21 de julho de 2017

Graça Infinita - David Foster Wallace

Título: Graça Infinita
Autor: David Foster Wallace
Editora: Companhia das Letras
Gênero: Romance
Ano: 2014
Páginas: 1144
Nota:
Sinopse: Os Estados Unidos e o Canadá já não existem: eles foram substituídos pela poderosa ONAN, a Organização de Nações Norte Americanas. Uma enorme porção do continente se tornou um depósito de lixo tóxico. Separatistas quebequenses praticam atos terroristas e a contagem dos anos foi vendida às grandes corporações.
Graça Infinita foi o último grande romance do século XX e, como o Ulysses de James Joyce, teve um impacto duradouro e ainda difícil de ser aferido. Ora cômico, ora doloroso, ele encapsulou uma geração ligada à ironia e ao entretenimento, mas desconectada da imaginação, da solidariedade e da empatia.
No romance, seguimos os passos dos irmãos Hal, Orin e Mario Incandenza membros da família mais disfuncional da literatura contemporânea, conforme tentam dar conta do legado do patriarca James Incandenza, um cientista de óptica que se tornou cineasta e cometeu suicídio depois de produzir um misterioso filme que, pela alta voltagem de entretenimento, levava seus espectadores à inanição e à morte.
Enquanto organizações governamentais e terroristas querem usar o filme como arma de guerra, os Incandenza vão se embrenhar numa cômica e filosófica busca pelo sentido da vida. Graça Infinita dobra todas as regras da ficção sem jamais sacrificar seu próprio valor de entretenimento. É uma exuberante e original investigação do que nos torna humanos e um desses raros livros que renovam a ideia do que um romance pode ser.

Resenha: Num futuro não tão distante, EUA, México e Canadá formaram a ONAN (Organização das Nações da América do Norte), boa parte do continente (o Canadá no caso) foi destinado ao despejo de lixo tóxico e até os calendários viraram alvo de publicidade depois que a contagem dos anos se tornou um trabalho remunerado.
Tendo essa noção de cenário escatológico, o autor tece uma trama com vários núcleos de personagens que estão alí para ilustrar temas delicados e a forma como abordados, da forma mais bizarra e genial que alguém pode ter noção.
Embora exista a trama geopolítica, o que importa, de fato, é o que está acontecendo em dois lugares que ficam lado a lado: a Escola de Tênis Enfield e a Clínica de Recuperação Ennet. Na primeira, estão os jovens privilegiados socialmente, atletas cheios de talento que fazem do tênis uma oportunidade para seus futuros. Na segunda, estão os viciados que, como última esperança, agarraram a chance de tentarem se recuperar alí. E por mais que um grupo seja tão distinto do outro, todos estão em busca do sucesso no que estão fazendo.

A família Incandenza é um dos núcleos. Uma família disfuncional com membros excêntricos cujas atitudes são sempre questionáveis. James Incandenza, o patriarca alcoólatra, fundou a academia de tênis na qual seus filhos "privilegiados" estão, mas também se dedicava a ser um cineasta experimental antes de sua morte, e "Graça Infinita" foi um dos seus projetos cinematográficos inacabados. O poder de entretenimento do dito filme é tanto que passa a ser considerado uma arma cultural de massa pelos terroristas de grupos separatistas que pretendem disseminá-lo pelo mundo e acabar com os americanos, pois quem assiste fica tão vidrado na televisão que não é capaz de fazer mais nada na vida, até que morra. Daí o nome é autoexplicativo, pois a graça que as pessoas vêem naquilo, e a forma como exaltam o filme acima de qualquer coisa, não tem fim.
A busca pelo filme impulsiona a trama pois há toda uma questão que envolve a queda da ONAN, mas a família em si e a ligação entre os personagens entre os dois locais é o que a rege.

Orin, o irmão mais velho, é aquele popular jogador de futebol americano com interesses depravados que envolvem até sexo com mães. Ele acredita que mulher é um objeto que se usa e joga no lixo. Orin é odiodo, mentiroso, oportunista e só pensa em si mesmo.
Hal é um superdotado chato que se deixa consumir pela alienação social e passa os dias usando drogas. Sendo o personagem principal da família, ele chama atenção pro fato do vício em drogas (Hal é um atleta, joga tênis, mas também é um maconheiro de carteirinha). O que leva alguém a usar, o que os motiva, o que esperam da vida são tratados com profundidade, assim como a overdose é descrita de forma crua e assustadora. O que ele faz e o tempo que passa se dedicando ao esquema para burlar exames antidoping chega a ser um insulto. Esses fatores levam o leitor a querer matar Hal e seus colegas (mas ainda assim levando em consideração as críticas sociais do autor), pois como alguém dotado de tanta inteligência perde tanto tempo da vida se dedicando a esse tipo de mirabolância inútil?
E Mario, o irmão do meio e, dentre todos, é o melhor personagem do livro. Ele é extramamente bondoso, é incapaz de zombar dos outros, e por mais que as pessoas sejam podres, ele procura enxergar o melhor nelas. É como se ele transparecesse exatamente aquilo que falta nas pessoas hoje em dia: a empatia.

