31 de maio de 2013

Promoção - Seja parceiro da NC por um dia #2


A sensação de receber uma caixa cheia de livros da Editora Novo Conceito é única, e, pensando nisso, os blogs Todas as Coisas do Meu Mundo, In the Sky, Leitora Viciada, Livros e Chocolate, Moonlight Books e Doce Insensatez resolveram se unir para trazer de volta uma promoção que deu o que falar e que vai te dar a chance desta sensação única.

A promoção "Seja parceiro da NC por um dia #2" irá te presentear com TODOS os lançamentos de Abril da editora e que nós, parceiros, recebemos. Veja quais são:
  • Livro Jardim de Inverno - Kristin Hannah
  • Livro Liberta-me - Taheref Mafi
  • Livro Sangue na Neve - Lisa Gardner
  • Livro Simplesmente Ana - Marina Carvalho
  • Livro A Livraria 24 horas do Mr. Penumbra - Robin Sloan
  • Livro O Poder da Energia - Brendon Burchard


Gostou? Então participe!!! É só seguir as regrinhas (curtir a página do blog Doce Insensatez no Facebook e seguir os outros 5 blogs publicamente pelo GFC e comentar neste post promocional para validar sua participação), preencher o formulário abaixo e torcer pra ganhar!

a Rafflecopter giveaway
Não se esqueça de ler os Termos e Condições ao final do fomulário!
Boa sorte!

Caixa de Correio #15 - Maio

Oie, pessoas!
Nesse mês chegaram muitos livros aqui pra mim, pois aproveitei aquela promoção do Sub pra poder comprar vários livros que estavam na minha lista de desejados aproveitando que todos saíram por 10,00! Mesmo passando uma big raiva com aquele site que só funcionou quando quis, e com isso ainda perdi a chance de comprar um livro que queria muito (O Orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares) mas esgotou antes de eu conseguir... Mas tá bom... Na próxima eu compro. E é uma livraiada, preparem-se, e isso porque os lançamentos da Novo Conceito ainda não chegaram pra mim... Vão entrar na próxima caixa...
Então bora ver as fotitas?

28 de maio de 2013

O Eterno Barnes - Salustiano L. Souza

Lido em: Maio de 2013
Título: O Eterno Barnes - Viver para sempre pode custar caro
Autor: Salustiano Luiz de Souza
Editora: Novo Século - Novos Talentos
Gênero: Literatura Nacional/Ficção
Ano: 2013
Páginas: 248
Nota
Sinopse: Doutor Barnes, um famoso neurocirurgião, começa a desenvolver na Universidade onde trabalha uma pesquisa científica tentando transformar os dados do cérebro em arquivos de dados, codificando-os de modo que possam ser copiados. Com o avanço da pesquisa, acaba conseguindo copiar para o computador todos os dados de memória que formam o ser humano, como suas experiências, suas emoções, suas recordações, enfim, sua vida. Deslumbrado com a descoberta, começa a perceber que estes arquivos possuem uma estrutura totalmente diferente e uma sinfonia divina, e começa a ficar obcecado pela ideia de que seja possível copiar cérebros de um paciente para outro. Ao contrário do que deveria ocorrer, Barnes, cada vez mais, esconde suas pesquisas, pois seu objetivo passa a ser implantar seu próprio cérebro em outro paciente, mais jovem e sadio, pois está acometido de uma séria doença. Busca, desta forma, alcançar a tão almejada eternidade. Para isto, não mede as consequências de seus atos, que passam a ser justificados pela ambição que lhe domina. Conseguirá Barnes o seu intento?
Resenha:  Barnes é um neurocirurgião de renome e muito ambicioso que sofre de uma doença terrível e dedica o tempo que tem à sua mais importante pesquisa: A imortalidade. Através dessa pesquisa, ele busca uma forma de transferir a própria mente, incluindo lembranças e sentimentos, como se fossem dados ou arquivos de computador, para o cérebro de alguém mais novo e saudável e, assim, viver eternamente. Uma pesquisa audaciosa, imoral e muito perigosa...
Ele dispõe de um corpo em coma e das ferramentas do hospital/universidade que trabalha para prosseguir com sua pesquisa, e conta com a ajuda de Lourdes e de James. Lourdes é a companheira de Barnes, e por mais que não concorde e resista ao projeto, acaba o ajudando por amor. James, é um professor da área de engenharia que descobre como salvar e gravar esses "arquivos" mas que posteriormente acaba sendo excluído do projeto pois Barnes não tem intenção de dividir sua descoberta com ninguém. Porém, James havia feito uma cópia dos arquivos pensando nos benefícios que tal descoberta poderia causar, mas se caírem em mãos erradas, seria um grande problema...
Cego pela pesquisa e buscando o sucesso, Barnes segue em frente incessantemente, sem poupar esforços, sem pensar nas reais consequências que tudo isso poderia causar às pessoas ao seu redor e, principalmente, a ele mesmo.

