18 de dezembro de 2014

Emily the Strange: Duas Vezes Estranha - Rob Reger

Lido em: Dezembro de 2014
Título: Emily the Strange: Duas Vezes Estranha - Livro 2
Autor: Rob Reger
Editora: Galera Record
Gênero: Juvenil
Ano: 2014
Páginas: 352
Nota
Sinopse: Emily the Strange: 13 anos. Capaz de ler seus pensamentos, se assim desejar. É mais provável que esteja cochilando ao lado de seus quatro gatos pretos; ou cuidando de seu jardim de ervas estranhas. Ou aprontando pegadinhas cruéis nos vizinhos; ou visitando seus ancestrais mortos, com a ajuda de um aparelho feito de palitos de picolé e cordas de guitarra. Após um pequeno incidente com um aparelho de duplicação que ela mesma inventou, surge uma segunda Emily! A princípio, ela parece legal, mas não demora até Emily perceber que seu clone não é a melhor das pessoas...

Emily é...
1. Uma cientista louca
2. Apaixonada por gatos
3. Pintora de Murais
4. Criadora de golens
5. Uma guitarrista virtuosa-conculsiva
6. Skatista irada
7. Perseguidora de sarna pra se coçar
8. Adestradora de assombrações
9. Solucionadora de mistérios
10. Especialista em trote
11. Uma procrastinadora extrema
12. Solitária feliz
13. Um ser único
...e agora há duas dela.

Resenha: Duas Vezes Estranha, escrito por Rob Reger e lançado pela Galera Record no Brasil é o segundo livro da quadrilogia Emily the Strange e dá continuidade aos acontecimentos do livro Os Dias Perdidos. As histórias são independentes, com o ciclo fechado, mas pela segunda ter informações que envolvem acontecimentos do primeiro livro, seria bacana ler na ordem para se familiarizar com personagens e a própria Emily com sua personalidade peculiar.

Assim como o primeiro livro, Duas Vezes Estranha também é em forma de diário e Emily, não muito animada, já começa contando sobre a mudança (mais uma) da cidade de Blandindulle para Silifordville e como faz de tudo para fugir da árdua tarefa de encaixotar suas coisas. Assim, cria listas enumeradas, sempre com 13 itens, enquanto mede seu nível de procrastinação, que só aumenta.
Como Pegadinha Master de despedida, Emily, como a grande cientista que é, decide terminar de construir sua máquina de duplicação pois queria duplicar cada morador de Blandindulle e causar o caos enquanto senta e ri da cara dos infelizes, mas seus planos dão errado e ela vai embora sem pregar peças em ninguém. E assim, Emily, Patti (sua mãe), Raven (a golem que Emily construiu que obedece todas as suas ordens), os gatos (NeeChee, Mistery, Miles e Sabbath) e o jarro com a falecida Tiavó Millie chegam em Silifordville e logo encontram uma casa bastante espaçosa para se acomodarem. Emily sai pra explorar a vizinhança mas sua prioridade maior é fazer o duplicador funcionar. Com a ideia de usar pedra preta líquida (relíquia que Emily trouxe da cidade de Blackrock) para a duplicação ser bem sucedida, Emily faz vários testes e obtém resultados satisfatórios, mas um acidente com o espelho resulta em algo que ela não esperava... Ao se levantar, Emily se depara com outra Emily! A princípio sua Outra Eu parece ser tudo o que lhe faltava na vida. Inteligência, fofurice, talento, perspicácia, sarcasticidade, tudo em dobro! Mas a medida que a Outra Eu acredita que ela é a Emily verdadeira, as coisas começam a sair um pouco fora de controle... E Emily vê em seu clone alguém bem diferente do que deveria ser e que as pessoas ainda correm perigo na cidade...

Pelo livro ser em forma de diário, a narrativa é feita em primeira pessoa, e além de acompanharmos a rotina de Emily na cidade nova, vemos sua "regressão", se tornando uma garotinha emotiva, insegura, com problemas de autoestima e que não para de enfiar o dedo no nariz enquanto a Outra Eu começa a tomar conta de tudo, cheia de poder. E porque isso está acontecendo? Acompanhando o diário de Emily pelo seu próprio ponto de vista, a história vai se desenrolando enquanto ela tenta de todas as formas se livrar de Maligna. Ela só não podia matá-la, pois assassinato é proibido em sua casa. São regras. Hahaha.
Obviamente a história não tem nada de realista, afinal, onde já se viu uma garota de 13 anos inventar duplicadores construídos com coisas do lixo, ou aparelhos que traduzem a língua dos gatos para a nossa pra que ela possa conversar com eles, construir um golem que lhe serve entre outras maluquices? Mas a forma como é contada, cheia de humor e com bastante ironia é uma leitura bastante agradável e divertida. O universo alternativo de Emily, por mais estranho que seja, é simplesmente encantador. ♥
Vi muito de mim em Emily e talvez seja por isso que eu seja sua fã, pois é uma personagem que por mais que se meta em situações malucas e faça coisas impossíveis, tem personalidade forte e ainda ama gatos! O final é um pouco previsível, só não imaginava a forma que seria conduzido e por mais mirabolante que seja, é bem interessante.
O livro é um hardcover, tanto a jacket quanto a capa são lindas demais e mantem o estilo do primeiro, com um ar misterioso, gótico mas bem fofo. A diagramação é perfeita, com ilustrações, fotos e lembranças de Emily espalhadas, as folhas são brancas em papel couché 115gr e minha única ressalva é que o segundo livro demorou eras pra ser lançado aqui e ainda ficou um pouco maior do que o primeiro com relação a altura, e a diferença é notável quando postos lado a lado.

Pra quem quer acompanhar as aventuras de uma garotinha muito estranha, mas super cativante e fofa, Emily the Strange é uma ótima pedida!

2 comentários

  1. Adoro livros nesse estilo, espero poder comprar logo ! http://luanna-porto.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Oie! ^^
    Faz um tempo que lançaram o Primeiro Livro e apesar de ainda não ter adquirido, lembro que fiquei encantada com a ideia da história e com a própria Emily!!!! Cheguei a pesquisar até o desenho animado dela! hahaha
    Deve ser linda essa edição a outra já era! :D
    To louca para ter os dois na minha estante! ^^
    Beijocas e até! ^^
    http://worldofmakebelieveblog.wordpress.com/

    ResponderExcluir