11 de maio de 2014

O Segredo do Meu Marido - Liane Moriarty

Lido em: Março de 2014
Título: O Segredo do Meu Marido
Autora: Liane Moriarty
Editora: Intrínseca
Gênero: Ficção/Suspense
Ano: 2014
Páginas: 360
Nota: 
Sinopse: Ela virou o envelope. Estava lacrado com um pedaço de fita adesiva amarelada. Quando a carta tinha sido escrita? Parecia velha, como se tivesse sido anos antes, mas não havia como saber ao certo. Imagine que seu marido tenha lhe escrito uma carta que deve ser aberta apenas quando ele morrer. Imagine também que essa carta revela seu pior e mais profundo segredo - algo com o potencial de destruir não apenas a vida que vocês construíram juntos, mas também a de outras pessoas. Imagine, então, que você encontra essa carta enquanto seu marido ainda está bem vivo... Cecilia Fitzpatrick tem tudo. É bem-sucedida no trabalho, um pilar da pequena comunidade em que vive, uma esposa e mãe dedicada. Sua vida é tão organizada e imaculada quanto sua casa. Mas uma carta vai mudar tudo, e não apenas para ela: Rachel e Tess mal conhecem Cecilia - ou uma à outra -, mas também estão prestes a sentir as repercussões do segredo do marido dela.
 
Resenha: As aparências enganam, e John Paul pode estar enganando Cecilia. Uma carta foi escrita pelo homem e deixada para a esposa, com uma advertência: Minha querida Cecília, se você está lendo isso, é porque eu morri... Mas a esposa acaba abrindo a carta antes de John falecer ao achá-la por acaso e um grande segredo que pode destruir não só sua família, mas outras também, é desvendado naquelas poucas linhas.

A trama central é focada em Cecília e o segredo que ela descobre após abrir a carta de John Paul, mas, além dela, existem mais duas protagonistas na história: Tess e Rachel. É assim que os fatos e mistérios se desdobram ao longo da história.

Cecília é uma mulher que vende tupperware e é bem sucedida no seu negócio. Todos na vizinhança a adoram, e até sentem inveja da sua felicidade e família feliz. Mas não é tudo tão perfeito assim. Depois de abrir a tal carta a personagem é tomada por uma sensação de medo, angústia e receio do que aquilo pode trazer para a família dela. Liane Moriarty soube colocar isso muito bem, pois a leitura acaba se tornando muito reflexiva sobre o âmbito familiar e como um teto pode estar desmoronando sobre a cabeça de uma mulher juntamente com sua família e ela tentar sustentá-lo a qualquer custo, mesmo que não seja a forma correta de se agir.

Em capítulos alternados temos também a visão de Rachel e Tess. Rachel é uma senhora com um filho, uma nora e um lindo netinho que está prestes a se mudar. O sentimento dela em relação a isso é o pior de todos, já que uma pessoa importante já lhe foi tirada anos antes: sua filha. A senhora tem tristes lembranças da morte de sua filha caçula e depois disso sua vida se tornou mecânica. Felizmente, mesmo com esse trauma Rachel não se tornou uma personagem que só sabia reclamar, mas, sim, uma que tirou forças do seu passado obscuro para continuar.

Tess, infelizmente, caiu de para-quedas nesse livro. Até hoje, dois meses depois da leitura, não entendo qual foi o papel dela na trama, se é que teve algum. A história da moça é interessante e tem um pano de fundo muito bom que envolve seu marido, mas é só isso. Diferente de Rachel e Cecília, que frequentam os mesmos lugares, vivem no mesmo bairro, Tess não tem nenhum papel forte ali. Resultado disso: um desperdício de páginas que poderiam ser usadas para dar a visão de John Paul sobre os fatos, já que é ele também tem um papel significativo no enredo.

A narrativa de Liane ganha pontos comigo. Primeiro, existem flash backs que são dados sem itálico, ou seja, nos faz pensar muito o que é o "hoje" ou o "ontem". Segundo, os pensamentos das personagens também são assim, veem sem dar um alerta para o leitor. Nem preciso dizer que isso é ótimo, né? Não subestima o leitor e ainda faz com que tenhamos que identificar a que tempo a narrativa se refere.

A promessa era que O Segredo do Meu Marido fosse um livro semelhante à Garota Exemplar, também lançado pela Intrínseca, mas não atingiu tal expectativa. A inserção de dramas familiares, mistério e tensão é boa até certa parte. Cecília abriu a carta muito cedo, creio eu. Pensei: como a autora vai segurar essa trama até o fim? Foi difícil em certos pontos, mas a leitura flui bem, pois há situações bem reflexivas ao longo da história . O grande problema é que fica evidente qual é o segredo de John Paul muito facilmente, e fiquei com uma sensação de que Liane Moriarty não cogitou que muitas pessoas poderiam descobrir o final da história apenas por dedução.

Mesmo com esses contras recomendo, sim, O Segredo do Meu Marido. A melhor parte é a lição de moral que há no final e é ela que fez com que eu fechasse o livro e não parasse de pensar sobre minhas próprias atitudes com as pessoas. Afinal, toda ação tem uma reação.

4 comentários

  1. Amei esse livro!
    Confesso que o segredo me matou!
    Beijinhos
    Rizia - Livroterapias

    ResponderExcluir
  2. Bem, o que dizer, eu esperava bem mais desse livro, algo sei lá, que surpreendesse e eu visse, "nossa que livro", mas pelo que pude notar, apesar de pontos bem legais, O Segredo do meu marido, é um livro bom, mas não tem aquele ar de "uau", uma pena.

    Beijos.

    www.daimaginacaoaescrita.com

    ResponderExcluir
  3. vi muita gente falando que esperava mais desse livro, quem sabe eu leia um dia, mas no momento não é algo que me interesse.

    ResponderExcluir
  4. Olá! Primeiro comentário aqui no blog, e já venho lhe dizer que virei sempre que puder! Adorei o "espaço", me remete tranquilidade, tudo tão clarinho e limpo assim, e adorei um post passado, dando dicas para se fazer uma boa resenha. Quanto ao livro, foi uma das minhas leituras deste ano, e gostei bastante! Achei bacana demais as maneiras diferentes da autora em escrever durante a narrativa que você mencionou, e concordo com você quanto ao segredo...acabou ficando meio que óbvio. Ah! Outra coisa que gostei bastante, foi o finalzinho do livro...quando a autora fala dos "e se...". Me fez pensar em como uma coisa pode ser tão intrínseca a outra, e mudar tudo com tão pouco. Beijos, e até a próxima!

    ResponderExcluir