Na Telinha - Origin (1ª temporada)

2 de março de 2019

Título: Origin (Origin)
Temporada: 1 | Episódios: 10
Elenco: Natalia Tena, Tom Felton, Sen Mitsuji, Nora Arnezeder, Fraser James, Philipp Christopher, Madalyn Horcher, Siobhán Cullen, Adelayo Adedayo, Nina Wadia, Johannes Johannesson
Gênero: Suspense/Sci-Fi
Ano: 2018
Duração: 60min
Classificação: +14
Nota★★
Sinopse: Um grupo de estranhos descobre que se encontra abandonado em uma espaçonave a caminho de um planeta distante. Agora eles precisam trabalhar juntos para sobreviver, mas percebem que um deles não é quem diz ser.

O YouTube entrou na onda dos serviços de streaming e, para os usuários pagantes, como Youtube Originals, passou a oferecer algumas produções bem chamativas, principalmente devido ao elenco escolhido na primeira série que disponibilizaram, Origin.

A série conta a história de um grupo de estranhos que estão em busca de uma segunda chance para recomeçarem suas vidas. Eles participam de um programa da Siren Corporation e, assim, embarcam na nave Origin rumo ao planeta Thea. Porém, algo dá errado no caminho, alguma coisa invadiu a nave, os passageiros não estão mais sozinhos e agora precisam lidar com uma presença alienígena e perigosa que pode matar quem estiver em seu caminho. Agora, como sobreviventes dessa tragédia em pleno espaço, eles devem se unir para não só descobrir o que está acontecendo, mas como sair dessa enrascada, e identificar - e eliminar - quem se tornou o hospedeiro do alienígena.


Assim, os passageiros de uma das alas da nave "acordam" antes do tempo pré-determinado e se encontram sozinhos numa situação desconhecida e perigosa onde todos são suspeitos e nada confiáveis. Desde o início também podemos acompanhar os vários flashbacks da vida de cada um deles para mostrar o que eles faziam antes do embarque, e como foram parar naquela nave, e isso ajudou no aprofundamento dos personagens para que possamos conhecê-los melhor. Todos eles tinham algum problema ou trauma que não conseguiram superar e, na intenção de apagarem o passado, só queriam uma chance de recomeçar num lugar novo e bem longe.
E sim, é impossível não associar a premissa de Origin ao seriado Lost, porém a diferença é que os personagens, em vez de estarem numa ilha com direito a mistérios e fumaça preta, estão perdidos no espaço com um alienígena a solta que pode ser qualquer um dos passageiros.


Alguns personagens tem uma história bem trabalhada e complexa, com uma carga dramática intensa e bem construída, e isso os torna pessoas bem interessantes, mas outros nem tanto. Alguns nem chegam a viver muito para que suas histórias sejam contadas.
Logan, interpretado por Tom Felton, é um personagem que, inicialmente, parece ser um imbecil, mas quando acompanhamos sua história, entendemos que ele é um ótimo personagem. E isso também se aplica em Lana (Natalia Tena), que também tem uma história de vida interessante mas ao mesmo tempo triste, e a todos os outros que tem suas histórias contadas. Todos tem um passado doloroso e traumático em comum, porém, eles não compartilham isso entre si pois querem esconder e apagar o que viveram, e a qualquer sinal de que alguma informação possa vir à tona, eles ficam desesperados tentando impedir que algo sobre eles seja descoberto pelos outros. Cada um deles tem personalidade própria e características físicas ou psicológicas singulares, dando não só uma diversidade étnica aos personagens, como também levanta seus conflitos pessoais, envolvendo suas crenças, sexualidade, moralidade, problemas de comportamento, sentimentos inesperados e afins. Apresentar os personagens através de flashbacks foi uma maneira muito inteligente de mudar ou reforçar as primeiras impressões que eles passaram, pois se não vamos com a cara de alguém do começo, lá na frente sabemos o que ele passou na vida, e isso acaba despertando nossa simpatia (ou não).


O cenário escuro, com tons envelhecidos de verde e azul, dá um ar sombrio e misterioso à série, rendendo alguns bons momentos de tensão. As luzes e os efeitos especiais que remetem à tecnologia avançada reforçam o gênero sci-fi. Logo no primeiro episódio isso fica bem evidente, principalmente por mostrar cenas com muito sangue, feridas abertas, e outras bizarrices repulsivas e cheias de violentas. O começo tem um ritmo muito bom, mas a tentativa de manter isso até o final não foi tão bem sucedida como eu imaginei. Alguns episódios se arrastaram demais focando em personagens em busca de algo que nunca aparece, e na maioria das vezes há uma tentativa de criar uma expectativa pra nada, porque ficamos esperando algo acontecer e não acontece. A todo momento vem um "BAM", um barulhão alto e repentino pra intensificar uma situação onde nada está acontecendo, ou só pra tentar assustar o espectador a toa. Esse tipo de recurso sonoro, quando utilizado nos momentos certos, causam o efeito esperado, mas se utilizado da forma gratuita como foi feito aqui, só me fez revirar os olhos. Somado isso a atitudes exageradas, comportamentos e escolhas previsíveis, e repetição de erros toscos, o resultado não foi algo muito agradável de se acompanhar. Chegou num ponto que eu não esperava pelo próximo movimento ou ataque de alguém, eu esperava pelo "BAM". Tem muito mais ação nos flashbacks do que na corrida pela sobrevivência dentro da nave. Fazendo um contraste com o momento presente, as cenas dos flashbacks são bem coloridas e com tons mais vibrantes do que na nave.


Outro ponto problemático é que muita coisa acontece fora de cena, e isso foi um problema pois quando algumas coisas começam a se encaixar na tentativa de dar algumas poucas explicações, a sensação é de que tudo foi forçado a seguir por um caminho inesperado, porém desconexo, cujo único objetivo era surpreender o espectador. No final você pensa "WTF??". Muita coisa fica em aberto, inclusive o próprio final, então pra quem quiser saber o que diabos vai acontecer, vai mofar um pouquinho na espera da segunda temporada.


No mais, apesar de não ter sido uma série que tenha me surpreendido no quesito ação e suspense, valeu ter assistido só pelas mensagens passadas nas entrelinhas através dos dramas dos personagens, pois elas, sim, me fizeram refletir sobre algumas questões da própria humanidade e seus conflitos pessoais: Como podemos usar a tecnologia e a inteligência artificial a nosso favor, mantendo a moral e a ética? Como seria se tivéssemos uma segunda chance para recomeçar a vida? Até onde somos capazes de ir para reparar nossos piores erros?

Eu não curti a ponto de indicar. Achei que a série teve mais pontos negativos do que positivos, mesmo que tenha alguns méritos. O Youtube disponibilizou os primeiros episódios de graça para "degustação", e acho que dá pra ter noção do que esperar assistindo a esses, e tirando as próprias conclusões.

0 Comentários pelo Blogger
Comentários pelo Facebook

Nenhum comentário

Postar um comentário