14 de agosto de 2017

Na Telinha - O Poderoso Chefinho

Título: O Poderoso Chefinho (The Boss Baby)
Produção: DreamWorks
Direção: Tom McGrath
Elenco: Alec Baldwin, Steve Buscemi, Jimmy Kimmel, Lisa Kudrow, Tobey Maguire, Miles Christopher Bakshi
Gênero: Animação
Ano: 2017
Duração: 1hr 38min
Classificação: 9 anos
Nota:
Sinopse: Um bebê falante que usa terno e carrega uma maleta misteriosa une forças com seu irmão mais velho invejoso para impedir que um inescrupuloso CEO acabe com o amor no mundo. A missão é salvar os pais, impedir a catástrofe e provar que o mais intenso dos sentimentos é uma poderosa força.
Tim Templeton é um garotinho de sete anos que vai se deparar com uma realidade do qual ele não estava nem um pouco preparado: dividir a atenção e o amor dos pais com o novo irmãozinho.
Embora seus pais trabalhem fora, na PuppyCo, a maior empresa do ramo de filhotes de estimação do mundo, eles sempre têm tempo pra dedicar ao filho, que vive rodeado de amor e atenção. Tim é cheio de imaginação e vive no mundo da fantasia, e sua vida não poderia ser mais divertida...



Em outra realidade, todos os bebês prestes a nascerem passam por um controle de qualidade antes de serem entregues às famílias, e em meio a várias delas, aqueles que não se encaixam nos padrões são encaminhados à gerência da Baby Corp, uma empresa enorme controlada por bebês que trabalham incansavelmente para que eles sempre sejam os mais amados na escala de coisas que adoramos. Boss Baby é encaminhado à Baby Corp e lá ele se destaca como funcionário exemplar. Com a ameaça de terem o amor roubado por filhotinhos de cães, Boss Baby é enviado numa missão aos Templetons para se infiltrar na família e descobrir qual será a mais nova atração lançada pela PuppyCo, impedindo, assim, que as pessoas se interessem pela nova raça e continuem colocando os bebês em primeiro lugar em suas vidas.


Quando Boss Baby chega de táxi à casa dos Templetons, usando terno, gravata e carregando uma maleta, ele precisa fingir ser um bebê comum para não levantar suspeitas, mas Tim não aceita aquele impostor roubando toda a atenção de seus pais e quer se livrar dele a qualquer custo, porém a única forma de fazer com que Boss Baby vá embora é ajudando-o em sua tarefa, fingindo que eles se amam e estão se dando bem, para que ele volte pra Baby Corp e ganhe sua tão sonhada promoção por ter feito seu trabalho, deixando Tim e seus pais em paz. Mas, claro que haverá alguns obstáculos para eles enfrentarem, incluindo o vilão e seu capanga que está por trás daquilo que a Baby Corp quer impedir...



A história, na verdade, é contada por Tim já adulto, da forma fantasiosa como ele se lembra, logo os acontecimentos se passam nos anos setenta e é possível perceber isso através dos cenários e dos detalhes presentes na animação, como roupas e cortes de cabelos, os carros nas ruas, os brinquedos típicos da época, fitas cassetes e gravadores, televisores de tubo, aparelhos de som, máquinas de escrever, e etc. Embora a história seja super fantasiosa com explicações mirabolantes sobre a procedência dos bebês, a ideia de um garotinho ser capaz de criar tantas aventuras num mundo de pura fantasia é mais plausível quando aparatos tecnológicos ainda não existiam.
Há várias referências nostálgicas como Senhor dos Anéis, Beattles, Elvis Presley, Mary Poppins e etc, e obviamente, os adultos conseguirão aproveitar mais desses elementos por já conhecerem.



Tim é um garoto que não consegue lidar muito bem com a ideia de ter um irmão já que, por ser filho único, sempre foi o centro das atenções de seus pais, e ele vai fazer qualquer coisa para recuperar o que lhe foi roubado, inclusive se unir ao inimigo.
Já Boss Baby é um adulto num corpo de bebê, e ele é um sujeito hilário. Ele é sarcástico, debochado e super atrevido, não se apega a família pois sabe que só está alí para cumprir com seu dever, e ele não dá a mínima para o quanto sua presença está afetando Tim. Ele ainda acha que qualquer coisa pode ser resolvida jogando dinheiro pro alto pra pagar pelo que quer e precisa.
Porém, a medida que os dois passam tempo juntos e trabalham em equipe nessa jornada cheia de aventuras, eles começam a ter afinidades e se afeiçoam de forma recíproca, mesmo que não admitam de jeito nenhum.


O gráfico dessa animação é um dos melhores já feitos até hoje e com certeza a Dreamworks superou algumas animações da própria Disney/Pixar. Tudo é muito colorido e cheio de vida, e as cenas envolvendo as fantasias de Tim vivendo suas aventuras são incríveis.
A dublagem original é perfeita e acompanhar o bebê super fofinho com aquele vozeirão do Alec Baldwin é muito cômico.

O Poderoso Chefinho talvez seja uma animação mais indicada para adultos devido às piadinhas, às referências e pela forma complexa de mostrar a dificuldade e a resistência de um filho mais velho em aceitar um irmãozinho como novo membro da família, mas pelas cenas hilárias e pela diversão que proporciona de forma geral, é desenho mais do que recomendado pra todas as idades.

Nenhum comentário

Postar um comentário