7 de março de 2012

A Rainha da Fofoca - Meg Cabot

Lido em: Março de 2012
Título: A Rainha da Fofoca - Rainha da Fofoca #1
Autor: Meg Cabot
Editora: Galera Record
Gênero: Chick Lit/Juvenil
Ano: 2008
Páginas: 431
Nota:
Sinopse: Lizzie Nichols não tem a mínima idéia do que vai fazer da vida e está detonando o dinheiro da formatura em uma viagem para visitar o namorado que conheceu há apenas três meses, mas isso não é nada. O problema é que Lizzie não consegue guardar nenhum segredo, o que a coloca em situações delicadas, como ficar presa em Londres sem um teto ou dinheiro. Felizmente uma amiga está por perto para ajudar, mas ela estraga tudo outra vez. Lizzie está no limite e precisará provar que pode usar sua boca grande para algo de bom.

Resenha: Lizzie Nichols, fã de moda e do estilo vintage, que fala mais do que a própria boca, viciada em Coca Diet, e odeia tomate, acabou de se formar em História da Moda (ou melhor, quase, pois ainda não entregou a monografia pra concluir o curso e ainda não pôs as mãos em seu diploma) e sonha em trabalhar restaurando vestidos velhos com a habilidade que só ela tem. Mas antes de fazer isso, ela sái de Ann Arbor, nos EUA, e ir pra Londres passar um tempo com Andrew, com quem namorou pela internet por míseros 3 meses depois de ter ficado com ele uma única vez e ficado encantada em como ele demonstrou um "volumoso interesse" por ela e por ele ter demonstrado ser uma pessoa perfeita pra ela, em vez de ir pra França com sua amiga Shari e o namorado Chaz.

Lizzie chega em Londres e simplesmente não reconhece o próprio namorado com aquela roupa escandalosa estilo Michael Jackson e morre de vergonha dele! Mas depois de ir pra casa dele, ou melhor, da família dele, com pais e irmãos, ter que aturar ser servida com pratos cheios de tomate e dormir numa cama em MDF feita pela mãe na lavanderia junto com o cachorro, Lizzie começa a perceber que Andrew é bem diferente daquilo que aparentou ser e o que ela achou ser amor, se transformou em pavor. Andrew é um loser, com L maiúsculo: é viciado em jogos, mentiroso, deve dinheiro por aí e vive encrencado, mentiu com relação a faculdade, burla o governo pra receber seguro desemprego e faz tudo o que Lizzie considera errado. Todo aquele sonho de que Andrew era perfeito, até pra casar, escorreu pelo ralo. Então, Lizzie, desesperada, deixa um bilhete de despedida para Andrew e resolve ir pra Paris, mesmo sem saber como chegar lá, tentar encontrar sua amiga Shari que está hospedada no chateau da família Villier para ajudar nos preparativos de um grande e rico casamento. Shari já tinha chamado Lizzie pra ir pra França com ela, mas ela recusou para ir passar a temporada com Andrew, o traste inútil.

Na viagem de trem de ida a França, ela conhece Jean-Luc (ou só Luke), um cara completamente gato e super interessante, e Lizzie pensa que já que o cara é um estranho qualquer que nunca mais mais vê-la na vida, não vai fazer diferença se desabafar "um pouco". Lizzie simplesmente não consegue ficar de boca fechada. Ela só percebe que fala demais depois das palavras já estarem pairando no ar. É uma coisa meio que impregnada em seu DNA rsrsrs.
Só que o que ela não esperava, é que Jean-Luc é anfitrião do casamento. Ele é primo da noiva, e amigo de Chaz, e ela fica sem saber onde enfiar a cara.
Eles vão pro Chateau e lá, o interesse de Lizzie por Luke passa a aumentar quando ela começa a conhecê-lo melhor, mesmo que tenha que aturar Dominique, a namorada viciada em dinheiro que ele tem...

Achei a história super bacana e engraçada, os personagens foram  bem construídos, com personalidades bem distintas e marcantes.
O livro ainda mostra, em cada início de capítulo, uma parte da monografia de conclusão de curso que Lizzie vai escrevendo sobre a história da moda.
Outra coisa que me chamou atenção, é que as partes da viagem de trem, onde o cenário é descrito e tudo mais, o vinhedo "falido", e até o interesse financeiro que Andrew tem em Lizzie fazendo com que ele fique atrás dela, lembram muito o filme "Surpresas do Coração", com Meg Ryan e Kevin Klyne, que confesso, amei e choreilitros ao assistir (até comprei a fita na época e hoje nem video cassete existe mais pra eu poder assistir! rsrsrs)

E Lizzie não é "fofoqueira" (desse tipo "fifi" que sai por aí contando segredos alheios pra ferrar com os outros.. nada disso), o negócio é que ela com essa língua solta, falando coisas que deveriam ficar apenas em seus pensamentos, sempre passa por vários maus bocados. E ela sabe disso, mas não consegue se controlar. Quando percebe que falou o que não devia e que ficar calada era melhor, já é tarde...

Rainha da Fofoca já está nos meus favoritos, com certeza...

4 comentários

  1. Esse livro é incrível!!!
    eu adoro as obras da Cabot são incríveis e eu na maioria das vezes me identificou com suas personagens e Lizzie é uma dessas ela é que nem eu que as vezes não consegue segurar a língua ^^
    Adorei a resenha!!

    ResponderExcluir
  2. é impressão minha ou essa Meg só faz obras mais femininas? rsrsrs
    sua resenha ficou bem expositiva, mas ainda assim não me interessei pela Cabot. Adoraria pegar um livro dela pra ler, mas nenhum desperta nada de interesse em mim ://
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Parece muito bom, eu não tenho esse problema de não conseguir segurar a lingua .-. más quando os vizinhos brigam eu corro pra janela kkkkkkkkkkkkkkk
    Ela é meio louca de marcar um encontro com alguém da internet não é?

    ResponderExcluir
  4. Pela sua resenha este livro deve ser sensacional e muito engraçado!

    Imagina uma pessoa que não fica com a boca calada? Ahhhhhh! Quero ler!!!

    Abraços!

    Gláucia

    eassimestaescrito.blogspot.com.br

    ResponderExcluir