7 de junho de 2014

Jardim do Pesadelo - Caitlin Kittredge

Lido em: Junho de 2014
Título: Jardim do Pesadelo - Código de Ferro - Livro 02
Autora: Caitlin Kittredge
Editora: Rocco  
Tradutor: Chico Lopes
Gênero: Steampunk/Fantasia/YA
Ano: 2014
Páginas: 432
Nota:
Sinopse (com muitos spoilers do primeiro livro!): Tudo que Aoife Grayson achou que conhecia sobre o mundo é uma mentira. Seu irmão não está na Casa dos Corvos. Seu melhor amigo não é quem ela pensou que fosse. E não existe coisa alguma chamada necrovírus. Sua mãe não enlouqueceu - ela é simplesmente alérgica ao ferro. Tal como Aoife. Porque Aoife não é uma garota comum. Como o irmão, Conrad, ela é meio humana, meio Raça, da Terra do Espinho.
E agora é uma fugitiva prestes a perceber que a destruição do Engenho de Lovecraft foi apenas o início de um cataclismo.
Seu mundo está se despedaçando... E então os sonhos começam. Neles, uma figura misteriosa lhe diz para ir para o norte, para as geladas desolações do Círculo Ártico, encontrar a Irmandade do Ferro. A Irmandade guarda o segredo que pode trazer a ordem ao mundo novamente: um aparelho conhecido como Relógio do Pesadelo, que só pode ser alcançado em sonhos.
Mas ele pode realmente consertar o que Aoife destruiu? Ou alguém a está usando para reconstruir um mundo de acordo com sua visão sinistra?
Para descobrir, Aoife precisará embarcar numa jornada que certamente seria o fim de qualquer garota comum - e completá-la antes que a terra que ela chama de lar envenene sua mente como envenenou a de sua mãe.

Resenha: Esta resenha tem spoilers do livro anterior!!
Jardim do Pesadelo é o segundo volume da trilogia Código de Ferro escrita pela autora Caitlin Kittredge e lançada pela Editora Rocco. Partindo de onde parou o primeiro volume, Espinho de Ferro, acompanhamos a abertura de um Portal e a fuga de Aoife Grayson pelas Névoas enquanto enfrenta muitos perigos junto com seus amigos Cal, Bethina, Dean e seu irmão Conrad por estarem como "clandestinos" em terras hostis. Agora que ela descobriu que tudo o que acreditava não passava de uma grande mentira, e que ela junto com toda a cidade de Lovecraft estavam sendo enganados e manipulados, as coisas parecem ter saído de controle e estão prestes a ruir.
Aoife está preocupada em ter deixado sua mãe para trás e resolve que deve voltar para Lovecraft para buscá-la e salvá-la de todo aquele caos que a cidade se tornou. E em meio a busca, o grupo é levado a quem ela menos esperava encontrar: Archie, seu pai que passou a vida inteira ausente. Aoife precisa lidar com a ideia de uma figura paterna e até com a companheira dele, Valentina. Ela também começa a ter sonhos em que recebe orientações misteriosas sobre qual caminho seguir para encontrar a Irmandade do Ferro e a única coisa que poderia salvar o mundo da destruição seria um aparelho misterioso que só pode ser obtido através de sonhos. Se lamentando e tomando a culpa de todos os erros para si, e sem pensar nas consequências de suas decisões, como sempre, Aoife se deixa levar nessa aventura cheia de perigos, reviravoltas e surpresas nada agradáveis...

