28 de setembro de 2016

Simon vs. A Agenda Homo Sapiens - Becky Albertalli

Título: Simon vs a Agenda Homo Sapiens
Autora: Becky Albertalli
Editora: Intrínseca
Gênero: Romance/YA
Ano: 2016
Páginas: 272
Nota:
Onde Comprar: Saraiva | Submarino | Americanas
Sinopse:Simon tem dezesseis anos e é gay, mas ninguém sabe. Sair ou não do armário é um drama que ele prefere deixar para depois. Tudo muda quando Martin, o bobão da escola, descobre uma troca de e-mails entre Simon e um garoto misterioso que se identifica como Blue e que a cada dia faz o coração de Simon bater mais forte. Martin começa a chantageá-lo, e, se Simon não ceder, seu segredo cairá na boca de todos. Pior: sua relação com Blue poderá chegar ao fim, antes mesmo de começar. Agora, o adolescente avesso a mudanças precisará encontrar uma forma de sair de sua zona de conforto e dar uma chance à felicidade ao lado do menino mais confuso e encantador que ele já conheceu. Uma história que trata com naturalidade e bom humor de questões delicadas, explorando a difícil tarefa que é amadurecer e as mudanças e os dilemas pelos quais todos nós, adolescentes ou não, precisamos enfrentar para nos encontrarmos.

Resenha: Ser gay na adolescência não é fácil e Simon sabe bem disso. Ainda no armário, o garoto de dezesseis anos se corresponde com o misterioso Blue numa conta do Gmail. Quando Martin descobre isso, faz uma chantagem com o rapaz: seu silêncio em troca de uma mãozinha para que ele consiga ficar com Abby, melhor amiga de Simon. Mas será que o segredo sobre sua sexualidade estará seguro nas mãos de terceiros? O livro da psicólogca Becky Albertalli explora de forma leve questões sobre orientação sexual na adolescência, o papel da família na vida do jovem homossexual e o quão é necessário se libertar de padrões.

O universo gay sempre está se consolidando no gênero YA, e esse é um tema que abrange muitas vertentes e nuances. Nunca é fácil sair do armário, lidar com essa tensão de ter que se revelar para o mundo e aguentar com o preconceito. Simon vs. a Agenda Homo Sapiens consegue transmitir de uma maneira bem descontraída, fofa e leve - até demais - sobre homossexualidade na adolescência.

O protagonista é um rapaz jovem e divertidíssimo. Por ser psicóloga e lidar com jovens gays, como a própria deixou claro nos agradecimentos, Becky conseguiu traduzir diversas coisas boas do universo gay para a obra. Simon é um personagem divertido, sarcástico e muito humano. Como qualquer menino que é homossexual, ele tem muitas questões internas a serem resolvidas e pouca gente que esteja apta para lidar com isso. Desse modo, ele vive com sua própria companhia e consciência. Em suma, Simon é aquele personagem que você gostaria que existisse e pudesse estar em seu convívio diariamente, porque ele tem todas qualidades possíveis de um bom amigo.

A narrativa é feita em primeira pessoa, e intercalado aos fatos mostrados por Simon no seu dia a dia, existem e-mails trocados com Blue, o garoto misterioso - e também gay - da escola. A forma como a autora conduz à revelação de quem é Blue pode ser surpreendente para uns  e para outros não. São pistas sutis dadas aos poucos, e em meio a essas pistas é impossível não se apaixonar pelo possível casal. O que fica nítido é a fofura e cordialidade dos dois nessas trocas de e-mail.

Com uma grande variedade de livros voltados para o tema, às vezes é difícil tornar a história crível e aceitável, afinal, sair do armário não é fácil e lidar com o preconceito também não. A situação de Simon foi mostrada de um modo muito mais fácil do que na verdade é, mas essa visão de psicóloga de Albertalli mostrou como as coisas "devem ser" e como todos deviam lidar com a situação da revelação da homossexualidade de alguém. Isso pode não ser corriqueiro, mas fica a mensagem bacana de como vale a pena uma mudança de atitude.

Simon vs. a Agenda Homo Sapiens surpreende não pelo fato da revelação de quem é o garoto que troca e-mails com Simon - apesar de essa ser uma parte adorável da trama- , ou pelo modo como a família dele lida com sua sexualidade, mas, sim, pelo o que há por trás e fica subentendido. Becky Albertalli inseriu numa história curta uma pitada de tolerância que deve existir mais do que há hoje em dia. Ele sofre um pouco de preconceito? Sim, mas ele consegue lidar com isso e superar as adversidades. O final exemplifica bem como devemos nos desprender de padrões da sociedades sobre o que é ser gay.

2 comentários

  1. Oi Lucas!
    Já tem um tempinho que venho querendo ler esse livro, minha colega de blog adorou e me falou bem.
    Infelizmente com tanto livro pra ler tá dificil colocar mais livros na frente.
    De qualquer forma amei a resenha < 3

    Beijinhos!
    Rayane - A Universitária

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse livro é uma belezura, Ray! Fofo demaaaais!
      Beijos!

      Excluir