O Filho Rebelde (Wayward Son) - Rainbow Rowell

11 de janeiro de 2021

Título:
 O Filho Rebelde (Wayward Son) - Simon Snow #2
Autora: Rainbow Rowell
Editora: Seguinte
Gênero: Jovem adulto/Romance
Ano: 2020
Páginas: 344
Compre: Amazon
Nota:★★★★☆
Sinopse: Simon Snow venceu. Ele pôs fim às forças do mal que ameaçavam destruir o Mundo dos Magos. Tudo deu certo. Ou quase. Porque, agora, Simon perdeu toda a sua magia. Ele não passa de um normal... Bom, tirando o fato de ter asas e um rabo de dragão. Vendo o melhor amigo mergulhar em um desânimo cada vez maior, Penelope decide levar Simon e Baz em uma viagem de carro para visitarem Agatha, que agora mora na Califórnia. O que era para ser um passeio divertido se mostra muito mais desafiador do que imaginavam. Afinal, os Estados Unidos abrigam todo tipo de criatura mágica mal-intencionada e disposta a causar problemas. Em meio a uma confusão enorme com uma legião de vampiros e outros seres malignos, talvez Simon finalmente seja capaz de reunir a força necessária para seguir em frente -- e deixar algumas pessoas para trás.

Resenha: Segundo volume da trilogia Simon Snow, O Filho Rebelde vem trazendo a continuidade dos acontecimentos trágicos do livro anterior. Por se tratar da continuação, essa resenha tem alguns spoilers!
Como era esperado, Simon não pôde escapar da batalha final. Embora tenha conseguido derrotar as forças malignas, o preço que pagou por esse feito foi bem alto: Além de ter perdido sua magia, ele ainda adquiriu asas e um rabo de dragão, e, por isso, nem se passar por um reles humano comum ele pode. Simon está desanimado, e a única coisa que faz da vida agora é monopolizar o sofá enquanto enche o bucho de pizza o dia inteirinho. Ele não quer ir pra faculdade, não se adaptou com a ideia de não ter mais o dom da magia, e ainda tem que aprender a controlar as novas partes peculiares do seu corpo.

Como também era mais do que esperado, Simon e Baz acabaram se entendendo depois dos trancos e barrancos, e viram que o sentimento que possuíam ia muito além de ódio ou amizade: se tornaram namorados super fofos. Mas nem esse amor lindo e maravilhoso que surgiu era suficiente pra motivar o garoto, não importava o que Baz fizesse pra tentar. Sendo assim, preocupada com o amigo e em busca de um recomeço, Penny propõe uma viagem à Califórnia para tirar Simon desse estado deplorável, encontrar com seu namorado e ainda ver Agatha que foi embora da Inglaterra a fim de abandonar tudo relacionado a magia. Chegando lá, eles acabam sendo perseguidos por vampiros, que são bem diferentes daqueles encontrados na Inglaterra e que querem dominar o mundo, e com a ajuda de Shepard, um humano que quer saber tudo sobre o universo da magia, eles vão lutar por suas vidas numa aventura mirabolante.

Seguindo o padrão de narrativa do livro anterior, porém com um ritmo mais lento, agora temos uma mudança no modo de ser e de agir de Simon que acaba sendo um problema pro desenvolvimento da trama. Ele não se sente mais o mesmo, acredita que o amor com Baz está acabando, e acha que não existe mais futuro em seu relacionamento, coisa que não faz o menor sentido e parece estar ali só pelo drama desnecessário. Esse comportamento dá uma preguiça danada, porque ele se passa como um idiota mimado que precisa de atenção o tempo inteiro, e até que as coisas ganhem um ritmo mais acelerado, abrindo novos caminhos a serem explorados, a história se arrasta bastante focando na viagem e no comportamento adolescente de Simon, e olha que ele já não tem mais idade pra se comportar feito criança. Haja paciência. Ainda bem que novos personagens apareceram pra dar um gás e movimentar as coisas.
Sendo assim, o relacionamento em si não é lá muito abordado já que Simon está afastando Baz sem medir as consequências, por pura ignorância, e o que ganha destaque são as confusões que acontecem do começo ao fim no melhor estilo das "férias frustradas de verão".

Se a ideia era trabalhar a depressão através do comportamento de Simon, acho que não funcionou muito bem, pois além de não ter havido aprofundamento algum, a chance que ele tinha de aprender alguma coisa com os acontecimentos e com a própria forma de agir escorreu pelo ralo e foi embora. Mesmo que a aproximação tenha ocorrido de forma beeeem gradual, a sensação foid e que não serviu pra nada porque Simon continuou perdido. Como assim o infeliz não aprendeu nada depois de tudo o que aconteceu?
Ainda que seja bem humorado, bastante divertido, e mais direto do que o primeiro, a autora segue com a aventura sem divagar, visto que as informações principais já foram dadas no livro anterior. Claro que há alguns acréscimos interessantes, mas são descritos de uma forma mais enxuta, talvez para focar nos personagens e na situação em que eles se encontram. Mesmo que os perigos e os problemas que surgiram no meio do caminho tenham vindo pra mostrar que a vida não é apenas viver de amores

Enfim, O Filho Rebelde parece ter caído naquela "maldição do segundo volume", pois funciona mesmo como um tipo de ponte pra levar um ponto até outro, sem que nenhuma questão levantada antes tenha sido esclarecida.
Resta aguardar o lançamento do desfecho da trilogia, Any Way the Wind Blows, e torcer pra autora dar um jeitinho nos pontos negativos e fechar com excelência, dando um final digno para os nossos protagonistas que merecem a felicidade e uns abraços quentinhos.


0 Comentários pelo Blogger
Comentários pelo Facebook

Nenhum comentário

Postar um comentário