Narrada em primeira pessoa pelo ponto de vista de Aoife, a história segue no mesmo ritmo do primeiro volume no que diz respeito a descrição de cenários e dos personagens. Como a trama se passa praticamente durante a fuga, os cenários mudam com frequência devido a viagem (adorei as cenas que se passaram no dirigível) e senti falta de descrições que envolvem toda aquela sujeira, graxa e os mecanismos das engenhocas de Lovecraft. Dessa vez tudo é muito frio e cinzento mas ainda assim com uma riqueza de detalhes de tirar o fôlego.
Podemos conhecer melhor o irmão de Aoife e vou assumir que não gostei nada do rapaz. Irritante, arrogante e dono da razão, Conrad está longe da ideia que faço de um irmão. Como Dean enxergava esse caráter no rapaz, os dois viviam discutindo, afinal, Dean estava alí ao lado de Aoife para o que desse e viesse, não importando se ela estivesse certa ou errada. Fiquei um pouco impaciente com Aoife pois a leitura consegue prender e ser bastante fluída, mas quando ela começava a se lamentar... OMG... Batia aquela preguiça...
Draven... O que falar desse vilão sem escrúpulos? Ele é um dos piores vilões que já me deparei...
Bethina e Cal estão progredindo aos poucos na questão da afinidade e de um possível relacionamento e achei a evolução deles bem bacana apesar de não terem sido muito aprofundados.
Uma coisa que não curti foi o motivo pelo qual Archie se afastou dos filhos e o sentimento de vazio que deixou em Aoife. Não pela descrição e situação criadas pela autora que pode fazer com que várias pessoas se coloquem no lugar de Aoife, mas pelo comportamento, pela escolha injusta, pelo caráter de quem deveria estar presente mas preferiu outra pessoa e outro caminho...

Muito da história se resume a um amontoado de perseguições, capturas e fugas de uma forma repetitiva até que o final foi se aproximando, as coisas foram ficando cada vez mais tensas, e o improvável acontece deixando o leitor desesperado pela continuação e torcendo para que Aoife tenha sucesso na nova "missão" que tomou para si. O final é simplesmente surpreendente e a continuação para saber o desfecho de tudo, pra mim, será leitura obrigatória.
Se comparado a Espinho de Ferro, pude perceber que a autora deu uma importância muito maior para sentimentos e emoções dos personagens os tornando bastante próximos da realidade. Mas considerando a trama, achei que, devido ao modo como tudo começou, a mudança me deixou com a impressão de que a autora teve uma ideia que não foi tão bem desenvolvida pra ir em frente e mudou o rumo das coisas fazendo com que tudo que pensávamos que existia não passou de ilusão e a vontade de sabermos um pouco mais daquele primeiro cenário realmente ficou só como vontade. Não sei se o terceiro livro as coisas vão voltar, quem sabe foi proposital, vai saber...

A capa, seguindo o estilo do livro anterior é linda, diagramação, revisão, tamanho da fonte e parte impressa no geral são perfeitas.
Pra todos aqueles que curtem uma história cheia de ação, personagens fortes, cenários steampunk bastante misteriosos e sombrios e fantasia com um toque distópico vão adorar embarcar nesse mundo incrível!


6 comentários

  1. cara definitivamente essa capa é divina ;w; estou apaixonada por ela.
    a história em si parece bem intrigante e cheia de coisas, mas no atual momento estou tentando não começar novas séries pq já estou cheia com as que eu tenho q terminar. vai ficar para um outro momento.

    Seguindo o Coelho Branco

    ResponderExcluir
  2. Como é uma continuação, infelizmente não posso ler, porque não li o livro 1...

    ResponderExcluir
  3. Eu não pude ler, pois não li ainda o livro 1, e havia uma indicação de spoilers. De qualquer forma não é o tipo de literatura que eu gosto de ler.

    iniciodeconversa.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Tentei evitar os spoilers mas não resisti e li. Necrovírus? Casa dos Corvos? Tais fatos me chamaram atenção e me fizeram querer ler. Mas essa é mais uma série que não conhecia. Preciso atualizar-me mais!

    ResponderExcluir
  5. Oi,

    não conhecia a trilogia e confesso que não tenho vontade de lê-la. A trama não me atraiu muito e achei as capas feias. Sei lá, a imagem da modelo é muito desconfortável de olhar...

    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Que capa linda =)
    Não conhecia muito bem essa série, então preciso procurar o livro 01 para ler primeiro e ver se gosto né..
    Parece bacana, a rocco lança tantos livros que sempre tem vários que nem sei da existência.

    ResponderExcluir