30 de setembro de 2015

Caixa de Correio #43 - Setembro

 Olá, povo!
Ainda que este mês tenha acontecido a Bienal do RJ e eu ter dado um pulo lá, não aproveitei muitas promoções e o "saldo" de lá foi bem pequeno. Mas isso não quer dizer que eu não tenha aproveitado outras promoções, pra variar.... E nem recebido nossas tão queridas cortesias ♥
Bora espiar tudo que recebi em Setembro?

29 de setembro de 2015

Ardente | Em Chamas - Sylvia Day

Título: Ardente - Em Chamas
Autor: Sylvia Day
Editora: Paralela
Gênero: Romance/Hot
Ano: 2015
Páginas: 217
Nota
Onde comprar: Saraiva | Submarino | Americanas
Sinopse: Nunca misture trabalho com prazer. Nunca fale de política dentro do quarto. De certa forma, no momento em que me tornei amante de Jackson Rutledge, fiz exatamente essas duas coisas. E não posso dizer que foi por falta de aviso. Dois anos depois, ele voltou. Mas eu não era mais a garotinha que ele havia conhecido, enquanto ele não mudara nada. Ao contrário da última vez em que nos esbarramos, eu sabia exatamente com quem estava lidando… e quão viciante seu toque poderia ser. Só que desta vez eu conhecia as regras do jogo. No ambiente competitivo e impiedoso do mundo dos negócios, há uma regra que vale para todo mundo: mantenha seus inimigos por perto, e seus ex amantes mais perto ainda.

Resenha: Antes de começar a falar sobre a história propriamente dita, gostaria de explicar uma coisa que me deixou bem encucada quando vi o livro. Por que raios esse título estranho "Ardente | Em Chamas"??? A duologia "After" chegou a ser lançada lá fora como 2 livros separados, mas aqui no Brasil a editora optou por seguir o modelo dos 2 livros em 1 único volume, o que achei ótimo, porque mesmo junto ficou do tamanho de um livro "normal".

  +    =  

Agora sim podemos continuar. Apesar de eu ter alguns livros da Sylvia, só tinha lido mesmo Somente Sua. E nessa única experiência com sua escrita gostei bastante. Vá lá que eu digo que estou cansada do padrão "cara rico + mocinha submissa", mas sempre dá pra abrir exceções quando a história é boa.

Os protagonistas, igualmente fortes e complexos, diferenciam-se em sua história de vida. Enquanto Jackson cresceu aprendendo a astúcia do mundo dos negócios e age tranquilamente sem piedade, Giann aprendeu a valorizar o amor e o esforço da família, na qual todos lutavam juntos para que o negócio desse certo.

Depois de um algumas semanas de envolvimento, Jax some, deixando claro que o relacionamento acabou. Gia se reconstrói emocional e profissionalmente e dá a volta por cima. Só que ela não contava que num dos momentos mais importantes de sua carreira Jax fosse reaparecer e colocar seu mundo de novo de ponta-cabeça. Mas agora não vai ser igual a antes. Gianna está com mais cautela e, mesmo rendida aos encantos sexuais de Jax, não deixa de ter um pé atrás com ele. Que segredos ela irá descobrir?

Sylvia seguiu a receita de Crossfire e garantiu o repeteco do sucesso. Sim, estou saturada desse modelo, mas o mercado ainda aceita e as mulheres compram, então a mulher continua escrevendo, né? E em time que tá ganhando não se mexe! E falando nesse sucesso da autora (não li todos, mas sei, rapá!), há uma personagem já conhecida da galera que aparece de novo nessa duologia: Deanna Johnson, a jornalista que todos amam. SQN!

Mesmo sendo um livro hot, há questões além disso sendo trabalhadas, como família e poder. A narrativa em primeira pessoa prende, não nos possibilita acesso aos pensamentos e atitudes de Jax, mas também nos aproxima de Gia - especialmente suas sensações nos momentos quentes.

