Ano Um - Nora Roberts

17 de agosto de 2019

Título: Ano Um - Crônicas da Escolhida #1
Autora: Nora Roberts
Editora: Arqueiro
Gênero: Romance/Distopia
Ano: 2019
Páginas: 400
Nota:★★★★
Sinopse: Quando este mundo acaba, um novo começa.
Tudo começa na noite de Ano-Novo. A doença se alastra rapidamente. Em questão de semanas, a rede elétrica para de funcionar, as leis e o sistema de governo entram em colapso e mais da metade da população mundial é dizimada.
Onde existia ordem, agora só há caos. E conforme o poder da ciência e da tecnologia diminuíam, a magia crescia e tomava o seu lugar. Uma parte dessa magia é boa, como a feitiçaria praticada por Lana Bingham no apartamento que divide com o amante, Max. Outra parte dela, no entanto, é inimaginavelmente maligna, e pode se esconder em qualquer canto, numa esquina, nos fétidos túneis sob o rio ou dentro daqueles que você mais ama e conhece…
Espalham-se rumores de que nem os imunes nem os dotados estão a salvo das autoridades que patrulham as ruas devastadas, então Lana e Max resolvem deixar Nova York. Outros viajantes também seguem esperançosos para o oeste: Chuck, um gênio da tecnologia que mantém o bom humor em um mundo off-line; Arlys, uma jornalista que insiste em buscar e registrar a verdade; Fredinha, uma jovem com um otimismo que parece fora do lugar nessa paisagem desoladora; Rachel e Jonah, médica e paramédico, determinados a proteger uma jovem mãe e seus três bebês recém-nascidos.
Em um mundo em que cada estranho no caminho pode representar a morte ou a salvação, nenhum deles sabe o que encontrarão. Porém, um novo horizonte os aguarda, a concretização de uma profecia ancestral que transformará a vida de todos os sobreviventes.
O fim chegou. O início é o que vem agora.

Resenha:  O último dia do ano era dia de festa, a chegada do ano novo estava sendo celebrada por todos, mas, alguma coisa começou a se espalhar pelo toque, se alastrou pelo ar e começou a contaminar o mundo inteiro... Em questão de poucas semanas mais da metade da população foi dizimada, o governo entrou em colapso, e as pessoas estavam tentando sobreviver em meio ao caos absoluto. Com a queda da tecnologia e da ciência por falta de recursos, a magia surgiu, e o cenário foi totalmente transformado para uma realidade nova e desconhecida. Mas, assim como existe a luz, também existe as trevas...
Algumas pessoas passaram a usar a magia para o bem, ajudando sobreviventes e fazendo o possível para sobreviverem também. Mas, em contrapartida, as pessoas ruins parecem ter se aproveitado da magia para se tornarem ainda piores, malignas, demoníacas, e causar sofrimento e ver os outros sofrerem era algo que pra eles era bom. E entre o bem e o mal, restaram alguns humanos que, por algum motivo, eram imunes a tudo isso, mas eles se comportaram exatamente como o esperado quando estão diante de algo que não entendem ou não conhecem bem: os destroem.

E partindo dessa premissa, vamos acompanhar vários personagens que partem numa jornada cheia de perigos em busca de segurança: Lana Bingham e seu namorado, Max Fallon, que sabem que se permanecerem em Nova York serão caçados e decidem fugir; a jornalista Arlys Reid e seu estagiário Little Fred que buscam descobrir e registrar a verdade; o paramédico Jonah Vorhies e a médica Rachel Hopman que estão determinados a ajudar uma mãe com seus filhos recém nascidos; Chuck, um gênio da tecnologia que tenta manter o bom humor com a falta da mesma; e Fredinha, que embora esteja em meio a um cenário pós apocalíptico, tenta ser otimista e tirar algo de bom dessa trágica experiência. Todos eles sob as mesmas condições de um mundo caótico, sem que saibam das reais intenções do novo governo que assumiu, e por isso só querem se manter a salvos...

Narrado em terceira pessoa, a história é interessante e bem construída, mas tem um início um pouco arrastado e a quantidade de personagens que são inseridos de uma vez acaba tornando a leitura um pouco confusa até começar a fluir melhor. O livro é dividido em quatro partes: A Catástrofe, onde podemos acompanhar como o tal vírus rapidamente se espalhou pelo mundo, como as pessoas reagiram ao fim do mundo, e o que fizeram para tentar se salvar; Fuga, onde acompanhamos o trajeto de "incomuns" (com poderes) e "imunes" (aqueles que não foram acometidos pelo vírus) fugindo das ameaças que os cercam; Sobrevivência, que mostra como está sendo a vida depois da fuga; e Da Escuridão à Luz, onde os personagens, enfim, chegam ao destino onde acreditam, erroneamente, que estão em segurança.

A autora criou um mundo intrigante, cujo caos incomoda e causa pânico, onde o contraste entre o bem e o mal ficam evidentes, principalmente ao expor a natureza humana, e o comportamento de alguns nos causam arrepios e repulsa, mas ao mesmo tempo, Nora Roberts promove um certo ar de normalidade através deles, já que as pessoas precisam se adaptar e aceitar tudo aquilo por não terem outra escolha. Somando esses elementos com fantasia, magia e toques de ação e distopia, posso dizer que a autora acertou em cheio, pois aborda tudo que envolve o cenário pós apocalíptico, a forma como os sobreviventes tentam se estabelecer através de pequenas comunidades e regras, e ainda traz um pouco mais.

Por ser um livro introdutório, tentei relevar sobre alguns pontos que, pra mim, não foram muitos satisfatórios, mas acabaram sendo incômodos demais pra desconsiderar. O início confuso que não me manteve presa à leitura; alguns diálogos que pareciam inacabados; algumas cenas descritas de uma forma que não conseguimos visualizar o que está, de fato, acontecendo; a quantidade de personagens e suas histórias que são demais e me fizeram não sentir nenhum apego por ninguém; ou o excesso de detalhes de uma rotina monótona que não fazem muita diferença e nem acrescentam nada na história, a não ser deixá-la ainda mais comprida. Fora isso, eu gostei da trama de forma geral, das reviravoltas, das situações críticas, e da ideia das pessoas que se põe a prova e mostram suas verdadeiras essências diante de novas responsabilidades, novos poderes, e uma nova realidade.


0 Comentários pelo Blogger
Comentários pelo Facebook

Nenhum comentário

Postar um comentário