30 de novembro de 2015

Caixa de Correio #45 - Novembro

Oie, gente!
Na correria pra colocar postagens e resenhas em dia quase esqueço da caixa!
Novembro foi um mês cheio de surpresas e livros divos que chegaram! Bora dar uma espiada?

29 de novembro de 2015

Perdidos por aí - Adi Alsaid

Título: Perdidos por aí
Autor: Adi Alsaid
Editora: Verus
Gênero: YA
Ano: 2015
Páginas: 294
Nota
Onde comprar: Saraiva | Submarino | Americanas
Sinopse: Quatro jovens ao redor do país têm apenas uma coisa em comum: uma garota chamada Leila. Ela entra na vida de cada um com seu carro absurdamente vermelho no momento em que eles mais precisam de alguém.
Entre eles está Hudson, mecânico em uma cidadezinha, que está disposto a jogar fora seus sonhos de amor verdadeiro. E Bree, uma garota que fugiu de casa e curte todas as terças-feiras — além de algumas transgressões ao longo do caminho. Elliot acredita em finais felizes... até sua vida sair totalmente do script. Enquanto isso, Sonia pensa que, quando perdeu o namorado, também perdeu a capacidade de amar.
Hudson, Bree, Elliot e Sonia encontram uma amiga em Leila. E, quando ela vai embora, a vida de cada um deles está transformada para sempre. Mas é durante sua própria jornada de quase sete mil quilômetros através do país que Leila descobre a verdade mais importante: às vezes, aquilo de que você mais precisa está exatamente no ponto onde começou. E talvez a única maneira de encontrar o que você está procurando seja se perder ao longo do caminho.

Resenha: Perdidos por aí, escrito pelo autor Adi Alsaid é um livro composto por um conjunto de cinco histórias curtas sobre quatro jovens ao redor do país, Hudson, Bree, Elliot e Sonia. A única coisa que eles têm em comum é Leila, uma adolescente texana que resolveu viajar em seu velho Plymouth Acclaim e acaba se esbarrando com cada um deles em sua longa viagem rumo ao Alasca a fim de fotografar a aurora boreal para, segundo ela, um projeto do colégio.

Observação: Como vocês verão a seguir, optei por separar a resenha em partes, destinando um pequeno resumo seguido da minha impressão das histórias individuais dos personagens, mostrando o que pude absorver de cada uma delas. A resenha ficou imensa (acho que a maior que já escrevi na vida), mas vale a pena ser lida, confiram:

Hudson
A primeira história é a de Hudson, um jovem mecânico que mora em Vicksburg, Mississipi e que trabalha na oficina do pai reparando carros. Ele sonha com uma bolsa de estudos para que possa fazer faculdade de medicina e ter um futuro. Na manhã do dia seguinte ele teria uma entrevista com o reitor da faculdade. Até que Leila vai até a oficina pois seu carro andava fazendo muito barulho, saindo de seu trajeto com a desculpa de que Hudson seria o melhor mecânico da região.
Obviamente o garoto não deixa de reparar em como Leila é bonita e chama atenção, e conversa vai, conversa vem, eles resolvem dar um passeio pela cidade para que ela pudesse conhecer os pontos turísticos e acabam tendo um breve envolvimento romântico que marcaria a vida dele pra sempre.

Esta primeira história, na minha opinião, faz com que o leitor reflita sobre oportunidades e acasos, pois nem sempre perder o que desejamos significa o fracasso. Às vezes, acreditamos que algo é o melhor, mas no fundo aquilo pode ser uma coisa que não queremos de verdade, só não nos damos conta até que algo aconteça para nos fazer enxergar, mesmo que de forma tardia. Temos que investir no que gostamos para vivermos os nossos próprios sonhos em vez dos sonhos dos outros...

Bree
A segunda história é a de Bree, uma jovem aventureira que caminhava pelo acostamento de uma estrada no Kansas. Eis que Leila surge com seu carro velho e vermelho na estrada e oferece a carona que Bree precisava. Ao questionar sobre sua história, Leila descobre que Bree é o tipo de garota que vive cada dia como se fosse o último, gosta da adrenalina e gosta de se sentir viva, nem que pra isso tenha que transgredir algumas leis de vez em quando.
Depois de ter fugido de casa há alguns meses por ter se desentendido com sua irmã mais velha, Alexis, Bree não pensa em mais nada a não ser se jogar no mundo e fazer o que tem vontade quando e como quer.
Quando as duas se metem em encrenca, só uma pessoa poderia ajudá-las, e, a partir daí, revelações e sentimentos enterrados há muito tempo acabam vindo à tona.

A história de Bree é triste e confesso ter ficado com os olhos cheio de lágrimas. Bree é uma adolescente imprudente que só pensa em si mesma. Ela nunca considera que suas atitudes podem magoar alguém e acredito que muitas vezes isso acontece na vida real, com pessoas próximas ou com quem nos importamos muito. Mas também acredito que, às vezes, certos tipos de comportamentos não passam de mera fachada. Há pessoas que se apegam à coisas que elas pensam que precisam ou gostam, quando na verdade estão mascarando seus sentimentos para não assumirem que são humanas e passíveis de erros, fingindo serem quem não são, e a história de Bree reflete exatamente esse tipo de situação.
Existem problemas que são reversíveis, magoar aqueles que queremos bem não é a solução pra nada, e quando há oportunidade para voltar atrás, nem que pra isso seja necessário engolir o orgulho, ser humilde e fazer um pedido sincero de desculpas, não se deve pensar duas vezes. As coisas se ajeitam, basta que os erros sejam reconhecidos...

Elliot
Elliot levou um fora de Maribel durante o baile e ficou arrasado. A velha história do "cara, eu gosto de você... como amigo". Andando pelas ruas de Minneapolis, Minnesota, ele sentia que a cidade inteira ria da sua desgraça, sua única vontade era encher a cara de uísque a fim de tentar esquecer que seu coração fora destruído e voltar para Burnsville o mais rápido possível. Até que ele foi vitima de um quase atropelamento, o desvio é rápido o bastante para não acertá-lo em cheio, mas o retrovisor do carro acaba acertando sua garrafa espalhando cacos pra todo lado e fazendo sua mão sangrar muito. A caminho do hospital ele descobre quem é a motorista que "quase o matou" mas, não deixou de prestar-lhe socorro mesmo contra sua vontade: Leila. Ela então fica curiosa por saber um pouco mais da história de Elliot e o motivo dele ter estado na sarjeta, bêbado e quase fora de si, e quando descobre que o problema era uma triste desilusão amorosa, um caso de amor não correspondido, ela decide ajudá-lo a encontrar Maribel com seus planos mirabolantes para que ele pudesse conquistá-la. E os dois partem a procura dela noite adentro com a ideia de que finais felizes existem, pois Elliot acredita neles.