A Paralela fez um bom trabalho de revisão e diagramação e, como já adiantei, acertou ao trazer o volume único. A capa também é legal porque, apesar do nome sugestivo, não deixa transparecer o conteúdo pela imagem, alívio pras mulheres que não gostam de se expôr em público.

É mais do mesmo? Até que é. Mas dá pra se divertir e ter quenturinhas, afinal estamos tratando de Sylvia Day, né? Pequeno, 2 em 1... vale a pena dar uma chance se você gosta do gênero.


28 de setembro de 2015

A Sala dos Répteis - Lemony Snicket

Título: A Sala dos Répteis - Desventuras em Série #2
Autor: Lemony Snicket
Editora: Seguinte
Gênero: Infantojuvenil
Ano: 2001
Páginas: 184
Nota
Onde Comprar: Saraiva | Submarino | Americanas
Sinopse: Lemony Snicket é um autor que não pode ser acusado de falta de franqueza. Sabe que nem todo mundo suporta as tristezas que ele conta e por isso - para que depois ninguém reclame - faz questão de avisar: "Se você esperava encontrar uma história tranqüila e alegre, lamento dizer que escolheu o livro errado. A história pode parecer animadora no início, quando os meninos Baudelaire passam o tempo em companhia de alguns répteis interessantes e de um tio alto-astral, mas não se deixem enganar...". Os Baudelaire têm mesmo uma incrível má sorte, mas pode-se afirmar que a vida deles seria bem mais fácil se não tivessem de enfrentar o tempo todo as armadilhas de seu arquiinimigo: o conde Olaf, um homem revoltante, gosmento e pérfido. Em Mau Começo ele deu uma pequena amostra do que é capaz de fazer para infernizar a vida de Violet, Klaus e Sunny Baudelaire - e aqui as coisas só pioram.

Resenha: Os personagens e o plot já foram apresentados na resenha de Mau Começo, então essa e as próximas vai acabar sendo um pouco menor. Mas vamos lá... Em A Sala dos Répteis, Lemony também "repele" o leitor logo no prefácio, afirmando que "se você esperava encontrar uma história tranquila e alegre, lamento dizer que escolheu o livro errado. [...] Nada impede que você coloque este livro de volta na estante e procure algo mais leve". Com uma introdução assim, dá vontade de desistir, né? SQN!

Dessa vez os irmãos Baudelaire têm um tantinho de alegria no começo, quando vão morar com o tio Monty. Finalmente Violet, Klaus e Sunny têm a liberdade de fazer o que mais gostam: inventar, ler e morder, respectivamente. Mas, como diz o ditado, alegria de pobre dura pouco, e logo e as desgraças começam.
Esperar é uma das coisas difíceis da vida.
Um velho conhecido nosso dá as caras, pra infelicidade dos órfãos. Novamente, em tão pouco tempo, eles precisam lidar com morte, trapaças, conspirações e mais um monte de coisas "de gente grande". O toque especial fica por conta dos répteis (alguém diz pro Lemony que sapo não é réptil, pelamor! meu corassaum doeu). Pra quem tem medo ou aversão a cobras, lagartos e sapos (!), o livro dá uma certa agonia.

O padrão de escrita, ilustrações e outras coisas que me conquistaram no primeiro volume foi mantido neste (e pelo visto nos próximos também). O humor irônico continua presente, as sacadas inteligentes, a tentativa de tradução das "falas" de Sunny... E as tais explicações, que ao mesmo tempo que me fazem rir ajudam a mostrar quão óbvias as coisas são, mas acabamos ignorando por não pararmos pra analisar.

