16 de novembro de 2014

Marca da Lua - Flávia Duduch

Lido em: Outubro de 2014
Título: Marca da Lua
Autora: Flávia Duduch
Editora: Novo Século
Gênero: Juvenil/Fantasia
Ano: 2014
Páginas: 312
Nota
Sinopse: Por favor, feche o livro e coloque-o de volta na estante. Você realmente não iria gostar de ser como eu: com uma teimosia a ponto de se meter em um monte de encrencas por causa de um livro. Recoloque-o na mesma prateleira onde foi achado. A relação conturbada com o pai, o acidente que leva o irmão a perder a memória, os conflitos na escola, o misterioso e envolvente professor que a está rodeando... Tudo isso ainda é pouco diante do que Julie Lynch terá de enfrentar. Ao cumprir uma detenção na biblioteca da escola, ela encontra um misterioso livro, que lhe dá a missão de matar sete criaturas. Além disso, uma estranha marca de meia-lua começa a surgir em sua nuca, tornando ainda mais intrigante seu envolvimento com este fabuloso mundo da magia. O que são estas criaturas? E por que este professor, Noah, a atrai tanto?

Resenha: Marca da Lua foi escrito pela autora Flávia Duduch e lançado pelo selo Talentos da Literatura Brasileira da Editora Novo Século.
Começamos a história conhecendo Julie, que acaba de acordar de um coma de dez dias após um acidente que sofreu com o irmão. Ao acordar, ela descobre que seu irmão continua em coma mas quando ele acorda, está completamente confuso e não se lembra de nada.
O acidente que os levou ao coma ocorreu no aniversario de Julie, em que ela e o irmão fugiram para ir a festa comemorar. Lá, ela e os amigos brincam com um tabuleiro ouija para conversar e invocar espíritos, e nesta brincadeira eles liberam algo...
Porém a historia só começa quando, em um castigo que o professor aplica em Julie, ela deve organizar livros na biblioteca e acaba encontrando um cujo aviso na capa alertava "Por favor, feche o livro e coloque-o de volta na estante. Você realmente não iria gostar de ser como eu".
Como toda protagonista, Julie tem que ser teimosa e abrir o livro, claro, e com esta atitude algo faz sua nuca queimar. Uma marca de lua com o numero 7 surge, e ela descobre que foi jogada para uma sociedade conhecida como Ciclo, e agora terá que matar 7 criaturas, e uma delas é o fantasma libertado na brincadeira com o tabuleiro.

Confesso que quando li a sinopse deste livro me interessei bastante, pois ele parecia bem promissor e eletrizante. Contudo, não foi como pensei.
Primeiro, devo ressaltar que os personagens ficaram um tanto confusos, e suas descrições não foram bem feitas. Suas atitudes sempre eram contraditórias de uma página para outra. Na descrição pessoal, não sei quem é quem e nem imagino como eles sejam. Por exemplo: A personagem principal, Julie, parece ser bipolar, uma hora é prestativa, encantadora e supersensível e noutra é uma garota mimada, não estando nem aí para as consequências de seus atos, agindo como uma completa ordinária. 
A narrativa, que é feita em primeira pessoa, foi um incomodo e tanto. Não sabia exatamente em que tempo estava a historia, não sabia como tal personagem surgiu ali, como a personagem conseguiu tal ação já que numa hora ela estava ali, cara a cara com a criatura, noutra ela já estava com a criatura morta. Não sabemos como conseguiu matá-la.
Senti que a autora estava totalmente perdida na sua própria historia, como se tivesse sido feita as pressas e nada fez sentido, tudo ficou desconexo. Uma hora acontecia uma coisa e do nada mudava para outro assunto, e depois voltava ao assunto anterior.
A revisão deixou a desejar e foi um completo desgosto. Falta de concordância gramatical, verbal e tempo fora os muitos erros de ortografia que encontrei. Este foi o livro com a maior quantidade de erros que já tive a oportunidade de ler.
A premissa é interessante e diferente, tanto que me interessei pela leitura, mas uma revisão para corrigir essas falhas terríveis viria a calhar, pois nem sempre uma ideia inicial dá certo se não for bem trabalhada, com aprofundamento adequado, dando importâncias a detalhes que podem fazer diferença ou a explicações para determinados acontecimentos.
As fontes tem um tamanho bom, as folhas são amareladas, a diagramação é simples e a cada capítulo há um detalhe em formato de lua.
Caso queiram investir na leitura e tirar suas próprias conclusões, fiquem a vontade, mas eu particularmente, não aproveitei nada e infelizmente não foi um livro que me agradou.
A primeira frase da sinopse já ilustra bem minha opinião principal "Por favor, feche o livro e coloque-o de volta na estante."


2 comentários

  1. cara eu a pessoa lê a sinopse e mandam fechar o livro uhashuashsahsu ok não é a toa que mandaram ashuasuhsa. ok brincadeiras a parte a capa é divina, mas pena que não curtiu o livro ana.
    tbm n sei se leria e to fugindo de nacional no momento!
    Seguindo o Coelho Branco

    ResponderExcluir
  2. A revisão da NS para o selo Novos Talentos é péssima e olha que esse é um fator que não me incomoda tanto, mas nos livros Novos Talentos, chega a ser insuportável tamanha são as falhas... Quanto ao enredo, confesso que eu fiquei interessada, mas lendo a resenha, sinceramente, não vou arriscar, pois de livro ruim e mal explicado eu tô fora. xD

    Enfim, ótima resenha Ana!

    Beijos.

    www.daimaginacaoaescrita.com

    ResponderExcluir