Elliot representa muito bem aquele momento quando pensamos que tudo está perdido porque a pessoa por quem somos apaixonados há anos e anos não corresponde aos nossos sentimentos... Mas será que está perdido mesmo?
Penso que sofrer uma primeira e única desilusão amorosa não significa que o mundo acabou e iremos morrer encalhados depois de vivermos a vida criando gatos. Quando se é jovem e se tem a vida inteira pela frente, descobrimos que nem sempre o amor é um só, e se ele não puder ser encontrado em uma pessoa específica, não quer dizer que não será encontrado em outra, ou em outra, ou em outra... O que é nosso está guardado e quando vem, desde que seja verdadeiro, é pra ficar...
Talvez um "não" não signifique o fim. Talvez seja exatamente o que precisamos ouvir no momento para descobrimos uma força dentro de nós que é responsável pelo impulso que precisamos para lutar pelo que achamos que vale a pena. Assim podemos nos conhecer melhor, saber do que somos capazes e, quem sabe, surpreender muita gente por aí...

PS.: Nota para o fato de que Elliot é um grande fã de músicas e filmes dos anos 80, logo a história dele me trouxe uma nostalgia bastante doce sobre essa época, principalmente quando ele menciona filmes como "Curtindo a Vida Adoidado" e canta na festa se sentindo o próprio Ferris Bueller! Genial!

Sonia
Sonia não consegue esquecer Sam. Ela namorou com ele durante dois anos, mas o rapaz sofreu um colapso num jogo de basquete e não resistiu. A partir daí Sonia ficou com o coração em pedaços e os laços dela com a família de Sam se estreitaram ainda mais.
Sete meses depois, em Hope, uma cidadezinha de British Columbia no Canadá, Sonia partiu para o casamento de Liz, que era irmã de Sam, e, diante disso, se sente uma completa traidora por ter deixado Jeremiah, o irmão mais novo do noivo de Liz, entrar em sua vida depois de tão pouco tempo.
Embora os momentos que Sonia passe com Jeremiah sejam intensos e os dois se gostem muito, ela se sente culpada pela memória de Sam, incapaz de continuar a seguir com sua vida e assumir que encontrou o amor em outra pessoa por medo de ser rejeitada pela família. Jeremiah não aguenta mais manter esse relacionamento em segredo e caso Sonia não assuma em público que eles estão juntos, ele prefere por um fim nessa história.
Inconsolável e sem saber o que fazer, ela sai praticamente sem rumo e ao chegar numa loja de conveniência, se apoia num carro e começa a chorar. Leila, a dona do carro, pergunta se está tudo bem e lhe oferece ajuda. Sonia só quer ficar longe daquele lugar e Leila lhe dá uma carona, mas depois de atravessarem a fronteira de volta para os EUA, ela enfim atende as insistentes ligações de Jeremiah, que havia ligado pedindo que ela voltasse pois as alianças do casamento estavam no bolso do casaco que ela estava usando. O problema é que, quando o assunto é atravessar a fronteira de um país pra outro, as coisas não são tão simples quanto parecem e as duas acabam embarcando numa grande aventura para tentarem voltar pra Hope.

O que as pessoas vão pensar das nossas escolhas importa até que ponto? Sonia é uma boa pessoa e nunca quis magoar ninguém. Ter se envolvido com Jeremiah poucos meses após a morte de Sam não quer dizer que ela é uma vagabunda insensível. Ela perdeu o namorado mas isso não significa que ela tivesse obrigação de viver infeliz, num luto eterno, em vez de seguir em frente. Não é porque perdemos uma pessoa querida que ela deixará de ter um lugar especial em nossos corações. Dar uma nova chance ao amor quando se decide seguir em frente não fará com que o lugar daquela pessoa seja substituído. Pessoas passam pelas nossas vidas, muitas aparecem pra ficar, outras se vão, mas nenhuma delas é substituível. A vida segue e o que se vive com alguém permanece enquanto a memória permitir.

Leila
Leila é um completo mistério desde o início. Ao acompanhar as histórias de Hudson, Bree, Elliot e Sonia percebemos que a garota tem bastante curiosidade pela vida deles e se desdobra para fazer alguma diferença enquanto também vivencia momentos memoráves, mas não fala nada sobre a sua própria história. E agora os reais motivos que a levaram ao Alasca em busca da aurora boreal vem à tona.
A viagem de Leila dura alguns poucos meses, mas os momentos que ela tem com cada personagem são curtos, geralmente acontecem de um dia pro outro até ela ir embora.

Sem dar spoilers, só posso dizer que me emocionei muito com a história de Leila, por tudo o que ela precisou enfrentar sendo tão jovem. Mas se inteirar da vida de desconhecidos com intuito de preencher buracos, embora isso possa servir de exemplo e experiência, não faz com que tais vivências sejam nossas e, talvez, só nos damos conta de que temos que nos agarrar ao pouco que temos para construir nosso futuro, quando nos perdemos. Só assim podemos nos encontrar... A vida vai nos surpreender, é certeza...

Analisando o livro de forma geral
O livro é narrado em terceira pessoa e a leitura é super leve e gostosa de se acompanhar. As descrições dos cenários também são feitas com perfeição e a sensação é de estar viajando junto com Leila. Ao longo das histórias conhecemos esses adolescentes e como eles tiveram a vida mudada quando ela aparece num determinado momento em que eles realmente precisavam de ajuda para abrirem os olhos para o que estavam passando. Confesso que esse ponto me soou um pouco surreal, pois uma adolescente disposta a qualquer coisa pra ajudar um desconhecido aparecer do nada, ou estar sempre no momento e no local exato em que alguém com problemas precisa, não convenceram tanto assim, mas se analisarmos as histórias de forma individual, percebemos que, às vezes, o que acontece é exatamente isso. Pra mim isso mostrou que por mais breve que alguém passe por nossas vidas, nada acontece por acaso e talvez essa passagem aconteça só pra enxergarmos com clareza o que está diante de nós mas não víamos seja pelo motivo que for.

