Na Telinha - (Des)encanto (2ª temporada)

27 de setembro de 2019

Título: (Des)encanto (Disenchantment)
Temporada: 2 | Episódios: 10
Elenco: Abbi Jacobson, Nat Faxon, Eric André, John DiMaggio
Gênero: Animação/Comédia/Fantasia
Ano: 2019
Duração: 24min
Classificação: +16
Nota:
Sinopse: Toda princesa tem seus deveres, mas ela quer mesmo é encher a cara. E com um elfo e um demônio como parceiros, levar o rei à loucura será uma tarefa fácil.

A Princesa Tiabeanie está de volta na segunda parte dessa série que, embora não tenha superado minhas expectativas inicialmente, acabou ganhando um rumo mais interessante, um pouco menos cansativo, e até mais divertido de se acompanhar.


Depois de ter ficado entre reviver sua mãe, a rainha Dagmar, e seu amigo Elfo, Bean acaba priorizando a família e deixando o amigo à míngua, mas o que ela não esperava era ser levada para um navio rumo a terras desconhecidas na companhia da mãe. Oona, a atual rainha, até tenta alertar Bean indo atrás dela, mas em vão... O reino de Terra dos Sonhos está em ruínas, todos viraram pedra, e o Rei Zog, que não foi atingido, anda desorientado por causa dos efeitos que a solidão vem causando nele, reinando sobre nada e ninguém, e se sentindo traído pelas mulheres de sua vida terem partido. Mas Bean não sabia muito bem onde estava se metendo ao reviver a mãe... Dagmar tem um propósito sombrio e podia ser qualquer coisa, menos a mãe bondosa e doce que a filha imaginava... Assim, depois de descobrir suas intenções malignas, Bean, arrependida pela escolha que fez, parte numa jornada em companhia de Luci para tentar trazer Elfo, que jaz numa praia, de volta a vida, e tentar impedir as atrocidades de sua mãe e seus tios esquisitos. Mas durante essa jornada ela iria passar por muitos perrengues, incluindo uma visita ao inferno, uma aliança com os elfos numa tentativa de salvar a Terra dos Sonhos, uma viagem ao futuro, e outras furadas mais.


Não nego que, mesmo curtinha, demorei a assistir essa segunda parte por ter dado umas cochiladas, exatamente como fiz na primeira temporada, porém, por mais que alguns episódios tenham sido meio aleatórios, o que tornou a história bastante dispersa, deixado o grande mistério envolvendo as intenções de Dagmar de lado, e indo por um caminho que parecia não ter ligação com nada a ponto de poderem ser assistidos de forma isolada sem que a compreensão seja afetada, alguns levantam umas questões sociais até interessantes envolvendo o relacionamento familiar, o papel da mulher que está a frente do seu tempo e o quanto ela é subjugada numa sociedade arcaica, e tudo mais, e através de Bean isso fica bastante claro, já que ela é uma princesa que gosta de sua liberdade, quer ter voz no meio dos marmanjos, quer encher a cara de cerveja, ficar chapada, e fazer coisas que as mulheres não deveriam fazer só porque são mulheres.


Meu personagem preferido é Luci, mesmo que algumas de suas atitudes sejam previsíveis. Esse pequeno demônio é terrível, sarcástico, oportunista e outros adjetivos de baixo nível, mas não nego que ele coloca a amizade que tem com Bean acima de seus valores e é super leal a ela. Elfo demora um pouco a perder o ressentimento de Bean por causa de sua morte, mas, embora seja muito ingênuo, ele também rende algumas cenas legais.


A série, por abranger situações que vão além da trama principal, acaba possibilitando o aprofundamento entre os relacionamentos entre Bean, Zog, e Derek, seu meio-irmão que, por ser homem, é o herdeiro do trono, mesmo que ele seja totalmente incapaz. Há várias brechas para outros universos e novos personagens serem explorados, como é o caso de um episódio em particular onde Bean viaja para um futuro distante onde a sociedade está mais evoluída, usufruindo das tecnologias e modernidades proporcionadas pelas mais diversas máquinas movidas a vapor.



Esse toque de steampunk em meio a um cenário medieval abre novos horizontes e novas possibilidades de se explorar a série, permitindo com que a trama não se concentre somente na era medieval. Não sei se isso chega a ser um ponto totalmente positivo, pois se a ideia era uma animação que se passasse nessa época, não entendi muito bem o motivo da mudança de cenário que não passou de um episódio. Obviamente existe um elemento que acaba sendo uma peça chave para um acontecimento posterior envolvendo o rei Zog e uma traição inesperada, mas penso que ele poderia ter sido substituído por qualquer outra coisa que o rumo não seria alterado.


O relacionamento entre Bean e Derek ganha uma certa importância nessa fase, pois o futuro da princesa acaba ficando nas mãos do moleque, e como eles nunca se deram muito bem, as coisas podem ficar mais complicadas do que deveriam... Há um episódio em particular que Zog conhece uma mulher com quem ele tem um breve relacionamento, e talvez esse tenha sido o que achei mais interessante pelo fato de abordar a ideia de que as mulheres podem, sim, preferir a liberdade do que riqueza e status ao lado de um homem...


No mais, a série tem várias referências à outras séries famosas, é cheia de piadinhas envolvendo religião, sexualidade e poder, mas ainda não foi o bastante pra me fazer considerar algo essencial pra se assistir. Vale pelo divertimento? Vale. Pretendo acompanhar as próximas temporadas? Sim. Mas já adianto que não é nada empolgante o bastante pra sair por aí indicando pra todo mundo.
0 Comentários pelo Blogger
Comentários pelo Facebook

Nenhum comentário

Postar um comentário