10 de novembro de 2017

Príncipe Partido - Erin Watt

Título: Príncipe Partido - The Royals #2
Autora: Erin Watt
Editora: Essência
Gênero: Romance/Young Adult
Ano: 2017
Páginas: 352
Nota:
Sinopse: Reed tinha tudo na vida: beleza, status e dinheiro. As garotas da sua escola matariam para sair com ele, os caras queriam ser como ele, mas Reed nunca tinha dado a mínima para nada disso. Nem para a família. Até que Ella Harper apareceu na sua vida. Quando Ella chegou à mansão dos Royal, o que ele mais queria era que a nova hóspede sumisse, mas ela o conquistou e, agora, Reed irá fazer de tudo para mantê-la por perto. Ella lhe dá segurança, lhe transmite paz, o aconchega... sensações que há muito tempo não sentia. Porém Reed comete um deslize e Ella se afasta por completo, trazendo caos à família Royal. Reed vê seu mundo desmoronar e toda a esperança de viver um romance com Ella desaparece. A garota dos sonhos de Reed não quer mais saber dele, porque sabe que se ficarem juntos, isso vai destruí-los. Ella pode estar certa.

Resenha: Príncipe Partido é o segundo volume da série The Royals e dá continuidade aos acontecimentos do primeiro volume, Princesa de Papel do ponto onde terminou.
Ella fugiu depois de um enorme deslize cometido por Reed e não quer mais saber dele. O rapaz sabe que é culpado pelo que fez e ninguém sente mais a falta de Ella quanto ele. Toda a família Royal está indignada e furiosa com Reed, mas não tanto quanto ele próprio, pois da mesma forma que desprezaram a moça quando a conheceram, com o passar do tempo eles a conheceram melhor e aprenderam a amá-la.

Depois de todas as besteiras inomináveis que Reed fez, e de como, muitas vezes, Ella parece não ter usado o cérebro para tomar algumas atitudes, fiquei na expectativa de encontrar algo próximo da redenção neste volume.
Narrado em primeira pessoa, desta vez temos o ponto de vista de Reed além do de Ella para tentarmos compreender as motivações do rapaz que continua achando que pode resolver tudo na base da violência ou, assim como seu pai, com dinheiro. Alguns pontos até esclarecem algumas das atitudes que o rapaz tomou, mas confesso não ter achado muito necessário entrar na cabeça de um personagem arrogante e, muitas vezes, desagradável. Ele deu uma melhorada? Sim! Mas pra mim não foi o suficiente, sorry.

A escrita das autoras é bastante envolvente e fluída, e por abordar o universo adolescente de uma forma mais crua, assim como no livro anterior, nos deparamos com um linguajar chulo e recheado de palavreados de jovens que tiveram as personalidades construídas com base num passado horrível, e por isso acabam tendo mais defeitos do que virtudes (e a beleza não é considerada aqui, claro).

Com a fuga de Ella, o que parece é que a família está em pleno declínio. Um começa a se envolver com o que não deve, outros começam a se distanciar dos demais irmãos, e embora Callum, o pai dos garotos e tutor da menina, seja capaz de usar de vários artifícios para encontrar a Ella e trazê-la de volta pra casa, vemos Reed totalmente alheio com a escola e com suas obrigações. Sua única preocupação é encontrar Ella. E ele faz o que pode para se redimir, para reconquistá-la e ser perdoado, mas a única coisa que importa para Ella, além de reparar o estrago que fez ao fugir sem aviso, é não ser enganada mais uma vez, e perdoar não significa esquecer... Ella também repensa suas atitudes pois por mais que a família Royal tenha incontáveis defeitos, é inegável que ela os considerou sua família depois de ter passado tanta coisa junto com todos eles, e levando tudo isso em consideração, ela percebeu que uma atitude tomada sem pensar direito, pode afetar pessoas que ela não queria magoar. O problema maior é que Ella é uma personagem que, teoricamente, deveria ser um exemplo de empoderamento depois de tudo o que viveu e aprendeu, mas suas tentativas de mostrar o quão é badass é só a tornam digna de pena. A impressão que tive é que ela quer mostrar que é superior a quem tenta prejudicá-la de qualquer forma, mas o que ela faz é "alimentar os trolls", tomando atitudes que só fazem com que tudo o que dizem sobre ela pareça ser verdade. Ou quer fazer outras coisas para se tornar alguém admirável sendo que fica claro que é uma forma forçada de fazer com que os leitores se simpatizem com ela. Mas reclamando tanto e querendo "vingança", só tive pena.

Talvez tudo que aconteceu na família fez com que Callum olhasse para dentro de casa e enxergasse o que estava acontecendo com os filhos e com Ella. Se antes ele era um pai relapso, agora ele se mostra mais preocupado e mais presente, e que ter o pulso firme quando o assunto é educação é algo necessário. Porém, penso que em alguns casos é tarde demais pra tentar recuperar o prejuízo, e educar filhos se encaixa perfeitamente nessa questão. Se alguém passa a vida acreditando num determinado conceito, é difícil ficar livre dele de uma hora pra outra, e se o próprio pai pensa que dinheiro é a solução pra todos os problemas, independente de quais sejam, então boa coisa não pode sair dalí...

Este volume também acaba com um gancho pro terceiro livro da série, Twisted Palace, (ainda não publicado no Brasil), e pretendo continuar a leitura esperando ansiosa para que os personagens amadureçam, aprendam com os erros e tenham algo de relevante para passar adiante que vá além da dinâmica de uma família poderosa e endinheirada que atrai problemas e gente oportunista como nenhuma outra. Penso que muita novela mexicana não é nada perto de The Royals.

Por mais que tenha alguns pontos que, talvez, pudessem ser desenvolvidos e trabalhados de outra forma visando o público alvo do livro, é impossível não querer saber o que mais a história dessa família tão disfuncional reserva.

Nenhum comentário

Postar um comentário