A capa é uma graça e mostra o carrinho vermelho de Leila percorrendo uma estrada. A diagramação é simples, cada história traz o nome do personagem da vez e pelo fato de os capítulos serem poucos, a leitura é feita em questão de poucas horas. Ao fim de cada história há um "cartão postal" enviado por Leila para alguém.

As histórias não tem tanto aprofundamento assim nos personagens a ponto de conhecermos todos eles tão a fundo, mas o pouco que conta já é o bastante pra servir de exemplo pra que a mensagem seja passada adiante. O final não foi tão previsível quanto imaginei. Ele reserva algumas boas surpresas e emociona. Só fiquei com uma leve impressão de que por mais que as histórias tragam mensagens profundas sobre perda, amor, amizade e esperança, elas têm um toque sutil de autoajuda que são capazes de fazer com que o leitor reflita sobre algumas situações reais que podem acontecer com qualquer um, inclusive com nós mesmos, mas as pessoas nem sempre param pra pensar se as escolhas e atitudes que tomam diante daquilo são as melhores.


28 de novembro de 2015

O Projeto Ascendant - Drew Chapman

Título: O Projeto Ascendant - Garrett Reilly #1
Autor: Drew Chapman
Editora: Record
Gênero: Ação/Thriller
Ano: 2015
Páginas: 476
Nota
Onde comprar: Saraiva | Submarino | Americanas
Sinopse: Números não mentem. Governos, sim.
Garrett Reilly, aos 26 anos, tem poucas preocupações na vida: fumar maconha, jogar videogame e ganhar muito dinheiro como o melhor funcionário de uma corretora de Wall Street. Ele tem uma habilidade especial: reconhece padrões onde pessoas comuns veem apenas o caos. E é assim que percebe uma torrente de títulos da dívida pública do governo dos Estados Unidos sendo oferecida de uma só vez no mercado, o que causaria a ruína da economia norte-americana... Mas isso pode representar algo ainda mais grave.
Há uma guerra sendo travada, e ninguém foi capaz de notá-la. Quedas nas bolsas de valores, enormes desvalorizações imobiliárias, caos e destruição em servidores do Google. Sem dúvida, um inimigo poderoso está por trás de todas essas ações. E, para combater essa ameaça, as Forças Armadas precisam de alguém diferente, alguém preparado para desafios mais complexos em tempos mais difíceis. Em meio a um mundo de incertezas, resta a grande dúvida: seria Garrett Reilly o homem certo para salvar os Estados Unidos?

Resenha: Garret Reilly tem 26 anos e, além de ser mulherengo, obcecado por tecnologia e ter poucas preocupações na vida, já que vive fumando maconha e jogando video game, possui uma habilidade especial que faz com que ele seja o melhor funcionário da Jenkins & Altshuler, uma corretora de Wall Street em que trabalha: Ele possui uma incrível memória fotográfica e, sem esforço algum, consegue "ler" os números, decorando, hierarquizando, distribuindo em categorias, organizando e enxergando padrões de forma que tudo aquilo faça sentido e tenha significado. Não é nada que ele realmente quisesse fazer, mas sua cabeça simplesmente funciona assim e enquanto não consegue ver os padrões com clareza para descobrir do que se trata, se sente incomodado, cheio de formigamentos. Quanto mais claro o padrão fica após sua análise, mais relaxado e tranquilo ele ficava. A única outra forma dele se sentir relaxado e livre do tal formigamento era fumando maconha pois, ao ficar chapado, ele sentia que era uma pessoa comum e se via livre desse dom.
Num dia "monótono" de trabalho ele percebe um padrão ao analisar códigos referentes a títulos da dívida pública dos EUA. Os títulos estavam sendo vendidos em pequenos lotes e totalizavam 200 bilhões de dólares, o que causaria o caos na economia norte-americana. Tudo indicava que a China estava envolvida e a descoberta de Garret serve como um alerta que ajuda a impedir o início da ruína econômica. Mas isso é somente o início do que viria por aí... Quando a bolsa de valores começa a sofrer enormes quedas, o mercado imobiliário quebra e até os servidores do Google são destruídos, fica claro que há um inimigo poderoso lá fora... Uma guerra parece existir mas até agora ninguém havia sido capaz de perceber o que estava acontecendo, e com uma situação tão preocupante quanto esta, a solução seria o Projeto Ascendant, um programa experimental criado pelo governo. que precisava de alguém diferente para liderá-lo. Alguém como Garret. E ao lado de uma equipe composta por militares e civis, ele lidera o projeto e embarca na tarefa de salvar os EUA dessa guerra onde não se derrama sangue.

Antes de mais nada, acho importante frisar que O Projeto Ascendant está mais pra roteiro de um filme de ação do que pra uma obra literária. O autor inclusive é roteirista e sua carreira gira em torno da TV. É bem perceptível que os capítulos funcionam como tomadas de cenas, daquelas que sempre terminam de forma decisiva deixando quem assiste morto de curiosidade pra saber o que vem a seguir. Só achei que o autor peca pelo excesso na questão das descrições e detalhamentos quase aleatórios na narrativa. É estranho ler, por exemplo, que fulana se ajoelhou, tem 32 anos e fecha seus olhos castanhos, ou que ciclana é programadora, tem 1,63m, pesa 90kg e mandou alguém a merda. São muitos detalhes que se repetem e envolvem caracterização e cenários que são totalmente descartáveis e acabam tornando a leitura um pouco cansativa por não acrescentaram nada de realmente relevante, por mais que a história em si seja interessante.
Tendo isso em mente, e desde que se ignore esses pontos que poderiam ter sido melhor lapidados, é possível se deixar levar nesse mundo caótico e surpreendente que envolve política, guerras invisíveis e tecnologia tendo como cenário Wall Street, Las Vegas e até a zona rural da China

