19 de abril de 2012

Delírio - Lauren Oliver

Lido em: Março de 2012
Título: Delírio - Delírio #1
Autor: Lauren Oliver
Editora: Intrinseca
Gênero: Romance/Distopia
Ano: 2012
Páginas: 342
Nota:
Sinopse: Muito tempo atrás, não se sabia que o amor é a pior de todas as doenças. Uma vez instalado na corrente sanguínea, não há como contê-lo. Agora a realidade é outra. A ciência já é capaz de erradicá-lo, e o governo obriga que todos os cidadãos sejam curados ao completar dezoito anos. Lena Haloway está entre os jovens que esperam ansiosamente esse dia. Viver sem a doença é viver sem dor: sem arrebatamento, sem euforia, com tranquilidade e segurança. Depois de curada, ela será encaminhada pelo governo para uma faculdade e um marido lhe será designado. Ela nunca mais precisará se preocupar com o passado que assombra sua família. Lena tem plena confiança de que as imposições das autoridades, como a intervenção cirúrgica, o toque de recolher e as patrulhas-surpresa pela cidade, existem para proteger as pessoas. Faltando apenas algumas semanas para o tratamento, porém, o impensado acontece: Lena se apaixona. Os sintomas são bastante conhecidos, não há como se enganar — mas, depois de experimentá-los, ela ainda escolheria a cura?

Resenha: Lena é a menina certinha, criada pela tia após acreditar que sua mãe morreu em decorrência da doença, que vive submissa aos "caprichos" do governo e acredita que terá um ótimo futuro se continuar obediente. Ela começa a fazer uma contagem regressiva dos dias que faltam pro seu aniversário de 18 anos e pra que sua intervenção seja feita logo de forma que ela possa ficar livre de uma vez por todas dessa doença terrível que é o amor e do que ele faz com as pessoas, mesmo que ela nunca tenha sentido isso por alguém.
Uma pessoa curada, simplesmente deixa de sentir afeto por qualquer pessoa, seja ela um amigo de infância, a mãe, ou os próprios filhos que ela possa vir a ter.
Lena cresceu acreditando que a cura é uma coisa boa e necessária para uma vida plena e feliz, mesmo sabendo que existem "inválidos" a solta, que vivem escondidos na selva, fugindo e resistindo a essa "ditadura", e mesmo das lembranças que tem da mãe que não conseguiu ser "curada" e fazia questão de deixar claro o quanto a amava.

Só que Lena não contava que iria conhecer Alex e os mistérios que cercam o rapaz, que acaba mostrando pra ela que a vida na "selva" poderia ser bem diferente do que ela espera se passar pela cirurgia que a espera... Então, Lena, que até então desconhecia a "vida lá fora" começa a se descobrir, o que fará com ela se decida se quer ser curada, ou se quer se deixar levar pela doença.

A leitura pra mim, foi muito arrastada com detalhes inuteis e fiquei com a impressão de que a autora gosta de enfeitar e encher linguiça demais em vez de chegar ao ponto logo e isso me desanimou muito. É um estilo de escrita que não me chama atenção. Acho que uma coisa é descrever e detalhar o ambiente, e outra coisa é exagerar com atitudes que não fazem sentido ou que não servem nem acrescentam nada, como detalhar a observação de um bicho voando, a toa, do nada, dentre outros exageros, como se quisesse "poetizar" o texto. Aff.

Achei a ideia inicial, sobre o amor ser tratado como doença e a necessidade de ser erradicado pra acabar com o sofrimento e as bobagens que os outros fazem em nome dele, bacana, confesso; mas achei que a história iria tomar outro rumo, ou que a pessoa infectada pudesse pelo menos ter livre arbítrio.. mas não...

Acho que uma sociedade que vive a mercê do governo, e ai de quem se manifestar contra, caso contrário será punido severamente, é uma idéia já explorada. Pra mim foi um tipo de leitura que eu lia, lia e lia, mas fiquei com a sensação de não sair do lugar.

