21 de julho de 2018

Império das Tormentas - Jon Skovron

Título: Império das Tormentas - Império das Tormentas #1
Autor: Jon Skovron
Editora: Arqueiro
Gênero: Fantasia/Aventura
Ano: 2018
Páginas: 368
Nota:
Sinopse: Em um império fragmentado, circundado por mares selvagens, dois jovens de culturas diferentes se unem por uma causa comum.
Uma menina de 8 anos é a única sobrevivente do massacre de sua vila por biomantes, uma das mais poderosas forças do imperador. Batizada com o nome de seu vilarejo para nunca se esquecer do que perdeu, Bleak Hope é treinada em segredo por um mestre guerreiro para se tornar um instrumento de vingança.
Um estranho garoto de olhos vermelhos fica órfão nas esquálidas e sujas ruas de Nova Laven, mas é adotado pela pior pessoa que o destino poderia lhe apresentar: Sadie Cabra, uma das criminosas mais infames do submundo. Batizado como Red, ele é treinado para ser um exímio atirador de facas - além de ladrão, mentiroso e trapaceiro.
Quando um senhor do crime estabelece um acordo de poder com biomantes para tomar o controle do submundo de Nova Laven em troca da miséria da população, as histórias de Hope e Red finalmente se cruzam. Seja por honra ou vingança, essa improvável aliança os levará para a maior batalha da vida deles.

Resenha: Tudo começa quando uma menina é encontrada a bordo de um navio após ter sobrevivido a um massacre contra a vila onde vivia. Sin Toa, o capitão, decide deixá-la aos cuidados do mestre da Ordem Vichen, monges guerreiros que vivem isolados. Ela recebe o nome da vila onde morava, Bleak Hope, e passa a ser treinada em segredo a fim de buscar vingança no futuro.
De outro lado, temos Red, um garoto de olhos vermelhos que perdeu os pais e foi viver nas ruas da ilha de Nova Laven. Ele acaba sob a proteção de Sadie Cabra, uma das maiores criminosas do submundo que passa a treinar o menino para ser o melhor ladrão e trapaceiro do império.
Embora ainda não se conheçam, Hope e Red vivem nesse império insular dominado pelos biomantes, seres com a habilidade de modificar as formas dos vivos. O que eles não esperavam era, com o passar dos anos, ter seus destinos cruzados para unir forças e tentar impedir a dominação de Nova Laven.

O livro é dividido em quatro partes, cada uma referente a um estágio na vida dos protagonistas, e é narrado em terceira pessoa. Embora a leitura tenha uma certa fluidez e a maioria dos detalhes sejam bem ricos, as gírias criadas pelo autor utilizadas nos diálogos me soaram irrisórias demais. Talvez a ideia tenha sido criar um universo original onde os personagens tivessem seu próprio dialeto descolado, mas pra mim não funcionou muito bem. A cada palavra "nova" que aparecia (marreta/idiota, molly/mulher jovem, tommy/rapaz, pingo de pinto/inútil, charcado/apaixonado, vaga/amigo ou conhecido, e por aí vai...), eu relia todo o parágrafo, pois, num primeiro momento, não me parecia fazer sentido já que aparecia naturalmente, mas sem maiores explicações, como se o leitor tivesse obrigação de saber do que se trata. E lá vamos nós (eu) interromper a leitura pra recorrer ao glossário ao final do livro em busca do significado do tal termo... E depois, mesmo me deparando com a palavra outras milhares de vezes, eu não conseguia me acostumar e só me sentia incomodada com esse artifício que, ao meu ver, acabou não acrescentando em nada na história. Talvez outros leitores achem esse recurso bacana, talvez tenha sido o momento meio pra baixo que escolhi pra investir nessa leitura e acabei não me familiarizando e achando graça, mas isso acabou influenciando de forma negativa em minha experiência com a história.

A trama apresenta questões polêmicas e traz algumas críticas sociais sem filtro algum através de situações e comentários pertinentes, envolvendo o machismo enfrentado por Hope ao crescer e ser treinada num ambiente inteiramente masculino onde ela não é bem vista pois "só homens podem ser espadachins", ou a vergonha e a negação por Red não aceitar ser quem é por ter um pai cujo trabalho passa longe "da moral e dos bons costumes". Foi bacana conhecer personagens secundários que fogem de estereótipos dentro do gênero da fantasia, principalmente a transgênera tratada de forma super natural, mas no final das contas outros detalhes acabaram se sobressaindo em relação aos demais que considerei positivos, e por mais que eu tenha achado o livro relativamente bom, eles também foram responsáveis por eu não conseguir aproveitar o livro da forma como eu gostaria.

Fiquei com muito mais perguntas do que respostas, e por mais que eu tenha imaginado que este, por ser o primeiro livro da série, não entregaria tudo de mão beijada para que o desenvolvimento fosse feito gradualmente, a sensação é que o autor quis ser diferente dando várias resoluções sem muita enrolação, mas senti que acompanhei os personagens e suas aventuras que não os levavam a lugar nenhum,como se não houvesse um propósito maior contra aqueles que deveriam ser os vilões, mesmo que os protagonistas sejam caracterizados como "anti-heróis", seja por Hope estar em busca de vingança, ou por Red ser um trapaceiro nato que cresceu no submundo do crime, e que embora não sejam os melhores exemplos a serem seguidos, ainda tem seus atributos e virtudes que os tornam os "mocinhos".

A história tem suas previsibilidades e traz incontáveis cenas de ação envolvendo pirataria, mortes, roubos e planos mirabolantes, o que, até certo ponto, é empolgante, mas tal empolgação é momentânea, como se o autor quisesse causar aquela euforia de forma proposital, principalmente porque a sensação é a mesma de assistir um filme estilo Piratas do Caribe: há momentos divertidos, momentos recheados de ação e perigos, mas no final das contas não inova e nem surpreende.

Enfim, pra quem curte uma história de fantasia, "fora-da-lei", cheias de ação, em alto mar ou não, e que ainda dá um tapa na cara dos mais diversos tipos de preconceito, Império das Tormentas é um bom livro a ser indicado.
0 Comentários pelo Blogger
Comentários pelo Facebook

Nenhum comentário

Postar um comentário