31 de julho de 2016

Caixa de Correio #53 - Julho


Na correria pra organizar os posts e por tudo em dia, vim correndo pra montar o da caixa. Ainda tenho algumas resenhas pra postar e encaixar ainda no final desse mês, mas logo logo elas vão ao ar.
Comprei um Funko do Rony de Harry Potter no Ebay no final do mês passado, mas como vou mofar no minimo uns 3 meses esperando o bendito chegar, deixo pra mostrar na caixa do mês que ele vier. Oremos pra não demorar séculos.
Esse mês recebi um monte de coisa boa, aproveitei promoção no Sub de 3 livros por 30 pila e comprei 3 livritchos que estavam na minha wishlist literária, mas estou sem rumo aqui sem saber por onde começar nesse monte de coisa maravilinda que chegou.
Bora espiar?

30 de julho de 2016

Top 10 #2 - Dez Motivos para Ler (e reler) Harry Potter

Dia 31 de Julho é aniversário da nossa querida J.K. Rowling, e essa também é a data do aniversário do bruxinho mais famoso de todos os tempos, Harry Potter. Make a wish, Harry!

E pra não deixar essa data tão especial passar em branco, eu, como fã da série, fiz uma listinha com muito amor e carinho (P.S. pro banner do post, que fofo!) com 10 motivos pra quem ainda não leu (que heresia, gente!), correr pra ler, e quem já leu, correr pra ler de novo e matar a saudade!

28 de julho de 2016

Novidades de Julho - Leya

Clube da Luta 2 (HQ) - Chuck Palahniuk
Alguns amigos imaginários nunca vão embora...
Vamos juntos quebrar a regra número um do Clube da Luta. Tyler Durden está de volta. Agora, ele já é pai de família. A continuação do clássico de Palahniuk surge num formato inovador: em HQ. A história se passa nove anos depois do final do primeiro livro. O casal de protagonistas, que leva uma existência aparentemente normal, mais uma vez terá de rever alguns amigos imaginários que nunca foram embora. Só que agora as consequências podem fugir ainda mais do controle. Comemorando vinte anos da publicação do livro Clube da Luta, Chuck e o aclamado ilustrador Cameron Stewart se juntaram para criar o que já se tornou uma das mais aguardadas HQs da história: o retorno de Tyler Durden.

Reviravolta - Soul Rebel #1 - Kimberly Mascarenhas
Reviravolta é o primeiro volume da série "Soul Rebel", grande fenômeno da internet. Cassidy, a protagonista desta história, é uma jovem tímida, mas muito forte e decidida. A certa altura, depois de alguns acontecimentos inesperados em sua vida, Caissy conhecerá Mason, um cara lindo e sexy, mas com fama de perigoso. E uma atração inevitável entre eles vira o combustível de uma paixão conturbada. Cheia de dúvidas e conflitos internos, ela decide se entregar à paixão e correr todos os riscos, sem saber que se relacionar com ele talvez signifique colocar a própria vida em jogo. Com muita emoção, desejo e ação, Reviravolta conquista o leitor de imediato e o deixa contando as horas para ler toda a trilogia.


Dungeons and Dragons - O império da imaginação - Michael Witwer

Pai dos jogos de aventura fantástica, Gary Gygax tem uma história de vida que foi contada apenas aos poucos e em pedaços. Em O império da imaginação, Michael Witwer apresenta uma biografi a dinâmica de Gygax, desde a infância em Lake Geneva, Wisconsin, até a morte em 2008. Dungeons & Dragons, obra máxima de Gygax, explodiria em popularidade durante os anos 1970 e 1980 e mudaria o mundo dos jogos irreversivelmente. O RPG mais famoso de todos os tempos lidera uma classe de elite de jogadores, entre eles, George R.R. Martin, Robin Williams e Vin Diesel – todos já falaram abertamente sobre suas experiências com o jogo quando eram jovens, e muitos creditam a ele o início do exercício em que a imaginação começou a levantar voo. O envolvimento de Gygax na indústria dos jogos de tabuleiro e de RPG durou muito mais tempo do que sua dramática e involuntária saída da empresa criadora do D&D, a TSR. Sua infl uência ainda pode ser notada em fi lmes, livros e videogames do gênero. Witwer nos mostra, no entanto, que talvez a faceta mais convincente da vida e da obra de Gygax tenha sido seu compromisso inabalável com o poder da criatividade em face de uma miríade de adversidades – culturais, econômicas e pessoais. Por meio da criação do RPG, Gygax forneceu a gerações de jogadores as ferramentas necessárias para que cada um inventasse personagens e mundos inteiros em sua mente. Com uma narrativa de estilo particular que elegantemente captura o drama dos primeiros dias de D&D, Witwer escreveu uma crônica atrativa da vida e do legado desse imperador da imaginação.

Surgido das sombras - Alien #1 - Tim Lebbon
Chris Hooper, quando criança, sonhava com monstros. Mais tarde, ele percebeu que monstros não moram apenas nos sonhos infantis. Trabalhando numa mineradora, no planeta LV178, Chris e sua equipe encontram no solo um ninho de Xenomorfos, mas o que Chris ainda não sabia é que essa viagem se tornaria o seu pior pesadelo.
Com a participação de Ellen Ripley, essa nova aventura promete ser surpreendente e revelar uma história até então desconhecida. Resgatando todo o clima de terror e suspense que fez sucesso nos filmes, Alien: surgido das sombras é o primeiro livro da trilogia que promete trazer de volta monstros terríveis, naves espaciais, androides e uma das maiores heroínas que conquistou toda uma geração.