Garret é um personagem que vai despertar vários sentimentos e reação no leitor. Eu gostei dele, mas também desgostei já que mais exagerado do que ele nunca vi. Ele vive com raiva, odeia tudo e todos, não aceita receber ordens, é extremamente convencido, exibido e arrogante por se achar superior aos outros por causa da sua inteligência e percepção fora do comum, trata os outros com desdém e deboche, só se importa e demonstra interesse naquilo que lhe convém e o resto que se dane. Ele é completamente irritante com a "habilidade" que tem de saber quem é, o que quer, de onde veio, pra onde vai e o que a tal pessoa faz da vida só de bater o olho nela e analisar suas roupas, postura, modo de falar e afins... Os padrões com os quais ele lida são se limitam a apenas números e códigos.
A impressão que tive é que ele foi construído nessa forma de anti-herói para fugir do estereótipo de mocinho, mas caiu em outro estereótipo: Algo como "ele é odioso, mas a salvação dos EUA está nas mãos desse maconheiro e genial. Aceitem que dói menos, bitches."
Assim, ele é apresentado como alguém insuportável, um completo idiota, mas tirado e fodástico o bastante pra despertar - de uma forma meio forçada - nossa simpatia.
Os demais personagens, apesar de terem a devida importância na trama, também são bastante batidos e Alexis, uma militar aparentemente durona, obviamente não resiste aos "encantos" desse maluco, talvez pra dar um ar de romance na história e fugir um pouco de tanta tensão/ação. Clichê...

Uma coisa que percebi é que o autor parece entender bastante, ou ter pesquisado muito, sobre economia e tecnologia. As cenas são bastante autênticas, mas um leitor sem muita noção sobre situações que envolvam o mercado acionário, tesouro público e a bolsa de valores, por exemplo, pode ficar um pouco confuso com termos utilizados e até a forma com que os personagens se preocupam com o caos que se instala alí. É necessário uma atenção maior durante a leitura devido a complexidade da trama.
É uma boa história e faz com que o leitor reflita sobre o quanto a mídia e o governo fazem de tudo para manter o povo alheio e ignorante a assuntos importantes e que afetam a vida de todos, direta ou indiretamente, abordando elementos como as consequências de se impedir cidadãos de seus direitos em nome da "segurança", os estragos que um hacker é capaz de fazer quando invade e manipula sistemas de utilidade pública e até a questão dos trabalhadores de países subdesenvolvidos e a mão de obra escrava que fornecem para grandes potências.

Indico pra quem gosta de livros no estilo de autores como Dan Brown, cujo ritmo é frenético, possui toques de bom humor e mostra conspirações e situações mirabolantes que meros mortais jamais pensaram que pudesse existir. Mas indico ainda mais pra quem gosta de filmes como A Identidade Bourne (Matt Damon), A Rede (Sandra Bullock) e até Busca Implacável (Liam Neeson).
Eu gostei do livro e recomendo, mas ao saber que os direitos da obra foram comprados pela Fox para uma futura série de TV, fiquei muito mais curiosa por este formato em especial.


27 de novembro de 2015

Vida Após o Roubo - Aprilynne Pike

Título: Vida Após o Roubo
Autora: Aprilynne Pike
Editora: Bertrand Brasil
Gênero: YA/Sobrenatural
Ano: 2015
Páginas: 264
Nota
Onde comprar: Saraiva | Submarino | Americanas
Sinopse: Kimberlee Schaffer talvez fosse linda de morrer... só que ela acabou morrendo mesmo, há mais de um ano. Agora, precisa da ajuda de Jeff para resolver alguns assuntos pendentes. E não vai aceitar um "não" como resposta. Quando estava viva, Kimberlee não era apenas uma menina maldosa; era, também, cleptomaníaca. Portanto, se Jeff não quiser ser assombrado pelo fantasma dela até o dia de sua formatura, terá de ajudá-la a devolver tudo que roubou. Rapidamente, porém, ele descobre que é muito mais fácil roubar do que devolver. Pagar pelos erros cometidos adquire um significado completamente novo nesta versão moderna e inteligente do clássico Pimpinela Escarlate, criada por Aprilynne Pike.

Resenha: Jeff não estava nada feliz com a escola nova, estava odiando tudo alí, mas em seu primeiro dia de aula ele acaba vendo uma garota deitada no meio do corredor, despreocupada com tudo e mascando um chiclete. Preocupado com o bem estar dela, Jeff oferece ajuda mas o que viria a seguir era algo que ele jamais imaginaria... Kimberlee Schaffer ficou chocada por Jeff tê-la visto, incrédula, pois, até então, ninguém mais podia. Ela havia se afogado acidentalmente há um ano e meio e morreu, e desde então se manteve presa no mundo dos vivos, um fantasma, completamente solitária, acreditando que não havia atravessado por ter pendências a serem resolvidas. Jeff se recusou a acreditar no que estava acontecendo, por mais que Kimberlee tivesse provado. Pra ele tudo não passava de uma brincadeira de mau gosto da qual ele estava ficando de saco cheio. Mas como Jeff era o único que podia vê-la e ouví-la, para seu tormento, Kimberlee passou a seguí-lo em todos os cantos sem a menor intenção de deixá-lo pois ele era o único que podia ajudá-la com seus assuntos pendentes. Quando era viva, além de maldosa, Kimberlee havia roubado várias e várias coisas dos estudantes de Whitestone e, acreditando que este era o motivo que a mantenve presa, afinal, nos livros e filmes quando um fantasma não vai embora é porque tem assuntos pendentes, sua ideia era convencer Jeff a devolver as coisas aos seus verdadeiros donos, e, obviamente, ela não iria aceitar um "não" como resposta.
Mas quando as sacolas começam a aparecer "misteriosamente" para que fossem entregues aos donos, Jeff percebe que as coisas não poderiam ser tão simples e fáceis quanto ele pensou...

O livro é narrado em primeira pessoa pelo ponto de vista de Jeff, e isso já foi um ponto diferente e bastante positivo pois geralmente esperamos que num Young Adult a versão dos fatos seja dado pelo ponto de vista feminino.
A escrita é muito leve e divertida e flui muito bem, cheia de sarcasmo nos diálogos enquanto acompanhamos Jeff em sua rotina adolescente, sua adaptação numa cidade nova, seu interesse amoroso por Serafina, a "Menina Linda", que avistou na escola e logo lhe chamou atenção, e tudo isso enquanto ele é obrigado a lidar com a esnobe garota fantasma que enche seu saco.
As situações em que Jeff e Kimberlee se encontram são bem críveis e realistas, exceto pelo relacionamento entre Jeff e seus pais. Achei que, talvez por eles serem jovens, eles eram despreocupados demais com os assuntos do filho revelando ideais que não condizem muito com a realidade. Sei que devem existir pais e mães malucos e que acham tudo normal, mas não consigo ver isso com muita naturalidade. Eu até cheguei a comparar algumas características dos pais de Jeff com a mãe da personagem Regina George do filme Garotas Malvadas.
Já o sobrenatural não foi algo que eu tenha considerado algo como um fator de destaque visto que ao que parece, a abordagem tende pro caminho da crença no desconhecido e do questionamento da fé.

