23 de março de 2015

Clube da Liga #2 - A Playlist da Minha Vida - Leila Sales

Lido em: Março de 2015
Título: A Playlist da Minha Vida
Autora: Leila Sales
Editora: Globo Livros
Gênero: YA
Ano: 2014
Páginas: 312
Nota
Sinopse: Elise Dembowski nunca foi popular na escola. Ninguém conversava com ela na hora do intervalo nem a convidava para sair no fim de semana. Pior. Ninguém jamais se interessou em saber o que tanto a ela escutava em seu iPod: playlists com o melhor da música alternativa, único território em que Elise se sente confortável e confiante.
Diante de seu desajuste em relação à maioria, a adolescente tenta de tudo - inclusive a mais radical das saídas, felizmente sem sucesso. No auge de seu solitário desespero, o acaso a leva até a porta de uma balada noturna, via de acesso para um mundo completamente novo, cheio de som e diversão, no qual sua veneração por música funciona como senha para inclusão em um inédito círculo de amizades.
As festas noturnas do Start - o melhor clube underground do mundo - tornam-se o lugar onde a felicidade, a aceitação social e até o amor são possíveis para Elise. Não demora muito para que um misterioso bullying eletrônico e a habilidade da garota como DJ coloquem em confronto este universo com a dura realidade cotidiana.
A playlist da minha vida é uma vibrante fábula pop que lida com temas recorrentes nas obras contemporâneas para jovens: exclusão, invasão de privacidade, resgate de autoestima e muita trilha sonora. Escrito pela americana Leila Sales, o livro se ambienta em dois cenários: o escolar, com sua dinâmica de poder juvenil baseada em “popularidade”, e o da cena noturna, em que adolescentes ensaiam seus primeiros voos para uma existência adulta.

Resenha: A Playlist da Minha Vida, escrito pela autora Leila Sales e publicado no Brasil pela Globo Livros, foi a escolha do mês de Março no Clube de Leitura da Liga.
O Livro conta a história de Elise Dembowski, uma garota de 16 anos nada popular. Ela não tem amigos, a convivência com os pais é difícil - eles são separados e têm a guarda compartilhada-, e ela sempre se sente muito deprimida. Até que depois de uma tentativa mal sucedida de suicídio, Elise tem uma nova chance de viver a vida de uma forma diferente. Quando Elise está com a mãe, ela tem costume de sair pra caminhar sem rumo a noite, e numa dessas andanças encontra com Pippa e Vicky, duas garotas que a levam para a Start, o melhor clube underground de todos, e ao conhecer Char, o DJ, Elise acaba aprendendo a discotecar e encontra ali uma nova paixão e uma verdadeira razão para viver.

A discussão sobre livro dentro do Clube foi algo que abordou o tema bullying e as consequências que isso traz na vida da pessoa afetada. Ela acaba ficando reclusa, piorando ainda mais seu estado de depressão e tristeza, levando-a a atitudes extremas num momento de desespero. Também foi uma discussão que me fez refletir sobre meu relacionamento em família, e até as amizades que possuo, considerando liberdade, afinidade e todos os seus altos e baixos.