Nesse livro fiquei ainda mais apaixonada pelas crianças, tão espertas e cativantes. E, numa geração tão tecnológica, ter personagens que adoram ler e usam a inteligência para inventar coisas é uma linha fora da curva, um ótimo exemplo pras crianças. Ainda bem que tenho mais 10 livros na companhia deles. ♥

27 de setembro de 2015

Mau Começo - Lemony Snicket

Título: Mau Começo - Desventuras em Série #1
Autor: Lemony Snicket
Editora: Seguinte
Gênero: Infantojuvenil
Ano: 2001
Páginas: 152
Nota
Onde Comprar: Saraiva | Submarino | Americanas
Sinopse: Mau Começo é o primeiro volume de uma série em que Lemony Snicket conta as desventuras dos irmãos Baudelaire. Violet, Klaus e Sunny são encantadores e inteligentes, mas ocupam o primeiro lugar na classificação das pessoas mais infelizes do mundo. De fato, a infelicidade segue os seus passos desde a primeira página, quando eles estão na praia e recebem uma trágica notícia. Esses ímãs que atraem desgraças terão de enfrentar, por exemplo, roupas que pinicam o corpo, um gosmento vilão dominado pela cobiça, um incêndio calamitoso e mingau frio no café da manhã. É por isso que, logo na quarta capa, Snicket avisa ao leitor: "Não há nada que o impeça de fechar o livro imediatamente e sair para uma outra leitura sobre coisas felizes, se é isso que você prefere".

Resenha: Lemony Snicket (pseudônimo de Daniel Handler) é um autor do qual já ouço falar há tempos, mas só recentemente pude ler algo dele. E, por mais que as capas da série Só Perguntas Erradas encham os meus olhos, queria entender o fascínio de tantos leitores com as Desventuras em Série.

Se você, como eu, também achava o título um tanto pessimista, é porque ainda não abriu o livro pra ler. Aliás, o próprio autor escreveu no prefácio que “não há nada que o impeça de largar o livro imediatamente e sair para outra leitura sobre coisas alegres”. Só aí você já imagina o que vai encontrar, né?
E como primeiro livro é uma introdução, vou apresentá-los aos nossos protagonistas.
VIOLET BAUDELAIRE tem catorze anos e é uma das maiores inventoras do seu tempo. As engrenagens e alavancas de seu cérebro funcionam a todo vapor.
KLAUS BAUDELAIRE, o irmão do meio, usa óculos, o que pode dar a impressão de que seja amante dos livros. Impressão absolutamente correta. Ele emprega todo o seu conhecimento em decifrar os planos do pérfido conde Olaf.
SUNNY BAUDELAIRE, a mais nova dos três, é ainda um bebê. Seus quatro afiados dentes entram em ação na primeira oportunidade.
E este é o arqui-inimigo dos irmãos Baudelaire: o CONDE OLAF. Homem revoltante, gosmento, pérfido, sobre ele é melhor dizer o menos possível.
Agora devidamente apresentados, vamos à história. Como a sinopse adianta, logo no começo as três crianças recebem a triste notícia de se tornaram órfãs. O incêndio não apenas levou seus pais como também destruiu toda a propriedade que eles consideravam um lar. Por isso, foram obrigados a se mudarem, viverem de favor e se submeterem às mais terríveis condições.
Até que aparece o Conde Olaf, parente distante que se dispôs a ficar com as crianças, mas na verdade está interessado na herança. E ele faz jus ao ditado “nada está tão ruim que não possa piorar”. Quando achamos que as coisas estão caminhando pra uma solução, vem uma reviravolta (e outra, e mais outra) que nos faz perceber que desgraça pouca é bobagem.
A primeira opinião que você tem sobre qualquer coisa pode mudar com o tempo. Eu gostaria de poder dizer para vocês que os Baudelaire estavam enganados nas primeiras impressões que tiveram sobre o conde Olaf e sua casa, como muitas vezes acontece. Mas aquelas impressões de que o conde Olaf era uma pessoa horrível e de que sua casa era um chiqueiro deprimente estavam absolutamente corretas.
A leitura é voltada para o público infantojuvenil, mas conquista leitores de todas as idades muito facilmente. Grande parte disso se deve à interação do texto com o leitor, chamando-o para a narrativa. Pra quem gosta, tem ilustrações em cada início de capítulo, adiantando o que está por vir.
Mas o ponto alto pra mim foram as explicações sobre humor, ironia ou palavras/situações não muito comuns, de modo a facilitar a compreensão da criança que está começando a se aventurar no mundo da leitura. E pra nós, que já estamos acostumados, chega a ser engraçado ler coisas tão óbvias explicadas nos mínimos detalhes.
É muito útil quando se é jovem saber a diferença entre "literal" e "figurado". Se alguma coisa acontece no sentido literal, acontece de verdade; se acontece no sentido figurado, dá a impressão de estar acontecendo. Se você está literalmente pulando de alegria, por exemplo, quer dizer que você está dando saltos no ar porque se sente muito feliz. Se você está pulando de alegria figuradamente, o que isso quer dizer é que você se sente tão feliz que poderia pular de alegria, mas está poupando sua energia para outros fins.
Nem sei o que esperar dos próximos 12 livros, se as crianças vão crescendo (tipo Harry Potter), se é tudo realmente em série, sem muito tempo pra respirar, se mantenho a esperança de que lá no final tudo ficará bem... O importante é preparar o coração e encarar tanta desventura pra 3 pitocos de gente.