Jeff é um personagem ótimo pois é exemplo de bom filho, bom aluno mas tem o pé no chão e não se deixa influenciar tão facilmente por nada nem ninguém. Ele faz o estilo meio nerd mas não é bobo nem se deixa fazer de bobo, ele só está tentando se adaptar ao novo estilo de vida que tem após ter vivido dificuldades e agora ser rico, pois seu pai conseguiu fazer um grande negócio na carreira e acertou uma bolada. Jeff sempre dá sua opinião sincera, e, às vezes, de forma debochada, tornando-o um personagem bastante agradável. Ele é engraçado e descontraído e sempre tenta enxergar o que há de melhor nos outros, por mais que não pareça existir nada de bom. Ele percebe que precisa ajudar Kimberlee e acaba gostando de ajudar as pessoas que foram roubadas por ela.

Kimberlee é o completo oposto. Ela faz o estilo patricinha, a típica menina rica e bonita, cheia de não me toques e sua arrogância passa dos limites, tanto que por ser insuportável em vida, ninguém sentiu sua falta quando morreu. Mas mesmo tendo morrido ela não aprendeu com seus erros e não mudou em nada seu jeito de ser, continuava se desfazendo dos outros e se comportando como uma eterna bitch. Ser cleptomaníaca era algo que a fazia infeliz, ela reconhecia que era sua fraqueza, mas Kim precisava manter a pose a qualquer custo. Ela tentou parar de roubar mas não conseguiu, e isso resultou em uma caverna cheia de coisas roubadas que jamais poderiam ser devolvidas depois de ela ter morrido, pelo menos não sem a ajuda de Jeff. E pra isso precisou engolir o próprio orgulho. Ela é bastante irritante e vive de ironias e sarcasmo, mas não posso negar que com o desenrolar da história sua aproximação maior com Jeff faz com que ela acabe tendo seus momentos de redenção aprendendo que ser controladora, manipuladora e mentirosa nunca a levaria a lugar algum na vida, e muito menos na morte...

O enredo fica ainda mais legal quando Jeff começa sua tarefa de devolver as coisas. Ele ganha aliados que não esperava e, claro, conquista a inimizade de alguns, mas em meio a essa missão ele descobre um sentimento bem forte. Uma coisa que me agradou bastante é que o romance não acontece entre os protagonistas, o que faz com que a história fuja completamente do clichê. Há sim momentos do tipo, mas não são reservados a Jeff e Kim, e é aí que entra Serafina. O problema é que a garota começa a demonstrar sinais de que não está sendo muito honesta, e Jeff chega a ficar em conflito com seus sentimentos acreditando que as garotas não são confiáveis.

A capa ilustrada é linda e bastante significativa pois o reflexo dos óculos escuros de Kimberlee mostram um local bastante importante da história. Ela é fosca com aplicação de verniz nas lentes do óculos e no título.
As páginas são brancas, a fonte tem um tamanho agradável e não percebi erros na revisão.

Vida Após o Roubo foi uma das leituras mais divertidas e com umas das melhores mensagens passadas que tive o prazer de ter. O enredo trata de um tema delicado com leveza e espirituosidade, os personagens são muito bem construídos e memoráveis e, apesar de um pouco previsível, a história reserva muitas surpresas ao leitor.
A autora consegue abordar o dilema da adolescência ao que se refere a amor, amizade, a descoberta da sexualidade, assim como o bullying, o abuso de drogas e a dificuldade da adaptação a uma vida totalmente diferente do costume, mas o principal é a ideia de que pra todas as nossas escolhas tomadas, há consequências que não afetam somente o indivíduo principal, mas também as pessoas que o cerca. A mensagem fica nas entrelinhas e é perfeita pois mostra que por mais que possamos vir a cometer erros, sempre temos escolhas e sempre podemos voltar atrás para recomeçarmos e reparamos o que fizemos de mal pra alguém, de forma intencional ou não, a fim de sermos pessoas melhores.


26 de novembro de 2015

Vire a Página - Rebecca Beltrán

Título: Vire a Página: Livro de atividades para esquecer seu ex
Autora: Rebecca Beltrán
Ilustrações: Adrià Fruitós
Editora: Verus
Gênero: Autoajuda/Livro interativo
Ano: 2015
Páginas: 140
Nota
Onde comprar: Saraiva | Submarino | Americanas
Sinopse: Um livro com mais de cem atividades para exorcizar os seus demônios e esquecer o seu ex.
Escreva, recorte, cole, desenhe e pinte, mas, acima de tudo, divirta-se e espaireça
Quando terminar, você vai perceber que o sol continua nascendo todas as manhãs
Vire a página!

Resenha: Vire a Página é um livro de interativo escrito pela autora espanhola Rebecca Beltrán com ilustrações de Adrià Fruitós que traz a proposta de fazer com que a leitora esqueça o traste do ex-namorado.
Um relacionamento que chega ao fim é uma experiência terrível, convenhamos. E a ideia de ser chutada por aquele cara em quem apostamos tanto é de partir o coração, mas o mundo não acabou, colega! Vire a Página! O livro é uma forma divertida e que utiliza de muito bom humor para tentar ajudar a mulher a passar por esta fase negra fazendo com que ela enxergue que, independente do que tenha acontecido, sempre haverá o dia de amanhã e nunca sabemos o que nos aguarda lá...


Achei a proposta válida até certo ponto. Além de eu não me encaixar na situação de ter um ex cujo sentimento de perda me corrói por dentro me fazendo chorar até emagrecer, ficar encolhida debaixo das cobertas pensando onde foi que eu errei, e ficar ouvindo a mesma música triste de amor por 24hrs sem parar - e ainda cantando com minha voz de taquara rachada -, eu me considero fria o bastante pra seguir em frente sem ficar me lamentando e pensando no que perdi caso fosse comigo. Já passei dessa fase depois de ter ficado calejada há um bom tempo atrás... E fora que não acho que escrever sobre o ex é algo que vá me fazer esquecer dele, muito pelo contrário.