"O Eterno Barnes" é um livro que traz uma história em que os personagens colocam a moral e a ética a prova, mostrando o que o ser humano é capaz de fazer para ir em busca da vida eterna.
O autor não poupou detalhes para falar sobre informática, medicina, religião, cultura, filosofia e etc para poder explicar a pesquisa de Barnes e torná-la crível e convincente, principalmente ao usar termos técnicos e muito antipáticos, e a impressão que tive é que ele quis mostrar que conhece de tudo ao citar tantas referências e termos que não combinam entre si e nem acrescentaram nada de útil na história. E justamente por causa de tantos assuntos distintos estarem juntos, achei que tudo ficou muito confuso, prolixo, cansativo e arrastado, pois pela sinopse esperei ler uma história que fosse direto ao ponto, mas me deparei com muitos floreios na narrativa que poderiam ser descartados evitando que o leitor perdesse tempo lendo o que não faz diferença... Algumas frases mais filosóficas podem ser absorvidas e aproveitadas para reflexão, mas não acho que tenham alguma importância na história pois parecem não fazer parte do contexto em si, principalmente no que diz respeito às citações, que vieram em demasia e tornaram a leitura maçante, chegando a desviar o foco da ideia principal do livro pra outra coisa totalmente diferente. Talvez se entrassem em forma de diálogo, que a propósito, são bem poucos, ficariam mais aceitáveis pra mim, mas como sendo o pensamento do narrador, que conta a história em terceira pessoa, não me agradou nada.
A ideia da história é muito boa, mas poderia ser desenvolvida e contada de uma forma mais direta, sem enfeites e sem desvios pra outros assuntos ou outros personagens. Por mais que Barnes tenha se sentido Deus, o modo como a religião x ciência entra na história, não me convenceu.
A capa me agradou muito pois as mãos ilustradas fazem uma referência genial a obra artística "A Criação de Adão", de Michelangelo, que representa um trecho do livro de "Gênesis" em que Deus cria o primeiro homem, com algo que lembra uma cadeia de moléculas, e que ainda é destacada com verniz, ao fundo.
Encontrei alguns erros na revisão, como falta ou excesso de vírgulas, pleonasmo e palavras repetidas no mesmo parágrafo, e isso é algo que me incomoda. Eu iria preferir que os capítulos não tivessem títulos pois fiquei com a impressão que eles tiraram a seriedade da história.
O final é perturbador e achei bem justo levando em consideração o velho ditado: "colhemos o que plantamos".
Enfim, pela sinopse, fiquei bastante interessada, mas no decorrer na leitura, devido a todos os fatores que apontei, não consegui gostar nem me prender a história, nem senti afinidade por nenhum dos personagens. Talvez, quem goste de ler histórias não muito originais, que tragam termos técnicos carregada de filosofia e informações, a caráter de conhecimento ou curiosidade, aproveite bem mais.