Esse lance de o governo ter poder de controlar as pessoas, o que elas devem e não devem fazer, se intrometendo em suas vidas da forma mais invasiva e cruel possível é uma ideia que me deixa sem paciência.
E outra coisa que me deixou maluca da vida: Como pode uma pessoa não ter sentimentos, gerar e criar um filho sem amá-lo, ter um relacionamento com uma pessoa por quem você não sente nada (e olha que nem é questão de golpe ou coisa do tipo, já que isso não existe nessa sociedade), tratar todas as pessoas que você conhece com indiferença, como se nunca tivessem tido uma história ou amizade, e isso porque o simples fato de demonstrar qualquer afeição por alguém é considerado um crime... Nossa... isso é uma loucura sem tamanho! Não consigo imaginar um mundo assim, sinceramente.

Mas enfim, a história simplesmente não me surpreendeu, não me prendeu de maneira que eu ficasse empolgada. Lena é uma pessoa aberta a opiniões, que mesmo com medo da repressão do governo, resolve experimentar o que é proibido pra chegar as próprias conclusões, e gostei disso. É um livro razoável, pela ideia inicial, pelo desenvolvimento dos personagens e pelas descobertas que Lena faz, mas nada além disso.


9 comentários

  1. boa resenha! eu tenho esse livro mais ainda nao li.
    gostei do seu blog, estou te seguindo
    segue o meu tbm

    http://lostgirlygirl.blogspot.com.br/

    bjos

    ResponderExcluir
  2. Eu me apaixonei por esse livro *-* parabéns pela resenha
    Vo te seguir o/
    bjim bjim
    Caroline Cordeiro
    http://o-beijo-do-principe.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Eu estou com vontade de ler esse livro desde que eu vi a sinopse dele em inglês vários meses atrás, quero ler uma distopia e esse livro parece ser perfeito para começar.

    http://viciadoemlivrosefilmes.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Oie...
    Esse livro é bom, no início é bem chatinho, a leitura realmente é mto arrastada, mas os acontecimentos e surpresas compensam isso.
    Quando terminei de lê-lo não pude acreditar q o Alex havia ficado para trás. Tudo bem, talvez fosse esse o fim q eu esperasse para Delírio, mas mesmo assim, por um lado eu esperava que ele conseguisse fugir com a Lena, e juntos eles começassem uma nova vida, e q sua continuação (Pandemônio) fosse a história dessa vida, mesmo q (o livro) fosse repleto de perseguições e tudo mais.
    Bom, de qualquer maneira gostei de Delírio, pude sentir um pouco o que seria o mundo sem o amor, e cheguei a conclusão d que eu seria uma "Inválida", pois em um mundo assim eu não conseguiria viver.

    Amei seu blog, parabéns!

    ResponderExcluir
  5. Abandonei. melhor, pausei por tempo indeterminado.
    Achei arrastado também, na metade do livro nada acontecia, decidi dar prioridade pra outros.
    Quem sabe no final da saga eu não compro todos.
    Beijos flavia

    ResponderExcluir
  6. Devo admitir que quando li a sinopse a ideia parecia legal, mas mesmo assim não me chamou muito a atenção...E pelo jeito minha intuição tava certa e foi confirmada com sua resenha...

    ResponderExcluir
  7. Eu também odeio esse tipo de coisa, do governo mandar no povo... afz... E tenho a liberdade de escolher o que quero fazer ou não, e controlar sentimentos então, isso sim é o cumulo viu!

    ResponderExcluir
  8. ei adorei esse livro,esse gênero distopico tem me agradado cada dia mais,parabens pela resenha!

    ResponderExcluir
  9. já vi muitos comentarem sobre o livro, mas não me chamou muito a atenção não.
    Talvez eu até leia um dia desses e forme uma opinião mais certa =)

    ResponderExcluir