3 de setembro de 2018

A Duquesa Feia - Eloisa James

Título: A Duquesa Feia - Fairy Tales #4
Autora: Eloisa James
Editora: Arqueiro
Gênero: Romance de época/Releitura
Ano: 2018
Páginas: 272
Nota:
Sinopse: Como ela ousa achar que ele a ama, quando Londres inteira a chama de Duquesa Feia?
Theodora Saxby é a última mulher com quem se poderia esperar que o lindo James Ryburn, herdeiro do ducado de Ashbrook, se casasse. Mas depois de um pedido romântico feito na frente do próprio príncipe, até a realista Theo se convence de que o futuro duque está apaixonado.
Ainda assim, os tabloides dizem que a união não durará mais do que seis meses.
Em seu íntimo, Theo acredita que os dois ficarão juntos para sempre… até que ela descobre que o que James desejava não era seu amor, mas seu dote.
E a sociedade, que primeiro se chocou com seu casamento, se escandaliza com sua separação.
Agora James precisará enfrentar a batalha de sua vida para convencer Theo que ele amava a patinha feia antes que ela se transformasse em cisne. E Theo logo descobrirá que, para um homem com alma de pirata, vale tudo no amor – e na guerra.

Resenha: A Duquesa Feia é o quarto livro da série Fairy Tales escrita por Eloisa James. A série traz releituras dos contos de fadas mais famosos da literatura e este é inspirado na história do Patinho Feio. Pelas histórias serem independentes e distintas, não é necessário ler os livros na sequência de lançamento. No Brasil ele foi lançado pela editora Arqueiro como o volume 3.

Theodora Saxby é uma jovem de dezessete anos e bem pé no chão, principalmente para a época, e está conformada por não se encaixar nos padrões de beleza femininos da sociedade. Não importa que sua mãe, que a enche de roupas com milhões de babados, e seu melhor amigo, quase um irmão com quem foi criada e que carinhosamente a chama de Daisy, James Ryburn, digam o contrário.
O duque de Ashbrook é o pai de James, o que torna o rapaz de dezenove anos o herdeiro do ducado, e, por ter sido melhor amigo do falecido pai de Theo, ficou responsável por cuidar do dote da garota até que ela se casasse.

Tudo estava indo bem até Theo se interessar por lorde Geoffrey Trevelyan e pedir a ajuda de James para chamar sua atenção, mas James acha que ela está acima de qualquer imbecil, principalmente deste biltre a quem ela manifestou interesse, e não fica nada feliz com essa ideia. E é essa situação que nos leva a uma discussão bastante tensa entre James e seu pai logo início da história, onde o problema maior é que o pai dele, que deveria cuidar dos assuntos financeiros de Theo, se endividou até o pescoço ao fazer investimentos absurdos ate perder a fortuna da família. Então, pra continuar com sua alta posição na sociedade, ele passou a gastar o dinheiro pertencente a garota, e sem ter pra onde recorrer, encurrala o filho para que ele finja estar interessado nela para que se casem e James possa colocar as mãos no que sobrou do dote, salvando a sua pele desse golpe.

Porém, mesmo acreditando que enganar a melhor amiga poderia significar seu fim, James começa a perceber que sempre esteve atraído por Theodora, e o casamento não seria uma farsa completa como ele havia imaginado, e faz um acordo com seu pai de forma que o pilantra não conseguisse mais ter controle sobre o dinheiro de Theo e sobre a propriedade ou terras da família.

Então, após um pedido de casamento que deixou toda a sociedade incrédula (toda a Londres considerava a garota horrorosa e vê-la com alguém tão bonito e charmoso como James foi um grande choque), ela acredita que a sorte estava a seu favor e que, enfim, poderá se casar e ser feliz. Até descobrir sobre seu dote e acreditar que James só se casou com ela por causa do dinheiro.
O escândalo que essa separação causou foi inevitável, e James, que foi expulso junto com seu pai da propriedade, acabou partindo.

Enquanto Theo decidiu abrir o próprio negócio, James se tornou um verdadeiro pirata. Sete anos se passaram e muita coisa mudou desde então, e ele decidiu que voltar para tentar reatar o casamento é o melhor a se fazer. Será que Theodora vai acreditar que ele sempre a amou?

