De Mãos Dadas - Alice Oseman

20 de junho de 2022

Título:
 De Mãos Dadas - Heartstopper #4
Autora: Alice Oseman
Editora: Seguinte
Gênero: HQ/Romance/Juvenil
Ano: 2022
Páginas: 384
Nota:★★★★★
Compre na pré venda: Amazon
Sinopse: Charlie e Nick já não precisam esconder de ninguém no colégio que estão namorando, e agora, mais do que nunca, Charlie quer finalmente dizer "Eu te amo". O que parece um gesto simples se torna bem complicado quando sua ansiedade o faz questionar se Nick se sente da mesma forma…
Nick, por sua vez, está com a cabeça cheia. Afinal, ele ainda não teve a oportunidade de se assumir para o pai, e se preocupa constantemente com Charlie, que dá sinais claros de ter um transtorno alimentar.
Conforme o relacionamento dos dois amadurece, os desafios que vêm pela frente ficam cada vez mais difíceis — mas os garotos logo vão aprender que amar alguém nada mais é do que estar ao seu lado, juntos, de mãos dadas.

Resenha: Nick e Charlie continuam levando o namoro firme depois de assumirem o relacionamento durante a excursão da escola que fizeram pra Paris. Agora eles estão bem felizes por não precisarem mais se preocupar em manter segredo sobre o namoro e poderem, enfim, ser quem são na frente de todo mundo.
Charlie se encontra em mais um dilema, pois ele realmente ama Nick de todo o seu coração, mas tem medo de se declarar e isso assustar ou afastar o garoto mesmo que já esteja óbvio que o sentimento é recíproco. Ele ainda carrega muitas inseguranças e se pega imaginando situações que não existem, como pensar que se ele se declarar, Nick pode se sentir pressionado ou responder algo que não fosse verdade pra não magoá-lo, o que o deixa ainda mais inseguro e com crises de ansiedade com relação a expor seus sentimentos, sem contar com sua necessidade de se desculpar a todo momento por qualquer coisa mínima que fale ou faça. Do outro lado, Nick anda preocupado com duas questões que andam enchendo sua cabeça: o fato de ainda não ter assumido sua bissexualidade para o pai, e por ter percebido, ainda durante a viagem pra Paris, que Charlie tem um transtorno alimentar que parece ser bem grave, o que o levou a querer fazer de tudo pra tentar ajudá-lo.
Nesse quarto volume da série Hearstopper, a autora continua o desenvolvimento do namoro, assim como a cumplicidade e os dilemas entre Charlie e Nick, e dá um aprofundamento um pouco maior na relação dos meninos com seus pais. Diferente de Nick, que pode se abrir com Jane, sua mãe, sobre qualquer assunto, Charlie se retrái por não poder conversar sobre seus sentimentos com a própria mãe, e saber que ela supõe coisas sobre ele que não correspondem com a realidade, só pioram sua ansiedade, sua dependência emocional por Nick, e seu transtorno alimentar. Uma coisa é a mãe ter aceitado o filho se assumir homossexual, outra coisa é ela estar aberta ao diálogo pra entender o que se passa na cabeça de Charlie, então é mais fácil condenar o que ela julga ser mentira ou um comportamento inadequado do que compreender.
O problema é que Nick começa a se sentir responsável por Charlie, como se ele pudesse fazer algo para curar esse distúrbio, mas é algo que está fora de seu alcance. E aqui, Oseman aborda a questão da dificuldade de se estar num relacionamento onde uma das partes desenvolve algum tipo de transtorno psicológico que vai piorando com o passar do tempo, e deixa bem claro que é algo que deve ser tratado por um profissional, pois qualquer pessoa sem a devida formação, incluindo adolescentes de dezesseis anos (por mais preocupados e bem intencionados que possam estar diante da situação), precisam entender que não são capazes de resolver esse tipo de problema, e que a forma de ajudar é justamente aconselhar a procurar a ajuda adequada. Confesso que fiquei angustiada em ver Charlie tão mal por causa da anorexia e como ele descreve como se sentia, o que pensava ao ficar sem comer, e que foram vários traumas que desencadearam esse transtorno. O triste é que nem Nick, nem os amigos, e nem a família de Charlie não podiam fazer nada além de apoiá-lo no que pudessem e torcerem para que as coisas melhorassem.

Além do nível de complexidade e drama que o namoro dos meninos assumiu, os relacionamentos de outros personagens, como Tao e Ellie; Tara e Darcey; e até mesmo dos professores que levaram os alunos pra Paris, Sr. Youssef Farouk e Sr. Nathan Ajayi também ganham destaque e mais profundidade. O interessante nessa parte dos professores é que a autora mostra de uma forma bem direta o que eu já havia mencionado numa das resenhas anteriores, onde a questão da sexualidade é algo que a pessoa já nasce com ela, e é só questão de tempo pra se descobrir e assumir quem é. E por mais que Youssef seja um homem de quase trinta anos, ele se permitiu viver essa experiência pra começar a se libertar do que, até então, não assumia e o mantinha um tanto infeliz. Ao final do livro tem um conto curto sobre os dois que é bem bacana, pois mostra esse processo de aceitação.
No mais, sei que num relacionamento nem tudo são flores, e a autora, como sempre, consegue abordar temas sensíveis e obstáculos de uma forma bem delicada, eu só achei o tema desse volume bem mais pesado por seguir por um rumo muito diferente dos volumes anteriores (que focaram na descoberta, no autoconhecimento, na lealdade e no sentimento verdadeiro entre os meninos). O final fica em aberto quando as famílias dos dois se encontram pra um jantar, e fica no ar aquela expectativa de contar ou não a novidade sobre o namoro para Stéphane, o pai de Nick. Obviamente que a presença do irmão imbecil de Nick é um problema, e as coisas não saem exatamente conforme planejado, então só posso dizer que a ansiedade pelo próximo volume já começou desde já.

Nenhum comentário

Postar um comentário