27 de julho de 2016

Circo Mirandus - Cassie Beasley

Título: Circo Mirandus
Autora: Cassie Beasley
Editora: Agir Now
Gênero: Fantasia/Infantojuvenil
Ano: 2016
Páginas: 288
Nota:
Onde Comprar: Saraiva
Sinopse: Você acredita em mágica? Micah Tuttle, sim. Embora a malvada tia-avó Gertrude não aprove, Micah acredita nas histórias que o avô, em seu leito de morte, conta sobre o Circo Mirandus: o tigre invisível que toma conta dos portões, a belíssima mulher-pássaro que voa de verdade, e o mágico mais poderoso de todo o mundo o Homem que Dobra a Luz. Finalmente, o vovô Ephraim oferece provas. O Circo é real. E o Dobra-Luz lhe deve um milagre. Com a decidida e racional amiga Jenny Mendonza ao seu lado, Micah decide encontrar o Circo e o homem que talvez possa salvar seu querido avô. O problema é que o Dobra-Luz não quer manter sua palavra, e agora depende de Micah conseguir o milagre de que tanto precisa.
Resenha: Circo Mirandus é o livro de estreia da autora americana Cassie Beasley que chegou ao Brasil pela Agir Now/Harper Collins.

Micah Tuttle foi criado por seu avô, Ephraim, depois que perdeu os pais. Ele sempre ouvia histórias incríveis sobre um circo mágico que o avô visitou quando ainda era criança e Micah realmente acreditava no que ouvia e que o Circo Mirandus, de fato, existiu. Mas um dia seu avô ficou doente, e sua tia-avó Gertrudis veio para tomar conta dele e de seu avô. O problema é que ela não acreditava em nenhuma daquelas histórias, dizia que o Circo não existia e além de afastar Micah de Ephraim por achar que ele deveria repousar para melhorar, fazia de tudo para que o garoto esquecesse as histórias que o empolgavam tanto, o desencorajando. Mas tudo mudou quando uma carta provou a existência do Circo. No passado, quando ainda era muito jovem, Ephraim conheceu um mágico muito poderoso que havia lhe prometido um milagre, o Homem que Dobra Luz. E agora que está doente, ele enfim enviou a carta pedindo a ajuda dele pois descobriu qual é o milagre que precisa, e sua carta foi respondida... Micah acredita que o pedido do avô seria ficar saudável outra vez, e que a magia iria resolver todos os problemas...

O livro é narrado em terceira pessoa e intercala duas linhas de tempo onde temos Micah no presente e o jovem Ephraim do passado contando como ter descoberto o Circo mudou sua vida. A escrita da autora envolve pela simplicidade e pela delicadeza ao descrever detalhes.
A forma como a autora aborda assuntos como a família, perda, amizade e a crença na magia que jamais deve ser perdida é simplesmente admirável.
Os personagens são bem construídos e cada um possui sua própria caracteristica incomum que os tornam especiais e únicos dentro do universo do Circo.
Gostei muito de vovô Ephraim. Seu amor fraternal é incondicional. Ele é bondoso, dedicado e muito sábio, e acompanhar esse tipo de relacionamento tão bonito entre avô e neto é inspirador.

A história tem uma carga dramática que emociona já que aborda a ideia da morte e que Micah não teria ninguém a altura do avô para ser seu responsável e amá-lo tanto. Mas mesmo que haja esse toque de tristeza e a sensação do coração estar apertado, há muitos momentos alegres e divertidos devido à magia e aos personagens peculiares com quem Micah se depara.

A capa é linda de viver! Tem detalhes dourados e aplicações de verniz local que fazem do livro a coisa mais adorável da estante. A fonte tem um tamanho agradável e as páginas são amarelas. Cada capítulo é numerado, possui título e é sempre iniciado com uma pequena ilustração. Alguns capítulos ainda terminam com uma maior que ocupa toda a página. As ilustrações são simples mas sempre muito expressivas, o que colabora para a visualização dos elementos, cenários e personagens criados pela autora.

Circo Mirandus é um livro com uma história bonita e inesquecível, que pode ser lido por leitores de todas as idades. Com certeza ele irá proporcionar uma viagem incrível pelo mundo da fantasia e quem gosta de histórias mágicas com um toque de misério intrigante e protagonizadas por crianças vai encontrar nesse livro uma dose agridoce de otimismo e esperança de que coisas boas virão.
A história é uma das mais fofas que já li e a única coisa que penso agora é em repassá-la aos meus filhos para eles também viverem essa magia.