O livro é narrado em primeira pessoa e isso, de certa forma, fez com que o leitor ficasse bastante próximo da protagonista ao viver seus conflitos internos, e até mesmos os externos. Elise é frustrada em sua solidão e por isso, tem uma enorme necessidade de ser reconhecida, de ser vista, de se encaixar e se ser amada pelos outros. Até que ela, que já era fã de rock alternativo, descobre a discotecagem, e encontra uma válvula de escape, pois ao fazer o público delirar com as músicas que toca, ela encontra prazer e felicidade, é aquilo que ela tanto buscava a ponto de fazer esquecer por alguns momentos tudo de ruim que passou, além de encontrar a si própria, se descobrir, como se as batidas fossem um tipo de remédio que aliviasse a sua dor. Mas encontrei um pequeno problema nisso, pois ao se descobrir, Elise mostrou um lado egoísta, um lado esnobe, como se ser DJ a tivesse tornado alguém superior e intocável, cheia de pretensão, a dona da festa, e que pudesse julgar quem quer que seja. Porém, quando era ela o alvo de acusações ou críticas, principalmente quando um blog cujo conteúdo falava sobre a vida dela e seus pensamentos mais sórdidos veio a tona e ela afirmava não ser ela a autora, Elise não lutou pra por fim naquilo, não gostava e, pra mim, isso me fez ficar com a impressão de que a hipocrisia andava reinando por alí.
Os demais personagens também foram bastante bem construídos e levantam diversas questões familiares a serem discutidas. Os pais têm a guarda compartilhada da garota mas o que parece é que querem a presença dela e nada mais, como se isso bastasse. Com a mãe, que já tem outro marido e outros filhos, Elise leva uma vida muito mais regrada do que com o pai, que mora sozinho e é músico. A preocupação deles em vigiá-la depois da tentativa dela de suicídio é imensa, talvez por culpa por terem sido alheios e incapazes de perceber o que se passava com a filha, já que ela não demonstrava nem pedia ajuda. Até onde os pais conhecem os filhos? Qual a real finalidade da guarda compartilhada? Como deve ser um relacionamento entre pais e filhos? Quão próximos e íntimos devem ser para se sentirem confiantes e confortáveis para terem liberdade para qualquer tipo de conversa? Mesmo que Elise não quisesse que eles pensassem que ela fosse fazer isso outra vez, uma vez que ela chegou a esse ponto, a confiança é quebrada e nunca mais será a mesma, e acredito que na vida real também é assim, pois queremos proteger quem amamos, mesmo que essa proteção seja dela mesma. O círculo de amizades de Elise, apesar de muito limitado, ajuda a fazer com que o leitor conheça um pouco dela, devido a forma como ela trata e é tratada pelas amigas. Char é o cara irresistível que arranca suspiros e responsável por essa nova Elise que aflora quando encontra refugio na Start, afinal, a ideia de ensinar a garota a discotecar é dele quando ele a deixa incumbida de "virar" uma música.
Um ponto favorável é que a autora explica resumidamente, mas de forma bastante satisfatória sobre a discotecagem num geral, mesmo tendo sentido falta de alguns outros detalhes, como o lance das oitavas por exemplo, mas acho que só mesmo quem conhece esse universo e entende um pouco dele é que se atenta a isso.
É muito interessante como a ideia de a música não ser algo só a ser ouvido é passada. A música é pra se sentir, pra fazer arrepiar, é pra se viver e pra fazer com que a gente se sinta vivo, e isso, através de Char e Elise é possível de se sentir. Não são todas as pessoas que possuem esse dom de "sentir" os sons, e achei incrível como a autora conseguiu mostrar essa sensação através da história de Elise, que se encontrou na música e gostou disso. Ela equilibrou sentimentos que alcançam vários níveis e soube trabalhar bem com os que escolheu.
A abordagem de temas que afetam adolescentes depressivos é feita de forma crua, mas real. Bullying, exclusão, a solidão, a baixa autoestima, a convivência difícil com pais separados que possuem outras preocupações na vida, e até a descoberta de um suposto amor são explorados mostrando a seriedade da coisa dentro de uma narrativa leve, mas nem um pouco despretensiosa.
A capa, apesar de bacana, poderia fazer o estilo da original. Acho que devido a mensagem que o livro nos passa, não achei muito adequado a tradução do título no Brasil. "This Song Will Save Your Life" (Esta Música Irá Salvar Sua Vida), assim como o jogo de palavras feito na capa em inglês (Love), tem um significado muito maior, mais profundo e que combina com a história, e "A Playlist da Minha Vida" não chega nem perto do que Elise nos reserva...
Todos os capítulos se iniciam com um trechinho de alguma música que forma a playlist de Elise, que ama rock alternativo dos anos 70. A narrativa é fluída, cheia de referências musicais fantásticas, mas senti que alguns trechos ficaram meio lentos, mesmo que voltasse ao ritmo um pouco depois, e, por mais fácil que seja, demorei mais do que o normal pra finalizar a leitura.

De qualquer forma, o livro nos mostra alguém totalmente próximo a realidade, que vive problemas e busca soluções como acha melhor, e que mostra a dor e o amor de forma dolorosa, mas, ainda assim, edificante.
Nem sempre uma música ou o talento nato pra ela irá salvar alguém, como foi com Elise, mas pode ser responsável por ajudar quem está com alguns problemas se enxergar na letra e encontrar o impulso que precisa para seguir adiante. Eu confesso que encontrei um pedacinho de mim na história no que diz respeito ao efeito que uma música causa em mim... Quem sabe você não encontre também...

A playlist de Elise:
Wonderwall - Oasis
Here It Comes - The Stone Roses
Unloveable - The Smiths
Dancing In The Dark - Bruce Springsteen
This Charming Man - The Smiths
Get Me Away From Here - I'm Dying; Belle and Sebastian
Born Slippy (NUXX) - Underworld
Come On Eileen - Dexys Midnight Runners
Whoo! Alright - Yeah... Uh Huh. - The Rapture
La Familia - Mirah
Age Of Consent - New Order
How Soon Is Now? - The Smiths
All My Friends - LCD Soundsystem
Baba O'riley - The Who
I Saw Her in the Anti War Demonstration - Jens Lekman
Lived in Bars - Cat Power
Once in a Lifetime - Wolfsheim
Mis-Shapes - Pulp
You! Me! Dancing! - Los Campesinos!
You Can’t Always Get What You Want - The Rolling Stones

Bônus:
Girls and Boys - Blur
Temptation - New Order
A Letter to Elise-  The Cure
A Quick One, While He’s Away - The Who
It's the End of the World as We Know It (and I Feel Fine) - R.E.M.