26 de maio de 2013

Procura-se um Marido - Carina Rissi

Lido em: Maio de 2013
Título: Procura-se um Marido
Autora: Carina Rissi
Editora: Verus
Gênero: Romance/Chick lit/Literatura Nacional
Ano: 2012
Páginas: 474
Nota
Sinopse: Alicia sabe curtir a vida. Já viajou o mundo, é inconsequente, adora uma balada e é louca pelo avô, um rico empresário, dono de um patrimônio incalculável e sua única família. Após a morte do avô, ela vê sua vida ruir com a abertura do testamento. Vô Narciso a excluiu da herança, alegando que a neta não tem maturidade suficiente para assumir seu império – a não ser, é claro, que esteja devidamente casada. Alicia se recusa a casar, está muito bem solteira e assim pretende permanecer. Então, decide burlar o testamento com um plano maluco e audacioso, colocando um anúncio no jornal em busca de um marido de aluguel. Diversos candidatos respondem ao anúncio, mas apenas um deles será capaz de fazer o coração de Alicia bater mais rápido, transformando sua vida de maneiras que ela jamais imaginou.
Resenha: Procura-se um Marido é o segundo sucesso da autora nacional Carina Rissi, lançado pela Verus Editora, selo do Grupo Editorial Record.
Alicia Moraes de Bragança e Lima (nome de gente hyka) é uma moça de 24 anos e foi criada pelo avô desde criança depois de ter perdido os pais, e a relação dos dois só pode ser resumida em "amor fraternal sem limites". Os dois têm uma ligação muito especial, se conhecem super bem, se entendem como ninguém, e, apesar de todo o dinheiro, um é o maior tesouro do outro, pois são os únicos da família que restaram. Vô Narciso é dono de um império de empresas cuja fortuna é incalculável, e Alicia aproveita a vida o máximo que pode, viajando pelo mundo, sem se preocupar com nada, já que o avô banca todas as suas despesas e a livra de todas as confusões que se mete.
Porém, depois de Alícia arranjar mais problemas com tantas curtições desenfreadas, mostrando que não tem um pingo de responsabilidade, seu avô ficou muito decepcionado...
Mas vô Narciso acaba morrendo devido a um aneurisma, e o que Alícia não esperava, era descobrir que, além de ter perdido o avô, ele havia incluído uma cláusula em seu testamento em que ela só poderia receber toda aquela fortuna sem fim depois de casada, numa tentativa maluca de fazer com que a garota tomasse juízo. Alícia, desesperada, se vê numa completa enrascada, pois o curador da herança, Clóvis, segue a risca tudo o que o avô deixou por escrito e não vai dar moleza para ela. Alicia ficou sem dinheiro, sem cartão de crédito, teve que começar a trabalhar em uma das empresas do avô começando de um cargo baixo com um salário miserável e vergonhoso, precisou vender seu precioso carro para pagar o que devia, e, como tentativa de sair dessa vida cruel, bolou um plano mirabolante e resolveu colocar um anúncio no jornal procurando um marido de aluguel para, enfim, receber a herança e poder viver tranquilamente.
Depois de alguns mocorongos que se candidataram, eis que surge Max, um funcionário que trabalha na empresa do avô e que, mesmo sendo um gato gostosíssimo e inteligente, ela não suportava desde quando o conheceu, mas, o casamento de fachada ajudaria os dois em seus interesses, e Alicia embarca nessa se metendo em muitas confusões e descobrindo que um casamento de negócios era mais complicado do que ela imaginava, principalmente quando ela passa a conhecer Max melhor e descobre que seus sentimentos vão muito além do que ela pretendia...

Quando vi a capa de Procura-se um Marido, já fiquei desesperada pelo livro, e depois de ter lido algumas resenhas, minha curiosidade e ansiedade pra ler logo essa história que todos andavam falando tão bem, só aumentou. Devido a isso, coloquei muitas expectativas na leitura e não aguentava mais esperar para começar a ler logo e matar essa curiosidade.
Alícia é uma patricinha com a vida boa que perde tudo da noite pro dia e precisa consertar tudo, e ver a garota amadurecendo, aprendendo com os erros e demonstrando o potencial que tem foi uma coisa muito bacana de acompanhar. O relacionamento que tinha (e continua mantendo através de sonhos) com o avô é uma coisa muito bonita e me emocionei várias vezes por isso. Sua amizade com Mari também é algo muito bacana e bem construído, pois uma amiga de verdade, além de conhecer a outra e saber do que ela precisa, está ali pro que der e vier, independente da situação. Super ponto positivo pra esse tipo de amizade abordada aqui.
Mas apesar da história ser boa no geral, ter me arrancado algumas risadas, ter me prendido e me deixado bem empolgada no começo, ela não superou minhas expectativas, pois além de extremamente previsível, em todos os pontos, soou muito surreal, principalmente no que diz respeito a Max, e ao final a considerei fraca. São muitas páginas para uma história muito simples e com poucos personagens. Chegou a me lembrar os livros da Marian Keys, que apesar de muito bons, poderiam ser muito mais finos se não fosse pelos detalhes e acontecimentos desnecessários e que não fazem diferença nenhuma na história.
Max é o típico galã de novela que arranca suspiros por onde passa. É inteligente, rico, bonito, rico, gostoso, lindo, educado, rico, compreensível, sarado, olhos verdes penetrantes, fala mansa, rico, protetor, intelectual, forte, alto, lindo, rico... Um cara como ele não existe, definitivamente, e nem me atrevo a querer um pra mim... Acho que personagens, por mais fictícios e "perfeitos" que sejam, devem ter seus defeitos. Alícia sim me conquistou, pois ela tem defeitos e aprende com eles.
Há várias cenas que, pra mim, foram completamente irritantes e infantis em que os personagens ficam precipitando as coisas, sem esperar por explicações para o que viram ou ficaram sabendo, para só bem mais tarde aparecerem com uma desculpa boba para não terem dado ouvidos ao outro. E isso acontece com a família de Max ao saberem do casamento, o que foi uma tentativa de forçar um humor numa família supostamente maluca, mas que pra mim não teve graça; com Alícia, pois a menina é explosiva, inconstante e está amadurecendo aos poucos, e até pra pra relevar todas as suposições que ela tem; mas o pior foi com Max, pois tendo em vista que ele é um cara tão sabido, compreensível e maduro ao que tudo indica, essa é uma atitude que não combina com ele.
A pior personagem da história é Vanessa, pois é a típica vagabunda que botou na cabeça que deve conquistar Max e atrapalhar o casamento dele, e fica se submetendo a situações lamentáveis em que ela força cenas de amassos o atacando e fazendo de tudo pra prejudicar Alícia na empresa, mesmo sabendo que não tem a menor chance de conseguir nada. Personagens que existem pra atrapalhar, devem realmente atrapalhar, caso contrário, são descartáveis, inúteis... Essa ganhou a caveirinha odiosa, com louvor.
A história tem uma premissa bacana, é um chick lit que traz uma narrativa em primeira pessoa super fácil, simples e gostosa de se ler, mas só continuei lendo pra ver se tudo o que previ desde o início iria mesmo acontecer, e foi dito e feito.
A revisão foi ótima, a capa é linda (já disse isso) e merece uma estrela exclusiva, a diagramação é simples e as folhas são amareladas o que acabam contribuindo para nossa visão, obrigada, Verus!
Eu gostei da escrita da autora, e devido aos nomes e alguns termos usados, ela evidencia que é um livro nacional. Mais um ponto positivo.
No geral considerei um livro bom, pois é um romance água com açúcar que vai agradar às mais sentimentais, que curtem uma história fácil e bem levinha, e que sonham e suspiram por um príncipe encantado...