26 de setembro de 2015

Persépolis - Marjane Satrapi

Título: Persépolis
Autora: Marjane Satrapi
Editora: Companhia das Letras
Gênero: HQ/Biografia
Ano: 2007
Páginas: 352
Nota
Onde comprar: Saraiva | Submarino | Americanas
Sinopse: Marjane Satrapi tinha apenas dez anos quando se viu obrigada a usar o véu islâmico, numa sala de aula só de meninas. Nascida numa família moderna e politizada, em 1979 ela assistiu ao início da revolução que lançou o Irã nas trevas do regime xiita - apenas mais um capítulo nos muitos séculos de opressão do povo persa. Vinte e cinco anos depois, com os olhos da menina que foi e a consciência política à flor da pele da adulta em que se transformou, Marjane emocionou leitores de todo o mundo com essa autobiografia em quadrinhos, que só na França vendeu mais de 400 mil exemplares. Em Persépolis, o pop encontra o épico, o oriente toca o ocidente, o humor se infiltra no drama - e o Irã parece muito mais próximo do que poderíamos suspeitar.

Resenha: Aqui no LC venho tentando sair da minha zona de conforto, e com Persépolis não foi diferente. Não costumo ler biografia, não entendo muito de HQ, costumo não me interessar por assuntos políticos... Mas depois de ler algumas resenhas positivas sobre esse livro, a curiosidade bateu e ficou.
Confesso que minha primeira impressão foi totalmente desconstruída. Quando vi a capa, sem ler a sinopse, juro que enxerguei algo como uma Batgirl. shame on me Mas o conteúdo se revelou algo muito mais profundo.
Uma mulher, já formada, politicamente engajada, visita o seu passado e nos mostra como é viver a infância no Irã, se mudar na adolescência para a Europa e retornar para o país de origem já como adulta. Tratar de choque cultural, repressão e liberdade seria bem mais complicado se ela não soubesse incluir o humor com maestria em sua narrativa.


Contar a história em forma de quadrinhos foi uma ótima estratégia para nos aproximar da realidade de Marjane. O que inicialmente era algo tão complexo e forte foi abordado com leveza, levantando reflexões sobre política, identidade, família, cultura, religião. Foi totalmente diferente de quando vejo notícias pela internet ou televisão, imagens tão distantes que parecem ser apenas ficção ou algo do tipo “é longe demais pra me afetar”. Fui absorvida pelo choque de realidade, um tapa na minha cara.
Creio que se a autora optasse por narrar sua história como texto corrido, muitos leitores que pensam como eu - um certo "preconceito" com biografias - sequer teriam se interessado na leitura, mas a proposta lúdica atraiu, distraiu e conquistou.

Não sou referência pra falar de HQ, mas gostei das ilustrações. São todas em preto e branco, com traços simples, mas significativos. O livro é grossinho, mas dá pra ser lido bem rápido não só por ser em quadrinhos, mas porque envolve o leitor.
Se você é daqueles que prefere a telona, que tal conferir a adaptação? O longa de animação é de 2007 e, assim como o livro, é todo em preto e branco. Chegou a concorrer ao Oscar de Melhor Animação (perdeu pra Ratatouille), então já sabe que é legal.
Valeu muito a pena ter saído da caixinha e me arriscado nesse livro. Leitura recomendada pra qualquer tipo de leitor pela mensagem linda de igualdade e coragem que traz.

25 de setembro de 2015

Belas Mentiras - M. Leighton

Título: Belas Mentiras - Pretty Lies #1
Autora: M. Leighton
Editora: Record
Gênero: NA
Ano: 2015
Páginas: 280
Nota
Onde comprar: Saraiva | Submarino | Americanas
Sinopse: Inocente, pura e doce, Sloane sempre foi superprotegida pela família, mas ela jurou a si mesma que, ao completar 21 anos, tudo seria diferente. E, quando o relógio bate meia-noite, Sloane está pronta para sair do casulo e quebrar algumas regras. O jovem Hemi tem vários talentos, mas manter o controle, infelizmente, não é um deles. Acostumado a fazer o que sempre quis, nunca precisou se importar muito com as consequências de seus atos. Até que uma tragédia mudou para sempre sua vida. Agora ele tem apenas uma missão, e nada é capaz de afastá-lo de seu objetivo... Até conhecer Sloane. Mas nada que Sloane e Hemi viveram até hoje foi capaz de prepará-los para o que está por vir. Quando essas duas almas problemáticas se encontram, a conexão é imediata, e eles não têm outra escolha a não ser mergulhar em um mundo de loucura, paixão e devassidão. Porém, os dois têm algo a esconder, e logo vão descobrir que a tentação está nos pequenos detalhes. E é nos pequenos detalhes também que se encontram as mais belas mentiras.

Resenha: Belas Mentiras é o primeiro volume da série Pretty Lies escrita pela autora M. Leighton e publicado no Brasil pela Editora Record.
Sloane sempre foi protegida pela família e criada com todo o cuidado do mundo. A família, composta pelo pais e três irmãos policiais, a enxerga como alguém delicada, inocente e que deve ser tratada como uma princesa que estivesse em perigo. Dessa forma ela nunca teve liberdade para fazer nada que tivesse vontade, nunca pôde sequer falar palavrão sem ser punida e nunca pôde se aproximar de garotos pois seus irmãos afastavam e apavoravam qualquer um. Assim, quando completou seus vinte e um anos, Sloane decidiu que estava pronta para quebrar essa redoma que sua família construiu sobre ela, mostrar que poderia andar com as próprias pernas e ter alguma independência, e sua primeira atitude "ousada" foi procurar um estúdio de tatuagens, o Ink Stain. E foi assim que ela conheceu Hemi, o tatuador. A atração é inevitável, ela não conseguia tirar os olhos dele e ela não imaginou que eles teriam uma ligação instantânea e muito intensa... Mas Hemi, pois mais que tenha percebido os olhares da garota, parece esconder segredos que envolvem seu passado e, ainda que isso o torne ainda mais sedutor aos olhos de Sloane, se envolver com a jovem não parece ser uma boa ideia. Ele inclusive não quer se envolver com ninguém para que isso não atrapalhe seus objetivos. A família dela, como era de se esperar, não aprova o rapaz. Mas quando a família começa a sofrer ameaças e a correr perigo, e Hemi parece ter algum envolvimento com isso, as coisas fogem do controle. Os objetivos dois dois passam a ter interferências e nenhuma mentira é capaz de mascarar um passado cheio de problemas.

Devido a sua criação rígida, Sloane é certinha e ingênua demais e é exatamente o tipo de garota que Hemi quer evitar a todo custo. Ele sempre preferiu mulheres mais experientes, aquelas que sabem o que querem e das quais ele não precisa ensinar nada, que o deixem sem que ele precise mandá-las embora. Mas a medida que as sessões da tatuagem de Sloane vão tomando prosseguimento, os dois vão se conhecendo melhor e descobrem que possuem interesses em comum.
Ainda que inocente, Sloane com essa ideia de se soltar das amarras é bastante corajosa, mas é cheia de dilemas envolvendo a família, a perda da mãe, a super proteção do pai e dos irmãos e pela questão de ainda ser virgem. E tudo isso acaba fazendo com que sua vontade de provar que já é adulta e que pode ser dona do próprio nariz seja, muitas vezes, um fracasso, já que nem sempre ela optava por tomar uma atitude inteligente.
Os demais personagens, ainda que insuportáveis ou nada simpáticos, foram muito bem construídos mas como a história é focada em Sloane e Hemi, eles acabam ficando em segundo plano.

O livro é narrado em primeira pessoa alternando entre Sloane e Hemi e é muito bem escrito. A leitura é envolvente, fluída e conquista logo de cara mas talvez por ser um New Adult e já ter elementos conhecidos, como a mocinha virgem que decide radicalizar a vida fazendo coisas que ninguém esperava e se envolvendo intensamente com um bad boy com passado negro e cheio de segredos, a impressão que fica é a de deja vú. Por mais que a ideia de ler sobre pensamentos sórdidos envolvendo assuntos sexuais vindos de alguém tão sexy e provocante seja tentadora, não há muita inovação. Tudo acaba sendo previsível e recheado de clichês mas curti a ideia da autora em unir duas pessoas, que são completamente o oposto uma da outra, pela paixão que eles possuem por arte.
Senti que o drama criado por trás de todo aquele desenvolvimento gradual do envolvimento dos protagonistas não foi forte o bastante pra tornar a história inesquecível e ainda se concluiu muito rápido. Foi algo que funcionou mais como um pano de fundo de uma história sobre um casal que tem química mas precisa enfrentar obstáculos e abrirem mão de coisas que não tinham intenção inicialmente para ficarem juntos. Mas só pela escrita da autora e a forma como me mantive presa à leitura já valeu a pena.
Não decidi ainda se gostei do final do livro. A autora decidiu encerrar a história para que os próximos volumes possam tratar dos dilemas de outros personagens e ao que tudo indica o outro vai trazer o irmão de Hemi.

A capa é bem bonita e ainda dá um ar de mistério e sensualidade ao mesmo tempo. A páginas são amarelas, a diagramação é simples, os capítulos são bem curtos com o nome do personagem da vez no começo e não encontrei erros.

Pra quem gosta do gênero, recomendo muito, mas acho válido ressaltar que outros romances do tipo devem ser "desconsiderados" para que a leitura seja melhor aproveitada a fim de evitar comparações.



