13 de fevereiro de 2016

Coroa Cruel - Victoria Aveyard

Título: Coroa Cruel - Um conto d'A Rainha Vermelha #1.5
Autora: Victoria Aveyard
Editora: Seguinte
Gênero: Distopia/YA
Ano: 2015
Páginas: 232
Nota
Onde Comprar: Saraiva | Submarino | Americanas
Sinopse: Duas mulheres - uma vermelha e uma prateada - contam sua história e revelam seus segredos.
Em Canção da Rainha, você terá acesso ao diário da nobre prateada Coriane Jacos, que se torna a primeira esposa do rei Tiberias VI e dá à luz o príncipe herdeiro, Cal - tudo isso enquanto luta para sobreviver em meio às intrigas da corte.
Já em Cicatrizes de Aço, você terá uma visão de dentro da Guarda Escarlate a partir da perspectiva de Diana Farley, uma das líderes da rebelião vermelha, que tenta expandir o movimento para Norta - e acaba encontrando Mare Barrow pelo caminho.
Esta edição traz, ainda, um mapa de Norta e um trecho exclusivo de Espada de Vidro, o aguardado segundo volume da série A Rainha Vermelha. 

Resenha: Coroa Cruel reúne dois contos do universo de A Rainha Vermelha escritos pela autora Victoria Aveyard e publicado pela Seguinte no Brasil. Canção da Rainha dá aos leitores acesso ao diário secreto de Coriane Jacos, a nobre prateada que se torna a primeira esposa do rei Tiberias VI e logo depois dá a luz a Cal, o príncipe herdeiro. Cicatrizes de Aço é narrado por uma das líderes da rebelião vermelha, Diana Farley, dando ao leitor uma visão vinda de quem faz parte da Guarda Escarlate.
Ambos os contos podem ser baixados gratuitamente em e-book. Clique nas capas abaixo para maiores informações sobre o download.

Enquanto ainda era muito jovem, Coriane teve que se mudar para o palácio real pois sua casa, Jacos, estava falida e vivendo de aparências. Após a morte de seu tio, seu pai se torna líder da Jacos e ela acabou sendo obrigada a adentrar esse mundo da realeza e conviver com as outras Grandes Casas na corte, mesmo que sua intenção passasse longe de se tornar rainha. Mas aproximação com o príncipe herdeiro, Tiberias, acabou indo além da amizade e isso despertou a inveja das outras nobres, principalmente de Elara Merandus, uma prateada com o poder de invadir - e fritar - a mente das pessoas. Quebrando o protocolo que dizia que para que um príncipe se casasse deveria haver a Prova Real para que ele pudesse escolher uma esposa, Tiberias anulou a prova e, apaixonado, se casou com Coriane, mas essa decisão teria um preço... As Casas não aprovaram a anulação da prova e, enquanto rainha, Coriane não pôde viver o seu "felizes para sempre" já que a coroa que ela passou a usar já era visada fazia tempo por outra canditada a esposa que desde então passou a infernizá-la ainda mais...
O diário de Coriane foi presente de seu irmão, Julius, e ela o usava como refúgio para fazer seus desabafos sobre seus pensamentos e emoções, e através dele podemos ver como uma pessoa pode ter seu emocional abalado e destruído.
Quem leu A Rainha Vermelha sabe qual foi o destino de Coriane e que ele refletiu diretamente nos acontecimentos desse primeiro volume, e não vou entrar em detalhes pra não dar spoilers, e em Canção da Rainha é possível ter um aprofundamento maior sobre a vida e a personalidade dessa personagem sensível, delicada e bastante fragilizada, seja pela vida difícil que tinha enquanto morava com a família que passava por várias dificuldades, ou por tudo o que passou nas mãos de Elara, a louca sedenta por poder.
O conto é narrado em terceira pessoa num ritmo mais morno, como se a escrita fosse mais sensível para se diferenciar dos acontecimentos frenéticos vividos por Mare Barrow, a protagonista de A Rainha Vermelha. A narrativa se intercala com o diário, em primeira pessoa, e é bastante envolvente e esclarecedor já que mostra a realidade das Casas e da vida dos nobres de forma geral na corte. Através de Coriane é possível percebermos que a ambição não é algo que está entranhado em todos os prateados, alguns nem ao menos se importam com os poderes que possuem, mas em compensação, temos a prova de que Elara já era cruel e ambiciosa desde sempre, e ela não mede esforços para tirar o que - ou quem - quer que seja do seu caminho...
Apesas de curto e com poucos detalhes sobre alguns fatos ocorridos, o conto não deixou a desejar e mostra a história da rainha de forma bastante interessante e satisfatória.