26 de julho de 2016

Sorteio - A Rebelde do Deserto


Geeeente, faz ERAS que não organizo um sorteio aqui no blog. Shame on me!
Pra voltar ao costume e deixar todo mundo feliz, eis que esta pessoa que vos fala trouxe um sorteio em parceria com a Editora Seguinte!
E pra concorrer é super fácil! Confira as regrinhas abaixo:
Termos e condições:
- Ter endereço de entrega em território nacional;
- Comentar este post deixando email válido para contato;
- Perfis fakes ou exclusivos pra promoções não serão aceitos. Caso constatado, o ganhador será desclassificado sem aviso prévio;
- Não nos responsabilizamos por danos ou extravios por parte dos correios, nem por um segundo envio em caso de devolução por erro nos dados informados ou entrega sem sucesso;
- Após o resultado o ganhador será comunicado por email (o mesmo deixado nos comentários). O prazo para responder com os dados é de até 48 horas, caso contrário um novo sorteio será realizado. Em caso de falta de resposta por parte do ganhador, o sorteio será refeito por no máximo 3 vezes. Caso ninguém responda em tempo hábil, o sorteio será cancelado;
- Caso o ganhador seja sorteado com uma entrada extra que não tenha sido cumprida, este será desclassificado e será feito novo sorteio;
- O envio do livro será feito em até 30 dias úteis pela Editora Seguinte após o recebimento dos dados do ganhador;

a Rafflecopter giveaway

Boa sorte!

25 de julho de 2016

Maré Congelada - Morgan Rhodes

Título: Maré Congelada - Queda dos Reinos #4
Autora: Morgan Rhodes
Editora: Seguinte
Gênero: Fantasia/Juvenil
Ano: 2016
Páginas: 438
Nota
Onde Comprar: Saraiva | Submarino | Americanas
Sinopse: As disputas pela Tétrade, quatro cristais mágicos capazes de conferir poderes inimagináveis a quem os encontrar, continua. Amara roubou o cristal da água, Jonas conseguiu o da terra, Felix enganou os rebeldes para ficar com o cristal do ar, e Lucia está com o do fogo. Mas nem todos sabem como libertar a magia da Tétrade, e apenas a princesa feiticeira conquistou poder até agora, aliando-se ao deus do fogo que libertou de seu cristal. Gaius, o Rei Sanguinário, também não desistiu de encontrar os cristais. Ele está mais sedento por poder do que nunca, especialmente agora que não conta mais com a ajuda da imortal Melenia nem com o apoio de Magnus, o herdeiro que o traiu para poupar a vida da princesa Cleo. Para conquistar todo o mundo conhecido, Gaius resolve atravessar o mar gelado até Kraeshia, e tentar um acordo com o imperador perverso de lá. No caminho, o rei vai encontrar muitas dificuldades e inimigos, como Amara, princesa de Kraeshia, que tem seus próprios planos para conquistar o poder.
Resenha:  A busca pelos cristais da tétrade continua. Em mais um volume da série A Queda dos Reinos, os personagens estão cada vez mais sedentos por poder e desejo de derrotar seus inimigos. Nessa sequência, que antecede Crystal Storm, Morgan Rhodes trouxe mais uma vez uma aventura instigante e animadora, mas que por alguns motivos não se igualou aos outros.

Posso dizer, como toda a certeza, que a saga de Cleo, Magnus, Lucia e Jonas é uma das histórias mais empolgantes que já li. O primeiro livro se mostrou uma completa surpresa. Um aspecto muito forte para mim e para alguns leitores dos quais li a opinião, é: a narrativa da autora sempre flui como um rio em alta velocidade. Em Maré Congelada isso não poderia ser diferente: finalizei a leitura em três dias, mas como algumas ressalvas a respeito do caminho que tudo está tomando.

Como todos sabem, existem diversos pontos de vista na história. Agora, Lucia está cada vez mais sedenta por sangue e deseja vingança. A jovem exibe um ar austero em todas suas aparições e tenta encobrir com uma carapaça toda dor que sentiu. Cleo, a minha personagem preferida, está sempre olhando para o seu futuro e lutando por isso utilizando todas as suas armas possíveis. Magnus, o príncipe sanguinário, mostrou dois lados diferentes e cabe a quem lê escolher qual deles é o mais convincente. E Jonas, bom, está cada vez mais atrapalhado e cometendo mais erros (ele consegue ser bem irritante diversas vezes). Além dos quatro protagonistas, há capítulos com o ponto de vista de Amara Cortas e Félix.

Se em A Ascenção das Trevas tive uma empatia por quase todos eles, esse sentimento se tornou mutável. Com mudanças de ideias repentinas fica difícil conseguir montar um perfil e entendê-los a fundo. Isso não deveria soar como um ponto negativo e, sim, como um enigma a ser desvendado. Porém, ao que parece, tudo está sendo moldado para render uma trama que abrangerá seis livros, o que poderia ser encerrado com quatro. Alguns diálogos que poderiam ser resumidos e acontecimentos, que certamente não têm muita necessidade, poderiam ser extinguídos.

Não estou desmerecendo a história - longe de mim, já que adoro esse universo criado em Mítica - mas Rhodes poderia tentar enxugar a narrativa. Para elucidar isso de uma maneira simples é só comparar uma novela com uma série. Uma tem uma longa duração com vários núcleos e desenvolvimentos e em contrapartida a outra tem algumas temporadas, de poucos episódios, com um foco certo. A Queda dos Reinos ganha pontos pela narrativa, mas fica difícil entender para onde estamos sendo levados. Há muitas mortes, alá Game Of Thrones, mas elas parecem ser a troco de nada. Muito do que nós imaginamos acaba se perdendo quando, de repente, surge um novo personagem sedento por poder e muda todo o rumo da trama, dando uma nova perspectiva e traindo tudo que podemos esperar.

