12 de julho de 2017

Ninguém Nasce Herói - Eric Novello

Título: Ninguém Nasce Herói
Autor: Eric Novello
Editora: Seguinte
Gênero: Distopia/Literatura Nacional
Ano: 2017
Páginas: 384
Nota:
Sinopse: Num futuro em que o Brasil é liderado por um fundamentalista religioso, o Escolhido, o simples ato de distribuir livros na rua é visto como rebeldia. Esse foi o jeito que Chuvisco encontrou para resistir e tentar mudar a sua realidade, um pouquinho que seja: ele e os amigos entregam exemplares proibidos pelo governo a quem passa pela praça Roosevelt, no centro de São Paulo, sempre atentos para o caso de algum policial aparecer.
Outro perigo que precisam enfrentar enquanto tentam viver sua juventude são as milícias urbanas, como a Guarda Branca: seus integrantes perseguem diversas minorias, incentivados pelo governo. É esse grupo que Chuvisco encontra espancando um garoto nos arredores da rua Augusta. A situação obriga o jovem a agir como um verdadeiro super-herói para tentar ajudá-lo — e esse é só o começo. Aos poucos, Chuvisco percebe que terá de fazer mais do que apenas distribuir livros se quiser mudar seu futuro e o do país.

Resenha: Numa realidade que não parece ser nada fictícia, as pessoas estão sempre acostumadas a se depararem com manifestações, muitas vezes bem negativas e carregadas de ódio, a respeito de um grupo de pessoas considerado como a minoria e a partir disso, os fundamentalistas tomaram o poder. Aquele que foi nomeado como O Escolhido, que antes era só um deputado aporrinhando a Comissão dos Direitos Humanos, instaurou a ditadura seguindo os própósitos daqueles que o financiaram.

Em meio a esse cenário, a ideia era fazer com que as pessoas não pudessem manifestar opiniões e se calarem. Livros são proibidos, crimes contra negros, homossexuais e afins não tinham atenção, a Guarda Branca podia agir contra as pessoas quando e como quisesse. A única coisa de que se tinha certeza era a propagação livre do ódio e do preconceito, assim como a extinção do termo "igualdade".
Chuvisco e seus amigos tentam fazer a diferença. Eles começam a buscar por alguma justiça ao lutarem contra esse golpe de forma bastante sutíl ao entregarem livros às pessoas, até perceberem que, como resistência, seria preciso muito mais do que essa simples atitude para salvar o país.

Narrado em primeira pessoa pelo ponto de vista de Chuvisco, o leitor se depara, através de sua visão, com uma realidade em que a opressão tomou conta do país, onde a diversidade social é grande mas considerada um problema a ser resolvido.
Os personagens estão alí e são responsáveis por uma representividade para todos os tipos de gostos, de negros, obesos até os transexuais, e são essas pessoas, aquelas que não fazem parte do que a sociedade considera como "perfeito", é que movem a trama mostrando como vivem oprimidas, e como o pavor de se andar pelas ruas, caso a pele não seja branca, se a religião não for a certa, ou se a orientação sexual for diferente do aceitável, as consome. Essas pessoas se uniram para um bem maior, mas vivem às margens por serem diferentes, e o autor, através da visão de Chuvisco, consegue descrevê-las de forma que é possível enxergá-las como qualquer outra pessoa, respeitando a igualdade e os direitos, mesmos que no cenário distópico do enredo apresentado elas não tenham nada disso.

Chuvisco é um personagem único e que conquista a simpatia do leitor por seus pensamentos sinceros e sua vontade de mudar a situação em que o país se encontra. Ele faz parte da resistência, é um revolucionário, tenta levar informações que foram censuradas, mas não pode fazer nada drástico demais por ainda ter medo de arriscar o bem estar dos seus amigos. Ele inlusive sofre de "catarse criativa" em momentos de vulnerabilidade, que é um tipo se surto em que ele se imagina um super herói de armadura em defesa dos fracos e oprimidos. Mas o melhor que pude absorver de Chuvisco é que ele valoriza a amizade como ninguém, e acredita que só ela pode dar a força necessária para que a luta em busca da liberdade possa continuar.

Confesso que ao iniciar a leitura imaginei que seria mais um livro pegando carona em assuntos polêmicos do momento, mas percebi que Ninguém Nasce Herói é um livro necessário por trazer uma história sobre a luta pela liberdade e pelos direitos de alguém ser quem é, e mostra que é preciso não só ter coragem para se arriscar, mas se apoiar nas amizades verdadeiras para se conquistar o que tanto se almeja.
No cenário atual do Brasil, penso que esta seja uma leitura obrigatória para que haja uma reflexão acerca de um futuro não muito improvável...

Nenhum comentário

Postar um comentário