Acorda pra Vida, Chloe Brown - Talia Hibbert

25 de agosto de 2021

Título:
Acorda pra Vida, Chloe Brown - As Irmãs Brown #1
Autora: Talia Hibbert
Editora: Paralela
Gênero: Romance
Ano: 2021
Páginas: 296
Compre: Amazon
Nota:★★★☆☆
Sinopse: Depois de quase ser atingida por um carro em alta velocidade, Chloe Brown se deu conta de que seu obituário seria um tanto entediante. Para reverter essa situação, ela decide montar uma lista de atividades necessárias para finalmente “acordar para a vida”. Mudar assim não é nada fácil, mas, para sua sorte, Chloe encontra alguém que ― mesmo a contragosto ― pode ajudá-la nessa missão. Seu vizinho Red Morgan é um motoqueiro misterioso, que tem várias tatuagens e mais sex appeal que uma estrela de Hollywood.
No entanto, um acordo leva Chloe e Red a se aproximarem e perceberem que suas primeiras impressões um do outro estavam erradas. E que, mesmo com traumas do passado e receios quanto ao futuro, o amor nunca perde a chance de surpreender. 

Resenha: Acorda pra Vida, Chloe Brown, escrito por Talia Hibbert, é o primeiro (e até agora único) volume publicado no Brasil da série As Irmãs Brown. Cada livro vai contar a história de uma das irmãs da família Brown (o que me lembrou demais os livros de Marian Keys e a impagável família Walsh). São eles:
- Acorda pra Vida, Chloe Brown (Get a Life, Chloe Brown)
Take a Hint, Dani Brown
Act Your Age, Eve Brown

Chloe é uma webdesigner de 30 anos que foi diagnosticada com fibromalgia (uma doença que afeta a musculatura e causa dores constantes, distúrbios e outros incômodos) e isso, além de torná-la o mau humor em pessoa, limitou bastante sua vida. A partir daí, Chloe passou a ficar obcecada por controlar e planejar cada passo que dá. Mas, quando ela "quase" sofre um acidente e tem uma experiência de "quase-morte", Chloe percebe que, por viver uma vida tão regrada e milimetricamente planejada, não teve aventuras inesperadas, não teve momentos intensos e inesquecíveis e sua vida é uma monotonia só. Ela sempre se manteve numa zona de conforto e segurança, deixou de ter muitas experiências diferentes, e quando viu sua vida passar como um filme depois do "quase acidente", ela viu o quanto sem graça era tudo aquilo. Sendo assim, ela resolve acordar pra vida, criando uma lista de coisas que precisa fazer antes de morrer, mas que nunca teve coragem. Um dos itens da lista é se mudar da mansão da família e ir morar sozinha, e isso é a primeira coisa que ela decide fazer. E chegando no prédio onde fica o tal apartamento escolhido, ela conhece Redford Morgan, ou só Red, o zelador cheio de tatuagens no estilo motoqueiro, bem diferente dela, e logo de início as farpas já começam a pipocar entre os dois. Chloe, com sua língua ferina, sempre o responde mal, com patadas ou com muito sarcasmo, e Red não deixa de pensar que ela o detesta sabe-se lá Deus por que motivo. Mas, depois que Red ajuda Chloe a sair de uma enrascada onde ela foi salvar um gato mas quem acabou precisando de socorro foi a própria, ela começa a considerar a ideia de que, talvez, ele não seja um completo imbecil e, talvez, ele poderia ajudá-la a realizar algumas das tarefas da sua lista...