25 de maio de 2013

Novidades Maio - Rocco


A Luz Entre Oceanos - M. L. Stedman
Romance de estreia da australiana M. L. Stedman, A luz entre oceanos alcançou as principais listas dos mais vendidos do mundo, incluindo o cobiçado ranking do The New York Times, onde permaneceu por mais de quatro meses. Escrito por uma advogada que aborda os limites da ética e os dilemas morais sob diferentes pontos de vista, o romance conta a história de Tom Sherbourne, faroleiro de uma ilha isolada na costa oeste da Austrália, e sua mulher, Isabel. Impedidos de ter filhos, a vida do casal sofre uma reviravolta quando um barco à deriva aporta na ilha. Publicado em 25 países, A luz entre oceanos é um livro emocionante sobre perdas trágicas e escolhas difíceis, sobre a maternidade e os limites do amor.


Clarice Lispector - Pinturas - Carlos Mendes de Sousa
Mais uma faceta pouco conhecida da escritora Clarice Lispector vem a público no lançamento Clarice
Lispector – pinturas, do português Carlos Mendes de Sousa, professor de literatura brasileira na Universidade do Minho e um dos maiores especialistas do mundo na obra da escritora. Grande admiradora das artes, Clarice tinha especial interesse pela pintura, conviveu com diversos artistas e produziu suas próprias pinceladas, cerca de 20 delas reproduzidas no livro. “A atmosfera pictórica contamina a escrita de Clarice Lispector em aspetos mais ou menos visíveis”, afirma Sousa, que reflete sobre a obra da escritora à luz de sua relação com a pintura.



O Jogo da Mentira - The Lying Game - Livro 01 - Sara Shepard
O jogo vai começar. Primeiro volume da nova série da autora de Pretty Little Liars, que ficou mais de 50 semanas no ranking do The New York Times e vendeu mais de cinco milhões de exemplares, O Jogo da mentira acompanha a história de duas gêmeas separadas ao nascer e unidas por um misterioso assassino. Com uma trama ainda mais intrincada e sombria, que tem início quando Emma resolve trocar de lugar com a irmã, a série repete a trajetória de sucesso de PLL, com um enredo repleto de suspense, intrigas e reviravoltas de tirar o fôlego, e uma bem-sucedida adaptação para a TV.





Cinder - Crônicas Lunares - Livro 01 - Marissa Meyer
Num mundo dividido entre humanos e ciborgues, Cinder é uma cidadã de segunda classe. Com um passado
misterioso, esta princesa criada como gata borralheira vive humilhada pela sua madrasta e é considerada culpada pela doença de sua meia-irmã. Mas quando seu caminho se cruza com o do charmoso príncipe Kai, ela acaba se vendo no meio de uma batalha intergaláctica, e de um romance proibido, neste misto de conto de fadas com ficção distópica. Primeiro volume da série As Crônicas Lunares, Cinder une elementos clássicos e ação eletrizante, num universo futurístico primorosamente construído.




Quantic Love - O romance que resolve a equação do amor - Sonia Fernández-Vidal
Laila terminou o ensino médio e, enquanto decide que carreira seguir, consegue um emprego como garçonete no CERN, um dos centros de pesquisa nucelar mais avançados do mundo. Cercada de “nerds” por todos os lados, a protagonista de Quantic Love – O romance que resolve a equação do amor vai descobrir que a ciência pode ser sexy e que o amor é a energia mais poderosa do universo. Uma das mais importantes escritoras de divulgação da ciência em língua espanhola e bestseller em seu país, Sonia Fernández-Vidal constrói uma história de amor para jovens que mostra o lado humano da ciência.





A gramática do amor - Rocío Carmona
Romance de estreia da editora Rocío Carmona, que é também vocalista de uma banda indie de Barcelona,
A gramática do amor é um convite à intertextualidade. O livro, que conquistou público e crítica na Espanha, vem ganhando traduções em diversos países ao contar a história de Irene, uma menina que vive sua primeira desilusão amorosa e que encontra em clássicos como García Márquez, Tolstói, Jane Austen e Murakami o entendimento para as suas emoções e a força para escrever a sua própria “gramática do amor”. Um comovente romance juvenil sobre a descoberta do amor, relacionamentos e o poder da literatura.




Sombra da Noite - Trilogia das almas - Livro 02 - Deborah Harkness
Eleito um dos melhores livros de 2012 pelas redes Amazon e Barnes & Nobles, Sombra da noite repetiu o desempenho de seu antecessor, o bestseller A descoberta das bruxas, figurando na lista dos mais vendidos do The New York Times. No romance, a pesquisadora Diana Bishop, descendente de uma antiga linhagem de bruxas, e o geneticista Matthew de Clermont, um vampiro ancestral, se aprofundam em sua pesquisa sobre o manuscrito encantado conhecido como Ashmole 782, numa trama que entrelaça paixão, alquimia, ciência e história. A série de sucesso de Deborah Harkness ganhará adaptação para o cinema pela Warner.

23 de maio de 2013

O Lobo do Centeio - Janaina Tokitaka

Lido em: Abril de 2013
Título: O Lobo do Centeio
Autora: Janaina Tokitaka
Editora: Escrita Fina
Gênero: Sobrenatural/Graphic Novel
Ano: 2012
Páginas: 64
Nota
Sinopse: Na graphic novel “O Lobo do Centeio” a autora retoma a tradicional lenda do lobisomem. Escolheu, nesta releitura, manter alguns dos elementos comumente associados à famosa narrativa, como a sua ligação com o gênero masculino e a influência da Lua cheia, e simultaneamente adicionar trechos existentes em versões arcaicas que, por uma ou outra razão, não permaneceram no imaginário contemporâneo. Exemplos desses trechos são a menção ao Lobo de Gevaudan e à influência maligna do grão de centeio. A primeira diz respeito a uma fera de proporções mitológicas que teria aterrorizado uma pequena aldeia francesa de 1764 a 1767 e a segunda a um dito popular que associa o grão ao nascimento do monstro. Mesclando essas fontes, O lobo do centeio enfoca o medo da natureza e do desconhecido, temas intimamente ligados à condição humana, independente de tempo ou local. 

Resenha: Há muito tempo atrás, numa pequena vila de camponeses trabalhadores, um terrível lobo negro aterrorizava todos que alí viviam. Os ataques eram constantes e fatais, mas quem era atacado era considerado imprudente por sair sozinho em plena escuridão... Todos estavam acostumados com a morte de alguém a cada novo dia, mas tantos ataques sofridos e perdas de entes queridos despertaram a revolta dos camponeses... Então, eles se despedem de suas famílias e adentram a floresta procurando pelo lobo negro, em busca de vingança... Coisas estranhas e inexplicáveis acontecem, e o filho do ferreiro foi atraído para a floresta, e ao voltar, estava diferente do que era...

O Lobo do Centeio é uma graphic novel baseada na lenda do lobisomem. Com ilustrações macabras e perturbadoras, o leitor embarca nessa história cheia de mistério, narrada em tom sombrio e muito sinistro, com poucos diálogos e em poucas páginas, mas com tanta intensidade que chega a despertar o medo, provocar arrepios e é uma delícia de se ler!
As ilustrações em tons de preto e verde e os traços cheios de expressão colaboram para esse clima de terror deixando o cenário bem misterioso e apavorante.
O livro tem a dimensão de 28x20cm, a capa é muito bem trabalhada e simplesmente genial, pois ao mesmo tempo que mostra um grande lobo, ilustra os campos de centeio onde a história se passa. E adianto que o final surpreende...
Por entre plantações de centeio negro, o Mal começa a tomar forma.
Primeiro como um lobo assassino, mais tarde como um Demônio sorrateiro que passa a atrair e dizimar todos os homens de um pacato vilarejo.
Pra quem gosta de terror contado de forma sútil e curte apreciar ilustrações fantásticas, O Lobo  do Centeio é leitura obrigatória!

22 de maio de 2013

Novidade de Maio - Adeus, Facebook - Editora Valentina

Adeus, Facebook: O Mundo Pós Digital - Jack London

Textos essenciais para compreender o futuro das mudanças
 e as mudanças do futuro.
“Em um universo cheio de surpresas, Jack é um especialista em surpreender.” Max Gehringer, comentarista da TV Globo
1ª ed. – Rio de Janeiro: Valentina, 2013.
176 páginas.
Formato: 14x21 cm.
ISBN 978-85-65859-05-9
R$ 29,90
Tiragem: 5.000


Parar e pensar sobre como as novas tecnologias transformarão o mundo parece algo impossível de se fazer. Sempre preocupadas em atualizar o status online, cada vez mais as pessoas têm menos tempo livre. Além disso, a natureza volátil das redes sociais permite que tudo nessas plataformas possa mudar de um dia para o outro. Este novo cenário já alterou a forma de empreender tanto no Brasil quanto no mundo. Empresas como o Google e o próprio Facebook surgiram do nada e hoje são gigantes no mercado, enquanto outras que eram consideradas quase infalíveis tiveram que se readaptar para não morrer. A forma de empreender mudou.

Ao mesmo tempo, as marcas nunca estiveram tão conectadas com seu público e a criatividade não tem limite. Barreiras linguísticas e geográficas estão ficando sem importância, e aquele que deseja empreender deve saber que seu público alvo pode estar do outro lado do mundo, da mesma forma que seu concorrente direto. Surgiram startups com sucesso em um dia e desastre noutro. Quantas empresas conseguiram, de fato, se manter no mercado com mais de 1 ano de existência? Como aprender com elas para não cometer os mesmos erros?
O escritor Jack London, considerado em um levantamento feito pelo site IDG NOW como um dos 10 nomes mais importantes da internet no Brasil, vem acompanhando de perto todos esses processos em sua coluna sobre empreendedorismo na revista Pequenas Empresas, Grandes Negócios e agora, com essa coletânea de seus mais instigantes artigos, aulas e palestras, podemos traçar com detalhes o panorama atual da nossa sociedade: digital, imprevisível e mutante.
Adeus, Facebook – O Mundo Pós-Digital fala sobre o que está acontecendo no mundo digital, sobre o futuro das redes sociais e sua influência em nossas vidas, como o Brasil lida com essa nova realidade e como empresas e empreendedores podem usar isso em seu favor. O livro ainda nos remete a algumas perguntas essenciais e nos faz questionar: O que nos espera quando todo esse sistema entrar em crise? É possível imaginar o futuro?


JACK LONDON é economista, consultor, professor e empresário. Foi um dos pioneiros da Internet no Brasil ao criar o site Booknet.com.br, que depois foi vendido e renomeado para Submarino. Fundador e primeiro presidente da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico, tem no currículo mais de mil palestras e aulas em vários países sobre tendências da sociedade com os impactos da Tecnologia da Informação. Foi Presidente do Conselho Consultivo da Ideiasnet, a primeira empresa do setor de TI a se tornar pública no Brasil e é professor convidado do ITA, da FGV e da COPPEAD. Foi contratado em 2005 pelo Google para exercer no Brasil a função de Google Ambassador, espécie de Conselheiro Sênior, cargo que exerceu até 2007. É colunista da edição online da revista Pequenas Empresas, Grandes Negócios, onde parte dos textos aqui compilados foram originalmente divulgados.


20 de maio de 2013

Insurgente - Veronica Roth

Lido em: Maio de 2013
Título: Insurgente - Divergente - Livro 2
Autor: Veronica Roth
Editora: Rocco  
Tradutor: Lucas Peterson
Gênero: Distopia
Ano: 2013
Páginas: 512
Nota
Sinopse: Uma escolha pode te transformar - ou destruir. Mas toda escolha carrega consequências, e, enquanto uma sensação de inquietação assola as facções ao seu redor, Tris Prior precisa persistir em sua tentativa de salvar as pessoas que ama - e a si mesma - ao lidar com questões relacionadas à mágoa e ao perdão, à identidade e à lealdade, à política e ao amor.
Resenha: Insurgente é o segundo volume da trilogia distópica de Veronica Roth lançado pela Editora Rocco aqui no Brasil que dá sequência a Divergente, contando a história de Tris Prior após sua iniciação na facção que escolheu, as consequências dessa escolha e o rumo que a guerra que foi travada está tomando, e isso tudo com uma Chicago bem futurística como pano de fundo, dividida em cinco facções que separam os cidadãos de acordo com suas virtudes.
Tris, Quatro e o restante dos sobreviventes do grupo estão a caminho de abrigo na sede da Amizade (facção que prega a compreensão, a paz e a felicidade, e que está de portas abertas para receber quem precisa de uma força) após o ataque da Erudição, mas ao descobrirem que estão submetidos a algumas condições em troca de refúgio, começam a bolar um plano a fim de saírem de lá e acabarem com a tirania de Jeanine, a líder da facção inimiga, que está atrás de uma informação super confidencial e importante que estava guardada na facção da Abnegação. Eles se unem aos sem facção, muitos deles divergentes, e decidem enfrentar o inimigo e quem mais estiver aliado a ele...

Depois da guerra que aconteceu no primeiro livro, em que Tris ficou completamente abalada por ter matado alguém, ela agora demonstra ser alguém fria e despreocupada com as consequências de seus atos.
Porém, mesmo com essa personalidade "nova", Tris não deixa que seu romance com Quatro escorra por água abaixo, por mais que eles se desentendam com mais frequência. E por todos estarem mais maduros, o romance resiste, mesmo que não seja o foco principal. Quatro (ou Tobias, seu verdadeiro nome), inclusive, nos surpreende com segredos que vêm a tona.
"Não posso falar que preciso dele. O fato é que não posso precisar dele. Na realidade, não podemos precisar um do outro, porque quem sabe quanto tempo vamos durar nesta guerra?" - pág. 166
Uma coisa que achei válido comentar é que a facção da Amizade lembra o estilo de vida dos Hippies nos anos 60 e aquele movimento "Paz e Amor". Até um "soro especial" pra manter a pessoa "leve, alta e feliz" existe alí... E confesso ter dado umas risadas com isso e com as sensações que Tris experimentou com essa "felicidade" .
O ritmo da narrativa continua frenético, empolgante, viciante, e deixa claro uma evolução por parte da autora no que diz respeito a complexidade da trama e até na escrita. Todos os detalhes são importantes e fundamentais, e vários acontecimentos, principalmente por serem narrados em primeira pessoa, deixa o leitor agoniado, com os nervos a flor da pele.
"- Insurgente. Substantivo. Uma pessoa que age em oposição à autoridade estabelecida, mas que não é necessariamente considerada agressiva." - pág. 445
Por ser um volume que se inicia de onde o primeiro parou, eu recomendo que a leitura seja feita em sequência, pois os fatos não ficam sendo repetidos para refrescar nossa memória. Por um lado, isso é ótimo, pois quanto menos enrolação, melhor, mas os esquecidos poderão ter um pouquinho de dificuldade de se situarem para pegar o ritmo da coisa.
A capa é finíssima e traz o símbolo da Amizade. A diagramação é simples e as folhas amareladas com letras grandes colaboram pra tornar a leitura mais rápida, mesmo que o livro tenha mais de 500 páginas. A revisão também é perfeita.
Muitas questões, como mágoa, perdão e coragem pra seguir em frente são abordadas de forma bem adequada, aproveitando a fragilidade das pessoas em meio a guerra, evidenciando seus sentimentos e nos deixando mais próximos aos personagens, o que os torna mais vivos e reais.
O final fica em aberto, pois pede a continuação com urgência! E por favor, necessito o quanto antes de Allegiant!
Super recomendo e assim como Divergente, entrou pra lista das distopias favoritas!

19 de maio de 2013

Promoção - Insurgente


Ei, gentem! Em parceria com a Editora Rocco, o blog Livros e Chocolate vai sortear um exemplar do livro Insurgente pra vcs!
E pra participar, é super fácil. Basta seguir as regrinhas e preencher o formulário logo abaixo!
Corre, pois o livro é D-I-V-O!

Regras:
  • Residir no Brasil
  • Seguir o Blog publicamente pelo GFC
  • Curtir a página no Face da Editora Rocco
  • Comentar nessa postagem promocional deixando email de contato

Não se esqueça de ler atentamente os Termos e Condições ao fim do formulário e boa sorte!!! a Rafflecopter giveaway

16 de maio de 2013

Hex Hall: A Maldição - Rachel Hawkins

Lido em: Junho de 2013
Título: A Maldição - Hex Hall - Livro 2
Autora: Rachel Hawkins
Editora: Galera Record
Gênero: Fantasia/Sobrenatural/Juvenil
Ano: 2013
Páginas: 320
Nota:
Sinopse: Sophie Mercer pensava ser uma bruxa. Por isso foi mandada para Hex Hall, um reformatório para Prodígios - vampiros, fadas... - problemáticos. Mas isso foi antes de ela descobrir um terrível segredo de família... e que estava apaixonada por certo agente do L'Occhio di Dio, uma organização decidida a varrer da Terra os seres sobrenaturais. Agora, de férias com o pai, ela precisa decidir o que fazer com os próprios poderes, um noivo de última hora e uma conspiração que ameaça a paz entre mortais e mágicos.
Resenha: Atenção! Essa resenha pode ter spoilers do primeiro livro da trilogia, Hex Hall - Sortilégio.
Depois da grande confusão em que Sophie se meteu em que quase foi morta, descobriu que Archer, o garoto por quem ficou apaixonada, faz parte d'O Olho, e da chocante descoberta sobre sua avó Alice, o que resultou na morte de Elodie, a garota agora sai de férias com seu pai, Jenna, sua melhor amiga e vampira, e Cal, o zelador de Hex Hall e, pasmem, seu noivo! Sim, o noivado arranjado pelos pais aconteceu sem Sophie nem sonhar com isso, mas a sorte é que por mais que os dois fossem prometidos um ao outro, cabe a eles seguirem em frente com isso ou não. Todos vão para a Abadia Thorne, e lá ela conhece os irmãos Nick e Daisy, dois demônios que não se lembram de nada do que aconteceu em suas vidas antes deles terem sido transformados e que são protegidos pelo Conselho.
Sophie ainda não esqueceu Archer e por mais que tenha sido proibida de manter qualquer contato com o rapaz, ainda fica balançada quando ele aparece escondido para lhe visitar.
Nesse segundo volume, talvez por todas as descobertas e provações horripilantes que Sophie passou, ela está mais madura, tanto que insiste em passar por uma Remoção para que fique livre de seus poderes de uma vez por todas para que não arrisque causar mais problemas trágicos, ou mortes... Agora, na Abadia, Sophie, junto com seu pai que tenta lhe mostrar que há outros meios de conter essa magia sem ter que passar pela Remoção, passa a treinar e trabalhar seus poderes a fim de poder controlá-lo, pois agora sabe que uma guerra entre O Olho (a organização contra os seres sobrenaturais) e os Prodígios (os próprios seres sobrenaturais) está por vir e sem treinamento poderia estragar tudo, como sempre fez. E em meio a um treinamento duro, um noivado inesperado, um romance proibido, uma perseguição infernal e muitos segredos acerca de uma trama literalmente diabólica, Sophie irá fazer de tudo para escapar de toda essa confusão.
Por ter ficado super envolvida e completamente encantada com o primeiro livro, coloquei muitas expectativas na continuação, porém, por mais que a história seja muito boa e com uma narrativa super fluída, viciante e envolvente, achei que poderia ser melhor. Uma coisa que me incomodou foi que para Sophie aprender a controlar e usar seus poderes, ela precisaria de concentração, e outras coisas que pra mim não passou de uma cópia descarada do próprio feitiço do Patrono. Quem leu e sabe do que se trata vai identificar a mesma coisa ao ler esse livro...
Outro ponto que acho válido ser citado, é o que diz respeito ao título em inglês, "Demonglass", que aqui foi alterado para "A Maldição". O que Sophie realmente é e o que enfrenta por causa disso talvez seja um tipo de maldição, sim, mas o título em inglês cita o único elemento capaz de matá-la e é tão importante quanto. Por que Sophie só pode morrer se for atingida pelo "Vidro do Demônio"? Leia e descubra, por favor.
A capa também combina perfeitamente com a história e não poderia ser mais adequada.
Achei o romance da história aceitável mas bem clichê, pois Archer representa o cara bad boy, proibido, cheio de segredos e nada confiável, mas que continua fazendo o coração de Sophie palpitar, enquanto Cal, o noivo, é o cara certinho e aprovado pelo pai.
Todo o sarcasmo e humor tão presentes no primeiro livro se perderam um pouco nesse segundo, exceto nas cenas em que Sophie se depara com Elodie, que agora é uma fantasma que vaga por aí... Sophie continua cheia de ironia, mas achei que bem menos se comparada a primeira Sophie. Talvez seja por que amadureceu e a história tenha ficado mais séria e pesada por conta da guerra e da conspiração que existem, mas senti falta de mais humor.
A autora expõe questões como homossexualidade e preconceito com uma naturalidade e sutileza imensas, e isso me agrada muito, principalmente porque trazem uma história de amor e sacrifício de partir o coração, emocionante.
A diagramação é simples, as páginas são amareladas, as letras são grandes, o que torna a leitura fácil e rápida, e a tradução e revisão foram ótimas.
No mais, a história continuou bem empolgante e viciante, e estou ansiosa para ler a continuação "Spell Bound" que não faço ideia de quando será lançado aqui pra gente.