14 de dezembro de 2013

Cidades de Papel - John Green

Lido em: Dezembro de 2013
Título: Cidades de Papel
Autor: John Green
Editora: Intrínseca
Gênero: Ficção/YA
Ano: 2013
Páginas: 368
Nota:
Sinopse: Em Cidades de papel, Quentin Jacobsen nutre uma paixão platônica pela vizinha e colega de escola Margo Roth Spiegelman desde a infância. Naquela época eles brincavam juntos e andavam de bicicleta pelo bairro, mas hoje ela é uma garota linda e popular na escola e ele é só mais um dos nerds de sua turma.
Certa noite, Margo invade a vida de Quentin pela janela de seu quarto, com a cara pintada e vestida de ninja, convocando-o a fazer parte de um engenhoso plano de vingança. E ele, é claro, aceita. Assim que a noite de aventuras acaba e um novo dia se inicia, Q vai para a escola, esperançoso de que tudo mude depois daquela madrugada e ela decida se aproximar dele. No entanto, ela não aparece naquele dia, nem no outro, nem no seguinte.
Quando descobre que o paradeiro dela é agora um mistério, Quentin logo encontra pistas deixadas por ela e começa a segui-las. Impelido em direção a um caminho tortuoso, quanto mais Q se aproxima de Margo, mais se distancia da imagem da garota que ele pensava que conhecia.

Resenha: Cidades de Papel foi o 3º livro escrito por John Green. Foi publicado em 2008 lá fora, mas só agora em 2013 foi publicado no Brasil pela Editora Intrínseca.
O livro conta a história de Quentin Jacobsen (ou Q), um garoto nerd que está no ensino médio e que durante a infância foi amigo de Margo Roth Spiegelman, uma garota por quem ele mantinha uma paixão platônica por achá-la divertida e irreverente. O tempo passou e os dois se distanciaram, mas Q nunca esqueceu Margo por mais que ela tivesse o ignorado. Na escola, Margo faz aquele estilo super popular, e Q é aquele menino nerd e "invisível" que segue uma rotina chata junto com seus amigos, Ben e Radar.
Até que de repente, numa noite qualquer, Margo invade o quarto de Q e o arrasta para uma aventura maluca para por em prática um plano de vingança seguindo um roteiro maluco e após algumas invasões, Q acredita que enfim terá sua grande chance de ser feliz com Margo em seus braços, mas no dia seguinte, a menina desaparece, e no outro, e no outro... Então Q, preocupado, resolve seguir pistas que acreditou terem sido deixadas por Margo e vai procurar a garota, mesmo que pra isso tivesse que cair na estrada por centenas e centenas de quilômetros junto com seus amigos.

O livro é narrado em primeira pessoa e é dividido em três partes. A aventura inesquecível de Q e Margo, a busca por pistas e a viagem atrás da garota com as últimas horas restantes até chegar ao destino.
Os capítulos são curtos, a narrativa é fácil e com sacadas bem bacanas, então é possível tirar várias frases de impacto dele e, de quebra dar algumas risadas em algumas partes, principalmente quando Ben com seu "problema urinário" aparece. Não vou mentir, John Green não é meu autor favorito pois seus livros parecem seguir uma fórmula: protagonista nerd + problema amoroso. E aqui o que encontramos é basicamente isso.
Q sofre de um amor obsessivo por uma garota que é totalmente seu oposto, e em nome disso, renuncia de coisas que são consideradas importantes pra adolescentes da idade dele, como a própria formatura para ir procurar por ela! É uma aventura adolescente completamente fictícia e surreal, pois por mais que existam mensagens nas entrelinhas para que possamos refletir sobre o comportamento de Q e Margo, não consigo imaginar uma situação dessas como sendo algo verdadeiro, principalmente se for pra levar em consideração os diálogos de todos eles que, apesar de muitas vezes serem engraçados e descontraídos, sempre são maduros demais pra idade dos personagens.
E Margo? Para Q ela é a garota ideal, ele enxerga nela alguém perfeita, engraçada, inteligente, bonita, mas no fundo não passa de uma mimada, egoísta e completamente maluca que não se importa com ninguém a sua volta, e talvez nem com ela própria, mas ele não consegue ver esse lado "negro" porque está completamente cego. É algo a se considerar, pois adolescentes (e até alguns adultos) geralmente acham que o 1º amor é o último e único da vida, mas é um comportamento muito mais típico de mulheres, principalmente aquelas que não tem lá muito amor próprio nem atenção dos pais e veem um tipo de deus em quem amam. E Q é homem, adolescente, nerd e a obsessão amorosa simplesmente não combina com ele, e ainda chegar ao ponto de arrastar os amigos nessa furada de ir em busca da desaparecida foi um completo exagero.

