15 de outubro de 2018

Tempestade de Guerra - Victoria Aveyard

Título: Tempestade de Guerra - A Rainha Vermelha #4
Autora: Victoria Aveyard
Editora: Seguinte
Gênero: Jovem Adulto/Fantasia
Ano: 2018
Páginas: 702
Nota:
Sinopse: Mare Barrow aprendeu rápido que, para vencer, é preciso pagar um preço muito alto. Depois da traição de Cal, ela se esforça para proteger seu coração e continuar a lutar junto aos rebeldes pela liberdade de todos os vermelhos e sanguenovos de Norta. A jovem fará de tudo para derrubar o governo de uma vez por todas — começando pela coroa de Maven.
Mas nenhuma guerra pode ser vencida sem ajuda, e logo Mare se vê obrigada a se unir ao garoto que partiu seu coração para derrotar aquele que quase a destruiu. Cal tem aliados prateados poderosos que, somados à Guarda Escarlate, se tornam uma força imbatível. Por outro lado, Maven é guiado por uma obsessão profunda e fará qualquer coisa para ter Mare de volta, nem que tenha que passar por cima de tudo — e todos — no caminho.

Resenha: Depois de ter sido traída por Cal, Mare quer continuar sua luta junto aos rebeldes em busca da tão sonhada liberdade para os vermelhos e os sanguenovos de Morta. Ao mesmo tempo em que tenta endurecer emocionalmente a fim de resguardar seu coração partido, ela não hesitará para derrubar o governo dos prateados. O problema é que é impossível vencer uma guerra sozinha, assim, Mare não vê outra alternativa a não ser, junto com a Guarda Escarlate, se unir novamente a Cal e seus aliados. Mas, como nem tudo são flores, Maven, como um bom e velho e doentio vilão, não abriria mão de sua obsessão por Mare e passaria por cima de tudo e de todos para tê-la por perto.

Seguindo o mesmo estilo dos livros anteriores, este realmente cumpre o que promete no quesito batalhas, guerra e sangue. Por um lado isso foi muito bom, principalmente por descrever uma batalha da forma terrível e real como ela é, mas, por outro lado, quebrou boa parte do ritmo com acontecimentos que se arrastaram mais do que deveriam se unindo a intermináveis jogos políticos que variavam de acordo com a conveniência. As situações, assim como as alianças, mudavam a cada instante, e as traições e os inimigos não ficavam de fora, mesmo que se reduzissem com o passar do tempo. Então, por mais que eu tenha ficado envolvida e gostado bastante, foi uma leitura que demorei muito pra finalizar. O livro é longo, ponto. Não acho que seria realmente necessário que algumas partes fossem enxugadas a fim de economizar páginas, pois entendo que numa guerra as coisas não se resolvem de forma instantânea e muita coisa precisa acontecer para ser convincente até que tudo se resolva, se é que vai mesmo se resolver. Eu só precisei de mais tempo pra poder absorver a complexidade da história e as incontáveis reviravoltas da trama. Então fico agradecida pela autora ter uma escrita fluída e ter criado um universo interessante o bastante para nos manter interessados no que está acontecendo, e, claro, curiosos pelo que está por vir. Mas confesso ter sido uma pena que ela não deu respostas pra todas as perguntas que fez surgir.
No meio de toda a confusão não poderia faltar os elementos relacionados aos personagens que, obviamente, faziam com que suas decisões ganhassem um peso extra, de tão grandiosas: Honra, obrigações, deveres, e o trágico - porém necessário - sacrifício. São fatores que fazem parte do processo e que são utilizados de forma inteligente para sustentar o enredo e seu desenvolvimento.

É impossível não nos impressionarmos com a construção de mundo e com a forma como a autora detalha os acontecimentos e os cenários ao mesmo tempo que insere tensão e emoção. A narrativa intercalada entre os personagens também foi necessária para acompanharmos e entendermos o desenvolvimento da história de forma mais ampla

Sobre os personagens, é incrível como cada um deles causa um sentimento diferente na gente.
Eu gostei demais da forma como Mare foi retratada (e não só ela, mas as outras personagens femininas também), pois soa como alguém muito real e humana, digna de admiração. Ela coloca seus princípios acima dela mesma, e dá valor ao que acredita, sempre com muita força e coragem, e ao mesmo tempo em que se mostra uma pessoa bem resolvida e decidida, ela também se mostra vulnerável em algumas situações e apenas seguia o coração.
E por falar em coração, assim como os livros anteriores, lá estava o triângulo amoroso entre Cal, Mare e Maven. No final das contas nem consigo considerar que seja mesmo um triângulo pois a coisa pende mais pro lado psicológico do que o físico. Maven, de forma bem direta, só serve para assombrar a relação de Cal e Mare (não que essa relação seja o principal fator da história, afinal, há uma guerra terrível rolando lá fora pra se preocupar), mas não consigo sequer culpá-lo pois qualquer um em seu lugar já teria cedido e perdido o que restou de sua sanidade e instabilidade mental, mesmo que ele ainda tenha sido capaz de manter a ambição.

Também gostei do desenvolvimento de Evangeline e, devido a todas as experiências que teve, seja sobre as escolhas que precisou tomar, ou o que precisou enfrentar com relação aos seus deveres, família e amor, acho que ela foi a personagem que mais se destacou. Ela começa como uma rival ardilosa de Mare, mas acaba se transformando totalmente quando se liberta do que lhe foi imposto pelos seus pais, dessa forma ela pôde ir em busca do que queria: ficar ao lado de Elane. No final, fica bem evidente que a maior batalha de Evangeline era por ela mesma, e embora o seu final tenha sido de acordo com sua jornada, eu gostei do que aconteceu de forma geral.

Não vou me aprofundar em todos os personagens, caso contrário a resenha vai ficar mais extensa do que já está, mas posso dizer que eles tem suas virtudes, mas também tem seus defeitos, alguns aprendem com os erros, outros não, e todos trazem essas características de maneiras diferentes e únicas.

Enfim, ainda não consigo acreditar que Tempestade de Guerra é o último volume da série. A autora nos deu um desfecho que ainda fica aberto à imaginação e à várias interpretações, mas, mesmo não sendo perfeito, o que acredito ter sido a intenção dela, não deixa de ser sólido e satisfatório. Muitas pontas soltas foram amarradas e a trama principal foi resolvida. E talvez a ideia seja mesmo deixar o resto com a gente.

0 Comentários pelo Blogger
Comentários pelo Facebook

Nenhum comentário

Postar um comentário