Mostrando postagens com marcador Studio Ghibli. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Studio Ghibli. Mostrar todas as postagens

Na Telinha - O Conto da Princesa Kaguya

6 de abril de 2024

Título:
O Conto da Princesa Kaguya (Kaguya-hime no monogatari)
Produção: Studio Ghibli
Elenco: Aki Asakura, Kengo Kora, Takeo Chii
Gênero: Animação/Fantasia/Drama
Ano: 20135
Duração: 2h 17min
Classificação: Livre
Nota:★★★★★
Sinopse: Esta animação é baseada no conto popular japonês "O cortador de bambu". Kaguya era um minúsculo bebê quando foi encontrada dentro de um tronco de bambu brilhante. Passado o tempo, ela se transforma em uma bela jovem que passa a ser cobiçada por 5 nobres, dentre eles, o próprio Imperador. Mas nenhum deles é o que ela realmente quer. A moça envia seus pretendentes em tarefas aparentemente impossíveis para tentar evitar o casamento com um estranho que não ama. Mas Kaguya terá que enfrentar seu destino e punição por suas escolhas.

A animação O Conto da Princesa Kaguya, produzida pelo Studio Ghibli, é baseada numa lenda popular narrada desde o século X, O Cortador de Bambu, que faz parte da cultura japonesa e é uma das mais antigas e famosas que existem.
Ela conta a história de um casal de camponeses bem pobres e idosos que não tiveram filhos, mas criam uma garotinha que nasceu de um broto de bambu. Ela cresce e se desenvolve muito rápido, o que intriga bastante as crianças do vilarejo que logo se tornam seus amigos, principalmente um garoto chamado Sutemaru, que tem um enorme carinho por ela.




Vivendo numa casinha simples, ela brinca com os amigos, corre pela floresta e pelas montanhas, e sempre apronta alguma peripécias junto com as outras crianças. Apesar de serem pobres e passarem algumas dificuldades, ela não poderia ser mais feliz.
Mas tudo muda quando seu pai, o cortador de bambu, começa a encontrar ouro e tecidos finos no bambuzal. Ele acredita que toda essa riqueza foi enviada pelos céus para que ele possa fazer de sua filha uma princesa. E assim, ele parte com a família para a cidade, onde passam a morar num grande palácio levando um estilo de vida digno da nobreza.
Na cidade, a garota começa a aprender com a Srta. Sagami sobre os modos da corte para poder se portar como uma verdadeira dama, mas todos os luxos que lhe foram proporcionados jamais trariam a mesma alegria que ela tinha quando vivia no vilarejo, e ela passou a se sentir aprisionada por ser obrigada a seguir por um caminho que ela nunca quis.


Até que depois de um grande banquete promovido pelo seu pai, cinco pretendentes na nobreza se interessam em tomá-la como esposa, até mesmo o próprio imperador. Sem intenção de se casar com um daqueles homens, Kaguya começa a dar tarefas impossíveis de serem cumpridas numa tentativa de se livrar desses pretendentes mas, a medida que o tempo passa, suas escolhas começam a definir seu inevitável destino.


O Conto da Princesa Kaguya é uma das animações mais bonitas e sensíveis que já assisti. É uma história tocante e triste que traz reflexões profundas não apenas sobre as consequências das escolhas tomadas, mas também sobre o silenciamento e a objetificação da mulher que perdura por séculos.
A animação mostra muito da antiga cultura japonesa no que diz respeito à transformação que a mulher precisava passar para se adequar aos padrões de beleza da época, à sociedade e ao seu futuro marido, como ter o corpo modificado, os dentes escurecidos e várias outras características dolorosas que tornavam a mulher submissa. Desde o início Kaguya já demonstrava uma enorme relutância em aceitar essas imposições, ela questiona a Srta. Sagami e trata seus ensinamentos como brincadeira, ela se recusa a "ter modos", e no fundo o que ela queria era brincar com os amigos na floresta e ser livre para escolher o que quisesse. Porém, essa "rebeldia" é repreendida por todos à sua volta e Kaguya passa a acreditar que seu comportamento inadequado traz infelicidade e desgosto para seus pais, e unindo isso a obsessão do seu pai em fazer dela uma nobre princesa a qualquer custo, o que resta à garota é ceder as vontades do pai e mergulhar cada vez mais fundo num sentimento de vazio e não pertencimento...
Sua mãe entende o quanto Kaguya está sofrendo, mas não tem o que fazer a não ser consolá-la pois, por ser mulher, ela não pode confrontar o marido e faz o papel de esposa submissa e obediente.