24 de setembro de 2015

Becky Bloom em Hollywood - Sophie Kinsella

Título: Becky Bloom em Hollywood - Becky Bloom #7
Autora: Sophie Kinsella
Editora: Record
Gênero: Chick lit
Ano: 2015
Páginas: 560
Nota
Onde comprar: Americanas | Submarino | Saraiva
Sinopse: Los Angeles, reduto das celebridades mais famosas do mundo, de estilo de vida enlouquecedor e perdulário, cenário perfeito para que Rebecca Brandon (ex-Bloom) possa realizar suas fantasias mais glamorosas. E é para lá que ela e a família vão quando seu marido Luke é contratado para cuidar da carreira da famosa atriz Sage Seymour - e para Becky isso é um sinal de que ela está destinada a ser produtora de moda da badaladíssima celebridade e, quem sabe, também das maiores estrelas de Hollywood. Mas, assim que chega a LA, Becky descobre que sua rotina não será apenas de luxo e glamour. Alicia, uma rival do passado, também está na cidade. E o pior, é a queridinha das mães da concorridíssima pré-escola de Minnie. E o sonho de cuidar do look de Sage parece mais difícil do que ela imaginava. Até porque Luke vive adiando apresentar as duas. Então, por uma manobra do destino, Becky tem a chance de produzir a arqui-inimiga da atriz, e isso pode trazer alguns probleminhas. Pré-estreias, vestidos de gala, muitos paparazzi à sua volta, aulas de ioga e infinitas compras na Rodeo Drive. Claro que isso não acontecerá sem muitas encrencas e confusões. Será que Becky está mesmo perto de conseguir tudo o que sempre sonhou?

Resenha: Becky Bloom em Hollywood é o sétimo volume da série Becky Bloom escrita pela autora Sophie Kinsella e publicado no Brasil pela Editora Record.
Ainda que o livro faça parte de uma série, não é obrigatório ler todos os livros na ordem certinha para entender o que se passa. Obviamente quem optar por ler fora de ordem irá se deparar com alguns spoilers, mas nada que realmente estrague a surpresa, pelo menos não na minha opinião. Eu não li alguns volumes e não achei que isso tenha mudado minha opinião sobre a série e sobre a protagonista mais maluca e divertida da literatura estrangeira.
Becky, a pessoa mais viciada em compras do mundo, está de volta com seu carisma, falta de noção e muito estilo. Luke Brandon, seu marido, foi contratado para ser assessor da famosa atriz Sage Seymour e a ideia de se mudar para Hollywood faz Becky acreditar que seu destino é se tornar produtora de moda não só da nova cliente do marido, como de várias celebridades, vivendo no meio do luxo e do glamour. Mas assim que ela chega na cidade, percebe que as coisas seriam bem diferentes do que ela imaginou... Situações inesperadas e muita confusão é o que aguarda Becky nesse volume da série.

O livro é narrado em primeira pessoa de forma bastante fluída e com muitos toques de bom humor. Acompanhamos Becky tentando viver um sonho em que ela acredita que tudo o que ela sempre desejou está, enfim, diante de seus olhos, como se tudo fosse fácil e acessível. Ela sente necessidade de fazer parte desse mundo de celebridades mas acaba não tendo muita noção das coisas, não enxerga que sua vida pessoal e profissional poderão ser alvo de confusões e intrigas pois, por ser muito sonhadora, ela age no impulso e de forma impensada, acreditando que o que ela quer vai acontecer do dia pra noite como mágica.
Becky é completamente surtada e não admite seu problema com compulsão em comprar. Talvez isso seja alguma válvula de escape para compensar outras frustrações, mas vendo a protagonista investindo em coisas fúteis e inúteis o tempo todo faz com que o leitor perca a paciência e queira estapeá-la. Devido a esse jeito maluco dela é que a história se desenrola, pois uma pessoa desprovida de senso como ela só pode se meter nas piores confusões... Quando há um objetivo em vista ela parece usar um tipo de viseira que a impede de avaliar a situação e as consequências daquilo de acordo com suas escolhas, e isso chega a ser bem irritante.
Luke é um amor de pessoa. Ele é objetivo, realista e não deixa se influenciar por nada. Sua vida não gira em torno de dinheiro e quando ele quer algo ele luta pra conseguir em vez de esperar que as coisas aconteçam.
A participação de Alicia na história, inicialmente, me fez imaginar que tudo o que estava ruim se tornaria ainda pior, mas ela não teve tanto destaque na história.
Os demais personagens são hilários, bem construídos e com personalidades distintas. Todos encantam com suas particularidades, principalmente Suze, a melhor amiga de Becky.
Eu gostei da leitura ainda que não tenha considerado o melhor volume da série. Achei que a questão do segredo envolvendo o pai de Becky foi bem apresentada ainda que não tenha sido esclarecida e talvez a falta de um final é que me fez ficar com um pé atras. Geralmente os livros de Becky possuem pontos que ficam em aberto e são resolvidos ao longo da trama, mas a impressão que tive aqui é que houve uma inserção de coisas novas que ficaram sem resposta e quem quiser saber vai ter que esperar o próximo livro, e essa "obrigação" é algo que me soa forçado e não aprovo muito pois prefiro enredos fechados.

