23 de março de 2018

Qualquer Outro Lugar - A.G. Howard

Título: Qualquer Outro Lugar - Splintered #3
Autora: A.G. Howard
Editora: Novo Conceito
Gênero: Fantasia/Releitura
Ano: 2016
Páginas: 416
Nota
Sinopse: Alyssa está tentando entrar novamente no País das Maravilhas. Os portais para o reino se fecharam, não sem antes levarem sua mãe. Jeb e Morfeu estão presos em Qualquer Outro Lugar, reino em que intraterrenos expulsos do País das Maravilhas estão vivendo.
Para resgatá-los, ela precisa recorrer à ajuda de seu pai. Juntos, eles iniciam uma missão quase impossível para tentar resgatar entes queridos, restaurar o equilíbrio dos reinos e o lugar dela como Rainha.
Alyssa precisa lutar não só com a Rainha Vermelha, um espírito malicioso que tem a intenção de refazer o País das Maravilhas à própria imagem, mas também reconstruir seu relacionamento com Jeb, o mortal que ela ama, e Morfeu, o ser fantástico que também reivindica seu coração.
E, se todos tiverem sucesso e saírem vivos, eles poderão finalmente ter o felizes para sempre .

Resenha: Partindo do desfecho do livro anterior, Alyssa e seu pai voltaram do País das Maravilhas enquanto Jeb, Morfeu e sua mãe ficam pra trás, presos em Qualquer Outro Lugar, um reino onde aqueles que foram exilados do mundo mágico e intraterreno são mantidos.
Os portais que ligam os dois mundos estão fechados e Alyssa está tentando retornar para resgatá-los, e, junto com o pai, ela embarca numa jornada para lutar contra a Rainha Vermelha, ocupar seu lugar ao trono, restaurar o equilíbrio dos reinos e ainda resolver sobre sua vida amorosa que está entre Jeb e Morfeu.

A história é narrada em primeira pessoa e este volume tem um foco maior, se comparado aos anteriores, nas questões familiares de Alyssa. A presença de seu pai, a importância que ele representa pra ela, e a enorme ligação que ele tem com o outro mundo, são peças chave para o desenrolar da trama. Além disso, a autora se aprofunda ainda mais nas duas figuras masculinas que dividem o coração da protagonista, Jeb e Morfeu, e por causa deles acabei não ficando tão satisfeita assim com o rumo que as coisas levaram aqui.

A história, que a princípio apresentou um mundo sombrio, psicodélico e com uma enorme gama de seres fantásticos que tinha tudo pra oferecer uma das mais incríveis aventuras de uma releitura, se resumiu a um triângulo amoroso onde Alyssa, independente da situação em que se encontre, está em conflito com seus sentimentos e não consegue decidir com quem vai ficar. E já faz algum tempo que ando saturada de histórias onde triângulos amorosos parecem mover a trama enquanto o resto não passa de encheção de linguiça em vez do contrário. E pra mim não importou que a autora tenha dado um jeito de responder dúvidas ou justificar atitudes e pensamentos de Alyssa. Não consigo concordar com alguém que não se decide entre duas pessoas, mas também não as deixa livres pra seguirem em frente. É como se cada um deles representasse um dos mundos, o humano e o intraterreno, e ela não sabe qual escolher ou pra onde ir, pois cada um tem algo único e irresistível a oferecer. E assim como cada mundo tem suas particularidades, Jeb e Morfeu também, e aqui eles tiveram várias camadas trabalhadas de forma que a autora possibilitou que os leitores conhecessem, além de suas personalidades, suas essências, e que isso é algo que sempre vai estar alí, independente se for uma característica sombria, negativa, questionável ou condenável.

Apesar de várias situações estarem acontecendo, e da ideia de que algo grandioso no País das Maravilhas está por vir pra finalmente fechar a história com chave de ouro, não consegui me desligar do bendito "romance" e não parei de me perguntar se era algo realmente necessário pras coisas fluírem.
 Enfim, Qualquer Outro Lugar é um livro que, embora peque na questão do romance, é cheio de fantasia, aventuras, revelações e muitas reviravoltas. A protagonista tem um bom desenvolvimento e cresce de acordo com as experiências que teve, e os demais personagens conseguiram contribuir com o enredo de forma satisfatória e sem muitas conveniências, o que é, sim, um ponto bastante positivo.
Pra quem curte fantasia e é fã de Alice no País das Maravilhas, é uma leitura recomendada pra deixar os leitores com a sensação de que o legado de Alice continuou através de sua tataraneta, e agora protagonista, Alyssa.


0 Comentários pelo Blogger
Comentários pelo Facebook

Nenhum comentário

Postar um comentário