O livro é narrado em primeira pessoa e os capítulos se alternam entre os pontos de vista de Chloe e Red, e essa alternância é bem marcada pois o jeito de falar de cada um demonstra não apenas suas personalidades, mas a diferença de classe entre os dois e o que isso impacta em suas vidas. Enquanto Chloe é mais certinha (mesmo que grossa), Red é mais desleixado e desbocado. Eu confesso que demorei muito mais do que gostaria pra finalizar a leitura desse livro porque a história não me prendia de jeito nenhum. Talvez o problema tenha sido o excesso de comparações e metáforas, ou a forma como a autora intensifica e engrandece demais os sentimentos e as sensações dos personagens em situações e coisas ínfimas (então quando algo maior acontece, o impacto acaba sendo zero), ou a grosseria de Chloe.
Chloe é negra, gorda, e os sintomas da fibromalgia acabaram afetando a formação de sua personalidade. Ela é rica, empoderada e muito decidida, mas não dá pra ficar o tempo inteiro sorrindo, saltitando e sendo feliz por aí quando fazer atividades simples como escovar os dentes ou dormir são um completo martírio devido as dores que não tem fim, logo o mau humor que ela carrega se justifica até certo ponto. Só acho que, embora ela tenha uma bagagem enorme, as patadas gratuitas que ela dá em Red enquanto ele parece achar tudo lindo e maravilhoso não se justificam. Por mais que a pessoa seja mau humorada, também não dá pra viver dando patadas em todo mundo, principalmente quando a pessoa só está sendo gentil.

A história também não é sobre Chloe ser negra e gorda. Existe, sim, a representatividade da mulher negra, gorda e com alguma limitação, mas a história não gira exclusivamente em torno disso, não existe discussão de raça, não se trata de uma luta por aceitação, não tem nada de problemas ou preconceito relacionados a cor da pele ou ao peso de ninguém. As características físicas de Chloe são apenas características físicas, e ela é uma pessoa como qualquer outra, onde seus conflitos, como o estilo de vida e as dificuldades que ela enfrenta devido a fibromalgia, ou no que diz respeito ao relacionamento com Red (que é branco), não tem ligação nenhuma com aparência. É exatamente assim que a sociedade em que a gente vive deveria enxergar cada indivíduo, e a autora (que também é negra) foi muito feliz em desenvolver a história dessa forma. Então, mesmo que haja temas importantes, a história é um romance, logo o foco está na relação entre Chloe e Red e na ideia de que por mais que ela seja dona de si e tenha tido a iniciativa de mudar de vida, ela precisou da ajuda de Red pra isso. E claro, não posso esquecer de mencionar os momentos mui calientes e até explícitos que eles vivem juntos que fazem dessa leitura indicada pro público adulto. O fogo, meupai.

Red é o oposto de Chloe. Ele passou por um relacionamento muito abusivo e isso abalou não só sua autoestima e sua confiança, mas seu maior dom, que é a pintura. Red está tentando recomeçar, se ajeitando e colocando a vida de volta nos trilhos. É mais comum que num relacionamento tóxico a vítima seja a mulher, mas aqui quem sofreu na mão de uma maluca foi Red. E a gente acaba tomando as dores dele e torcendo muito pra ele ser feliz, porque ele é um cara tão legal e que merece o mundo. Claro que ele tem seus defeitos, tem hora que a noção dessa criatura passa correndo lá atrás, mas é impossível não sentir empatia por ele. Ele inclusive é um dos poucos que percebe a mulher incrível, sensível e engraçada que Chloe é (sim, lá no fundo ela não é uma pessoa tão metida e chata como aparenta), e nem trata ela como coitada. Ele respeita e entende a condição dela de uma forma super bacana. Por isso que quando Chloe o trata mal, a vontade é de dar um sacode nela. Mulher, pelo amor de Deus!

Enfim, as últimas páginas fizeram com que meus sentimentos de antipatia por algumas situações, e até da própria Chloe, chegassem ao fim e percebi que a história, mesmo que tenha demorado pra me prender, valeu a pena. A gente sempre lê esses romances, ainda mais os que trazem as famigeradas cenas hot, com protagonistas de corpo escultural e cabelos esvoaçantes que nem parecem gente como a gente, então acredito que leitoras que tenham as mesmas características de Chloe (olha eu acima do peso aqui), ou que convivam com alguma doença crônica, devam se sentir bastante representadas. Inclusive já fiquei curiosa pelos livros das outras irmãs.
Pra quem quer uma história bem humorada, que faz a gente refletir, e no final deixa aquele quentinho no coração, eu recomendo.

0 Comentários pelo Blogger
Comentários pelo Facebook

Nenhum comentário

Postar um comentário