Em Cicatrizes de Aço acompanhamos Diana Farley, uma jovem vermelha bastante determinada e corajosa que faz parte da Guarda Escarlate e está disposta a lutar contra a opressão dos prateados e a forma injusta e decadente da qual os vermelhos estão submetidos a viver. Os fatos que se passam aqui antecedem os acontecimentos que ocorrem em A Rainha Vermelha e acompanhamos o crescimento da Guarda Escarlate ao sermos inseridos em missões e recrutamentos de aliados à causa.
O conto dá uma visão maior sobre os Reinos mesmo que gire em torno de Diana, mostrando como ela passou de soldado a líder e como ela lidou psicologicamente com tais progressos.
Não gostei taaanto assim de Diana e dos infinitos relatórios da guarda que tornaram a história mais longa do que gostaria, mas posso dizer que o que mais me agradou nesse conto foi a presença de Shade Barrow, que por ser corajoso e inteligente, sempre agindo a tempo e a hora, conquista a simpatia do leitor (a minha simpatia ♥). Pela personalidade e pelo modo de agir de Shade é fácil perceber que ele e Mare são parentes...
O ponto bacana do conto é quando Diana se dirige para Norta, fazendo com que sua história acabe se cruzando com a de Mare. E é esta a importância da história pois a partir daí entendemos os motivos que levaram Diana a ajudar a protagonista fazendo uma sincronia perfeita com o final do primeiro livro que envolve a Guarda Escarlate.

Embora seja possível ter acesso aos contos de forma gratuita, o livro traz um mapa do reino de Norta e seus arredores além dos 4 primeiros capítulos do mais que esperado segundo volume da série, Espada de Vidro!
A capa é metalizada combinando com a capa de A Rainha Vermelha e a água que forma a coroa está em alto relevo com aplicação de verniz. Na contracapa podemos recortar o marcador do livro. As páginas são amarelas e não há erros na revisão.

Em suma, Coroa Cruel é um complemento fundamental para a saga, e mesmo que traga histórias cujos finais já são conhecidos, ainda carrega o elemento surpresa devido a forma como as coisas se desenrolam até chegar onde chegaram, em que cada conto vai trazendo elementos próprios e distintos de forma a tornar cada um deles único e com suas particularidades, se aprofundando em personalidades únicas, com grande importância no desenvolvimento da trama principal e que vão, com certeza, agradar aos fãs da série.


4 comentários

  1. Oi, Flávia!
    Confesso que não curti muito os contos, principalmente o primeiro. Se fossem de outros personagens mais relevantes, acho que seria melhor.
    Enquanto isso, vou esperando pra ler Espada de Vidro.
    Beijos
    Balaio de Babados | Participe do sorteio do livro Marianas

    ResponderExcluir
  2. Contos são sempre muito ansiados porque nos revelam algo sobre uma coisa que já amamos. Ainda não li nada da autora, mas estou super ansiosa pra ler ;)

    http://gordicesliterarias.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  4. Olá, tudo bem?
    Não sou muito chegada a ler livros, leio poucos infelizmente, mas achei interessante os contos e a resenha ta excelente, parabéns!
    http://rawr-it.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir