19 de novembro de 2016

Placebo Junkies - J.C. Carleson

Título: Placebo Junkies
Autor: J.C. Carleson
Editora: Fábrica 231/Rocco
Tradutor: Edmundo Barreiros
Gênero: Drama
Ano: 2016
Páginas: 304
Nota
Onde comprar: Saraiva | Americanas
Sinopse: Audie é uma jovem como qualquer outra, mas encontrou uma forma incomum de descolar uns trocados: ela serve de cobaia para a indústria farmacêutica. Neste irreverente romance, J.C. Carleson, ex-agente da CIA, mergulha no universo pouco conhecido, mas muito impressionante, dos voluntários em série de testes farmacológicos. Na tradição de Trainspotting e Drugstore Cowboy, doses cavalares de humor negro disputam espaço na trama com o drama de jovens que vivem no limite. No caso de Audie, ela precisa juntar dinheiro para oferecer a Dylan, seu namorado que tem uma doença terminal, uma festa de aniversário de 18 anos inesquecível. “Não há ganho sem dor”, ela repete, em meio aos efeitos colaterais das substâncias e procedimentos a que está sujeita e aos esquemas para lidar com eles. Mostrando as entranhas de um mundo desconhecido da maioria das pessoas, Placebo Junkies arrancou elogios da crítica com sua narrativa original e completamente viciante.

Resenha: Audie e a amiga Charlotte levam uma vida nada convencional no que diz respeito ao "emprego" incomum que têm: elas são cobaias humanas, se voluntariam para se submeterem aos mais diversos procedimentos médicos e testes de medicamentos experimentais, e recebem por cada um deles.
Audie planeja juntar dinheiro para realizar uma viagem rumo a um paraíso tropical em comemoração ao aniversário do namorado, Dylan, que tem câncer e está em estágio terminal, e quando Charlotte propõe que elas se inscrevam em todos os testes que virem pela frente, independente do quão perigoso possam ser, Audie topa.
E a partir daí, vamos acompanhando os bastidores da jornada das meninas pelo universo farmacológico, os procedimentos médicos e seus terríveis efeitos colaterais.

A história é narrada em primeira pessoa pelo ponto de vista de Audie. Eu gostei do estilo de escrita e da forma como a história foi contada, e a linguagem vulgar e cheia de palavreados, assim como o humor negro que colaboram para que o leitor fique mais próximo do estilo de vida peculiar e da personalidade dos personagens. Ficamos por dentro da sujeira que há por trás desse universo das cobaias, mas também temos aquela impressão de que vai haver uma luz no fim do túnel. Talvez não seja um livro que vá ser bem aceito por qualquer tipo de leitor justamente pelo tema delicado, pela vida dos personagens e pelo horror que é saber como tal indústria funciona e o que fazem com as pessoas, e ver isso pelos olhos de garotas adolescentes chega a ser doloroso. Mas ao mesmo tempo me peguei pensando que por mais trágico que seja, talvez sirva pra abrir os olhos das pessoas para ver o outro lado da história. Não são somente os animais que sofrem com tais testes... As pessoas também... E aquele creme mágico que serve pra tirar todas as rugas da cara de alguma dondoca pode ter acabado com a vida de algumas pessoas antes de ser reformulado e aprovado para entrar no mercado...

Enfim, Audie tem uma voz muito vívida, mesmo que, às vezes, se encontre em um estado de torpor sem igual. Às vezes ela não soa muito confiável, mas ela faz com que a história seja contada de uma forma cativante e desoladora ao mesmo tempo, o que faz do livro algo simplesmente brilhante e que vai mexer com nossos sentidos.

Não senti muita confiança no relacionamento de Audie com Dylan... A impressão que tive foi que ela faz de tudo por ele mas a coisa toda não é recíproca. Ela vive dizendo o quanto ele é fofo mas as descrições dela pra ausência e falta de interesse dele não parecem ser notadas, e me perguntei se isso é devido ao amor cego que ela sente por ele, ou se pode ser algum tipo de efeito colateral que impede que ela enxergue as coisas com a razão em vez do coração. E isso se extende pelo círculo de amizade dela, pois as coisas vão acontecendo, pois mais trágicas que possam ser, ela fala sobre, divaga, mas ao mesmo tempo não parece se importar muito. Ela é uma boa menina, mas trata tudo com uma frieza e um calculismo que chegam a assustar. A amizade entre ela e Charlotte é um exemplo disso, pois não parece que são amigas que se amam e se respeitam, mas sim que levam a amizade por interesse e conveniência.

Não digo que Placebo Junkies seja um livro totalmente único pois ele tem aquela pegada trash do livro Transpotting, que alguns já devem conhecer, mas posso dizer que a história é bastante diferente e original à sua maneira, prende e é muito empolgante, tanto por trazer uma trama devastadora e cheia de reviravoltas, quanto por ser brilhante em vários aspectos trazendo reflexões que nos fazem questionar a realidade. Até onde uma pessoa é capaz de ir para arriscar sua vida, sua integridade física e emocional por dinheiro?


Nenhum comentário

Postar um comentário