Sei que cada caso é um caso e cada um encara essa situação à sua própria maneira e se a ideia de preencher um livro e seguir instruções for algo que vá ajudar, ótimo. Qualquer ajuda é bem vinda. Mas ainda acho que o livro deve ser encarado como uma forma de distração e não de solução, até mesmo porque a solução está em nós mesmas e nas atitudes que tomamos a partir de nossas escolhas...

O que achei bem bacana foram as atividades, em sua grande maioria, bem engraçadas e "libertadoras". Há frases e citações que se encaixam com o momento fazendo com que seja possível enxergar a situação de um ângulo diferente e até rir do ocorrido, além de cronogramas para uma programação de atividades que vão manter a leitora ocupada e com o pensamento bem longe daquilo que não vale a pena.


Acho que qualquer tipo de relacionamento, por pior e mais frustrante que seja, pode ser usado como experiência de vida. Dessa forma vamos aprendendo com erros e acertos que todas as pessoas possuem diferenças mas que, mais cedo ou mais tarde, alguém que terá mais coisas em comum do que pensamos vai aparecer pra proporcionar momentos inesquecíveis em nossas vidas. E se um dia acabar, paciência... Nem tudo está perdido e se dermos outra chance ao amor a vida pode nos surpreender, quantas vezes forem necessárias.
Acho que existem relacionamentos que devem ser esquecidos e enterrados (e estes são os ideias para se usar de exemplo nesse livro), mas outros, ainda que tenham chegado ao fim, serão lembrados pra sempre, mais pelas coisas boas do que pelas ruins. Há casos em que os envolvidos continuam amigos e vivem numa boa sem ressentimentos, e digo isso por experiência própria. Embora na prática isso seja difícil, nem sempre há necessidade de se mandar um ex-namorado para o quinto dos infernos.


A diagramação é uma graça, com tipografias descoladas que dão um ar despojado ao livro, as cores preto e vermelho dão um charme bem legal e enriquecem o projeto gráfico deixando-o bem vivo e chamativo.

Um livro com uma abordagem divertida com propósito de amenizar uma situação complicada, Vire a Página é uma alternativa despojada pra quem quer investir tempo pra falar do que te fez perder tempo.



25 de novembro de 2015

Ovelha - Gustavo Magnani

Título: Ovelha - Memórias de um Pastor Gay
Autor: Gustavo Magnani
Editora: Geração
Gênero: Ficção/Literatura Nacional
Ano: 2015
Páginas: 228
Nota
Onde comprar: Saraiva | Submarino | Americanas
Sinopse: Este livro, estreia impressionante de um jovem e talentoso escritor, é o relato pecaminoso de um decadente. A história de um homem religioso e carismático, temente a Deus, mas amante insaciável de sua própria carne exótica, a carne de outros homens. Um pastor gay, casado com uma ex-prostituta, filho de uma fanática religiosa. Neurótico e depravado. E agora condenado. Internado no hospital, debilitado e com um segredo de uma tonelada nas costas, este personagem atormentado decide libertar-se de seus demônios e relatar seu drama. Num relato cru e sem censura, ele literalmente vomita seus trinta anos de calvário e charlatanice na cara da congregação (e de qualquer um que se interesse por um bom inferno). Sexo, paranoia, corrupção e destruição são os ingredientes tóxicos dessa obra provocante, polêmica e inovadora.

Resenha: Escrito por Gustavo Magnani, Ovelha - Memórias de um pastor gay é um relato fictício de um pastor evangélico em conflito com sua fé e sua sexualidade e que precisa conviver com seu maior segredo de forma tortuosa durante toda a sua vida.
O livro é composto por crônicas em que o protagonista conversa com Deus em um diário autobiográfico buscando pelo perdão por ter escondido sua homossexualidade ao mesmo tempo em que tenta provar que tal condição é uma aberração da qual ele não conseguiu se livrar. A narrativa não segue um padrão ou uma ordem cronológica mas nem por isso os fatos se tornam confusos para quem lê.
Ao decidir fazer esse relato, ele está internado num hospital após ter contraído HIV, e volta ao início da vida, contando como passou a infância numa igreja, ouvindo sobre moralidade, pecados, o que pode e o que não pode, o que é e o que não é de Deus, até a atualidade, em 2014, quando vai contando de forma gradual e desordenada como foi parar lá, mas sempre ressaltando o que, de fato, gosta, o que sente falta, o que o excita e no que vivia pensando de forma crua, direta e sem censuras.
Desde os quinze anos de idade ele tem plena consciência de que é gay e, embora tenha tentado de todas as formas se curar desta "doença", não poderia fazer nada para mudar isso. Ter uma mãe jamais aceitaria um filho gay e que leva a religião com extremo fanatismo após a morte do pai só fez com que as coisas fossem mais difíceis e "sujas", principalmente por ser o filho "destinado" a se tornar um pregador da palavra. E, seguindo as vontades dela, ele abraça a religião evangélica se tornando pastor, mas ainda que pregue a palavra, ele entra em contradição quando condena pecados que ele próprio comete ao levar essa vida dupla.

O livro é uma enorme crítica à hipocrisia. Retrata a verdade sobre as questões que envolvem religião e homossexualidade e como aqueles que não conseguem ou não podem assumir suas condições, seja pelo motivo que for, vivem de mentiras que acabam por consumí-los internamente.