Narrado em terceira pessoa, A Duquesa Feia é um livro que, até certo ponto, envolve bastante devido a forma fluída e gostosa como foi escrito, assim como a apresentação de personagens cativantes e divertidos, mas depois acaba se tornando arrastado e o desenvolvimento deixa a desejar. Já devo ter comentado sobre a escrita maravilhosa da autora nas resenhas dos outros livros dela, mas este, embora tenha seus pontos positivos, eu cheguei a estranhar um pouco pela falta do bom humor e dos pontos não serem amarrados com a devida coerência.

Neste romance, temos os personagens e o desenvolvimento de cada um deles, que se dividem no antes e no depois. A mudança de comportamento e personalidade que ambos sofreram a partir da separação, foi algo que, embora possa ter algumas justificativas, não me soaram tão agradáveis de se acompanhar, e a sensação é de que a autora teve uma ideia muito boa, mas num determinado ponto parece ter perdido a mão e deixou a história com uma resolução feita às pressas depois de um desenvolvimento raso e sem profundidade sobre perdão, redenção e amor.

No início, a autora apresenta uma jovem Theo alegre, inteligente, sarcástica e, em alguns momentos, uma mocinha impulsiva e até bem à frente de sua época. Ela é adorável, encantadora e as referências à sua falta de beleza são praticamente inexistentes a ponto de nem ser possível fazer alguma ligação real com a história do patinho feio. James também não fica atrás no quesito simpatia. Ele é um jovem bonito, e por mais atrevido que seja, ele é gentil, respeitoso e tem um coração enorme. E mesmo que as circunstâncias (não muito ideais) tenham feito com que esses dois se casassem, James realmente amava Theo, o casal era uma graça e foi bem divertido ver os dois juntos, até que eles se separam de forma traumática e deixaram que a má experiência os transformasse pra pior. Talvez a "feiura" tenha vindo daí, quem sabe.

Nesse período de sete anos, Theo se tornou uma mulher bem sucedida, mas muito fria, amarga, dependente da opinião da sociedade e focada exclusivamente nos negócios, e esse ponto deixa a impressão de que a mulher só pode ter sucesso numa área da vida (a profissional) se outra for inexistente (a amorosa). Ok, a ideia de uma mulher ter ficado amargurada depois de tamanha decepção a ponto de não acreditar mais no amor é algo aceitável, mas não quando essas feridas são curadas de forma instantânea, com "band-aid", como se nada tivesse acontecido.
James, que, depois de ter sido expulso, não pensou duas vezes em se jogar na vida de pirata e deixar tudo pra trás se tornando um cara grosseiro e intragável. Ele passou sete anos sem dar notícias, aproveitou a vida da forma que quis durante esse tempo, até que num momento de conveniência, ele decide que deve voltar e retomar o casamento com Theo como se o tempo nem tivesse passado. Mas, se ele realmente amava Daisy como dizia, por que diabos esse cara não lutou por ela antes de ter ido embora?

Depois desse balde de água fria me peguei pensando "agora a coisa vai ficar boa, porque Theo, que ficou tão insensível desse jeito, não vai aceitar esse embuste tão fácil, a menos que ele faça algo realmente grandioso pra reparar seus erros e mostrar o cara legal que ele foi lá no começo", mas não.
James não teve trabalho nenhum pra conseguir o que quis, e a reconciliação, que eu apostava ser o ponto alto e emocionante da história, foi resolvida com informalidade, em poucas páginas, com situações e diálogos desnecessários, e de forma bem inconsistente. Eu não consegui comprar essa ideia e o desfecho não me convenceu.

Enfim, talvez as leitoras que apreciem com mais afinco esses romances de época e suas características consigam encontrar explicações ou aceitar melhor a ideia desse romance, mas comigo não foi bem assim. Apesar de não ter concordado com o desenvolvimento dos personagens e a forma deles resolverem as coisas desde o reencontro até o desfecho da história, não foi uma leitura ruim, e pra quem curte romances de época é um livro que recomendo.


0 Comentários pelo Blogger
Comentários pelo Facebook

Nenhum comentário

Postar um comentário