A capa e a lombada seguem o mesmo estilo de cores e fontes dos livros anteriores, mas a ilustração propriamente dita foge um pouco do padrão. É uma graça, confesso, e adorei os detalhe de estrelinhas prateadas.
A diagramação é simples, as páginas são brancas e a fonte é grande. Durante a leitura nos deparamos com cartas, relatórios e até notas fiscais das compras exageradas de Becky.

Becky Bloom em Hollywood foi uma leitura super agradável e bastante rápida. Pra quem procura por uma série do gênero Chick lit que apresenta uma personagem completamente desvairada mas que mesmo não sendo perfeita é super divertida, recomendo.


23 de setembro de 2015

Rotina & Rabisco - Bruna Vettori

Título: Rotina & Rabisco
Autora: Bruna Vettori
Editora: Agir Now
Gênero: Inspiração/Amor/Autoajuda
Ano: 2015
Páginas: 180
Nota
Sinopse: Este não é um livro qualquer.
É um espaço de memórias e sonhos, um mundo de possibilidades. Aqui você vai se encontrar em páginas repletas de histórias, ilustradas por mim e feitas para você. Este é um livro sobre todos nós e sobre o jeitinho com que levamos a nossa rotina. O Rotina & Rabisco é um livro para inspirar, sonhar, fazer acontecer. Feito para gente sensível, que ri sem motivo e gosta de ver o lado bom das coisas. Estamos felizes de te ver por aqui! Então entra e fica à vontade, que a vida é toda nossa. ♥

Resenha: Falar ou pensar num livro cute não é suficiente para tentar passar a ideia de Rotina & Rabisco, projeto da autora e ilustradora (e fofa) Bruna Vettori publicado pela Agir Now.


Rotina & Rabisco é um livro pequenininho na questão de tamanho, mas na questão do conteúdo, além de adorável, é grandioso. Ele é feito com mensagens que nos fazem refletir sobre o que importa nessa vida, com frases inspiradoras apresentadas numa tipografia descolada e várias ilustrações fofas que são capazes de colocar um sorriso nos nossos lábios, dar sentido aos nossos pensamentos, fazer nosso dia se tornar mais leve e lembrar que, mesmo que a vida não possa ser feita de sonhos, acreditar no melhor é algo totalmente possível e que deve ser feito com frequência.


Algumas páginas são interativas, podemos listar várias coisas, desde o que nos faz bem, o que nos inspira, o que nos motiva e até o que temos de bom, fazendo com que o livro se torne parte do nosso dia-a-dia.
Qualquer atitude que sirva para trazer um pouco de alegria às nossas vidas, seja em forma de pequenos gestos ou até mesmo em forma de palavras que formam pequenos versinhos inspiradores e que enchem nossos corações, é mais do que bem vinda, e se acreditarmos que a vida pode ser mais bonita e colorida, ela vai ser... Um pensamento positivo é capaz de mudar tudo!


Um livro pra ler e reler, dar de presente, pra ficar na memória, pra ser levado na bolsa e consultado diariamente, mesmo que seja aos poucos, com propósito de diversão, incentivo, dar um suspiro ou um sorriso, e saber que a felicidade está nas pequenas e mais simples coisas da vida, e muitas vezes diante de nossos olhos.