Don Gately é um outro personagem que tem ligação com praticamente todas as subtramas do enredo, mesmo que de forma sutil ou até obscura. Ele é membro do AA (Alcoólicos Anônimos) e trabalha na casa de recuperação pra dependentes. Seu arco é aquele que mostra um pobre coitado vindo de uma família destruída que consequentemente se tornará um marginal, mas ele quer mudar, mesmo que tenha feito muitas escolhas erradas na vida. Gately inclusive é apaixonado por Joelle van Dyne, atriz que protagonizou alguns filmes de James, incluindo o Graça Infinita e está na clínica de recuperação.

A escrita é bem verborrágica (aprendi essa palavra no canal "Meus 2 Centavos" e não tem palavra melhor pra descrever a bendita escrita), a linguagem não é muito simples, a complexidade da estrutura e o anacronismo dos acontecimentos não colabora para um entendimento fácil, mas usar a essência da cultura norte-americana, mesmo em sua forma mais bizarra, é simplesmente genial. O autor faz com que o leitor fique por dentro das particularidades do enredo que, ao considerar tal cultura, compreenderá a critica que ele quis inserir aqui.
A narrativa se alterna entre os personagens, que fazem descrições nos mínimos detalhes e em letras miudas que ocupam dezenas de páginas, dando ao leitor uma visão muito, mas muito ampla sobre coisas inimagináveis, das mais simples as mais terríveis e chocantes.
Tantas descrições exaustivas e intermináveis podem ser interpretadas como pura encheção de linguiça pra engrossar o livro que, literalmente, pode ser chamado de ~tijolo~, mas no caso de Graça Infinita a coisa toda é proposital, compreensível e até mesmo necessária. A leitura é pesada, incômoda e não é pra qualquer um, mesmo que a reflexão - e a ressaca - que traga seja válida pra todos, mas a experiência com o livro, de forma geral, parece fazer parte da ideia de diversão e entretenimento do autor. Então, justamente por fazer parte da proposta, não vejo como a história poderia ter sido contada de forma mais simples e com menos páginas, mesmo que isso a torne extremamente cansativa.

É impossível não elogiar o trabalho gráfico que foi feito na obra. A capa minimalista não tráz nada além de linhas finas que traçam uma caveira, e as lombadas externas é que cedem espaço para título e nome do autor dando um diferencial todo especial ao livro.

Embora a história traga muitos pontos chocantes, entendi que foi uma forma do autor mostrar aos leitores sua visão de mundo, de que não importa o quão fundo se cave, sempre é possível recomeçar, e talvez tentar fazer com que as pessoas reflitam sobre como enxergam e lidam com as coisas também. O vício está diretamente ligado ao excesso, e tudo que é demais é prejudicial. Tais vícios, independente do que sejam ou da forma como venham, sempre vão ter como finalidade a busca pela felicidade, pelo conforto, pelo prazer e afins, mas muitos não enxergam o embuste em que estão ao acharem que existe algum atalho para tornar o caminho mais rápido e fácil.

Graça Infinita é um livro que requer muito tempo e dedicação, e até falar sobre ele não é uma tarefa fácil. Suas 1144 páginas de texto maciço e prolixo, com detalhes que se extendem à beira da exaustão, e cuja estrutura desordenada é um completo desafio para o leitor, trazem um romance relevante e necessário, cujo foco recai na devoção que o entretenimento proporciona a ponto de levar os outros do vício a solidão, mas também sobre a excentricidade que não se extende apenas aos personagens irônicos, excêntricos e individualistas, mas às suas próprias consciências que acabam tornando-os prisioneiros de si mesmos.


Um comentário

  1. Oi Flávia!
    Sempre achei essa capa uma graça, mas nunca havia parado para ver do que se trata.
    Então tive que mandar ótima impressão por causa da sua resenha. Adoro livros assim,com certeza já está na lista 😉
    Beijos e até breve.

    ResponderExcluir