Já o conceito "cidades de papel" é o que realmente faz com que a gente reflita e é a única mensagem válida que consegui ver na história apesar de não ter certeza absoluta de que se trata realmente da impressão que tive sobre ela. John Green explica o termo numa nota ao final do livro e se trata de cidades que não existem inseridas em mapas para que os criadores pudessem comprovar que esses mapas estivessem sendo plagiados por outros, cidades estas que posteriormente acabaram sendo procuradas por aventureiros. Porém, a cidade sendo falsa, acaba por ilustrar o comportamento que algumas pessoas têm, como se elas quisessem mostrar aquilo que não são, ou que não existe, talvez com a intenção de atrair coisas ou pessoas pra si mesmas, quem sabe... Margo seria uma garota de papel? E quanto a Q? Então leia e chegue as suas próprias conclusões...

No mais, achei que o livro, apesar de ter uma leitura bem fácil e agradável, foi enrolado pois é uma história simples que poderia ser contada em muito menos páginas. Vale como passatempo, mas nada que tenha me marcado.

18 comentários

  1. Nunca li nada do autor, mas creio que se for ler esse não vai ser o primeiro livro. Todas as resenhas que li até agora mostra que não é o melhor. Mas, parece interessante essa aventura desmiolada!

    ResponderExcluir
  2. É complicado quando o autor repete a mesma formula em outros de seus livros, fica uma coisa meio repetitiva. Eu ainda tenho curiosidade de conhecer os livros do John, mas vendo agora o tema e desenvolvimento, acho que não faz bem meu estilo. Mesmo assim, adorei conhecer a sua opinião, Flávia. :D

    Beijos.

    www.daimaginacaoaescrita.com

    ResponderExcluir
  3. To com esse livro comprado aqui e está na minha lista de leitura, mas estou lendo tanta coisas "negativas" sobre ele que estou me desanimando.

    depoisdeumlivro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Eu via ali no canto que estavam lendo cidade de papel e eu ficava "Nossa essa resenha vai ser perfeita e ai este será o próximo livro que eu vou ler" e quando olho 2 estrelas. Bom entendi seu ponto de vista mais ainda estou louco para saber a história e se realmente vou achar o mesmo que você. Se bem que não parece ser aquele livro "Nossa que incrível". Ótima resenha.

    ResponderExcluir
  5. Oi,

    honestamente não entendo essa paixão toda que as pessoas estão tendo com os livros de John Green. Nunca li nada dele, é verdade, mas como vocês mesmo disse, todas as histórias dele parecem seguir a mesma linha de romance com o protagonista nerd + problema amoroso. As tramas de Green parecem bem clichês, assim como os personagens. Por tanto, não são livros que me chamam muita atenção e que não tenho vontade de ler. Mas essa coisa das cidades de papel, até que é bem legal, mas achei a trama meio forçada, pelo que li da sua resenha, que está muito boa!

    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Tô meio receosa de ler ele, comprei há algum tempo e ainda não saiu da estante, li váaaarias resenhas negativas sobre Cidades de Papel :/ Mas enfim, vou tentar ler até o fim do ano. Beijos!

    http://sereniissima.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Tenho esse livro desde a Bienal mas ainda não li sempre passava um na frente dele...uma das primeiras leituras de 2014 com certeza :)

    http://livroaoavesso.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Quero muito ler esse livro e achei estranho você ter dado à ele apenas 2 estrelas. Parece ser, de longe, o livros "menos bom" do autor, já que nas outras resenhas dos livros dele, as notas foram relativamente boas. Mas mesmo depois de ver uma nota baixa, ainda quero tirar minhas próprias conclusões, porque o que pareceu confuso para você, pode ser algo totalmente claro para mim. Só li A Culpa é das Estrelas, e gostei muito mesmo, não foi o melhor livro que li, porém foi um livro ótimo, e não achei clichê, como algumas pessoas falaram.
    Beijos!

    http://temponaoperdido.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  9. Olá Flávia.
    Eu li esse livro há muito tempo e achei que ele é muito filosófico apesar das aventuras de Q e sua turma à procura de Margo.
    Bão tinha gostado muito dele apesar de tudo embora tenha lido muitas resenhas muito positivas sobre ele.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  10. Realmente já vi muita gente falando que ele repete a fórmula de seus livros, será que ele num era um nerd na escola e fica por ai contando as aventuras que ele queria viver na época? (viajei! rs)