Acho que quando se escolhe um tema para escrever, não é necessário se fazer alarde sobre o que vamos encontrar. Basta deixar a leitura fluir e cada um que tire as próprias conclusões, sem necessidade de ser informado da dita polêmica antes mesmo da leitura ser iniciada.
Ao saber de antemão que o livro seria polêmico por tocar em assuntos delicados e que geram discussões eternas que nunca levam ninguém a lugar nenhum, criei várias expectativas e ao fim minha impressão foi de que a história tendeu por um caminho que fez com que essa polêmica fosse forçada e aumentada, havendo abuso de ironia e sarcasmo, como se o livro tivesse sido escrito inserindo vários pensamentos e situações explícitas, despudoradas e exageradas - mas que nem sempre colaboram para o desenvolvimento da história ou da trajetória do personagem - só para chocar o leitor devido a tamanha "audácia". Nesse contexto da imoralidade e hipocrisia na religião e na orientação sexual que o protagonista está inserido, quando pensei que alguma situação descrita alcançou um nível de depravação que nunca imaginei ler na vida, logo adiante me deparo com outra ainda pior, e fiquei com a ideia de que tudo aquilo foi criado pra ampliar o problema e para causar desconforto e polemizar de forma proposital. Acho inclusive que o personagem não foi tão bem construído e pode ser considerado genérico não sendo tão possível assim que alguém se identifique com ele devido aos exageros, pois além de não sentir que ele possuísse carisma algum para conquistar o leitor, se a intenção era falar sobre os preconceitos da sociedade religiosa contra os homossexuais que não podem se assumir, ele poderia ser um gay em qualquer outra profissão ou em qualquer outra família...
"Sozinho, busquei as mais diferentes soluções dentro das leia divinas, e não a encontrei. Talvez se buscasse ajuda externa... mas com que cara eu admitiria ser uma aberração?
- Pág. 53
Mas confesso que o livro traz, sim, reflexões sobre fatores importantes como as relações familiares e até onde nos deixamos influenciar por nossos pais, o peso e as consequências das mentiras em nossas vidas, sobre a hipocrisia usada para levar a vida sob fachada conforme a conveniência, a forma como encaramos a religião e o ela espera de seus fiéis e seguidores.
A pessoa tem livre arbítrio para ser e fazer o que quiser, mas até onde é possível usar essa liberdade se existe a limitação ao conservadorismo e ao fanatismo de alguém que não tem a mente aberta e cuja visão também é limitada?
Não vou entrar na questao religiosa pois acredito que religião não é algo a ser discutido. É impossível forçar/mudar a opinião alheia quando o assunto é fé e crença, mas posso dizer que seguir uma religião usando somente aquilo o que convém é muito fácil, e ao capitulo final, no sermão que ele nunca teve coragem de dar, isso fica evidente...

Falando sobre parte física e diagramação, os títulos dos capítulos sempre são sugestivos e já dão ideia do que o texto irá tratar. A capa é bonita, lembra uma biblia e acho que a escolha não poderia ser melhor.
Sobre a escrita, só tenho elogios pois o autor escreve muito bem. Em alguns momentos senti que alguns capítulos eram destinados a polêmica pura, usando palavreados e termos chulos, já outros eram mais reflexivos e profundos, alguns inclusive trazem trechos da bíblia.
Eu só não sei ainda qual foi a intenção da utilização de nomes em letras maiúsculas ou minúsculas para nomes. Talvez seja algo ligado ao estado de espírito do protagonista em acreditar que algo ou alguém está num nível elevado e digno de respeito e enaltecimento ou não, como "deus", "bianca" (a esposa), "Ele" (se referindo a Davi, seu amante), "Mamãe", e por aí vai.

Enfim, não acho que seja um livro cuja leitura será facilmente aceita. É necessário ler com a mente aberta e deixar preconceitos de lado para saber um pouco mais desse pecador que, por mais que tenha sofrido na vida, soube o significado do que é viver intensamente.


24 de novembro de 2015

Resta Um - Isabela Noronha

Título: Resta Um
Autora: Isabela Noronha
Editora: Companhia das Letras
Gênero: Romance/Nacional
Ano: 2015
Páginas: 304
Nota
Onde comprar: Saraiva | Submarino | Americanas
Sinopse: Lúcia sempre foi uma mulher que enxergou a vida pelo viés dos números. Professora respeitada do curso de matemática da Universidade de São Paulo, sua lógica cartesiana parecia manter sob controle todos os aspectos da existência. Um dia, porém, sua única filha, Amélia, não volta para casa. A criança desaparece sem deixar rastro, abalando tremendamente o pensamento racional da mãe.
Anos depois, a professora, que deixou a universidade e desfez o casamento, segue com a esperança de encontrar Amélia - embora seja a única a acreditar nessa possibilidade. E seus esforços parecem não ter sido em vão, pois recebe um e-mail que traz, por fim, a pista de alguém que diz conhecer o paradeiro da menina.
Entre a busca de Lúcia e a narrativa do desaparecimento de sua filha, acompanhamos as divagações de uma senhora que dedica a vida a cuidar do seu pomar.
Isabela Noronha costura neste romance de estreia uma sofisticada trama psicológica que cresce a cada página, levando-nos pelos estágios do desespero de uma mãe que perde o que lhe é mais valioso.

Resenha: Quantas pessoas desaparecem misteriosamente por ano no país? No dia 12 de novembro desse ano, Vanessa Vitória de 14 anos sumiu após um dia na escola. Um empresário desapareceu após deixar sua filha no estágio no estado do Espírito Santo, no dia 31 de outubro. No momento em que estou redigindo esta resenha alguma família pode estar no início de um grande sofrimento pela "perda" de alguém.

Em Resta Um, Isabela Noronha tece uma teia de sentimentos conflituosos sobre uma mãe que anseia por um dia, mesmo que quase impossível, rever sua filha, que nunca mais voltou da festa de sua melhor amiga. A história começa com um ritmo já acelerado, assim como a metrópole que abriga a trama: São Paulo. Com mais de 11 milhões de habitantes, Lúcia é mais uma entre tantos. O que diferencia essa mulher é o fato de sua filha, Amélia, estar desaparecida há anos. Com esse fardo tão difícil de ser carregado, a ex-professora da USP mostra certa fragilidade e força na incessante vontade de encontrá-la.

A narrativa é feita em primeira pessoa. Esse ponto de vista é capaz de sempre dar uma veracidade aos fatos e sentimentos de um personagem. Resta Um se sobressai pois a protagonista é nada menos que uma mãe desesperada com a ideia de ainda poder rever sua filha. É tudo sempre muito frenético e Lúcia continua obstinada a procurar por Amélia. Em alguns momentos a mulher beira um pouco os limites da sanidade e isso torna a história mais interessante. Um ponto fraco é a divisão de capítulos em períodos de anos. O passado, enquanto ela tentava procurar sua filha, se tornou mais interessante que o presente. Creio que a autora poderia ter deixado um pouco de lado o agora e ter tratado o sumiço de Amélia de forma mais linear e ter dado atenção ao desdobramento dos fatos presentes no final do livro.