Frustrada, deprimida, silenciada e presa na própria solidão, ela se agarra às suas lembranças mais felizes do passado, e aqui eu tenho que destacar como os traços e as cores da animação mudam conforme os sentimentos de Kaguya. O que antes parecia uma pintura em aquarela e tons pastéis, se torna rabiscos agressivos e escuros que demonstram toda a agonia, raiva e angústia sentidas pela protagonista, o que a leva a implorar para os céus que a tirem daquela situação terrível já que ninguém que seja próximo dela dá importância para o que ela realmente quer.

Eu ainda me pergunto como pode essa animação ter perdido o Oscar para Operação Big Hero, da Disney. Não que esse segundo seja ruim, mas em comparação com a obra de arte que é O Conto da Princesa Kaguya, pelamordedeus... É um pecado, quase um crime.

É uma animação com poucos diálogos, o que faz com que quem esteja assistindo acabe apreciando não só os desenhos feitos à mão com a maior delicadeza desse mundo, mas também os momentos de silêncio e contemplação dos personagens em meio a simplicidade da vida no campo em meio a natureza ou aos luxos de um palácio repleto de requinte. As coisas acontecem devagar, vão sendo digeridas aos poucos, o que acaba dando um toque tão agridoce quanto amargo diante dos acontecimentos.










Penso que por mais que o conto exista há mais de mil anos, é impossível não se surpreender com uma adaptação tão atemporal e que traz questionamentos tão relevantes sobre o papel da mulher na sociedade (que muitas vezes é impedida de ser quem ela é), sobre a felicidade poder ser encontrada nas pequenas e mais simples coisas da vida, e sobre as pessoas só darem valor ao que elas têm quando perdem...

Netflix e Studio Ghibli - 21 clássicos da cultura japonesa pra gente assistir!

13 de fevereiro de 2020

Em 20 de Janeiro de 2020 a Netflix anunciou que, a partir de fevereiro, irá disponibilizar 21 animações do Studio Ghibli (reconhecido mundialmente após A Viagem de Chihiro ter ganhado o Oscar de melhor animação em 2002) em seu catálogo!

Considerados clássicos pelos fãs de cultura japonesa e animes, com exceção de O Túmulo dos Vagalumes (1988), a plataforma adquiriu os direitos de exibição dos longas para alegria dos espectadores de plantão.

Serão 7 títulos por mês até abril.

Confira o cronograma:

📅 01/02/2020
  • O Castelo no Céu (1986)
  • Meu Amigo Totoro (1988)
  • O Serviço de Entregas da Kiki (1989)
  • Memórias de Ontem (1991)
  • Porco Rosso: O Último Herói Romântico (1992)
  • Eu Posso Ouvir o Oceano (1993)
  • Contos de Terramar (2006)

📅 01/03/2020
  • Nausicaä do Vale do Vento (1984)
  • Princesa Mononoke (1997)
  • Meus Vizinhos, Os Yamadas (1999)
  • A Viagem de Chihiro (2001)
  • O Reino dos Gatos (2002)
  • O Mundo dos Pequeninos (2010)
  • O Conto da Princesa Kaguya (2013)

📅 01/04/2020
  • Pom Poko: A Grande Batalha dos Guaxinins (1994)
  • Sussurros do Coração (1995)
  • O Castelo Animado (2004)
  • Ponyo - Uma Amizade que Veio do Mar (2008)
  • Da Colina Kokuriko (2011)
  • Vidas ao Vento (2013)
  • As Memórias de Marnie (2014)

Na Telinha - As Memórias de Marnie

27 de janeiro de 2019

Título: A Viagem de Chihiro (Omoide no Marnie)
Produção: Studio Ghibli
Elenco: Kasumi Arimura, Nanako Matsushima, Susumu Terajima
Gênero: Animação/Drama
Ano: 2015
Duração: 1h 44min
Classificação: Livre
Nota:★★
Sinopse: Anna é uma menina de 12 anos, filha de pais adotivos, sempre muito solitária e não exatamente feliz. Um belo dia, em um castelo numa ilha isolada, ela conhece Marnie. A menina loira de vestido branco se torna a grande e única amiga de Anna, mas ela descobrirá que Marnie não é exatamente quem parece ser.

