13 de julho de 2017

As Tumbas de Atuan - Ursula K. Le Guin

Título: As Tumbas de Atuan - Ciclo Terramar #2
Autora: Ursula K. Le Guin
Editora: Arqueiro
Gênero: Fantasia
Ano: 2017
Páginas: 160
Nota:
Sinopse: Quando Tenar é escolhida como suma sacerdotisa, tudo lhe é tirado: casa, família e até o nome. Com apenas 6 anos, ela passa a se chamar Arha e se torna guardiã das tenebrosas Tumbas de Atuan, um lugar sagrado para a obscura seita dos Inominados.
Já adolescente, quando está aprendendo os caminhos do labirinto subterrâneo que é seu domínio, ela se depara com Ged, um mago que veio roubar um dos maiores tesouros das Tumbas: o Anel de Erreth-Akbe.
Um homem que traz a luz para aquele local de eternas trevas, ele é um herege que não tem direito a misericórdia.
Porém, sua magia e sua simplicidade começam a abrir os olhos de Arha para uma realidade que ela nunca fora levada a perceber e agora lhe resta decidir que fim terá seu prisioneiro.

Resenha: As Tumbas de Atuan é o segundo volume da série Ciclo Terramar que dá continuidade ao primeiro livro, O Feiticeiro de Terramar. Embora se trate de uma continuação, não é necessário ter lido o primeiro livro, pois as histórias são independentes e trazem alguns personagens diferentes com arco próprio.

Ao completar seis anos, Tenar foi separada da família e levada para a Ilha de Atuan pois acreditava-se que ela era a reencarnação da Sacerdotisa da Tumba. Lá ela passa a se chamar Arha, e é treinada para se tornar guardiã das Tumbas de Atuan, um local sagrado, porém sombrio e tomado pela escuridão, com vários tesouros escondidos que pertencem à Seita dos Inominados, cumprindo, assim, sua missão que existe desde muitas vidas passadas, até sua morte.
Anos mais tarde, durante um treinamento para aprender o caminho dos labirintos subterrâneos, Arha acaba encontrando Ged, o mago que protagoniza o primeiro livro. Ged está alí para roubar o anel de Erreth-Akbe, mas, como guardiã das tumbas, Arha precisa impedí-lo. Porém, Ged desperta a curiosidade da garota ao se revelar alguém que não só ilumina as trevas, mas leva a vida de uma forma bem diferente da qual ela foi ensinada, e isso faz com que Arha comece a se questionar sobre a própria vida quando fica diante de uma nova realidade.

A história é narrada em terceira pessoa e se desenvolve num ritmo bastante lento. As descrições são detalhadas de forma bem satisfatória, mas pela história se passar praticamente num único cenário, a sensação de que nada de novo acontece é inevitável, pois não há aventuras ou longas viagens como no primeiro livro.
Tenar/Arha é uma personagem que vive dentro de uma "bolha", seguindo uma diretriz e vivendo para um único propósito. Até que a aproximação com Ged, assim como as coisas que ela descobre a partir desse contato, acabam lhe gerando um conflito de ideais e crenças, mas também leva a garota a uma jornada de autoconhecimento e amadurecimento.

O que pude perceber durante a leitura é uma crítica bastante relevante a fé e ao fanatismo (mas não acho que a autora teve intenção de levantar questões propriamente religiosas), que impede que as pessoas enxerguem além do que aprenderam, e no caso de Tenar/Arha, somente quando Ged cruza seu caminho, indo contra tudo o que ela acreditava, é que ela começa a quebrar os paradigmas que lhe foram impostos.

A capa combina com a do primeiro livro, tanto pela ilustração possuir o mesmos estilo, quanto pelo tipo de fonte utilizada no título. A diagramação também segue o padrão, trazendo o mapa de Terramar, a área das Tumbas e o Labirinto logo nas primeiras páginas e apresentando capítulos curtos, numerados e intitulados. São doze capítulos em 160 páginas.

Por ter sido lançado em 1971, o livro desconstruiu alguns estereótipos de gênero ao trazer uma protagonista feminina numa época onde não era comum mulheres fazerem o papel de heroína, e por ser uma fantasia que inspirou várias outras obras, é leitura muito recomendada pra quem gosta do gênero.

Nenhum comentário

Postar um comentário