Resta Um é, sem dúvida, um daqueles livros brasileiros que valem a leitura. A trama tem um ritmo acelerado e se desenvolve muito bem. Isabela Noronha conseguiu unir um tema forte e real com a ficção sem perder a essência da realidade. Vi em Lúcia uma mulher forte e frágil que em meio a tantas dificuldades nunca desistiu da sua filha. José, o pai de Amélia, era o oposto de sua esposa e ajudou a equilibrar a todo momento o emocional de uma mãe despedaçada por tal tragédia. O final não surpreende, levando em conta o enredo e o que esperamos do desfecho, mas o conjunto da obra é muito bom e vale a pena ser lido.

23 de novembro de 2015

Novidades de Novembro - Galera Record

Corte de Espinhos e Rosas - Sarah J. Maas
Ela roubou uma vida. Agora deve pagar com o coração.
Nesse misto de A Bela e A Fera e Game of Thrones, Sarah J. Maas cria um universo repleto de ação, intrigas e romance. Depois de anos sendo escravizados pelas fadas, os humanos conseguiram se libertar e coexistem com os seres místicos. Cerca de cinco séculos após a guerra que definiu o futuro das espécies, Feyre, filha de um casal de mercadores, é forçada a se tornar uma caçadora para ajudar a família. Após matar uma fada zoomórfica transformada em lobo, uma criatura bestial surge exigindo uma reparação. Arrastada para uma terra mágica e traiçoeira - que ela só conhecia através de lendas -, a jovem descobre que seu captor não é um animal, mas Tamlin, senhor da Corte Feérica da Primavera. À medida que ela descobre mais sobre este mundo onde a magia impera, seus sentimentos por Tamlin passam da mais pura hostilidade até uma paixão avassaladora. Enquanto isso, uma sinistra e antiga sombra avança sobre o mundo das fadas e Feyre deve provar seu amor para detê-la... ou Tamlin e seu povo estarão condenados.

The Walking Dead: Invasão - The Walking Dead #6 - Jay Bonansinga, Robert Kirkman
Das cinzas de uma devastada Woodbury, dois grupos de sobreviventes surgem, cada um com os próprios interesses em vista. No subterrâneo, nos labirintos de túneis antigos, Lilly Caul e seu grupo de idosos, desajustados e crianças tentam construir uma nova vida. Mas um desejo secreto ainda queima no coração e na alma de Lilly: ela quer sua amada cidade Woodbury de volta. Já o psicótico Reverendo Jeremiah Garlitz reconstrói seu exército de seguidores, com uma diabólica arma secreta. Ele planeja acabar com Lilly e seu grupo - os responsáveis pelo fim de seu culto - e agora, pela primeira vez, tem como enviar uma amostra do inferno diretamente aos habitantes dos túneis. O confronto final entre estas duas facções libera uma arma inimaginável, forjada a partir de monstruosas hordas de mortos-vivos, aperfeiçoadas por um lunático e banhadas no sangue de inocentes.

Cidade de Vidro e Cidade dos Anjos Caídos (Edição de colecionador - 2 em 1) - Cassandra Clare
Segundo volume da edição dupla de colecionador de Os Instrumentos Mortais.
Nesta fantasia urbana contemporânea, demônios, lobisomens e vampiros convivem, nem sempre de forma pacífica, entre os humanos. A ordem é mantida pelos Caçadores de Sombras, um clã de guerreiros com o sangue de anjo. Nessa versão 2 em 1 do 3º e 4º volumes, acompanhamos a luta dos Caçadores enquanto tentam manter o Submundo sob controle e evitar que um antigo mal ressurja.




Faísca - Antonio Skármeta
Uma história comovente, que conversa com a realidade da maioria das crianças brasileiras.
Era uma vez um menino tão irrequieto quanto uma labareda e tão brilhante quanto uma brasa. Faísca era pobre, mas muito alegre. Vivia com o pai, desempregado, mas todas as manhãs ajudava o senhor Castillo, um escritor, em pequenas tarefas. Com isso, sempre conseguia um troco para uma ou outra despesa. Até que um carrossel chega à cidade de Faísca. Mas, para brincar ali, ele precisaria de cem pesos. Como o menino vai conseguir o dinheiro?


Assassins Creed: Submundo - Oliver Bowden
Um assassino desonrado. Um agente disfarçado. A busca por redenção.
Novo livro da série best-seller Assassin’s Creed; trama passada na Inglaterra Vitoriana. Na Londres de 1862, a cidade sente os efeitos da Revolução Industrial e a primeira estrada de ferro subterrânea começa a ser construída. A descoberta de um corpo nas escavações deflagra o início de um dos mais letais capítulos na contenda entre Templários e Assassinos. Trabalhando disfarçado, um Assassino com segredos obscuros e uma missão para derrotar o quartel-general dos Templários. Logo ele será conhecido como Henry Green, mentor de Jacob e Evie Frye. Por enquanto ele é apenas O Fantasma.

O livro dos personagens de Harry Potter - Jody Revenson
Um guia indispensável para os bruxos e bruxas de coração, que amam a aclamada série cinematográfica do menino que sobreviveu.
De Harry, Rony e Hermione, passando por Dumbledore, Hagrid e os comensais da morte de Lorde Voldemort, os filmes da série Harry Potter são marcados por uma extraordinária variedade de personagens, tanto charmosos quanto temíveis. O livro dos personagens de Harry Potter fornece um cativante olhar sobre o processo criativo que possibilitou dar vida aos personagens do mundo bruxo nos cinemas, desde os figurinos e a maquiagem até os efeitos especiais e adereços essenciais. Perfis detalhados de cada personagem incluem ideias de bastidores para os atores, conceitos artísticos nunca antes vistos, ensaios fotográficos, e muitos outros segredos guardados nos arquivos da Warner Bros., além de incríveis materiais extras.

Sorria, você está sendo iluminado - Felipe Guga
Um convite ao leitor para visões de mundo mais profundas, ideias jovens e novas atitudes.
De Osho a Gandhi, de Jesus a Neil Young. O trabalho do artista se inspira em aforismos diversos, e as frases motivacionais se misturam a desenhos modernos e contestadores para espalhar luz, amor e gratidão.
Guga traz consigo o dom de acender a esperança nos corações dos que o seguem, mas também sabe adotar um tom provocador, daquele que nos tira da zona de conforto do dia a dia e faz pensar. Sua arte, exposta ao público, vai além do contemplativo.
Um ótimo presente, para os queridos ou para si mesmo, este é um daqueles livros que provoca emoções e faz refletir sobre o poder da fé. Que traduz sentimentos em cores e nos faz sorrir, quando confrontados à iluminação da arte.