Participe da promoção e concorra a 3 exemplares do livro do mês!


a Rafflecopter giveaway

Regras:
- Comentar na resenha de um dos blogs participantes;
- Ter endereço de entrega em território nacional;
- A promoção começa dia 23/03 e termina dia 19/04;
- Perfis fakes ou criados exclusivamente para promoções serão desclassificados;
- O sorteado receberá um e-mail e terá 48 horas para respondê-lo. Caso não seja respondido será feito um novo sorteio;
- O livro será enviado em até 30 dias após o recebimento dos dados;
- Não nos responsabilizamos por danos, eventual extravio ou problemas com os Correios, nem por um segundo envio em caso de devolução por erro nos dados informados ou impossibilidade na entrega.

Boa sorte!
O "Clube do Livro da Liga" é formado por amigos que resolveram arriscar uma leitura coletiva e se surpreenderam com a interação que foi proporcionada. Temos muitos gostos e ideias em comum, além de muitas discussões e risadas. Ninguém nunca irá nos entender, ainda bem.
Os blogs: Entre Palcos e LivrosEste Já Li | Leitora Viciada | Leituras da Paty | Livros e Chocolate | Mais que Livros | Meus Livros, Meu Mundo | Meus Livros Preciosos | Prazer, me chamo Livro | SA Revista | Segredos entre Amigas |  Todas as Coisas do Meu Mundo

10 comentários

  1. Já estava bastante interessada em ler esse livro só pela sinopse, curto muito história que abordou o tema bullying e agora depois de ver essa resenha fiquei ainda mais ansiosa em conferi essa história, gostei muito da playlist de Elise.

    ResponderExcluir
  2. Nossa esse livro me fez refletir muito sobre minha própria vida, eu também não tinha uma vida boa com a minha família, e muito menos na escola, sofri bullying a minha vida toda, e ainda é difícil, isso me mudou, afetou em tudo o que sou, somente o meu filho pode me resgatar desse universo. Graças aos Deuses.
    Adorei o livro, e já estou concorrendo =D
    Sexo, Fraldas e Rock'n Roll

    ResponderExcluir
  3. Sempre tive interesse em ler esse livro por causa da sinopse, mas essa resenha me atraiu muito mais, a historia abordada pelo livro é algo que vemos no cotidiano de algumas pessoas, algumas até próxima a mim.
    Eu quero esse livro!! Parabéns pela resenha, muito bem escrita!

    ResponderExcluir
  4. Oii,
    Não conhecia o livro mas gostei muito da resenha e fiquei muito curiosa, confesso que achei o tema muuuuuuito parecido com um conto do livro das princesas (acho que é da Paula pimenta) rs
    E essa capa é linda :3
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Nossa esse livro interessante, me identifiquei, porém não conhecia o livro mas gostei muito e da resenha principalmente, super curto narrativas com referências musicais .De qualquer forma, o livro realmente mostra bem autêntico, as músicas produzem verdadeiramente algo de bom em nós, ou bom ou ruim , dependendo do gênero ,e pelo que vi na resenha é bem essa pegada adolescente... gostei...

    *_____*

    ResponderExcluir
  6. Li a resenha, li seu comentário sobre o título do livro e concordo, o nome traduzido acaba enganando um pouco e não passa muito bem a ideia, eu achei que era algo totalmente diferente. O livro trata de coisas atuais, porém não sei se eu conseguiria ter simpatia com Elise devido a algumas coisas que foram ditas ali que ela queria, porém o fato da música ter dado uma nova visão e perspectiva é muito legal e bem diferente.

    ResponderExcluir
  7. Olá, amei sua resenha e principalmente o blog (lindo!), adoro livros com playlist, assim conheço muitas bandas/músicas novas. Beijos,

    Fran | http://bookndreams.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Já li algumas resenhas desse livro, mas essa com certeza, chamou mais a minha atenção. Sou fã de livros e música e nada melhor do que unir as duas coisas. Teu blog é lindo!

    arosadoprincipe.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Achei mto interessante esse livro. Eu já tinha visto o livro, mas nunca tinha chamado minha atenção pra leitura, mas ao ler sua resenha, me animei. Estudo Psicologia do desenvolvimento, dentro da Pedafogão e estamos tratando exatamente disso: bullying. D como a família influi em assediados e assustadores, no q os assediados passam, entre outras coisas! Mto legal mesmo!!

    ResponderExcluir
  10. Mesmo não tendo lido o livro, dá para perceber, pela resenha, que o título original realmente dá uma profundidade maior à estória logo de cara, e tem muito mais a ver. Acho muito interessante esse livro, tanto a premissa quanto as mensagens são muito reais, dignas de discussões e tudo mais. Achei legal a parte em que foi pontuado sobre o egoísmo da personagem depois de certo acontecimento, e conto como um ponto positivo, afinal, a personagem nem de longe é perfeita; depois de uma tentativa de suicídio ela finalmente se encaixa em algo, se sente importante, e como - acredito eu - ela nunca tenha se sentido assim antes, a coisa fica meio fora de controle e sobre à cabeça. Normal que aconteça, levando em consideração o histórico da menina. Justamente por isso fiquei com tanta vontade de ler e espero poder adquirir um exemplar em breve. Quem sabe no sorteio :D
    xx

    ResponderExcluir