3 de fevereiro de 2016

Uma Vez na Vida - Marianne Kavanagh

Título: Uma Vez na Vida
Autora: Marianne Kavanagh
Editora: Única
Gênero: Romance
Ano: 2015
Páginas: 288
Nota
Onde comprar: Saraiva | Submarino | Americanas
Sinopse: Uma história de amor, encontros e.... desencontros!
Conheça Tess. Obcecada por roupas vintage, ela está sempre enrolada no emprego que detesta e em dúvida sobre seu namorado bonitão Dominic, que conheceu na universidade. Morando em um adorável apartamento com sua melhor amiga, Kirsty, ela poderia se considerar uma pessoa de sorte. Mas se sua vida é tão perfeita, por que ela se desfaz em lágrimas toda vez que pensa no futuro?
Conheça George. Um músico brilhante que divide seu tempo entre brigar com os companheiros de sua banda de jazz e se preocupar com o pai doente. Mas ele sabe que a vida não é só isso. Deve haver mais alguma coisa. Algo especial.
Tess e George são duas partes de um todo, almas gêmeas. Para a sorte deles, seus amigos em comum sabem que eles são feitos um para o outro. O problema é que eles não se conhecem e, sempre que a oportunidade aparece, a vida chacoalha os dois para longe.
E agora? Se todos têm uma alma gêmea, como o destino faz para uni-los?
Acompanhe a história divertida e apaixonante de Tess e George durante uma década de encontros malsucedidos, frustrações românticas e uma dúzia de recomeços. Uma vez na vida é uma comédia romântica moderna e inteligente sobre amizade, destino e oportunidades perdidas e reconquistadas!

Resenha: Uma vez na vida é o livro de estreia da autora Marianne Kavanagh, publicado no Brasil pela Única.

O que fazer quando duas almas gêmeas nunca se encontram e nem mesmo se conhecem?
Tess e George possuem amigos em comum, se esbarram em eventos esporadicamente e quase são apresentados um ao outro, mas nunca realmente se encontraram a ponto de se conhecerem. Eles são almas gêmeas, mas por mais que o destino queira uní-los, tudo conspira para que eles tenham desencontros ou simplesmente não percebam os sinais... Logo as coisas ficam um pouco mais difíceis do que parece...
Tess é uma jovem de vinte e três anos e namora Dominic desde a faculdade, adora roupas no estilo vintage e não está muito feliz com o emprego de longa data que possui. Ela mora com a melhor amiga, Kirsty, que vive lhe dizendo que Dominic não é o cara ideal para ela e que conhece alguém que seria perfeito para a amiga: George! Sua vida é aparentemente perfeita, mas no fundo ela sente que lhe falta algo para lhe completar...
George, ao contrário de Tess, é quase um andarilho. Nada o mantém preso em um lugar específico e, por ter um enorme talento musical, ele vaga pelos bares com sua banda de jazz, com quem vive brigando, em busca de reconhecimento e sucesso. Ele também se dedica ao pai doente. Apesar de difícil, George sente que sua vida não se resume ao que está vivendo, e assim como Tess, também pensa que falta algo para que ele se torne completo...
Com o passar dos anos cada um cuida da própria vida a sua maneira, seguem caminhos diferentes e se afastam ainda mais, mas a distância só é responsável por fazê-los pensar o quanto estão incompletos e que lhes falta alguém com quem compartilhar o resto dos dias. Seus amigos sabem que eles deveriam estar juntos, os próprios interesses que possuem indicam que eles são perfeitos um para o outro, mas eles não se encontram nunca, ou quando estão próximos disso, é tarde demais para se conhecerem.

O livro é ambientado em Londres, é narrado em terceira pessoa e os capítulos se referem aos anos que se passam durante os encontros e desencontros dos protagonistas.
O foco se alterna entre os personagens o que permite que o leitor saiba todas as oportunidades irritantemente perdidas que ambos tiveram. A história é comovente e cheia de toques de humor mesmo que, às vezes, remeta à frustração devido a situação dos personagens que são impedidos a todo momento de se encontrarem, o que considerei até um tanto enrolado como se o enredo não se desenvolvesse nunca, mas posso dizer que ainda assim a ideia geral da história é uma graça e torcemos para eles a cada instante. O que achei bem bacana é que, além do final super fofo, ficamos refletindo sobre a ideia das almas gêmeas e como os opostos se atraem. George e Tess são tão diferentes um do outro, mas ao mesmo tempo possuem tantas semelhanças que é impossível não acreditar que não sejam mesmo feitos um pro outro. Durante a leitura é possível criar uma enorme expectativa sobre o encontro dos dois, se realmente é algo que vai dar certo por eles combinarem tão bem ou se é só algo que passamos a acreditar por causa do que os amigos dizem sobre eles serem perfeitos juntos.
Ambos são bem agradáveis, mas também possuem falhas e por alguns momentos a vontade é de sacudí-los. Os personagens secundários tiveram grande parcela na questão de movimentar a trama, mas senti que a autora pecou na construção de pequenos detalhes em suas caracteristicas, assim como como em potencializar o enredo trabalhando nos sonhos de cada protagonista e como alguns detalhes poderiam dar um gás à história tornando-a mais empolgante. Talvez tenha sido algo proposital, para mostrar que é necessário correr atrás em vez de viver uma vida estagnada enquanto se espera o amor bater a porta, do além, logo, fica no ar a questão sobre Tess acreditar que as pessoas só podem estar completas e prontas para realizarem os sonhos ao encontrarem o amor. Será mesmo?

A capa é bem minimalista, mas o desenho das mãos que quase se tocam ilustram bem a situação dos personagens. A diagramação é simples, os diálogos são apresentados com aspas em vez de travessão, as páginas são amarelas e não lembro de ter percebido algum erro na revisão.

Em suma, Uma Vez na Vida é um livro divertido que aborda a ideia da luta por algo que irá nos tirar da nossa zona de conforto, e qual o tamanho do caminho que estamos dispostos a percorrer quando o assunto é a felicidade. É um livro que mostra o amor de uma maneira diferente da qual estamos acostumados mas, ao final, deixa uma enorme sensação de conforto e de que a leitura valeu a pena por mostrar que esse sentimento tão particular tem várias formas de ser encarado, assim como chega para cada um de forma diferente, nos momentos mais inusitados e inesperados.


2 comentários

  1. Olá Flávia!

    Eu já li esse livro e não curti tanto a leitura, mas também não foi ruim. No geral só achei arrastado, pois a ideia de quase encontros é bem criativa e envolvente.

    xoxo
    Mila F.
    @camila_marcia
    www.delivroemlivro.com.br

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito de ter lido esse livro, o formato dele é bem diferente do que estamos acostumados quando pensamos em romance. Achei realista também e no geral gostei bastante.

    Beijos
    Mari
    www.pequenosretalhos.com

    ResponderExcluir