Anna é uma garotinha de doze anos que foi criada por pais adotivos depois que perdeu os pais e a avó. Ela sofre de asma e tem muitos problemas de comunicação a ponto de se isolar, evitando se socializar com outras crianças.


Depois de sofrer um ataque asmático muito forte e ter a saúde abalada, ela é enviada para a casa dos tios no interior para ter um contato maior com a natureza e respirar os novos ares do campo. Até que Anna se depara com uma mansão dos sonhos, e lá ela conhece Marnie, uma garotinha que parece ser tão solitária quanto ela. Logo elas criam um laço muito forte de amizade e cumplicidade, mas há um mistério que paira em volta de Marnie e da mansão, e, aos poucos, Anna vai encontrar respostas.


Como eu adorei a Viagem de Chihiro, resolvi pesquisar sobre as demais animações do Studio Ghibli, e As Memórias de Marnie foi o que mais me chamou a atenção. Assim como o primeiro, este, embora não tenha elementos fantasiosos, vai mostrar a jornada de uma garotinha que está em busca de algo que vá preencher um enorme vazio dentro de si mesma.


A solidão, assim como o sentimento de exclusão, que Anna sente é algo bem triste, e através de seu comportamento percebemos o quanto a menina precisa de ajuda para não definhar. Ela passa os dias desenhando e observando outras crianças, mas se fechou numa bolha individual impedindo que outras pessoas se aproximem, porém ela ainda não se deu conta de que a falta de aproximação dos outros é pelo fato de ela mesma não dar nenhuma brecha para que isso aconteça. Mesmo que seus pais tenham morrido, ela os culpa pelo abandono e que por isso ela é tão diferente. Quando ela descobre que, por ser adotada, sua mãe recebe auxílio do governo para ajudar com seu sustento, aí é que ela se sente pior, como se ela fosse um enorme fardo que, além de dar despesas, só tivesse sido adotada para que a mãe recebesse esse benefício, coisa que não é verdade.


Porém, ao ir para o interior conviver com os tios, com a natureza, e principalmente ao conhecer Marnie, aos poucos, ela começa a se libertar de todas as amarras que estavam a sufocando. Sua saúde começa a melhorar e a amizade sincera com a garotinha começa a preencher todas as suas lacunas. Anna percebe que Marnie também é uma criança muito sozinha, seus pais estão sempre muito ocupados e nunca lhe dão atenção, mas embora ela também seja sozinha, Marnie tenta encarar tudo com otimismo, um grande sorriso no rosto e um brilho no olhar, e esse comportamento acaba contagiando Anna, fazendo com que ela se solte cada vez mais desencadeando inclusive um sentimento de apego, como se ela precisasse de Marnie para seguir em frente e ser ela mesma. Mas dúvidas sobre a existência de Marnie começam a surgir... Ela realmente existe, ou se trata de uma amiga imaginária que Anna criou para superar os próprios problemas e fugir da solidão?


O roteiro em si é bastante simples e a trama se desenvolve de forma muito lenta, o que pode tornar a animação um pouco cansativa de se acompanhar em alguns pontos, mas ainda assim encanta pelo cenário deslumbrante e pela delicadeza com que trata os dramas das meninas com a devida realidade. O final, pra mim, parecia ser previsível, mas seguiu por um caminho que além de explicar as origens de Anna, conseguiu surpreender de forma bastante satisfatória e emocionante.

As Memórias de Marnie é um filme cheio de sensibilidade que aborda temas delicados como abandono, culpa, solidão e outros traumas, mas mostra que a autodescoberta e a superação através do amor, mesmo que pareça ser clichê, além de passar uma mensagem muito bonita, consegue tocar nossos corações e fazer com que torçamos para que tudo fique bem.

