21 de agosto de 2016

Fevereiro - Audrey Carlan

Título: Fevereiro - A Garota do Calendário #2
Autora: Audrey Carlan
Editora: Verus
Gênero: Romance erótico
Ano: 2016
Páginas: 132
Nota: +18
Onde Comprar: Saraiva | Submarino | Americanas | FNAC
Sinopse: Ela precisava de dinheiro. E nem sabia que gostava tanto de sexo. O fenômeno editorial do ano e best-seller do New York Times, USA Today e Wall Street Journal
Mia Saunders precisa de dinheiro. Muito dinheiro. Ela tem um ano para pagar o agiota que está ameaçando a vida de seu pai por causa de uma dívida de jogo. Um milhão de dólares, para ser mais exato.
A missão de Mia é simples: trabalhar como acompanhante de luxo na empresa de sua tia e pagar mensalmente a dívida. Um mês em uma nova cidade com um homem rico, com quem ela não precisa transar se não quiser? Dinheiro fácil.
Parte do plano é manter o seu coração selado e os olhos na recompensa. Ao menos era assim que deveria ser...
Em fevereiro, Mia vai passar o mês em Seattle com Alec Dubois, um excêntrico artista francês. No papel de musa, ela vai embarcar em uma jornada de descobertas sexuais e lições sobre o amor e a vida que permanecerão com ela para sempre.
Resenha: Fevereiro é o segundo volume da série A Garota do Calendário, escrita pela autora Audrey Carlan e publicado no Brasil pela Verus.

No primeiro livro, Janeiro, conhecemos Mia Saunders, uma jovem estonteante que adentrou o mundo das acompanhantes de luxo a fim de pagar uma dívida milionária do pai e salvar sua vida. Seu primeiro cliente foi Wes, um roteirista que precisava forjar um noivado a fim de afastar as mulheres que pudessem desviar sua atenção dos negócios profissionais, e pra isso contratou Mia.
Após 24 dias de puro êxtase, Mia seguiu para o próximo cliente deixando sua amizade colorida, para trás.

Desta vez Mia vai para Seattle atender Alec Dubois, um artista francês bastante excêntrico e workaholic que precisa de uma musa inspiradora para seus trabalhos. E o amante da vez sendo um francês, ela vai embarcar num mês onde vai experimentar coisas que, até então, eram desconhecidas e totalmente inexploradas...

Apesar das cenas de sexo serem intensas e convinventes, o problema desse segundo volume é que Mia se contradiz ao se insinuar para Alec, desejando com todas as forças que as coisas possam ir além do que simplesmente posar nua para suas obras de arte, enquanto tenta posar de boa moça e sem tirar Wes da cabeça, como se o que estivesse fazendo fosse algum tipo de traição. Claro que sem a parte sexual a história não teria o ingrediente chave que a tornou um sucesso. Livros eróticos, obviamente, são feitos por histórias regadas a sexo. São doze meses e doze clientes, ok, mas acredito que, na posição de Mia, não deveria haver espaço pra esses tipos de lamúrias ou divergências que acabaram me fazendo considerar que ela não é tão forte e pé no chão quanto pensei que fosse, e isso considerando o que ela se mostrou em Janeiro. Ela gosta de sexo, isso nós sabemos e não vejo problema nenhum, mas quando ela se mostra alguém tão inconstante, pensando uma coisa e demonstrando outra, ela me soou como uma grande hipócrita. Se a ideia é que ela tire lições de vida e tenha novos aprendizados a cada experiência, nesse volume vi pouquíssimo progresso, principalmente por ela estar em conflito, questionando a si mesma se essa decisão de trabalhar como escort foi a melhor que já tomou. Ela fica preocupada em não se relacionar de forma íntima com os clientes mas a primeira coisa que pensa quando bate o olho no macho é jogar a roupa longe e ir pro foda como se não houvesse amanhã. Controle-se, mulher! Não é possível que esse dilema vai se repetir em doze livros.

Achei Alec totalmente estereotipado em seu comportamento de amante francês super fogoso que acha que amor e sexo caminham felizes de mãos dadas, com um discurso fajuto sobre amar Mia incondicionalmente enquanto ela estiver alí por ele e que ela deveria fazer o mesmo e amá-lo também. O contrato acaba, cada um vai pro seu canto, e aí? O que acontece com esse suposto "amor eterno" com prazo de 24 dias? Já cansei de ver esse tipo de personagem irresistível em filmes (oi, Meg Ryan!) e ter essa visão dos franceses na questão do amor e do sexo é uma forma muito estranha de generalizar tal comportamento.

Apesar desse livro ter menos páginas do que o anterior, percebi que a autora foi um pouco mais detalhista com cenários e descrições, mas confesso não ter curtido muito os diálogos de Alec onde ele fala francês. Mia não entende e fica sempre questionando o significado das frases que ele solta e mesmo que ele traduza depois, achei que isso interferiu na fluidez da leitura e até quebrou o "clima", principalmente quando eles estão lá no bem-bom. A pessoa presta atenção no que está sentindo ou no que está sendo dito? No auge do prazer, parar pra pensar ou perguntar o significado do que o cara fala foi o cúmulo do desânimo.

Enfim... Não vou dizer que odiei a leitura porque apesar do que considerei negativo, alguns outros pontos fizeram com que a leitura valesse a pena, pois embora Alec seja estereotipado na questão do romance, ele tem uma alma de artista e consegue ver através das pessoas, e ele não enxerga Mia apenas como uma acompanhante profissional. Ele consegue captar sua essência, consegue ver além dela, e percebe que ela já sofreu muito e desacreditou no amor por ter se decepcionado. Ele tenta, no curto período do contrato, fazer com que ela acredite que é possível encontrar a felicidade e o amor em alguém, mesmo que não seja nele, e a questão do sexo entre eles não é só porque Mia praticamente se joga na cama dele, mas ele usa desse artifício para ajudá-la a se conhecer melhor.

Pra quem gosta de romances eróticos, a série A Garota do Calendário é uma boa pedida pois não foca única e exclusivamente no sexo, mas nos conflitos da protagonista e de seus problemas pessoais com os quais tem que lidar. Se a pessoa quer ler descrições de sexo caliente e com um homem cheio de pegada, vai encontrar, mas se quer acompanhar uma personagem que está aprendendo e amadurecendo com a experiência, também.


Nenhum comentário

Postar um comentário