalhados e desvendados no terceiro livro mas nada muito em aberto. Acho que a leitura foi bem consistente e satisfatória e continuo batendo palmas para a autora por ter criado um universo único e original, com personagens cujas personalidades são muito reais e conseguem fugir perfeitamente de clichês.
E que venha "Black Heart".


Nenhum comentário

Postar um comentário