Maré Congelada foi bom, mas poderia ter sido melhor. É difícil criar empatia com alguma história quando ela começa a se perder e rodar, rodar, rodar... Numa tentativa de escrever uma série longa, acredito que Morgan deixou a desejar nesse livro e acabou revertendo a imagem positiva deixada até então. Posso afirmar que de todas as quatrocentas e poucas páginas, apenas 30% é realmente conteúdo proveitoso e de agrado aos olhos. Os personagens estão cada vez mais voláteis; há um surgimento de novos enigmas e embates. O resultado disso tudo é uma trama que cheia de controvérsias e densa demais, confundindo quem lê. Para quem, assim como eu, é fã da série, só resta esperar o melhor que há de vir pela frente.


24 de julho de 2016

Um Novo Mundo - Bibi Tatto

Título: Um Novo Mundo: Gagui joined the game
Autora: Bibi Tatto
Editora: Novo Conceito
Gênero: Infantojuvenil
Ano: 2016
Páginas: 144
Nota:
Onde Comprar: Saraiva
Sinopse: O tempo está correndo e Bibi precisa alcançar logo seu irmão, Gagui, senão... Você conhece o mundo do Minecraft? Então certamente sabe quem é a Bianca Tatto, ou melhor, Bibi! Ela tem hoje um dos canais mais importantes no Youtube sobre Minecraft, com dicas e experiências que divide com um grupo de mais de um milhão de inscritos que a segue e comenta tudo que posta. Também é considerada a garota gamer mais assistida entre os youtubers do Brasil, além de uma das maiores do mundo. Neste livro, Bibi apresenta uma incrível competição entre o avatar dela e o do Gagui dentro de um novo mundo que ela criou no jogo. Enquanto isso, alterna a história com momentos divertidos de sua vida e confusões reais que se meteu durante seus dezesseis anos de idade. Se você faz parte do público que curte Minecraft e procura por uma empolgante história, não pode deixar de saber quem sairá vencedor dessa perseguição! Preparado para a aventura?
Resenha: Ainda na incansável (mas rentável) onda de livros de youtubers, a Editora Novo Conceito resolveu apostar em Bianca Tatto. Bibi tem um canal desde dezembro de 2014 onde fala principalmente sobre o jogo Minecraft que, atualmente, mesmo sendo relativamente recente, já passou de 1,7 milhão de inscritos. Ela também compõe músicas e faz videos sobre viagens e seu dia a dia em geral.

Bibi se inspirava muito no youtuber Pedro Afonso, mais conhecido como Rezendeevil, e quando ela escreveu e gravou uma música em homenagem a ele, a repercussão foi tanta que, desde então, Bibi ficou conhecida entre o público destinado aos gamers no Youtube e seu canal não parou de crescer a ponto de ela ser considerada uma das gamers mais assistidas entre os youtubers desse segmento. Ela é bastante articulada e consciente do público que tem, e achei bem bacana que, mesmo que os videos sejam sobre o jogo, ela também sempre fala sobre a importância dos estudos para a criançada.
Em Um Novo Mundo, Bibi faz um misto sobre alguns episódios engraçados de sua própria vida ao mesmo tempo em que narra uma competição entre seu avatar e o de Gagui, seu irmão (que foi quem apresentou o jogo pra ela) num mundo novo criado por ela dentro de Minecraft.


Minecraft é um dos jogos mais populares da atualidade e conquistou milhões de fãs por todo o mundo. Ele permite usar e abusar da criatividade permitindo ao jogador viver grandes aventuras, enfrentando aranhas gigantes, zumbis e outros monstros malucos, enquanto cenários e objetos com seu visual em formato de blocos bastante característico são criados a partir dos materiais coletados pelo mundo afora.
O livro é todo narrado por Bibi e a intenção é fazer parecer que ela está conversando com o leitor, cumprimentando, explicando sobre o jogo, soltando vários "kkkkkkk's" e contando sobre alguns momentos "incríveis" de sua vida.
Como o público do canal dela é composto em sua grande maioria por crianças, é tudo contado de forma muito leve, didática e descontraída, logo o livro é voltado exclusivamente pra esse mesmo público.
Acredito que pelo conteúdo, as histórias e os casos podem soar bastante engraçados e divertidos para os fãs de Bibi na faixa dos dez anos de idade ou menos, mas eu particularmente achei tudo infantil ao extremo e até um pouco forçado na questão da interação e da graça do que é contado, até mesmo pra alguém da idade dela.

O projeto gráfico do livro é bem caprichado. A capa mostra Bibi no universo do jogo com detalhes quadriculados e em forma de blocos. A digramação também é bem legal, a fonte é grande e o livro é cheio de fotos de Bibi e de ilustrações dos elementos de Minecraft.

Não sou o público alvo do canal e acredito que só quem é fã deva curtir o conteúdo do livro. Apesar de ter revirado os olhos quando o assunto era algum caso vivido por ela, o livro pode ser uma oportunidade bacana para as crianças adentrarem o universo literário e começarem a se interessar mais por leitura.

23 de julho de 2016

Felizmente, o Leite - Neil Gaiman

Título: Felizmente, o Leite
Autor: Neil Gaiman
Ilustrações: Skottie Young
Tradutor: Edmo Suassuna
Editora: Jovens Leitores/Rocco
Gênero: Fantasia/Infantojuvenil
Ano: 2016
Páginas: 128
Nota:
Onde Comprar: Saraiva | Submarino | Americanas
Sinopse: Uma prosaica ida até o mercado se transforma numa incrível aventura no mais recente livro infantil do celebrado escritor britânico Neil Gaiman, que coloca um estranho objeto prateado no caminho de um pai que só queria comprar um pouco de leite para o café da manhã. Aliás, aquele disco prateado gigantesco estacionado em plena rua Marshall, com seres verdes um tanto gosmentos e bastante ranzinzas querendo reformar o (nosso) mundo, é só a primeira de muitas surpresas que esperam pelo zeloso pai de família na história, que inclui ainda viagens no tempo e no espaço num balão, um dinossauro inventor, navios piratas, vulcões e outras maluquices. Será que o café da manhã das crianças está a salvo? Com ilustrações incríveis de Skottie Young, Felizmente, o leite é uma história de fantasia com uma boa dose de nonsense e o senso de humor peculiar de Neil Gaiman.
Resenha: Felizmente, o Leite, escrito pelo ilustre autor britânico Neil Gaiman e graciosamente ilustrado pelo artista Skottie Young, é uma aventura hilária que traz uma metáfora bastante inteligente e apropriada para várias questões familiares e contemporâneas.

Tudo começa quando uma tradicional família fica desfalcada da mãe, que precisa viajar a trabalho e deixa o casal de filhos sob os cuidados do pai. Antes de ir ela deixa instruções sobre o funcionamento da casa e da rotina dos filhos, mas tudo indica que o pai parece estar perdido e não faz ideia do que fazer. Na primeira manhã, quando as crianças vão tomar café, elas se deparam com uma tragédia: O leite para o cereal acabou!
O pai, então, precisa sair para comprar o bendito leite, mas demora tanto que é questionado pelos filhos. Ele não tem outra saída a não ser contar sobre todas as aventuras mirabolantes pelas quais passou para conseguir trazer a garrafinha do precioso leite são e salvo e garantir o sucesso do café matinal e a satisfação das crianças.

A narrativa é feita pelo filho mais velho, desconfiado da história do pai, que inventa as mais fantasiosas e absurdas desculpas pela demora praticamente eterna em trazer o leite que as crianças tanto precisam. A filha mais nova adora essa história incrível e se deixa levar pelas mais malucas situações que o pai viveu enquanto trazia e protegia a garrafinha de leite, numa jornada inusitada com direito a abdução alienígena, dinossauro inventor, piratas, aborígenes, pôneis, viagens em máquinas do tempo e muitas confusões impossíveis e repletas de reviravoltas e outras improbabilidades.

Embora seja voltado ao público infantil, a história é muito bem construída e vai arrancar risadas e levar reflexões até mesmo para os mais velhos, mostrando que as responsabilidades pela casa e pelos filhos não devem cair exclusivamente sobre a mãe e que o casal precisa achar um equilíbrio, dividindo as tarefas domésticas e sendo responsáveis por igual pelas crianças, tudo isso através de uma narrativa lúdica, leve, recheada de criatividade e muito divertida!
As ilustrações também não ficam atrás, pois o artista consegue acompanhar e ilustrar perfeitamente bem e de forma cômica e encantadora, passando as ideias geniais de Gaiman para o papel.

Neil Gaiman não cansa de nos surpreender. Felizmente, o Leite é uma aventura divertida e super nonsense que vai agradar leitores de todas as idades.
Já li para meus pequenos e eles adoraram e riram tanto quanto eu! ♥


22 de julho de 2016

Porno - Irvine Welsh

Título: Porno - Trainspotting #2
Autor: Irvine Welsh
Tradução: Galera & Pellizzari
Editora: Rocco
Gênero: Ficção/Romance
Ano: 2016
Páginas: 480
Nota:
Onde Comprar: Livraria Cultura
Sinopse: As anfetaminas, os ansiolíticos, a metadona, o ácido lisérgico, nada disso faz mais efeito. Morfina, adeus! Novos vícios para novos tempos. E, agora, eles estão em todos os lugares. Em qualquer cinema pulguento, nos classificados dos jornais, nas esquinas, ao alcance de um único clique no mouse. Todos os dias. Vinte e quatro horas. Toda a perversão, todo o desespero e toda a doença em troca de um único barato: pornografia. Quem precisa de heroína quando nunca foi tão fácil obter um orgasmo?
Resenha: Porno foi lançado pela primeira vez em 2006 no Brasil, dando continuidade a Trainspotting, onde conhecemos a história de Mark Renton, Sick Boy, Spud e Begbi, jovens inconsequentes, desajustados e viciados em drogas que viviam no suburbio de Edimburgo, se envolveram em várias confusões e arruinavam as próprias vidas enquanto ansiavam pela próxima onda. Dez anos se passaram desde então, eles estão na casa dos trinta, têm responsabilidades de pessoas adultas, filhos e estão diversificando os próprios interesses, até toparem com o assunto do momento: a indústria pornográfica.
O livro do autor escocês Irvine Welsh foi relançado pela Editora Rocco nessse ano de 2016 sob novo, muito mais bonito e menos sugestivo, projeto gráfico.

Sick Boy, ou melhor, Simon, ganha o foco maior nessa sequência. Ele se tornou um empreendedor ambicioso e oportunista que não mede esforços para ganhar muito dinheiro, nem que para isso ele execute falcatruas ou qualquer outro projeto arriscado e que ainda sirva para alimentar seu próprio ego. E então, sem deixar de lado a ideia de que quer se vingar de Renton por algo que aconteceu no passado, ele decide produzir um filme pornô e todos os seus antigos compaheiros se envolvem no dito projeto. E enquanto isso, Begbie está prestes a ser libertado da prisão e quer descontar sua raiva em todos os outros.

A narrativa é feita em primeira pessoa e assim como acontece em seu antecessor, não há nenhum indicativo sobre quem é o personagem com a voz ativa da vez, mas a medida que vamos nos acostumando com as particularidades de cada um, fica fácil saber quem é quem e considero isso como sendo um ponto super favorável ao autor, que demonstra sua incrível habilidade de diferenciar personagens lhes dando personalidade própria, cada qual com sua narrativa individual e única, sendo possível conhecermos cada um deles apenas pelo modo de falar e/ou agir. O ritmo da escrita é constante, mais focado e não apresenta tantos elementos caóticos deixando a estrutura da trama menos confusa já que é linear, mas ainda seguindo quase o mesmo padrão de diálogos coloquiais e formas de expressão simplistas e abreviadas.
Essa ideia de "amadurecimento" dos personagens onde eles agora aparecem em sua versão adulta pode até fazer com que o leitor pense que a trama está tendendo para algo totalmente novo e diferente do que foi visto anteriormente, mas no fundo os personagens ainda conservam suas características marcantes, por piores e mais depravadas que sejam, que os tornaram inesquecíveis.
Não posso deixar de falar sobre Spud, que tem que lidar com seus pensamentos insanos e autodestrutivos, mas agora tem uma família pra cuidar. A forma como seu personagem é retratado faz com que o ele seja alguém muito próximo a realidade, com problemas pertinentes e preocupantes que cercam a vida de muita gente por aí.

Uma coisa que pude perceber é que a história, em geral, faz uma crítica sobre o funcionamento da cultura do sexo na sociedade e o autor consegue evidenciar todos os absurdos desse meio através dos personagens, incorporando características únicas em cada um deles para que eles possam fazer uma representação fiel do que acontece quando o assunto é sexo e o que se pode tirar de vantagens dos outros por meio dele.
A sensação ao ler e finalizar Porno foi de uma enorme nostalgia, aquela satisfação em poder saber o destino daqueles garotos deliquentes e o que mais o autor tinha a dizer sobre eles, e de quebra ainda conhecer novos personagens numa trama tão inteligente e bem construída quanto a primeira, com o diferencial de ter um toque de humor muito maior.
Porno é um retrato realista das facetas humanas, das melhores até as piores, trazendo elementos como sexo, vingança, drogas e violência misturados de forma bastante satisfatória. Confesso que alguns podem considerar várias cenas bastante incômodas, seja pelo teor sexual explícito ou sobre as duras verdades acerca da podridão da sociedade e daqueles que parecem pensar que o mundo funciona na base predadores ou presas, mas o livro superou minhas expectativas e é umas melhores sequências que já acompanhei com um tema pertinente e que proporciona diversão na medida certa. Chega a ser cômico que persnagens tão imorais consigam trazer reflexões sobre moralidade e valores aos leitores, e o que posso dizer sobre isso? É genial!

P.S. É possível ler esse livro mesmo sem ter lido o primeiro, mas eu particularmente recomendo que a leitura seja feita na ordem a fim de conhecermos o íntimo e as experiências vividas por esse grupo de jovens irresponsáveis e desajustados. Com certeza a leitura será mais proveitosa e valerá muito mais a pena.

21 de julho de 2016

Trainspotting - Irvine Welsh

Título: Trainspotting - Trainspotting #1
Autor: Irvine Welsh
Tradução: Galera & Pellizzari
Editora: Rocco
Gênero: Ficção/Romance
Ano: 2016
Páginas: 288
Nota:
Onde Comprar: Livraria Cultura
Sinopse: Para que ter um emprego? Para que ter uma casa de dois andares em uma rua arborizada? Para que uma cafeteira, uma máquina d elevar, um bilhete de metrô? Abrir uma conta no banco, ter um cartão de crédito, assinar contratos? Despertador, TV a cabo, férias na Riviera? Crianças na escola, carro do ano, comida na geladeira? Quem disse que a vida precisa ser só isso? É essa vida que você escolheu? Tem certeza de que você precisa disso? Relaxe. Sinta o sangue correndo em suas veias. Feche os olhos. E prepare-se para a viagem.
Resenha: Trainspotting, escrito pelo autor escocês Irvine Welsh, ganhou uma grande repercussão devido a temática junkie/trash utilizada que engloba o submundo das drogas e de como era a vida de jovens que usavam a heroína de forma impensada e inconsequente (como qualquer viciado em drogas faz). O livro é de 1993, foi lançado no Brasil em 2004 e Editora Rocco relançou a obra nesse ano de 2016 sob novo - e infinitamente melhor - projeto gráfico.

A história se passa nos anos 90, no subúrbio de Edimburgo, Escócia, e retrata a época com bastante fidelidade através de jovens amigos que se perdem na vida ao fazerem escolhas erradas por não quererem viver de acordo com os moldes impostos pela sociedade considerados como "corretos".
É um livro de conteúdo explícito, sórdido, vulgar e sujo que mostra como alguém pode arruinar a si próprio, degradando-se lentamente em meio a marginalidade, passando o dia deitado numa poça da urina ou merda e ainda correndo riscos de contaminação por doenças incuráveis como a AIDS, que teve seu auge na época, devido as práticas nada higiênicas que são adotadas pelo grupo dos drogados.
A história é contada por um grupo de amigos, Mark Renton, Sick Boy, Spud, Tommy e Begbie, dentre outros, cada um com características únicas mas com uma coisa em comum: Eles são viciados e contam como chegaram ao fundo do poço pelo uso desenfreado da heroína.

O livro é dividido em partes - que pelos títulos resumem bem a vida de um viciado (Largando, Voltando, Largando de novo, Cagando tudo, Exílio, Lar, Saída) - e cada uma delas possuem capítulos sem sentido e aleatórios que parecem não ter ligação nenhuma com o anterior ou o seguinte, principalmente por não serem lineares e nem respeitarem uma ordem cronológica certa, e a narrativa em primeira pessoa se alterna sem que fique claro quem é o personagem da vez. Somente após o leitor se familiarizar com a forma de falar de cada um deles é possível se atentar a essas características particulares e saber a quem pertence a voz ativa que narra o capítulo em questão. Vamos ficando íntimos deles, sabendo de seus medos e anseios quando eles compartilham suas opiniões acerca da vida e do que lhes acontecem, sendo possível conhecer a essência de cada um deles. De início parece muito confuso e a impressão é de que a própria estrutura narrativa é um amontoado desconexo, mas posteriormente fica claro que a ideia foi genial levando em consideração que a vida desses jovens e como suas cabeças funcionam num estado de torpor (ou da falta dele) é a personificação do próprio caos.

Embora o tema seja pesado, há muitas passages cômicas e até despretenciosas que dão espaço para que o leitor "respire", fugindo um pouco de tanta tragédia, mas as críticas à sociedade estão lá, em trechos reflexivos que nos colocam pra pensar sobre as consequências de nossas escolhas além de dar uma visão sobre alguns fatores que pode levar alguém a ir pelo caminho das drogas. A sociedade fede, é hipócrita, preconceituosa, e a desilusão que as pessoas nutrem por esperarem por um futuro sem perspectivas de coisa alguma acaba fazendo com que alguns procurem por válvulas de escape como forma de distração. O problema é que algumas delas são ilegais, levam esses sujeitos à marginalização e na grande maioria das vezes, é um caminho irreversível e sem volta, logo qualquer indício de que o futuro poderia ser promissor, acaba sendo destruído por uma escolha ruim.

Penso como a tradução dessa obra deve ter sido um trabalho árduo para os tradutores pois o autor recria a linguagem oral falada pela população da classe baixa de Edimburgo e a passa para a forma escrita, procurando escrever da mesma forma que se fala, focando em sotaques e entonações. É uma mistura de inglês clássico com o dialeto usado do sul da Escócia e por mais que a grafia seja "incorreta" é possível entender o que se fala pela através da parte fonética. Na tradução e adaptação para o português, a forma para evidenciar esse linguajar pobre e chulo foi usando uma escrita bem informal e com erros ortográficos propositais, e ao mesmo tempo descartando o uso de gírias regionais, pois dessa forma qualquer um pode ler sem maiores dificuldades no entendimento. Porém, em outros casos onde são utilizados termos mais complexos relacionados a elementos específicos da região onde os personagens vivem, foi necessário a criação de um glossário para não fugir dos padrões da escrita traduzida e facilitar nossas vidas, além das notas de rodapé com observações sobre alguns termos usados pontualmente.
O título também foi mantido em inglês de forma proposital já que além do significado literal (conferindo os trens), ele faz uma referência ampla a atividades sem sentido ou sem utilidade que implique em uma total "perda de tempo", o que na minha opinião não poderia ser mais adequado visto que a vida que esses pobres coitados escolheram não os leva a nada... Acho que inclusive o livro deveria ser de leitura obrigatória em escolas a fim de conscientizar e abrir os olhos dessa geração que não é tão diferente daquela que viveu nos anos 90...

Em suma, Trainspotting é uma obra ácida, recheada de obscuridade, agressiva e muito, muito suja, mas tráz uma história contada de forma única, intrigante, agradável, divertida e despretenciosa e que vai se tornar inesquecível e trazer questionamento e reflexões devido a profundidade com que os dilemas daqueles que possuem vícios são abordados.

20 de julho de 2016

Temporada dos Ossos - Samantha Shannon

Título: Temporada de Ossos - Bone Season #1
Autora: Samantha Shannon
Editora: Fantástica/Rocco
Gênero: Fantasia Urbana/Sobrenatural/Distopia
Ano: 2016
Páginas: 448
Nota:
Sinopse: Ambientada em 2059, a trama acompanha a protagonista Paige Mahoney, uma andarilha onírica, alguém capaz de entrar na mente das pessoas e captar pensamentos e fragmentos de sonhos. Considerada traidora pelo governo, Paige paga por seu dom com a sua liberdade e é enviada para uma prisão secreta em Oxford. Lá, ela conhece os Rephaim, criaturas de uma raça antiga que desejam controlar a clarividência de Paige e de outros como ela, e precisará aprender a confiar em aliados improváveis não só para reconquistar a liberdade, mas garantir a própria sobrevivência. Considerada um dos principais nomes da literatura de fantasia dos últimos tempos, Samantha Shannon entrega aos leitores um romance surpreendente e arrebatador.