    Mas valeu a dica!
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Do John só li A Culpa é das Estrelas, e eu amo completamente a escrita dele!!
    Acho bem complexa!
    To mega curioso para ler esse livro! Acho que eu vou gostar!
    Adorei a resenha Flá, pena que você só achou regular :d
    Beijos *-*

    ResponderExcluir
  12. Acredita que ainda não li nada dele???Quando lançou esse livro eu confesso que fiquei com vontade de lê-lo mas depois...foi passando a vontade e depois da sua resenha perdi a vontade,não gosto de livros que ficam enrolando a estória,se torna muito cansativo.

    ResponderExcluir
  13. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  14. Olá Flavinha!
    Eu particularmente adoro o John, a escrita dele me encanta. Esse livro li coisas negativas e positivas, e quero muito arriscar e acredito que vou gostar. A premissa básica da história me pareceu ser bem interessante, e o casal me pareceu de um estilo bem normal e possivelmente real, do amor platônico nerd pela amiga de infância. Estou curiosa pela história, e a capa me instiga muito. E quero saber que vingança se trata, que plano, que tudo (: Bjs.

    ResponderExcluir
  15. Nossa Flavinha!
    Eu tenho esse livro, mas desanimei quando li sua resenha e olha que adoro a escrita dele. Vou aguardar mais um pouco para ler!

    Beijinhos

    As Leituras da Mila

    ResponderExcluir
  16. Olá, Flávia.

    Ainda não li Cidades de Papel e, portanto, não posso opinar a respeito da história. Porém não concordo com o que você disse a respeito da fórmula utilizada por John Green: "protagonista nerd + problema amoroso".

    Os mais famosos, além de Cidades de Papel: "Quem é Você, Alasca?" e, claro, "A Culpa É Das Estrelas". No primeiro, o protagonista muda de escola e lá começa um romance com a tal Alasca. No entanto ele não é nem um pouco nerd. Só tem aquele desejo por biografia assim como nós, blogueiros, temos por livros em geral (e isso não faz de ninguém um nerd). Além disso, Quem É Você, Alasca? mostra os defeitos da personagem Alasca a ponto de fazer nós, leitores, criarmos certa raiva da mesma. Isso mostra que o protagonista não é um bobão e idiota apaixonado. Isso já é diferente de Cidades de Papel.

    E em A Culpa É Das Estrelas, não há nerds e nem problemas amorosos. Não sei se você leu este, mas problema amoroso não há nem um pouco. A questão abordada neste é o câncer que os dois protagonistas têm e a forma com que eles lidam JUNTOS com isso. Não tem nem nerds e nem problema amoroso, o que faz de A Culpa É Das Estrelas ser um livro totalmente diferente de Cidades de Papel e Quem É Você, Alasca?. Então não aplica-se nenhuma fórmula.

    Mas pelo que li desta resenha, concordo com você que as atitudes são muito exageradas e as coisas são meio improváveis. Tipo, uma garota invadir o quarto de um nerd vestida de ninja? Um nerd chamar todos os seus amigos pra procurar a garota? Isso é muito além, realmente concordo contigo.

    Só no sentido da "Fórmula de John Green" que não concordo. Mas essa é a beleza da vida, cada um com uma opinião, não é? Parabéns pela resenha!

    Beijos.

    www.gnrgunnar.com.br

    ResponderExcluir
  17. Oi Flávia!
    Já li Cidades de Papel e gostei bastante, mas realmente o autor acabou deixando a história um pouco repetitiva. Sempre quando leio algo do John Green, isso me vem à cabeça: os diálogos são realmente muito "maduros" para adolescentes de 16 anos, e a história parece surreal demais. E tem aquela coisa da fórmula do protagonista nerd, exatamente como você falou.
    Apesar disso, eu gosto muito do estilo do John Green e vou continuar lendo... Só espero que ele comece a inovar um pouco nos próximos livros ;p
    Beijos!
    bussoladepapel.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  18. Desde que li A Culpa é das Estrelas não vejo a hora de ler outro livro desse autor. E esse é um dos que está na minha lista! Sua resenha me empolgou bastante, espero que logo logo eu possa ler *--*
    Beijinhoos :)
    www.leituraesuasmanias.com/

    ResponderExcluir