Na Telinha - A Viagem de Chihiro

15 de novembro de 2016

Título: A Viagem de Chihiro (Sen to Chihiro no Kamikakushi)
Produção: Studio Ghibli
Elenco: Rumi Hiiragi, Miyu Irino, Mari Natsuki
Gênero: Animação/Fantasia/Aventura
Ano: 2003
Duração: 2h 02min
Classificação: Livre
Nota:★★★★★
Sinopse: Chihiro é uma garota de 10 anos que acredita que todo o universo deve atender aos seus caprichos. Ao descobrir que vai se mudar, ela fica furiosa. Na viagem, Chihiro percebe que seu pai se perdeu no caminho para a nova cidade, indo parar defronte um túnel aparentemente sem fim, guardado por uma estranha estátua. Curiosos, os pais de Chihiro decidem entrar no túnel e Chihiro vai com eles. Chegam numa cidade sem nenhum habitante e os pais de Chihiro decidem comer a comida de uma das casas, enquanto a menina passeia. Ela encontra com Haku, garoto que lhe diz para ir embora o mais rápido possível e ao reencontrar seus pais, Chihiro fica surpresa ao ver que eles se transformaram em gigantescos porcos. É o início da jornada de Chihiro por um mundo fantasma, povoado por seres fantásticos, no qual humanos não são bem-vindos.

Chihiro Ogino é uma garotinha mimada de dez anos que está odiando a ideia de se mudar de casa. Durante a mudança, seu pai toma um atalho para economizar tempo mas faz com que fiquem perdidos. Ao se depararem com um túnel misterioso, os pais de Chihiro decidem atravessá-lo para saber o que há além, mesmo que a menina resista e não queira ir, e acabam num vilarejo aparentemente abandonada mas com restaurantes cheios de muita comida. Com fome, eles decidem comer e Chihiro, que não estava gostando nada do que estava acontecendo, rejeita a comida e vai explorar o lugar. Ela conhece o jovem Mestre Hako, que a alerta sobre os perigos do vilarejo e que ela deveria ir embora antes que anoitecesse. Então, ela descobre que o povoado da cidade é composto por vários espíritos quando, no escuro, o lugar parece ganhar vida, e muito assustada, a garota volta para procurar os pais para irem embora, mas descobre que os dois se transformaram em porcos enormes e irracionais. Chihiro foge para procurar ajuda mas não esperava que para romper o feitiço e libertar os pais, ela teria que trabalhar para uma bruxa ambiciosa, dona de uma casa de banhos, num mundo povoado por criaturas e fantasmas que não possuem a menor simpatia por humanos.


A Viagem de Chihiro, a primeira vista, pode parecer um desenho infantil mas a riqueza dos detalhes, da trilha sonora e do próprio conteúdo mostra que o que pode ser absorvido vai depender da idade de quem assiste. Enquanto as crianças irão se deparar com uma aventura incrível por um mundo sobrenatural cheio de ação e muitos perigos, os adultos acompanharão uma parábola sobre a transição entre a infância e a idade adulta na busca por seus ideais, assim como o amadurecimento de uma garotinha, antes intragável, para alguém que enxerga a vida com outros olhos, aprendendo que só através do trabalho duro é possível conquistar o que desejamos, e só com atitudes e escolhas sensatas podemos conquistar o respeito alheio e atingir nossos objetivos.


No decorrer da animação podemos perceber que todas as situações que ela se depara são responsáveis por seu crescimento e por sua evolução como pessoa. Com o passar do tempo e de acordo com o que aprende com as experiências que tem, Chihiro passa a deixar o orgulho de lado para praticar a humildade, prova sua coragem por várias vezes, demonstra sabedoria nas mais diversas e perigosas situações, se responsabiliza pelas escolhas que faz, aprende a não fazer julgamentos baseada nas aparências, e consegue resistir a momentos de muita tensão e pressão praticamente sozinha em meio ao desconhecido, mostrando que mesmo num ambiente hostil onde a maioria das pessoas são gananciosas, arrogantes, interesseiras e perversas, é possível ignorar tudo o que pode corromper a alma, desenvolvendo, assim, um caráter admirável, tornando-se um símbolo de dignidade e bondade.


Acredito que o único porém é que devido a inspiração na cultura e em outros elementos orientais dos quais não tenho tanto conhecimento quanto gostaria, fiquei com aquela sensação de que há muito mais pra ser entendido e várias mensagens ou referências que não foram totalmente absorvidas.

Diferente de um conto de fadas, Chihiro não é o tipo de garotinha que precisa ser salva por um príncipe encantado enquanto sofre nas mãos de uma madrasta má e canta músicas felizes... Esqueça a maioria das princesas da Disney que mofam esperando o amor com suas lamúrias e infortúnios eternos.


Em suma, posso finalizar dizendo que A Viagem de Chihiro é o tipo de animação que traz muitas reflexões sobre a natureza humana através de metaforas simples sob um enredo rico, mágico e complexo que vai encantar qualquer um, independente da idade.