10 de março de 2019

Labirinto - A.C.H. Smith e Jim Henson

Título: Labirinto
Autor: A.C.H. Smith e Jim Henson
Editora: Darkside Books
Gênero: Fantasia/Juvenil
Ano: 2016
Páginas: 272
Nota:
Sinopse: Trinta anos sem perder a magia. Tudo começou em um pequeno “labirinto” real na cabeça de James Maury, mais conhecido pelo nome de Jim Henson. O cartunista, músico, roteirista, designer e diretor sabia acessar como ninguém o coração das pessoas e o seu maior dom foi dar vida a seres inanimados. A nova geração pode não lembrar do seu nome, mas com certeza tem seus personagens gravados na memória: Os Muppets, Vila Sésamo, Muppets Babies e até a inesquecível Família Dinossauro. Além deste, Henson também criou fábulas como “Labirinto”, em parceria com George Lucas, filme que encantou toda uma geração quando foi lançado, há 30 anos, com David Bowie como Jareth, o Rei dos Duendes, e também responsável pela trilha sonora, e uma jovem Jennifer Connelly no papel de Sarah, a protagonista que deseja que os duendes levem Toby, seu meio irmão e – para seu espanto – é atendida. Arrependida, ela é desafiada pelo Rei dos Duendes a atravessar o sombrio Labirinto, repleto de perigos e seres mágicos.
A novelização de Labirinto finalmente é publicada em português, em uma edição à altura do mestre. Escrita por A.C.H. Smith em parceria com Henson, a edição apresenta pela primeira vez as ilustrações dos duendes feitas por Brian Froud, que trabalhou no filme, além de trechos inéditos e nunca vistos com 50 páginas do seu diário, detalhando a concepção inicial de suas ideias para Labirinto, comemorando os 30 anos do filme em grande estilo.

Resenha: Em 2016, em comemoração aos 30 anos de lançamento, Labirinto - A Magia do Tempo, de Jim Henson (criador de Os Muppets e Família Dinossauro) e estrelado por David Bowie e Jennifer Connelly em 1986, ganhou sua adaptação literária pelas mãos de A.C.H. Smith e foi publicado no Brasil pela editora DarkSide Books.

O filme/livro conta a história de Sarah, uma garota de dezesseis anos que, desde que a mãe os abandonou, mora com o pai, a madrasta e seu meio-irmão, Toby. Ela sonha em ser atriz, adora ensaiar e interpretar papeis, mas detesta interromper seus afazeres para tomar conta do irmãozinho que ela tanto odeia. Até que numa noite, quando Sarah precisa ficar de babá para o pai e a madrasta saírem, em um repentino e forte desejo de que Toby parasse de chorar e sumisse, ela profere algumas palavras lidas em um livro e tem seu desejo realizado. O bebê é levado para longe por Jareth, o Rei dos Duendes, que vive num castelo distante. Agora, Sarah não tem outra alternativa a não ser embarcar numa grande aventura a fim de atravessar um enorme labirinto, cheio de desafios e perigos, para resgatar o irmãozinho, antes do tempo estipulado se esgotar, caso contrário ela nunca mais verá Toby.

Narrado em terceira pessoa, a leitura é fácil, fluída e é uma descrição fiel dos acontecimentos que se passam no filme. Talvez a sacada maior é fazer com que os leitores que assistiram na infância possam reviver essa grande aventura em suas memórias.

Sarah é uma personagem um tanto chata e egoísta inicialmente, e a idade ainda colabora para que seus dramas sejam amplificados. Ela se sente injustiçada com a própria vida, de ter sido abandonada pela mãe, de não ser mais criança e não ter tanta atenção, mas também não ser adulta pra ser totalmente independente, de ser obrigada a lidar com a nova companheira do pai, e agora tem um irmão com quem precisa dividir seu espaço. Porém, aquele ditado que diz que a gente só dá valor quando perde se aplica bem à situação. Por mais "insuportável" que Sarah considere o bebê, ele é seu irmão, faz parte da família, é indefeso e precisa de cuidados. E a jornada para resgatá-lo é uma jornada de autoconhecimento: Sarah aprende mais sobre si mesma, seja quando faz novas amizades, seja quando precisa tomar decisões que nunca havia precisado tomar antes, principalmente quando precisa confrontar seus próprios dilemas, lidando com seus medos e com os sentimentos conflituosos dessa fase da vida que é a adolescência.

Os personagens secundários são ótimos e só reforçam a ideia de amizade, lealdade, coragem e sensatez, elementos tão importantes para se levar a vida. Hoggle é um duende amargurado que não tem amigos e serve Jareth. No começo ele recebe ordens para atrapalhar o progresso de Sarah, mas a medida que o tempo passa, eles vão se conhecendo melhor e os laços que eles formam começam a se estreitar resultando numa amizade muito bacana. Ludo é um enorme mostro peludo com poder de chamar pedras (o que acaba sendo bastante útil nessa aventura cheia de perigos) que Sarah encontra pelo caminho, e seu coração é tão grande quanto ele próprio. Outro personagem que vem depois é o Sr. Dídimo e seu cachorro/corcel Ambrósio em quem ele cavalga por aí, e muito do toque de bom humor vem desses dois, pois se por um lado o Sr. Dídimo faz o tipo nobre cavaleiro valente e corajoso que não tem medo de enfrentar tudo e todos, Ambrósio é mais medroso e é responsável por colocar limites em seu dono.

A edição do livro dispensa maiores comentários, principalmente por se tratar da Darkside. A capa dura com detalhes dourados é linda, a fitinha pra se marcar páginas é um charme, as ilustrações após a história feitas por Brian Fround são de encher os olhos, e as cópias das páginas do diário do próprio Jim Henson, onde ele fez anotações sobre as ideias iniciais para o filme, mostra o quanto ele foi genial. Não nego que a história tenha uma pegada bem parecida com Alice no País das Maravilhas, mas ainda assim é um prazer acompanhar essa aventura.

Assim, Labirinto traz uma história incrível sobre uma jornada que não remete somente à ideia das responsabilidades e amadurecimento de uma adolescente que não tem costume de ceder muito facilmente, mas, acima de tudo, fala da importância da amizade, da família, de que não devemos julgar pelas aparências, e que só ganhamos experiência e aprendizado quando temos os mais diversos obstáculos para se enfrentar.

Se você ainda não leu o livro, leia! Se ainda não assistiu ao filme, assista! Claro que na época os efeitos especiais e práticos não se comparam com os de hoje, mas ainda assim são muito bem feitos e surpreendentes. A experiência é única e inesquecível.


0 Comentários pelo Blogger
Comentários pelo Facebook

Nenhum comentário

Postar um comentário