Resenha: Temporada de Ossos é o primeiro volume da série Bone Season escrita pela autora inglesa Samantha Shannon e publicado no Brasil pelo selo Fantástica, da Editora Rocco.

O ano é 2059 e o mundo já não é mais o mesmo. Aqueles que são dotados da paranormalidade são temidos pela sociedade e o governo partiu numa caça desenfreada aos clarividentes. Scion é uma das cidades mais seguras para as pessoas normais viverem e a vigilância constante contra os poderes mentais dos clarividentes é constante. Devido a isso, vários grupos clandestinos de desnaturais, divididos em cortes e sessões, foram formados no submundo. Essas pessoas precisam viver incógnitas, precisam evitar que suspeitas sejam levantadas sobre elas para que não sejam capturadas. Num desses grupos está Paige Mahoney, uma jovem de dezenove anos com o poder de entrar na mente das pessoas e captar pensamentos e fragmentos de sonhos. Ela é uma Andarilha Onírica e é uma das mais poderosas de sua classe. Em troca das suas habilidades, ela recebe proteção ao ser concubina de Jaxon Hall, o Mime-Lorde que lidera os Sete Selos, seu grupo de elite. Esses líderes são como mafiosos, e embora ele dê abrigo a Paige, ela sabe que está longe do perigo... Após alguns acontecimentos, Paige é capturada e levada para uma torre em Sheol I, conhecida como Oxford, onde é mantida presa secretamente pelos Rephaim, criaturas que culpam os desnaturais por vários problemas que foram desencadeados através do uso de seus dons e que por isso os escreviza a fim de controlar a clarividência que eles possuem. Resta a Paige lidar com a verdade obscura que descobre enquanto tenta aprender o suficiente para sobreviver, fugir e reconquistar sua liberdade.

A história é narrada em primeira pessoa através da perspectiva de Paige, sob uma escrita precisa, densa, com ritmo lento para os acontecimentos e muito descritiva, e sendo classificada como uma distopia, temos um governo totalmente opressor e uma classe social igualmente oprimida, e como consequência, aqueles que lutam para sobreviver e/ou combaterem essa falta de liberdade, e claro, vivendo na ilegalidade. A impressão que tive foi que a autora uniu vários elementos conhecidos de outras histórias da literatura e tornou tudo mais complexo, adicionando alguns elementos novos, criando ramificações afim de subdividir classes e determinadas características dos personagens e dando muitas explicações como forma de introduzir o leitor nesse universo repleto de camadas intrincadas e bem interessantes, mas em alguns pontos isso torna a leitura lenta e cansativa devido a essa grande quantidade de informações cheias de detalhes que acabaram me deixando um pouco confusa. Confesso que demorei a me situar na trama por causa disso, pois memorizar o funcionamento do sindicato do crime no submundo, quais as punições dadas aos criminosos capturados, me familiarizar com nomenclaturas e termos diferentes para cada coisa, e até mesmo como funciona o tipo raro de clarividência de Paige não foi uma tarefa muito fácil já que a história continua seguindo. Juro que eu iria gostar muito se o livro fosse adaptado para as telinhas para que a visualização do funcionamento desse universo fosse compreendida de forma mais fácil.
Eu acredito que o ritmo lento da trama foi um fator proposital, pois assim o final acabou funcionando muito melhor. São muitas coisas acontecendo e a cada página a sensação é que mais e mais informações nos são jogadas, sendo necessário uma atenção redobrada para não perder detalhes.

Paige é uma protagonista inteligente, cheia de determinação e ambições. Ela também não é apresentada como uma personagem perfeita, pois por ser impulsiva e teimosa, nem sempre age com razão, e pelos seus erros, ela dá uma sensação de realidade, de gente como a gente, em meio a fantasia. Ela tem espaço para crescer e a medida que a história se desenrola ela é muito bem desenvolvida. Apesar dos membros dos Sete Selos terem sido bem trabalhados, mostrando particularidades e características importantes, eles não tiveram muito espaço e senti falta de um maior desenvolvimento para eles.
Eu gostei bastante da construção dos Rephaim. A cultura da sociedade, seus costumes e a forma como vivem são bem intrigantes, e Nashira, a líder, é uma personagem ótima, mesmo que ardilosa e cruel.

O projeto gráfico do livro é lindo! A capa é simples mas tem efeitos bastante caprichados e que lembram uma textura de jeans, o título é dourado e a parte interna da capa é de um laranja bastante vivo. A diagramação é simples, a fonte é pequena, cada início de capítulo tem o mesmo símbolo presente na capa e podemos contar com o mapa da Colônia Penal de Sheol 1, a classificação completa dos sete tipos e subtipos de clarividentes e um glossário ao fim do livro explicando vários termos utilizados.

Temporada dos Ossos é o primeiro volume de uma série composta por sete livros e é indicada para os fãs de distopia e fantasia sobrenatural que procuram por tramas complexas e bem construídas. A história é criativa, divertida, tem um grande impacto e, mesmo que complexa, desperta o interesse e faz querer mais. Super recomendo!